Casa Batlló, Barcelona, ​​Espanha

A Casa Batlló é um edifício projetado pelo arquiteto Antoni Gaudi, o mais alto representante do modernismo catalão, entre 1904 e 1907 está situado no número 43 do Passeig de Gràcia em Barcelona, ​​a ampla avenida que atravessa o bairro modernista no Eixample. Foi encomendado por Josep Batlló i Casanovas, empresário têxtil ligado à família Godó pelo casamento. A sua parte mais conhecida é a fachada, considerada uma das obras mais criativas e originais do arquitecto; combina pedra, ferro forjado, vidro quebrado e cerâmica policromada.

Gaudí teve para sua construção a colaboração dos arquitetos Josep Maria Jujol e Joan Rubió i Bellver para a realização da fachada, com os artesãos da forja os alemães Badia, os carpinteiros Casas e Bardés, o ceramista Sebastià Ribó e Josep Pelegrí (manchado fabricante de vidro).

A Casa Batlló é um reflexo da plenitude artística de Gaudí: pertence ao seu período naturalista (primeira década do século XX), período em que o arquitecto aperfeiçoou o seu estilo pessoal, inspirando-se nas formas orgânicas da natureza, para as quais se inscreveu praticar toda uma série de novas soluções estruturais originadas nas análises aprofundadas de Gaudí da geometria governada. A isso o artista catalão agrega grande liberdade criativa e uma imaginativa criação ornamental: partindo de um certo estilo barroco, suas obras adquirem grande riqueza estrutural, de formas e volumes desprovidos de rigidez racionalista ou de qualquer pré-clássico.

Parece que o objetivo do designer era evitar totalmente as linhas retas. Grande parte da fachada é decorada com um mosaico feito de ladrilhos de cerâmica quebrados (trencadís) que começa em tons de laranja dourado passando para azuis esverdeados. O telhado é arqueado e foi comparado às costas de um dragão ou dinossauro. Como tudo o que Gaudí projetou, a Casa Batlló só é identificável como Modernismo ou Art Nouveau no sentido mais amplo. O rés-do-chão, em particular, tem um rendilhado invulgar, janelas ovais irregulares e esculturas em pedra fluida. Existem poucas linhas retas, e grande parte da fachada é decorada com um mosaico colorido feito de ladrilhos de cerâmica quebrados (trencadís). O telhado é arqueado e foi comparado às costas de um dragão ou dinossauro. Uma teoria comum sobre o edifício é que o elemento arredondado à esquerda do centro, terminando no topo em uma torre e cruz, representa a lança de São Jorge (padroeiro da Catalunha, casa de Gaudí), que foi enterrada nas costas do dragão.

O nome local para a construção é Casa dels ossos (Casa dos Ossos), pois tem uma qualidade visceral e esquelética. O edifício parece muito notável, como tudo o que Gaudí projetou, apenas identificável como Modernismo ou Art Nouveau no sentido mais amplo. O piso térreo, em particular, é bastante surpreendente com rendilhado, janelas ovais irregulares e trabalhos em pedra esculpida fluidos.

fundo
O início do século XX foi caracterizado pela situação social e económica gerada a partir da perda das colónias espanholas em 1898, o que levou a um declínio a curto prazo para a economia espanhola, e especialmente catalã. A perda de Cuba resultou no repatriamento do capital catalão investido na ilha e permitiu o investimento no Principado, com um crescimento de 2,2%, bastante baixo se comparado a 1898, que havia sido de 5,5%. O principal mercado externo passou a ser os EUA, com 72% do mercado; portanto, o crescimento anual da indústria foi inferior aos crescimentos do final do século xix, quando o mercado colonial estava disponível. A crise de 1908 a 1912 deveu-se à dependência máxima do exterior, pois algodão, máquinas e fontes de energia precisavam ser importados.

O Passeig de Gràcia deve ser um eixo determinante no processo de restauração do projeto Eixample de Cerdà, e entre 1860-1890, contorná-lo para definir uma área residencial de baixa densidade composta em grande parte por edifícios de moradias isoladas, grandes mansões com jardins, mansões, como a Sama, a Robert, a Palau Marianao ou a família Marcet, hoje sede do Cinema Comèdia. Nos anos noventa, todo esse setor da cidade foi adquirindo gradativamente um destaque comercial que atraiu a burguesia e levou à substituição de moradias isoladas por prédios de apartamentos. O próprio Gaudí participara da decoração de duas lojas do calçadão: a Farmácia Gibert e o Bar Torino, ambos desaparecidos.

Entre 1900 e 1914 Passeig de Gràcia consolidou-se como o principal centro residencial burguês. A escala inaugurada em 1902, no entroncamento com a Carrer d’Aragó, permitia aos passageiros que chegavam de comboio uma paragem mais central do que a Estació de França. Em 1904, coincidindo com a conclusão das obras da Casa Batlló, o rei Alfonso XIII visitou Barcelona e a Juventude Monárquica, da qual Josep Maria Milà i Camps era presidente, decidiu que o melhor lugar para recebê-lo era o passeio da moda entre os ricos famílias. Quando Alfonso XIII viu o passeio ficou deslumbrado e numa visita posterior diria que “Madrid é muito bonita, mas Barcelona supera-a em duas coisas: o Tibidabo e o Passeig de Gràcia”.

Entre 1905 e 1906 a pista foi transformada quando finalmente colocaram o passeio de paralelepípedo, os bondes foram transferidos para as estradas vicinais e assentaram os conhecidos bancos-lanternas de Pedro Falqués. Josep Puig i Cadafalch já havia construído a Casa Amatller (1900) e no mesmo trecho o arquiteto Lluís Domènech i Montaner havia concluído a transformação da Casa Lleó Morera na esquina com a Carrer del Consell de Cent. Com esta remodelação venceu o concurso anual de construção artística de 1906. E enquanto estes arquitectos e as suas obras produziram uma atracção e um sinal de distinção entre os seus clientes, a ilha foi criticada pela imprensa satírica. O apelido popular de “pomo da discórdia” definia precisamente a rivalidade entre os arquitetos e, principalmente, suas fachadas. Quando Gaudí teve que resolver a tarefa, ele já sabia o que os outros haviam feito. Na verdade, a presença do arquiteto mais incrível de todos foi o elemento que deu origem a este nome.

A luta entre os arquitetos mais famosos da época atraiu muitos outros burgueses que queriam ter a casa no calçadão da moda. Em 1906 os Malagridas, que comercializavam com a Argentina, mandaram construir um edifício com cúpula no número 27, obra do mestre construtor Joaquim Codina i Matalí. Sagnier construiu a casa da família Mulleras ao lado da casa de Amatller, enquanto em 1905 a viúva Marfà concluiu a obra de estilo medievalista que ela havia encomendado a Manuel Comas na esquina com a Carrer de València. O forte impulso da burguesia de Barcelona foi fundamental para o desenvolvimento e expansão do movimento modernista que terminou na Europa por volta de 1905, enquanto na Catalunha durou mais uma década. Por outro lado, no resto da Espanha, o movimento praticamente não teve eco,

A revista madrilena Nuevo Mundo de 14 de fevereiro de 1907 descreveu a obra dos arquitetos modernistas catalães: “Apesar de ainda não atingir a perfeição ou pelo menos a justa conciliação do que é belo, harmonioso e útil, ou ainda constituindo em suas obras uma visão clara e precisa do uma arte própria, é um prenúncio de abundantes aptidões para alcançar este glorioso objetivo, do qual pode ser considerado o mais próximo do pitoresco e ousado Gaudí. Em resposta, o Iluminismo catalão publicou em 10 de março de 1907: «Os próprios espanhóis começam entregar-se à realidade e tratar e comentar, ainda que levianamente, as obras de Domènech, Puig i Cadafalch, Sagnier, Gaudí e tantos outros. »

Arquiteto
Antoni Gaudí i Cornet (1852 – 1926) foi um arquiteto catalão reconhecido internacionalmente como um dos gênios mais importantes em sua disciplina. Desde criança Gaudí foi um observador atento da natureza, cujas formas, cores e geometrias o atraíam. Ele trabalhou em nome de clientes privados para criar suas mansões privadas, como Casa Vicens ou Palau Güell, mas alguns de seus clientes, membros da burguesia emergente na virada do século, encomendaram-lhe edifícios multifamiliares, três deles em Barcelona: a casa Calvet, Casa Batlló e Casa Milà. A evolução da obra de Antoni Gaudí parte dos primórdios do gótico para transcender e abandonar o neogótico e criar uma obra de seu próprio estilo que é essencial para a arquitetura moderna e é considerada o principal expoente do modernismo catalão. Componentes geométricos e estruturais desempenham um papel central em seu trabalho. A Sagrada Família, La Pedrera, Parc Güell, Colònia Güell e Casa Batlló representam figuras-chave da arquitetura modernista em Barcelona.

Gaudí destacou-se no uso de todas as artes aplicadas para a decoração de seus edifícios e na recuperação para a ornamentação do antigo mosaico transformado por Gaudí em trencadís, transformado em uma nova técnica. Ele exibiu uma importante troca de valores intimamente associados às correntes culturais e artísticas de sua época, representadas no Modernismo Catalão. Antecipou e influenciou muitas das formas e técnicas que influenciariam o desenvolvimento da construção moderna no século XX. A obra de Gaudí representa a genialidade do arquiteto, expressando qualidades espaciais particulares e a plasticidade das linhas ondulantes e a harmonia de cores e materiais, tanto nas estruturas arquitetônicas quanto nos elementos esculpidos.

Els Batlló
Josep Batlló i Casanovas (? – Barcelona, ​​10 de março de 1934), era um empresário têxtil, filho de Feliu Batlló Masanella e Josefa Casanovas i Duran, que tinha dois irmãos: Thomas e o Alejo. Casou-se em 14 de maio de 1884 com Amàlia Godó Belaunzarán, filha de Bartomeu Godó i Pié, político ativo do Partido Liberal e empresário, deputado por Igualada, e membro da família dos fundadores do jornal La Vanguardia e o Godó da indústria da juta.

A celebração do casamento dos dois jovens da burguesia catalã do final do século XIX começou com a despedida de solteiro do noivo no “Restaurante de Francia” na Plaza Real no. 12, fundado por Msr. Justin, fato que foi captado pela imprensa. Em 17 de julho de 1901, José M. Llaudet Bou, S. em C. de C. de Sant Joan de les Abadesses ingressou como sócio em nome da empresa, com um capital inicial de 325.000 pesetas. Seu sócio fundador foi Josep Maria Llaudet Bou. O pai de Josep Batlló, Feliu Batlló i Massanella, era um fabricante de têxteis catalão com várias fábricas. Este ramo familiar dos Batllós não estava, no entanto, diretamente ligado aos proprietários do antigo Vapor Batlló, nem de Can Batlló (Carrer Urgell), hoje Escola Industrial de Barcelona, ​​que foram criadas pelo ramo Olot dos Batllós.

Além do negócio têxtil, teve uma estreita relação com La Vanguardia, devido à sua relação familiar como primo político de Ramón Godó i Lallana, primeiro conde de Godó. Ele morreu em Barcelona em 10 de março de 1934.

Construindo história

Edifício anterior
A Casa Batlló é o resultado da renovação total de uma antiga casa convencional construída por encomenda por Lluís Sala Sánchez em 1875 pelo arquitecto Emili Sala i Cortés, o mesmo que construiu a casa de Emília Adrià, mesmo ao lado, na esquina com Carrer d’Aragó e que, com modificações, ainda se conserva. Era um edifício sem particularidades dentro do ecletismo tradicional do final do século XIX. Em 1900 a propriedade foi adquirida por Josep Batlló. Pensa-se que nesta altura já existia uma casa de fazenda, pois no porão havia uma caverna usada como refrigerador e que Gaudí queria preservar.

Sala i Cortés foi o autor das casas Elizalde e Emilia Carles (hoje hotel Ducs de Bergara) e de notáveis ​​mansões de verão em La Garriga. Ele era parente de Gaudí quando era seu professor na Escola de Arquitetura de Barcelona e também porque ocasionalmente o contratava como desenhista.

Projeto de reforma
O projeto de reforma foi encomendado por Josep Batlló e sua esposa Amàlia Godó Belaunzarán, que solicitaram a licença em 7 de novembro de 1904. Outro ramo da família Batlló havia encomendado outras casas de Josep Vilaseca i Casanovas. Especificamente, Casa Pia Batlló na Gran Via e Rambla de Catalunya, Casa Àngel Batlló na Carrer de Mallorca 253-257 e Casa Enric Batlló no número 259-263 na mesma rua na esquina com Passeig de Gràcia, todas elas de um eclético estilo com elementos da estética modernista. Mas Josep Batlló queria se destacar e escolheu Antoni Gaudí, o arquiteto inovador do conde Güell e vencedor da primeira edição do concurso anual de edificações artísticas com a Casa Calvet, em 1900.

A tarefa inicial era demolir o prédio e fazer um novo; entretanto, Gaudí convenceu Batlló a mantê-lo e fazer uma transformação reformando apenas a fachada. A intervenção acabou por ir mais longe, pois envolveu uma grande reorganização dos espaços, com mais ventilação e iluminação natural, mais dois pisos e a remodelação do sótão e cobertura. Essa transformação passou de 21 metros de altura e 3.100 m para a ocupação atual com um total de 4.300 m com 450 m de área superficial por planta, altura de 32 metros e 14,5 metros de largura. A remodelação da fachada foi o objecto inicial da remodelação e Gaudí substituiu-a totalmente no rés-do-chão e primeiro andar por uma estrutura de pedra de Montjuïc com formas onduladas. O resto foi picado para dar uma forma ondulada verticalmente.

Para desenhar o edifício o arquitecto fez alguns planos, mas a sua fórmula de design materializou-se num modelo de gesso que criou com as próprias mãos para concretizar as formas sinuosas da fachada, um meio de explicar a sua visão muito mais prático do que os planos. O lado esquerdo do último andar é recuado, criando uma assimetria em relação ao lado direito, muito mais quadrado. Gaudí decidiu trocar um quarto do último andar por um terraço para criar um espaço especular com os degraus da Casa Amatller. O construtor Josep Bayó narrou as palavras de Gaudí: “Não faremos o que ele pensou para não melhorar o que está ao lado, que também desfrutaremos. Aqui uma torre, ali uma tribuna…”. À direita conduzia ao perfil da coroa até encontrar a cobertura do edifício vizinho (também da arquiteta Emili Sala i Cortés), mais alto do que o da esquerda. Infelizmente, na década de 1960, esse prédio foi reconstruído com muito pouco respeito pela Casa Batlló.

O projeto foi fortemente questionado pelas autoridades municipais da época e a Câmara Municipal de Barcelona, ​​em abril de 1906, ou seja, dois anos após o pedido de licença, ordenou a interrupção das obras “por não ter autorização”. Longe de interromper as obras, que estavam praticamente concluídas, os proprietários responderam logo em seguida com o pedido de autorização para o aluguel dos apartamentos. Mesmo com a reforma concluída, a Câmara Municipal só lhe concedeu o “alvará de construção” sete anos depois, em 18 de fevereiro de 1913. O confronto com as autoridades não acabou aqui, pois Josep Batlló não acertou a contribuição para o Tesouro. até 1920 porque discordou da avaliação feita pelos técnicos do ministério e encomendou uma contra-avaliação ao ‘,

Quando a construção estava praticamente concluída, Pere Milà visitou o sócio de seu pai no negócio de maconha – Josep Batlló – quando o “Can Batlló” estava sendo construído, ele concordou com Gaudí e garantiu-lhe que a próxima peça serviria para ele.

Colaboradores
Gaudí teve seus arquitetos auxiliares que já colaboraram com ele na Sagrada Família, Francesc Berenguer i Mestres (1866-1914), seu assistente imediato, e Domènec Sugrañes i Gras (1879-1938) e Josep Canaleta i Cuadras (1875-1950), quem foram os editores do projeto. Também contou com a colaboração dos escultores Josep Llimona i Bruguera, que fez as figuras para o oratório, Carles Mani i Roig, que também fez Cristo crucificado para o oratório; Joan Matamala i Flotats executou os trabalhos em pedra da fachada e Joan Beltran foi a escultora modelo. A participação de Josep Maria Jujol como assistente de Gaudí tem como foco o desenho das portas de madeira e demais decorações e pinturas do primeiro andar da capela. Para a capela fez também, numa pequena oficina que tinha na casa de Milão, alguns lustres de barro. Contudo,

O mestre construtor foi Josep Bayó i Font, que contratou pela primeira vez para realizar o Primeiro Mistério da Glória de Montserrat e que mais tarde seria também o construtor da Casa Milà. Seu irmão Jaume, um arquiteto que trabalhou com Domènech i Montaner, que foi o autor da casa Baurier em Carrer d’Iradier em Barcelona, ​​colaborou neste trabalho. A carpintaria foi executada pela oficina de marceneiros “Casas i Bardés”, que fez as elaboradas portas e janelas do piso principal e a muito complexa escadaria principal, que foi praticamente construída “in situ” e foi “ajustada” “por Gaudí várias vezes. A execução dos móveis desenhados por Gaudí também é obra destes artistas. Embora a sua durabilidade seja óbvia, o custo desta peça deve ter sido considerável,

Os trabalhos em ferro forjado nas grades e varandas foram executados pelos irmãos Lluís e Josep Badia i Miarnau. Os irmãos Badia fizeram um trabalho notável nas obras de Gaudí, como a espetacular porta do Palau Güell e as varandas da Casa Milà. Sebastià Ribó fez as grandes peças de cerâmica da cumeeira e os azulejos azuis colocados como escamas na fachada, seguindo a técnica de reboco, além de misturar o barro com o verniz. Ele tinha sua oficina na rua Dos de Maig. A cerâmica em série foi feita na Fábrica Pujol i Bausis. A cúpula e a cruz que arremata a torre foram realizadas na fábrica “A Roqueta de Santa Catalina” de Palma.

O vidro quebrado usado na fachada foi cedido gratuitamente pela Tallers Pelegrí, que ficava na Gran Via, próximo à Plaça Espanya. Foram os mesmos artesãos responsáveis ​​pela realização dos vitrais interiores com chumbo do edifício, tanto na parte superior das portas como na grande janela do piso principal com vidros poligonais e peças circulares e com um volume de cores intensas .

Proprietários e atividades comerciais
O edifício responde ao modelo de “casa de aluguel” projetado para morar os proprietários em sua maioria com inquilinos nos outros andares, uma fórmula que foi aplicada a grande parte da arquitetura desta parte da “nova cidade” no final do século XIX. . A autorização de arrendamento dos apartamentos foi apresentada à Câmara Municipal de Barcelona em 13 de outubro de 1906, data em que foram concluídas as obras. Quando Amália Godó morreu em 1940, o prédio foi herdado por suas filhas Mercedes e Carmen. Eles venderam a propriedade em 1954 para a Sociedad Iberia de Seguros. Esta seguradora o utilizou como sua sede e fez algumas restaurações.

Em 1989, um longo processo de venda começou com uma oferta de 10 bilhões de pesetas (~ € 60,1 milhões) do banco japonês Sumittomo, que terminou em frustração. Em 1991, o presidente da seguradora, Enric Bernat, conhecido como proprietário da Chupa Chups, confiou à Sotheby’s a operação de venda com um preço inicial de 10 bilhões de pesetas, tudo e que a avaliação feita por esta mesma entidade foi de 13,7 bilhões de pesetas (~ 82,3 milhões de €). Um ano depois, e devido ao preço alto e à crise do setor imobiliário, ainda estava à venda. Bernat comprou 22,5% da seguradora Iberia e assumiu o controle total da empresa no verão de 1992. Finalmente, dada a falta de compradores e as dificuldades econômicas que a seguradora estava passando, foi a própria família Bernat quem adquiriu o prédio por 3,6 bilhões de pesetas (~ € 21,6 milhões).

Locatários comerciais
Quando em 1905 a cineasta francesa Pathé Frères decidiu se mudar para Barcelona, ​​ele escolheu o andar térreo da Casa Batlló. A fotografia foi uma das novas tecnologias em expansão, junto com o telefone, já que Domenech i Montaner queria destacar as esculturas no andar principal da casa Lleó Morera. Além disso, o movimento das classes abastadas para o Eixample mudou a centralidade da atividade em Barcelona e os fotógrafos famosos mudaram-se para Passeig de Gràcia: Antoni Esplugas mudou para o número 25 de sua antiga localização na Plaça del Teatre, e Pau Audouardhe tinha ido para a casa vizinha León Morera, com uma grande inauguração de seu estúdio em 6 de julho de 1905. Assim, a distribuidora de um produto tão inovador como o cinema optou por se instalar em um lugar de destaque e muito próximo de seu potencial clientes.

A partir de 1922, o armazém Martignole, propriedade de Emilio e Margarita Martignole, foi instalado no piso térreo. O estabelecimento tinha sede em 10 Carrer Escudellers, onde a empresa havia sido fundada com o nome de “El Colmado” em 1810. Em 1849 era dirigida pelo genro do fundador, Émile Martignole, um francês nativo de Cavanac perto de Carcassonne, que foi presidente da Câmara de Comércio Francesa de Barcelona e que faleceu em 1905, deixando o negócio para dois de seus 5 filhos. O Emile iria incorporar inovações no negócio e o local deixou de ser uma mercearia, onde havia de tudo – conservas, vinhos e bebidas espirituosas, medicamentos -, para ser uma charcutaria, o principal fornecedor da burguesia graças aos vinhos e outros produtos importados, como “queijo de carne” holandês.

Em 1930, após a consolidação da loja situada no rés-do-chão da Casa Batlló, as instalações originais dos Escudeller foram encerradas. O negócio desapareceu pouco antes da Guerra Civil Espanhola devido a divergências sobre a patente da gelatina entre Emilio, que o havia renovado em 1914, e o marido de sua irmã Margarita, Émile Berthelier, que dirigia o negócio. Ao longo da “Gelatina Martignole” continuou a ser fabricado até a segunda metade do século XX distribuído pelos laboratórios Vidal Ribas, SL.

Após o período de guerra durante o qual a casa Batlló foi confiscada e a família partiu para a Itália, em 1º de janeiro de 1940, foi inaugurada no térreo a Galeria de Arte SYRA, propriedade de Montserrat Isern e que antes da guerra havia sido instalada na rua Diputació 262. A galeria foi decorada por Alexandre Cirici e transformada pelo arquiteto Pere Ricart Biot. Existiu até o final da década de 1980, após a morte de seu dono em 9 de julho de 1986. Artistas como Josep Amat, Pere Daura, Grau Sala, Joaquim Sunyer, Francesc Gimeno, passaram por esta galeria.Josep Granyer i Giralt, Rafael Benet i Vancells ou Josep Guinovart, que aqui expôs pela primeira vez. A sensibilidade de Montserrat Isern foi uma janela para pintores como Àngels Santos, Olga Sacharoff e Soledad Martínez.

Entre 1930 e o final do século XX, os Laboratórios Roca de Viñals, dedicados às análises clínicas, foram instalados no quarto andar. Nos anos 1980 eram dirigidos pela Cátedra Dr. Alfonso Vidal-Ribas, parente distante de Teresa Vidal-Ribas, nora de Josep Batlló i Casanovas. Em 22 de fevereiro de 1942, a empresa Producciones y distribuciones Chamartin, dedicada à distribuição de filmes, principalmente da produção espanhola do pós-guerra, mudou-se para o andar principal. A filial de Barcelona da produtora montou sua fábrica de cartuns no apartamento de Batlló. Em 1958 mudou-se para o comandante de Mallorca 213.

Restaurações
O desaparecimento do gosto pelo modernismo, atacado sobretudo pelos noucentistas e pelas vanguardas que defendiam a simplicidade e o funcionalismo, reduziu o interesse pela obra de Gaudí que se sacrificou em prol do conforto dos tempos modernos e das necessidades funcionais das empresas que aí se instalaram. , modificação de paredes e redução de tetos. Na década de 1980, houve uma recuperação da sensibilidade em favor do modernismo. Pouco depois da mudança de proprietário em 1954, a Sociedad Iberia de Seguros realizou uma restauração entre 1960 e 1970. Na ocasião, foi feita a limpeza da fachada principal, incluindo os elementos de pedra de Montjuïc.

Em 1981, por ocasião da celebração do 75º aniversário da inauguração, foi recuperado o sótão e recuperado o espaço interior, que se encontrava degradado por inutilização, passando a ser uma mera sala de maus lugares sem importância. As formas originais dos arcos, a sua cor branca, foram recuperadas e foi instalada uma iluminação que valorizava as formas e valorizava esteticamente um espaço criado para servir a funções domésticas. A obra, concluída em março de 1981, incluiu a troca do pavimento com o reaproveitamento de peças de mosaico recuperadas dos apartamentos da reforma de Gaudí em 1904.

Em 1983, as grades das varandas foram restauradas à sua cor marfim original, que havia sido revestida de preto. A mudança, apesar de respeitar mais o original, foi uma surpresa depois de tantos anos com a cor acrescentada. A partir de 1989, as estruturas são reforçadas, sendo ainda restauradas as fundações do edifício original, o rés-do-chão e todas as clarabóias que permitem a entrada de luz natural na cave e rés-do-chão. O teto é decorado com ondulações Jujolianas, resultado do refazer das abóbadas para alinhá-las com a projeção solar na fachada e assim aproveitar melhor a luz. É construída uma escada que liga os espaços dedicados às salas do rés-do-chão e à cave. A fachada posterior é restaurada com a limpeza e revisão de toda a decoração trencadiana e o terraço do piso principal é restaurado: piso hidráulico, grades e parede inferior com floreiras de cerâmica. Em 1992, foram restauradas as portas exteriores do rés-do-chão e tratado o pavimento da cobertura e a conduta da chaminé.

Em 1994 ocorreu a mudança de propriedade com a saída da Sociedad Iberia de Seguros e a transferência para a família Bernat. A partir de 1987 a Casa Batlló foi restaurada pela equipe de arquitetura de Josep Maria Botey, que se desvinculou da obra em 1994 por não concordar com algumas propostas dos novos proprietários, a família Bernat. Segundo o arquitecto, não foi aceite fazer o restauro com critérios museológicos, ou seja, diferenciar perceptivelmente a obra original da adicionada ou simulada. Ao sair do projeto, Nina Bernat, da família proprietária do prédio e designer de interiores, contratou Joan Bassegoda i Nonell, diretor da Cátedra Gaudí, para continuar os trabalhos.

Desde 1998, o primeiro andar foi totalmente restaurado, reforçando a estrutura do seu piso, substituindo as vigas de madeira deterioradas do edifício original de 1875 que tinha sido reciclado por Gaudí, uma intervenção que, claro, restaurou a cobertura do andar nobre. O elevador foi restaurado em 1999 e foi realizada uma operação de consolidação da fachada, que apresentava áreas com risco de deslizamento. A partir do ano 2000, e em preparação para a celebração do ano Gaudí 2002, foi realizada uma intensa restauração da fachada com recuperação de vidros e trencadís, juntas regeneradas sem argamassa e foi feito um tratamento fungicida. As varandas, carpintarias e peças de cerâmica redonda quebradas foram inspecionadas e reparadas.

Foi também aplicado um tratamento hidrorrepelente na pedra arenosa de Montjuïc e foram reproduzidas as cores originais ouro e baunilha dos bares e base das varandas. Os pátios internos foram revisados ​​e limpos, substituindo alguns pedaços quebrados; foi restaurada a carpintaria dos vãos que dão para os pátios, bem como as portas e os postigos das portas de entrada dos apartamentos. Depois do Ano Internacional de Gaudí 2002, continuou o esforço de recuperação do sótão, do telhado e das chaminés, onde, em 1981, já tinham sido realizadas as obras de limpeza e consolidação. Nesta ação, os pavimentos hidráulicos são restaurados, toda a carpintaria é recuperada e a cobertura superior é revista.

Uso atual
Em 1995 foi inaugurada a remodelação, que converteu 1.830m2 (cave, rés-do-chão e primeiro andar) em espaço disponível para eventos sociais. Além da organização de eventos para empresas ou pessoas físicas, a casa está aberta à visitação desde o dia 19 de março de 2002 coincidindo com o ano de Gaudí. As visitas podem ser feitas todos os dias do ano e contam com um sistema de audioguias que detalham o processo de construção e a interpretação artística da obra de Gaudí. Tendo sido recuperados novos espaços – como o sótão ou a cobertura-, estes foram incorporados na visita e agora pode visitar a quase totalidade do edifício (piso nobre, terraço traseiro, primeiro andar, sótão, cobertura, etc.), exceto nos pisos superiores que são habitados ou ocupados por escritórios da empresa que a dirige. Os espaços do rés-do-chão e da cave, dedicados à organização de eventos, também não fazem parte da visita. Em 2011, recebeu cerca de 600 mil visitas.

No primeiro piso, juntamente com o serviço de cafetaria e a loja de merchandising, existe um espaço dedicado ao mobiliário de Gaudí que inclui reproduções fiéis de peças da Casa Batlló e da Casa Calvet, constituindo um complemento ideal para compreender melhor o quotidiano da casa quando foi criado. Desde junho de 2000, a Casa Batlló está incluída na Rota do Modernismo, uma iniciativa da Câmara Municipal de Barcelona para reconhecer e promover o patrimônio arquitetônico de Barcelona. Por ocasião do décimo aniversário da abertura ao público da Casa Batlló, em outubro de 2012 foi realizada uma mostra de videomatografia em sua fachada com o nome de O Despertar da Casa Batlló onde as diferentes interpretações e simbolismos do edifício: lagoa de nenúfar, janelas escancaradas, o dragão animado jogando fogo e lutando com St.

O edifício
Para além das diferentes interpretações de áreas ou detalhes específicos desta obra, a Casa Batlló, dentro da linha naturalista do autor, inspira-se no meio marinho. A variedade das suas cores e espécies compõe a tese com um predomínio proeminente do azul do mar e do ocre das rochas, um azul que aparece ligado à decoração cerâmica, à fachada, átrio ou aos pátios interiores. Segundo o historiador Juan José Lahuerta, “o interior da casa torna-se um ponto de encontro para o homem que enfrenta as multidões da cidade e luta em um mundo competitivo, uma espécie de caverna subaquática onde se reunir, onde encontrar um espaço íntimo, como mostra a obra de Júlio Verne (muito popular na época e falecido em 1905 coincidindo com a construção do prédio), o herói, o homem moderno e conquistador tem duas realidades: um exterior, cósmico, sem limites e um íntimo onde se recolhe na caverna, no seio materno da terra; natureza, razão e história convergem neste trabalho. ”

Fachada
A fachada apresenta três partes muito diferentes, apesar de estar harmoniosamente integrada. A parte superior, um pouco recuada em relação ao traçado da rua, é uma espécie de cumeeira com peças cerâmicas características que têm suscitado múltiplas interpretações. A parte central, que chega ao último andar, é uma tapeçaria multicolorida da qual sobressaem as varandas. A parte inferior com o rés do chão, o piso principal e as duas galerias do primeiro piso são construídas por uma estrutura de grés de Montjuïc com formas onduladas. A parte superior do edifício é um coroamento, uma espécie de imensa empena, que fica ao nível da cobertura e permite disfarçar a divisão onde se encontravam as cisternas e que actualmente é uma divisão vazia.

Seu perfil lembra o dorso arqueado de um dragão, onde os azulejos de cerâmica seriam as escamas. O monstro mítico tem a cabeça do lado direito onde uma pequena janela triangular na estrutura simula seu olho. Diz a lenda que a orientação desta janela permitiu a Gaudí observar a Sagrada Família que estava a construir simultaneamente, uma visão hoje impossível para os novos edifícios. As peças com reflexos metálicos que simulam as escamas do monstro variam em cor do verde do lado direito, onde começa a cabeça, ao azul profundo e roxo na grande parte central, e por fim ao rosa avermelhado e intenso. no lado esquerdo. As peças de cerâmica, colocadas sobrepostas como se fossem ladrilhos, são feitas com uma nova técnica que Gaudí e Domènech i Montaner recuperaram ao estudá-las numa oficina no Valência.

No topo do prédio, como se simulando a espinha do dragão, você pode ver dois tipos de peças de formas muito originais. Alguns são ladrilhos em forma de segmento de torre senoidal que cobrem a estrutura e são feitos de cores semelhantes às escamas que cobrem, e outros são ladrilhos em forma de cotovelo de armadura de guerreiro que cobrem as juntas dos anteriores. Eles variam em cor de laranja no lado direito, verde no centro e azul no esquerdo. Talvez um dos elementos mais marcantes da fachada seja a torre coroada por uma capota de cerâmica que, por sua vez, é rematada por uma cruz de quatro braços orientada para os pontos cardeais como os que o autor também fez no Parque Güell. É uma forma bulbosa que evoca o elemento radical da vida vegetal. Um imenso bulbo de raiz tem uma segunda forma análoga que lembra o tálamo da flor,

A torre, onde está “plantada” o bolbo da cruz flor, é decorada com os monogramas de Jesus (JHS), Maria (M com a coroa ducal) e José (JHP), feitos de peças de cerâmica dourada que se destacam no fundo verde que cobre a fachada. Estes símbolos mostram a profunda religiosidade de Gaudí, que escolheu o tema da Sagrada Família inspirado na construção do templo expiatório que fazia simultaneamente a esta obra. A cuculla e a cruz foram feitas em Maiorca e quando chegaram já tinha algumas peças partidas, talvez por transporte. Apesar do compromisso do fabricante em fazer as peças quebradas novamente, Gaudí considerou a estética trencadiana atraente e pediu ao pedreiro que as colasse com argamassa de cal e as fixasse com um anel de bronze.

A parte central apresenta um desenho atraente e poético de temas aquáticos que evocam a superfície de um lago com nenúfares, típico das Ninfas de Monet, com suaves ondulações e reflexos produzidos pelo vidro e pela cerâmica em quebradiço. É uma grande superfície ondulada coberta por um gesso de fragmentos de vidro colorido combinados com 330 discos redondos de cerâmica policromada que foram desenhados entre Gaudí e Jujol testados durante as suas estadias em Maiorca, quando trabalhavam na reforma da Catedral de Palma. Alguns desses registros remanescentes foram reaproveitados na margem do Parque Güelland na nascente do jardim da “casa do sacerdote”, na Colônia Güell.

As grades das varandas são feitas de ferro fundido e para seu projeto Gaudí fez uma maquete em tamanho real nas oficinas da Sagrada Família antes de passá-la para a fundição. São oito peças, sete iguais e uma maior que se encontra no pequeno terraço à esquerda do último andar. Eles são pintados em marfim e têm tiras de aço do corrimão torcidas em espiral para cobrir os orifícios. As varandas do primeiro andar e as duas do segundo andar acima das arquibancadas possuem balaustradas helicoidais e grades de mármore de Carrara embutidas na estrutura de pedra lobulada de Montjuïc e com decoração floral sóbria. Por fim, no topo da parte central da fachada existe uma varanda mais pequena, também em ferro fundido, que corresponde à saída exterior do sótão e tem uma estética diferente das restantes, mais perto de uma flor de nenúfar que flutua no Lago Monetary; de cada lado, dois braços de ferro permitiam que polias fossem instaladas para mover os móveis para cima e para baixo.

Esta parte central da fachada é, sem dúvida, a contribuição mais interessante e discutida. Segundo Ignasi de Solà-Morales, o desenho da fachada é de Gaudí (formas curvas, caveiras nas varandas, brasão de dragão, etc.), mas a solução da cor ficou a cargo de Jujol, a quem Gaudí confiou no domínio de cor.

A fachada do piso principal, inteiramente em grés, apresenta formas arredondadas sustentadas por duas colunas com fuste que se alarga triangularmente no topo sem formar capitel e que formam três grandes vãos. O design é complementado por uma elegante carpintaria nas janelas combinada com vitrais multicolores. Diante das grandes janelas, como se fossem adereços que sustentam a complexa estrutura de pedra, há seis finas colunas simulando dois longos ossos de membros, fêmures ou úmeros, com uma aparente articulação central que na verdade é uma decoração floral. As formas arredondadas das fendas e o aspecto dos lábios com que é trabalhada a pedra à sua volta conferem-lhes um aspecto próximo de uma boca totalmente aberta, razão pela qual foi descrita como a “casa dos bocejos”.

Para Bassegoda, na obra de Gaudí os fragmentos sugerem continuidade; a sua fachada pode estender-se lateralmente indefinidamente em oposição ao espaço fechado dos poliedros regulares que constituem os edifícios tradicionais.

Saguão e escadas
A entrada principal é sóbria, fechada por portas de ferro forjado pintadas em marfim e ouro semelhantes a varandas, pintura de cerejeira que Gaudí utilizou noutras ocasiões para se proteger da oxidação. Os restantes vãos do rés-do-chão correspondem ao acesso à cave, duas janelas com respiradouros na cave que teriam sido em minas de carvão e porta de comércio no rés-do-chão. Originalmente, apenas a porta da escada era de ferro, como a atual, já que as portas do porão e da loja eram feitas de madeira pela casa Eudald Puntí na Carrer de la Cendra. Atualmente todos possuem caixas de ferro homogêneas à entrada principal. O lobby é decorado com uma passarela de cerâmica com peças em azul claro e branco. Ao fundo está uma pequena distribuidora, na base de um dos pátios internos que fornece iluminação natural.

A escadaria dos vizinhos sobe rodeando o elevador e a meio dos dois pátios interiores, o que confere uma luz invulgar à escada, habitualmente situada como uma caixa central fechada e escura. Aqui, por outro lado, a escada não é fechada por paredes, mas por grades e uma estrutura de vidro translúcido. Em cada patamar existem duas portas de carvalho talhadas a goiva, com uma letra dourada da caligrafia de Gaudí pintada no pé e a indicar o pavimento em questão, uma fórmula alternativa à tradicional numeração do pavimento e da porta. As letras variam de “A” a “I”. O “G” de Gaudí tem uma grafia especial. A escadaria principal que permite o acesso directo ao piso principal, casa dos Batllós, parte de um átrio privado ao fundo da entrada, cerca de 20 metros quadrados com paredes onduladas que, sem cantos ou cantos, forma um continuum com o telhado dando-lhe o aspecto visual de uma cavidade natural. Duas grandes claraboias de vidro decoradas com hexágonos, como se fossem um favo de mel, iluminam o espaço.

A majestosa escadaria é feita de madeira de carvalho e incorpora peças recortadas no final dos degraus que evocam as vértebras de um animal pré-histórico. A concatenação dessas peças em uma espiral sinuosa que gira quase 180 ° compõe a espinha do monstro gigante em sua caverna. O corrimão, que percorre toda a escadaria, tem nas suas extremidades elementos decorativos formados por um poste de metal com uma esfera de vidro vermelha envolvida por duas fitas de ferro que sustentam uma coroa na esfera.

Loft
O loft é considerado um dos espaços mais inusitados. Antigamente, era uma área de serviço para os inquilinos dos diferentes apartamentos do edifício que continham lavanderias e áreas de armazenamento. É conhecida pela simplicidade das formas e pela influência mediterrânea através do uso do branco nas paredes. Contém uma série de sessenta arcos catenários que criam um espaço que representa a caixa torácica de um animal. Algumas pessoas acreditam que o desenho da “caixa torácica” dos arcos é a caixa torácica da espinha do dragão, que está representada no telhado.

Andar principal
O primeiro andar é diferente dos restantes e exigiu uma intervenção muito importante. Foi a casa dos Batllós e Gaudí deu-lhe especial atenção com uma interessante disposição dos tectos e uma decoração muito elaborada, jogando com luzes e sombras nos diferentes espaços e dando formas onduladas a todas as divisórias. A fachada aqui é de pedra, com uma galeria onde as janelas têm formas onduladas e totalmente diferentes e os pilares têm a forma de ossos com juntas. Ele é acessado diretamente pela escada principal, na parte de trás do saguão. No final desta escada em caracol, você chega a um corredor que atua como um distribuidor; por trás de uma primeira porta chega-se à sala da lareira, fabricada nas oficinas Ramon Reguant. É uma sala ao serviço da estética desta casa que, embutida na parede,

Todo o conjunto é circunscrito sob um arco com perfil de cogumelo em grés refratário. Este desenho com assentos em frente ao fogo simboliza a união da família e inspira-se nos espaços de cozinha das quintas rurais onde sob uma grande saída de fumos ficava o fogo, o caldeirão suspenso e os assentos para sentar. ali perto do fogo. A versão urbana deste aplicativo teria como objetivo ter um espaço “recolhido” para festejar casais, em um dos bancos, reservando o outro para quem “agisse como uma vela” e se preocupasse com a moralidade. Casa Burés em Barcelona tem lareiras com bancos à frente, embora com uma decoração muito mais modernista, ao contrário do gosto rústico que Gaudí queria dar a esta sala. O resto das paredes é em estuque e inclui folha de ouro formando uma espécie de crepitação que simula os desenhos de um mosaico.

A grande sala central é um grande espaço aberto localizado na parte central da fachada principal. A sua janela de perfil sinuoso foi pensada para “ver e ser visto” com óculos na parte inferior, decoração baseada em vitrais redondos de diferentes tons de azul na parte superior e, na faixa central, janelas abertas. de guilhotina que são abertas por meio de um conjunto de contrapesos que se escondem nas pontas. Não existem montantes entre estas janelas e quando são abertas todas de uma vez deixam a vista da rua sem quaisquer obstáculos visuais. Esta solução seria mais tarde usada no projeto da “janela de corrida” de Le Corbusier na Villa Savoye. O conjunto desta janela corresponde, de facto, à galeria que se projeta cerca de um metro da parede de suporte da fachada,

De cada lado da sala existem duas divisões mais pequenas que dão para a rua através das janelas laterais da grande montra que é a janela deste piso. A da direita é uma sala mais intimista que também se acede pela sala da lareira, que se comunica com a central por portas onduladas de carvalho também com discos circulares de vidro que podem ser abertos. é completamente para formar um único ambiente. A cobertura é um céu plano com relevo de gesso em forma de redemoinho que lembra o ambiente marinho da casa e sugere a ideia de geração da natureza. No centro da espiral encontra-se um candeeiro espectacular que, embora não seja actualmente a peça original, o seu desenho dá-nos uma visão heliocêntrica do tecto do espaço.

No outro extremo do andar, voltado para a fachada posterior voltada para o terraço, fica a sala de jantar privativa do Batlló. A sua carpintaria e fachada de vidro foram desmanteladas por razões funcionais quando o edifício foi dedicado aos escritórios. Em 1991 foi feita uma reprodução que nos permite ver a sala hoje com a mesma imagem original. A forma do céu plano desta sala tem a forma do respingo produzido por uma gota com as gotas que ela gera formando uma coroa. Junto à saída para o jardim encontra-se um par de colunas gémeas inspiradas nas do Pátio dos Leões da Alhambra de Granada, com a base e o capitel arredondados, mórbidos, como se desgastados pela erosão. Eles são rebocados ao fogo com um estalo semelhante ao encontrado em outras salas, mas neste caso com uma combinação policromada com cores pastel quentes.

caixas de som
Dentro do grande salão do andar principal com vista para a fachada do Passeig de Gràcia havia um oratório localizado na forma côncava da parede posterior; era fechada com grandes painéis de madeira que facilitavam a conversão da sala em capela, solução que Gaudí já havia utilizado no Palau Güell. Continha um pequeno altar e um retábulo de carvalho com a Sagrada Família de Josep Llimona i Bruguera, onde o Jesus adolescente é visto beijando a mão de São José em frente a uma mesa de carpinteiro enquanto a Virgem observa a cena. Na moldura dourada do retábulo desenhado por Gaudí aparece a palavra “amém” escrita na parte superior e verticalmente de cada lado, junto com o anagrama “JMJ” em referência a Jesus, Maria e José. Havia também um crucifixo de metal do escultor Carles Mani i Roig, de Tarragona,

O crucifixo do Cristo da Vencimento feito por Mani fora feito a partir dos estudos de Gaudí sobre a posição exata do corpo dos condenados à cruz, assunto sobre o qual o arquiteto fez vários modelos em gesso, um deles está preservado em a casa-museu de Gaudí no Parc Güell. O retábulo foi desmontado e permaneceu na posse da família, em Madrid, durante muitos anos, e desde 2001 encontra-se no museu da Sagrada Família.

Pátios internos
Os pátios internos são um dos elementos mais inovadores da reforma estrutural do edifício. O arquitecto entendeu que para constituir um espaço unitário atractivo à sensibilidade humana era necessário suprimir os ofuscamentos que podiam quebrar o todo e decidiu compensar as diferenças naturais de iluminação entre o superior e o inferior com um gradiente engenhoso da cor do a cerâmica que reveste as paredes que vai do azul cobalto ao branco, de cima para baixo, obtendo num procedimento de condicionamento cromático precoce um efeito de cor uniforme ao contemplá-lo desde o piso térreo. Aplicando a mesma lógica, Gaudí concebeu as janelas maiores como estão abaixo. Além do que, além do mais,

A parte superior dos pátios possui uma cobertura de vidro com cerca de 30 cm de altura. para permitir a ventilação, ao mesmo tempo que isola o interior dos pátios da chuva. As janelas de vidro da cobertura, localizadas nas duas faces, apoiam-se no centro sobre uma estrutura de alvenaria que atravessa o pátio e permite o acesso ao tráfego para a limpeza dos vidros. A carpintaria que dá ao celobert é uma combinação de pinho melis no interior e, no exterior, de castanheiro.

Fachada traseira
A fachada posterior é adornada com trencadís multicoloridos desenhando guirlandas e buquês de flores como se fossem escaladores escalando do terraço em sua base. A coroação apresenta uma forma ondulante de grande dinamismo que mais uma vez recorda a inspiração marinha de toda a obra de Batlló. Todo o trencadís desta parte superior da fachada tem uma capacidade expressiva única e cores muito vivas nos motivos florais que são representados. As grades das varandas são feitas de ferro forjado exceto o andar superior que é feito de pedra e também é decorado inteiramente com trencadís, de modo que a observação do terraço inferior liga visualmente as decorações da grade e da coroa em um único grande tapete multicolorido.

Ao pé desta fachada encontra-se o terraço do piso principal, que se chega a partir da sala de jantar através de um corredor entre duas grandes claraboias que iluminam a cave e conferem à passagem um ar de ponte levadiça. um castelo que une o exterior e o interior. De cada lado do corredor, como se fossem as muralhas do castelo, complexas grades de formas arredondadas, em nítido paralelismo com as janelas que os protegem, circundam toda a fachada posterior até cerca de 3 metros de altura.

O perímetro da esplanada é separado dos edifícios vizinhos por um recinto de grades da mesma nota das que protegem a fachada. Ao fundo, uma parede de perfil ondulado com a qual coroa a fachada posterior, separa a propriedade da vista do interior do bloco. É decorado com trencadís na testa e bem no centro, em frente à porta de saída para o terraço, um grande mural feito de trencadís em forma de parabolóide lembra as formas dos arcos do sótão. Dos trencadís, como se fossem protuberâncias naturais, encontram-se os floreiros de discos de cerâmica únicos dos da fachada principal que ajudam a dar-lhe uma personalidade de jardim suspenso. Espalhados pelo terraço, estão plantadores portáteis feitos de cerâmica azul e branca montados em pés de ferro forjado.

O grande efeito colorido e caleidoscópico do seu pavimento em grés Reus que fazia parte do pavimento interior dos apartamentos antes da renovação e que Gaudí reaproveitou sem seguir, no entanto, o traçado original, mas deixando-o livre dos paletes. Uma combinação formando uma borda une a porta de saída com o fragmento parabolóide da parede posterior como se fosse um grande tapete.

Sótão
Acima do último andar encontram-se amplos sótãos onde Gaudí mostra a aplicação do arco parabólico como estrutura de sustentação da cobertura, forma que também utilizou pouco depois de juntar as armações de madeira. da cooperativa Mataró conhecida como “L’Obrera Mataronense”. Nesse caso, Gaudí utilizou a técnica catalã do tijolo plano, importado da Itália no século XIV. No sótão existiam salas de serviço e lavanderias em sala aberta sob o teto de uma abóbada catalã sustentada por 60 arcos parabólicos que parecem costelas de um enorme animal, distribuídos em dois longos corredores que circundam os pátios internos e, no parte periférica do edifício, as diferentes salas estão localizadas. Na lateral da fachada existe uma grande sala dedicada à distribuição de roupas e atualmente conhecida como O Dragão ‘ s Barriga onde os arcos são muito largos, formando um espaço único. A planta inteira desfruta de uma luz que produz jogos extraordinários de luz e sombra.

A base do piso do sótão, ou seja, a cobertura do piso inferior, é constituída por vigas de ferro sobre as quais se apoiam as estruturas de tijolo e contraventamento que constituem os arcos. Estes transmitem a carga para as extremidades das vigas e estas, na direção vertical, para as paredes de suporte. Isso evita que a estrutura dos arcos transmita tensões para o exterior. Acima dos arcos, abóbadas abobadadas criam um espaço diafragmático e telhas que formam o telhado.

Cobertura
A cobertura contém quatro conjuntos de chaminés de 6,10 metros de altura cobertas por fragmentos de vidro e trencadís policromados com motivos florais que, no seu conjunto, constituem um intermediário entre a floresta de chaminés do Palau Güell (1888) e a Casa Milà. (1910). Seu design especial evita que o ar volte. A cobertura da Casa Batlló, uma das criações mais espetaculares da arte plástica de Gaudí, é a maior peça de escultura policromada. Construída sobre os arcos parabólicos do ático, é um espaço retangular dividido ao centro pelas claraboias dos pátios internos. Na frente existe uma ampla sala onde foram instalados os tanques de água e que coincide com a parte mais alta da fachada. Com este projeto Gaudí conseguiu dar um sentido estético – o dorso ondulado e arenoso do dragão – a uma exigência funcional da época em que a água corrente não tinha pressão suficiente para fornecer as condições de conforto exigidas. Se a visão externa da coroa simulava as escamas de um dragão, o lado interno que atua como uma grade do telhado se parece com a concha.

As chaminés do telhado estão agrupadas como se fossem puxadores de cogumelos com um pequeno toque salomónico que lhe confere o dinamismo e a expressividade típicos de uma escultura. Cada uma das saídas de fumos, de perfil quadrado, é coberta por um capuz de volume piramidal muito acentuado, com declive acentuado que permite a distribuição da água da chuva, evocando o topo dos obeliscos comemorativos. Na ponta estão esferas que refletem as gotas de chuva, uma figura que lembra os potes que são colocados no topo dos postes dos celeiros. Originalmente, essas bolas eram feitas de vidro e preenchidas com areia colorida; na restauração de 1983 foram substituídos pelo atual cimento e vidro embutido.

As chaminés são decoradas e, ao mesmo tempo, protegidas por um vidro trencadíspolicromo e cerâmico de qualidade tonal aquosa, que lembra nuvens, chuva… No total são vinte e seis chaminés distribuídas em quatro grupos: um primeiro grupo com oito chaminés atrás a sala da caixa d’água, ou seja, atrás do coroamento da fachada ;; o terceiro grupo com mais seis do lado do mar, perto da casa Amatller, a meio caminho entre a fachada e o fundo; um quarto grupo com quatro chaminés ao mesmo nível que este último, mas do lado da montanha, atualmente anexo à casa vizinha por terem construído dois pisos adicionais.

Inovações
Gaudí concebe o edifício como natureza, isto é, como organismo vivo, onde cada elemento está vivo e cumpre uma função que, longe de ser apenas passiva, como os contrafortes góticos, é dinâmica. Ou seja, é uma parte sustentada e sustentadora do trabalho que, acima de tudo, é uma unidade. Uma arquitetura orgânica, que no século XX foi testada por Le Corbusier e os funcionalistas. As formas de Gaudí triunfaram no mundo do design e se relacionam com a física indeterminista, com o princípio de Werner Heisenberg.

Segundo Oriol Bohigas Gaudí, a racionalidade objetiva da estrutura nunca foi considerada, mas, a partir de um critério construtivo pré-estabelecido, determinou aquela forma que expressava de forma mais dramática as vicissitudes e dificuldades da construção; “.. com gosto pela complexidade dos espaços e volumes e vontade de sacrificar o plano do espaço orgânico”, tornando-se uma interferência dos espaços que esbate os limites do edifício. Esta tendência é especialmente marcada na Casa Batlló, onde arquibancadas e varandas confundem a fronteira entre o interior e o exterior.

Gaudí se distingue por várias disposições construtivas e espaciais que buscam obter um ambiente confortável, especialmente com tudo relacionado à ventilação natural, talvez seguindo os ensinamentos de Viollet-le-Duc em Les Entretiens. Se ele experimentou essas técnicas no Palau Güell, seria no Batlló onde as desenvolveu extensivamente. O autor propôs este trabalho com critérios que poderiam ser considerados, nos termos atuais, arquitetura ecológica no tratamento da luz e da ventilação. Quanto à iluminação, já foi descrito como dava uma luz especial às divisões centrais dos pisos através dos pátios interiores que possuíam uma grande clarabóia e um conjunto especial de cores na cerâmica.

A distribuição dos pisos da Casa Batlló, alongados entre fachadas para aproveitar o efeito da ventilação cruzada, já era típica no desenho dos edifícios do Eixample de Barcelona. Mas Gaudí incorporou uma série de aberturas nas partes inferiores das janelas para aproveitar a entrada de ar puro das brisas noturnas de verão. A solução permite ajustar a entrada de ar a partir de fendas reguláveis ​​e conjuntos de lençóis em forma de persianas que permitem determinar o fluxo de circulação de ar entre os ambientes. Essas pequenas fissuras também estão presentes nas portas internas. O próprio Gaudí projetou os mecanismos que permitem um fácil ajuste. Desde o ar quente até as camadas superiores, por onde escapa por saídas ao redor das claraboias. Além disso, o calor do ar no topo, sob a clarabóia, produz um efeito circulatório induzido que “puxa” o ar frio das camadas inferiores. Para levar o ar da fachada principal para a parte inferior dos pátios, existem tubos de concreto que atravessam o subsolo.

O sótão tinha a função de espaço de serviço para lavar a roupa e estender a roupa para secá-la. Era, portanto, essencial ter uma boa ventilação. Gaudí resolveu isso construindo duas escadas que ligam este andar e a cobertura, uma em cada extremidade do andar. Com esta separação consegue forçar uma ventilação cruzada. Além disso, os quartos rodeiam os pátios interiores com os quais têm uma pequena ligação na parte superior, conseguindo a entrada de ar frio que garante a ventilação.

Simbologia
O edifício como um todo é inspirado em um ambiente marinho, um enigma subaquático. A visão naturalista do autor explica esta tese com um domínio proeminente do azul do mar e do ocre das rochas. Um azul que aparece ligado à decoração cerâmica, que começa com tons suaves de azul no átrio que se ligam, internamente, com os pátios cambiantes de intensidade e, externamente, com o mar da fachada. A escadaria principal situa-se numa caverna subaquática que conduz a um piso nobre que se configura como o grande refúgio subaquático, como um aquário de onde somos observados ou observados, como um submarino que nos permite isolar e proteger. Um interior em que as formas arredondadas das portas e janelas evocam as comportas interiores de um navio e onde os entalhes das portas de carvalho apresentam uma amostra de cobras do mar,

A conexão naturalista do edifício com um vivente leva Gaudí a usar símiles em função do trabalho mecânico realizado. Em suportes longos, usa formas que lembram o úmero ou o fêmur; as bases e capitéis dos pilares são uma reminiscência de vértebras; as balaustradas das sacadas do primeiro andar são falanges e as grades convexas e túrgidas, feitas de corrimão de ferro que protegem os óculos das sacadas de ferro, lembram as costelas. Na ausência de documentação direta de Gaudí, o significado das formas e cores da fachada teve várias interpretações, todas bastante plausíveis. A semelhança das grades das varandas com máscaras de festa convida a ver deslizamentos de confete na policromia da fachada.

A interpretação de Lluís Permanyer aponta para uma visão menos profana e mais épica do que as anteriores e coloca o simbolismo em torno da luta de São Jorge contra o dragão, representante do mal, cuja espinha forma o perfil superior da fachada. prédio principal. A torre seria a lança cravada no dragão, o edifício; uma lança coroada por uma cruz que simboliza a bandeira de São Jorge e com as iniciais da Sagrada Família inscritas, um símbolo inequívoco do triunfo da religiosidade e do bem. As escamas azuis das costas do dragão ficam vermelhas – manchadas de sangue – no lado esquerdo da torre. Nessa interpretação, as varandas são fragmentos de crânios e os pilares das janelas do andar principal são os ossos das vítimas do dragão.

O conjunto de janelas do piso principal esboça a imagem de um morcego de asas abertas. É um animal ligado ao simbolismo medieval catalão popularizado pelo rei Jaime, o Conquistador que, segundo a lenda baseada no Livro dos Fatos, o lembrava de um morcego que impediu a derrota da Coroa de Aragão às margens de Burriana e permitiu a conquista de Valência.

No entanto, a origem mais provável deste animal como símbolo está no vibrio do Cume Real de Pedro, o Cerimonioso. A vibria era um dragão que coroava os brasões de algumas cidades importantes do Mediterrâneo, como Palma, Valência e Barcelona. A partir do século XVII, a imagem do viburno começou a se transformar, identificando-se com um morcego do qual acabou ganhando forma. Essa transformação progressiva na heráldica foi totalmente imposta durante o século XIX, encurralando quase completamente a vibria. Nessa época, com o ímpeto do Renascimento, a imagem do morcego foi amplamente divulgada pelo movimento modernista, aparecendo em capas de periódicos como Lo Gay Saber e Revista de Catalunya. No brasão de Barcelona, ​​o morcego apareceu no início do século XIX e permaneceu até meados do século XX. Assim, o morcego como evolução do dragão alado está hagiográfico relacionado à figura de São Jorge.

No piso principal, muitas formas o transportam para um mundo fantástico, como se inspiradas em mitos ou livros de aventura e expedições tão em voga no final do século XIX. Alguns dos animais descritos ou as formas internas do piso nobre parecem ter sido tirados das ilustrações de Alphonse de Neuville na edição de 1870 do romance Vinte Mil Léguas Submarinas de Júlio Verne. O “olho do dragão” formado pela pequena janela triangular é inspirado na Roca Foradada da montanha de Montserrat. Gaudí, além do sentimento religioso, conheceu bem a montanha onde realizou o Primeiro Mistério de Glória do Rosário Monumental de Montserrat. A forma do céu plano da sala de jantar do andar nobre tem a forma de um splash com as gotas que ele gera, a partir das quais são geradas as ondas expansivas da criação.

A Casa Batlló é uma vanitas exposta na avenida mais luxuosa de Barcelona e que relembra, através do luxo transbordante da burguesia, a transitoriedade de todas as coisas e a sua morte. Por outro lado, a morte é o começo da transformação, da metamorfose eterna como o perpétuo móvel representado pelo redemoinho onde o tempo devora a matéria e a matéria sempre retorna no caos. Formas espirais, como nebulosas associadas à geração do universo, sua criação. A forma mais saliente encontra-se no tecto da sala do andar nobre, mas também pode ser vista em alguns tímpanos de portas interiores. A escadaria principal é claramente a espinha de um animal pré-histórico dentro de sua caverna. Das juntas das colunas em forma de osso do lado de fora da galeria do andar nobre brotam plantas carnudas.

Gaudí desenhou para o Batlló o panot Gaudí, um pavimento hidráulico feito pela Escofet, de peças hexagonais de cor azul e motivos marinhos que deviam estar no chão do quarto do Batlló para terminar de criar um ambiente marinho, mas no final foi não usado. Uma alga do gênero sargassum, uma amonita e um equinoderme são representados. Embora tenha pago em Batlló, Gaudí o recuperou e colocou na casa de Milà. Com o tempo, o panot Gaudíha tornou-se um sinal de identidade e é o pavimento das calçadas do Passeig de Gràcia. Tinha sido desenhada em cera cinzenta por Joan Bertran, sob orientação de Gaudí que “retocou com os próprios dedos”, nas palavras do construtor Josep Bayó.

Mobília
Gaudí foi um ousado designer de elementos decorativos para algumas de suas casas; ele fez mobíliaure, grades, alças, olho mágico e outras peças decorativas. Os móveis de Gaudí são como esculturas que, como sua arquitetura, começam com um período neogótico por volta do final da década de 1870, onde ele fez o que é considerado seu primeiro móvel, sua própria mesa destruída durante a guerra civil. Na mesma linha está o mobiliário das freiras de Jesus e Maria e o de Comillas. Entre 1887 e 1888 fez a primeira peça para um cliente, uma chaise longue para o Palau Güell, uma peça de mobiliário onde substituiu a tradicional estrutura de madeira por uma inovadora caixa de ferro. Esta inovação seria posteriormente aplicada a alguns móveis estofados da casa Calvet, preservando volumosas tapeçarias que remetem a um certo neo-rococó que, sob o nome de estilo Pompadour, atraíam a burguesia da época.

Esse uso de ferro e a falta de molduras retilíneas tiveram grande influência nos marceneiros da época, como Joan Busquets e Jané, que o aplicaram na chaise longue que fez para Madame Bringas em 1899. Em um segundo período, ele fez um repensar radical com base sobre a evolução da cadeira bávara que se tornou moda no último quarto do século XIX. Ele primeiro propôs um projeto convencional em termos de estrutura, mas com um arredondamento na junção do assento e encosto, uma solução única desenvolvida em 1890. Mas a solução mais conhecida que ele desenvolveu a partir das encomendas do Calvet e do Batlló consistia em levantar o encosto e o assento em duas peças separadas, uma solução que engole as saias das levitas e as saias femininas, evitando assim que sejam esmagadas, como acontecia anteriormente.

As juntas visíveis das pernas da cadeira bávara feita com ilhó e pavio foram substituídas por engates invisíveis e com pernas em formato cônico. Além disso, melhora o conforto dos encostos com uma concavidade obtida pelo acoplamento angular de várias peças planas de madeira. Ele acrescentou ainda outro fator de diferenciação: ele fez todos os móveis de carvalho maciço, uma madeira clara que substituiu os tons mais escuros de mogno, jacarandá ou móveis pretos amplamente usados ​​na marcenaria do século XIX. Muitos arquitetos contemporâneos seguiram essa tendência em uma espécie de reconhecimento da madeira do mobiliário medieval, elogiado por Viollet-le-Duc em seus escritos.

Os móveis projetados para a Casa Batlló destinavam-se originalmente ao refeitório principal. O acervo era composto por uma mesa, dois bancos duplos, outro de três e um conjunto de cadeiras. As dimensões da cadeira são 74 cm. de altura do encosto, 45 cm. de altura da calçada, 52 cm. de largura e 47 cm. fundo; é ligeiramente mais baixa e com menos fundo do que a cadeira Calvet. As dimensões do banco são 103 cm. de altura do encosto, 45 cm. de altura do banco, 170 cm. ampla e 81 de profundidade; era consideravelmente maior do que o projetado para a casa dos Calvet. Suas obras para a casa Calvet têm formas curvilíneas e alveolares, decoração de um vitalismo naturalista. Já na Casa Batlló, o decorativismo cede lugar ao organismo que assimila suas obras a um organismo vivo.

Para os móveis da Casa Batlló, o arquiteto propôs um projeto até então inédito, com uma espécie de assento que busca as formas arredondadas da morfologia humana; ele removeu o estofamento e a ornamentação supérfluos da época e optou pela forma e cor da madeira nua. Precursor dos designs ergonômicos, busca romper com repertórios acadêmicos e avançar no design industrial, como outros arquitetos contemporâneos como Victor Horta, Mackintosh e Saarinen fariam mais tarde. A cadeira da sala de jantar é de pequenas proporções e baixa altura, quebrando-se com as cadeiras volumosas como se fossem assentos usados ​​em muitas salas de jantar burguesas. Minimiza o número de peças que o compõem que são montadas de forma mais simples e unitária que as peças anteriores. Todas as formas são arredondadas; as pernas ligeiramente helicoidais com um perfil substancialmente parabólico.

O assento parece transbordar para os lados sob a pressão de alguém sentado. O encosto, com uma forma ligeiramente côncava para se ajustar ao encosto, é finalizado com uma barra transversal rematada em uma espécie de alça com recesso circular como se tivesse cedido à pressão dos dedos e oferecendo uma pequena pega para ajudar a levantar a pesada cadeira . Gaudí consegue impor forma à matéria, tornando-a receptora de suas qualidades. Segundo Juan José Lahuerta “a matéria desaparece como tal, é entregue à força do artista, transformada por ela”. O desejo de uma adaptação naturalística dos móveis levou Gaudí a perguntar à senhora Batlló quantas mulheres e homens havia na família; quando ela quis saber por que o arquiteto respondeu que as cadeiras que ela estava projetando as tornariam diferentes para se adequar à anatomia. Sra. Amalia ‘ A reação dela foi uma rejeição frontal da ideia. O mobiliário original é preservado no MNAC e no Museu da Casa de Gaudí no Parc Güell.

Dia de Sant Jordi
Um dia de festa onde rosas e livros são os protagonistas. O festival de Sant Jordi é um dia que na Catalunha se celebra com grande entusiasmo e alegria. No dia 23 de abril, as ruas das cidades ficam lotadas de gente e barracas que vendem livros e rosas. Trata-se de celebrar a festa da padroeira da Catalunha e relembrar esta tradição baseada no amor e na cultura.

A lenda conta que há muito tempo, em Montblanc (Tarragona), um dragão feroz, capaz de envenenar o ar e matar com seu sopro, havia aterrorizado os habitantes da cidade. Os moradores, assustados e cansados ​​de suas devastações e delitos, resolveram acalmá-lo alimentando uma pessoa por dia que seria escolhido por sorteio. Depois de vários dias, o azar caiu sobre a princesa. Quando a princesa estava deixando sua casa e indo em direção ao dragão, um cavaleiro chamado Sant Jordi, em uma armadura brilhante e um cavalo branco, de repente apareceu para salvá-la. Sant Jordi ergueu sua espada e perfurou o dragão, finalmente libertando a princesa e os cidadãos. Do sangue do dragão brotou uma roseira com as rosas mais vermelhas já vistas. Sant Jordi, triunfante, arrancou uma rosa e ofereceu-a à princesa.

A lenda foi fonte de inspiração para muitos artistas. Antoni Gaudí representou a lenda de Sant Jordi na arquitetura da Casa Batlló para que ao longo dos anos esta fantástica tradição continuasse viva. A lenda mítica está representada na Casa Batlló através da fachada e em dois espaços internos específicos. No telhado, as costas do DRAGÃO ganham vida com os ladrilhos cerâmicos em forma de escamas e são atravessadas pela Cruz de quatro braços que evoca a triunfante ESPADA de Sant Jordi.

No piso superior encontramos uma varanda em forma de flor alusiva à VARANDA DA PRINCESA. Nos andares inferiores, os restos mortais das vítimas do dragão encontram-se nos balcões em forma de CRÂNIOS e nas colunas da tribuna em formato de OSSOS. No hall de entrada privativo da casa da família Batlló, há uma escada cujos remates lembram vértebras de um animal e que, segundo a cultura popular, poderiam referir-se à espinha da CAUDA DE DRAGÃO. Finalmente, no sótão, a sala principal com arcos catenários evoca o grande animal.

O despertar do dragão
A Casa Batlló, a obra mais criativa de Antoni Gaudí, foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Para comemorar esta data e no âmbito do festival Mercè, a Casa Batlló partilhou com toda a cidade de Barcelona uma projecção audiovisual na sua fachada, revelando todos os símbolos e interpretações que inspiraram Antoni Gaudí na criação desta obra de arte. Na fachada da Casa Batlló existem detalhes arquitetônicos que expressam inúmeras alegorias.

Tags: