Padrões de sustentabilidade e certificação

As normas e certificações de sustentabilidade são voluntárias, normalmente avaliadas por terceiros, normas e padrões relacionados a questões ambientais, sociais, éticas e de segurança alimentar, adotadas pelas empresas para demonstrar o desempenho de suas organizações ou produtos em áreas específicas. Existem talvez até 500 desses padrões e o ritmo de introdução aumentou na última década. A tendência começou no final dos anos 80 e 90, com a introdução de rótulos ecológicos e padrões para alimentos orgânicos e outros produtos. Nos últimos anos, vários padrões foram estabelecidos e adotados na indústria alimentícia em particular. A maioria deles se refere ao tripé de qualidade ambiental, equidade social e prosperidade econômica. Um padrão é normalmente desenvolvido por uma ampla gama de partes interessadas e especialistas em um determinado setor e inclui um conjunto de práticas ou critérios sobre como uma cultura deve ser cultivada de forma sustentável ou um recurso deve ser colhido eticamente. Isto pode abranger, por exemplo, práticas de pesca responsáveis ​​que não ponham em perigo a biodiversidade marinha, ou o respeito pelos direitos humanos e o pagamento de salários justos numa plantação de café ou chá. Normalmente, os padrões de sustentabilidade são acompanhados por um processo de verificação – frequentemente chamado de “certificação” – para avaliar se uma empresa atende a um padrão, bem como um processo de rastreabilidade para produtos certificados a serem vendidos ao longo da cadeia de fornecimento, resultando muitas vezes em um consumidor Rótulo Os programas de certificação também se concentram na capacitação e no trabalho com parceiros e outras organizações para apoiar os pequenos produtores ou produtores desfavorecidos a fazer as melhorias sociais e ambientais necessárias para atender ao padrão.

A premissa básica dos padrões de sustentabilidade é dupla. Em primeiro lugar, surgiram em áreas onde a legislação nacional e global era fraca, mas onde os movimentos de consumidores e ONGs em todo o mundo exigiam ações. Por exemplo, campanhas da Global Exchange e outras ONGs contra a compra de mercadorias de fábricas “sweatshop” por empresas como Nike, Inc., Levi Strauss & Co. e outras marcas líderes levaram ao surgimento de padrões de bem-estar social como a SA8000 e outras. Em segundo lugar, as marcas líderes que vendem para os consumidores e para a cadeia de suprimentos B2B podem demonstrar os méritos ambientais ou orgânicos de seus produtos, o que levou ao surgimento de centenas de rótulos ecológicos, padrões orgânicos e outros. Um exemplo importante de padrão de consumo é o movimento Fairtrade, administrado pela FLO International e exibindo um enorme crescimento de vendas em todo o mundo para produtos de origem ética. Um exemplo de um padrão B2B que cresceu muito nos últimos anos é o padrão FSC (Forest Stewardship Council) para produtos florestais feitos a partir de árvores colhidas sustentáveis.

No entanto, a linha entre os padrões de sustentabilidade do consumidor e B2B está se tornando indistinta, com os principais compradores do comércio exigindo cada vez mais a certificação Fairtrade, por exemplo, e os consumidores reconhecendo cada vez mais a marca FSC. Nos últimos anos, o foco business-to-business dos padrões de sustentabilidade aumentou à medida que ficou claro que a demanda do consumidor sozinha não pode impulsionar a transformação de grandes setores e indústrias. Em commodities, como óleo de palma, soja, frutos do mar e açúcar, as iniciativas de certificação visam a adoção de melhores práticas e colaboração pré-competitiva da indústria. Grandes marcas e varejistas também estão começando a se comprometer com a certificação em toda a sua cadeia de suprimentos ou oferta de produtos, em vez de uma única linha de produto ou ingrediente.

Com o crescimento dos padrões e da certificação como a principal ferramenta para a produção e o comércio global para se tornar mais sustentável e para o setor privado demonstrar liderança em sustentabilidade, é essencial que haja maneiras de avaliar a legitimidade e o desempenho de diferentes iniciativas. Compradores de empresas e governos, bem como ONGs e grupos da sociedade civil comprometidos com a produção sustentável, precisam ter clareza sobre quais padrões e rótulos ecológicos estão gerando resultados sociais, ambientais e econômicos reais. A Aliança ISEAL surgiu como a autoridade em boas práticas para os padrões de sustentabilidade e seus Códigos de Boas Práticas representam a orientação mais amplamente reconhecida sobre como os padrões devem ser estabelecidos e implementados para serem eficazes. Ao cumprir esses códigos e trabalhar com outras iniciativas de certificação, os membros da ISEAL demonstram sua credibilidade e trabalham para melhorar seus impactos positivos.

As tentativas de resolver os problemas causados ​​por uma multiplicidade de iniciativas de certificação levaram ao lançamento do projeto Iniciativas do Estado de Sustentabilidade (SSI), facilitado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) e pelo Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD). sob os auspícios da Sustainable Commodity Initiative (SCI).

Origem dos padrões globais
A maioria dos padrões de sustentabilidade que estão sendo adotados hoje foi iniciada por movimentos sociais em países específicos, como Rainforest Alliance nos Estados Unidos e Fairtrade na Holanda. Outros padrões foram iniciados por empresas individuais, como a Utz Certified (Ahold), a Starbucks CAFE (Starbucks) e a Nespresso AAA (Nespresso). Alguns padrões foram lançados por coalizões de empresas privadas, agências de desenvolvimento, ONGs e outras partes interessadas. Por exemplo, o Código Comum para a Comunidade Cafeeira (4C) foi iniciado por uma aliança de grandes torrefadores de café americanos, incluindo a Kraft Foods, a Sara Lee e a Nestlé, assistidos pela Agência Alemã para Cooperação e Desenvolvimento Técnico (GIZ). Um importante facilitador para o desenvolvimento da maioria dos padrões globais foi a série de projetos de desenvolvimento local envolvendo ONGs, torrefadores de café e produtores em diferentes países em desenvolvimento. Por exemplo, o padrão Fairtrade foi desenvolvido com base em projetos-piloto com agricultores mexicanos. O 4C se baseia em projetos de desenvolvimento no Peru, Colômbia e Vietnã, envolvendo a GIZ, grandes torrefadores de café e produtores locais.

Os padrões mais amplamente estabelecidos e adotados estão na agricultura, com 40% da produção mundial de café certificada para um dos principais esquemas, e aproximadamente 15-20% da produção de cacau e chá, estando em conformidade com os principais padrões internacionais. Florestas e frutos do mar selvagens também são setores nos quais os padrões têm sido influentes, com a produção certificada ultrapassando 10% da participação global. Algodão, óleo de palma, soja, biocombustíveis e frutos do mar cultivados são algumas das commodities nas quais a certificação está crescendo mais rapidamente, em parte devido às grandes mesas redondas que foram criadas para unir toda a indústria. Mais recentemente, padrões começaram a surgir para mineração e extração de metais – incluindo ouro, prata, alumínio e petróleo e gás – bem como para gado, eletrônica, plásticos e turismo.

Evidências sugerem que a Responsabilidade Social Corporativa (RSC), adotada voluntariamente pelas empresas, será muito mais eficaz do que a RSE regulada pelo governo, de modo que os padrões globais das empresas privadas são promissores para um impacto social efetivo.

A criação da Aliança ISEAL em 2002 foi o primeiro esforço colaborativo entre um grupo de organizações de padrões de sustentabilidade a concordar em seguir boas práticas comuns sobre como seus padrões são implementados e também trabalhar em conjunto para impulsionar o uso de padrões e certificação globalmente.

Diferentes padrões de sustentabilidade
Numerosos padrões de sustentabilidade foram desenvolvidos nos últimos anos para tratar de questões de qualidade ambiental, equidade social e prosperidade econômica das práticas globais de produção e comércio. Apesar das semelhanças nos principais objetivos e procedimentos de certificação, existem algumas diferenças significativas em termos de seu desenvolvimento histórico, grupos-alvo de adotantes, difusão geográfica e ênfase em questões ambientais, sociais ou econômicas.

Uma das principais diferenças a ter em conta baseia-se no nível de rigor do padrão. Alguns padrões estabelecem o padrão para um setor, promovendo as práticas sociais e ambientais mais fortes e trabalhando com os melhores funcionários para aumentar constantemente as expectativas de sustentabilidade. Outros padrões são mais focados na eliminação das piores práticas e operam em um nível de entrada maior para obter uma grande proporção de uma indústria que trabalha incrementalmente em direção a melhores práticas. Muitas vezes existem estratégias entre os padrões para mover os produtores ao longo dessa escada de desempenho da sustentabilidade. Outra distinção importante é que alguns padrões podem ser aplicados internacionalmente (geralmente com mecanismos para garantir relevância e adequação local), enquanto outros padrões são desenvolvidos inteiramente com foco regional ou nacional.

Diferenças adicionais entre os padrões podem estar relacionadas ao processo de certificação e se são conduzidas por um primeiro, segundo ou terceiro; o sistema de rastreabilidade em vigor e se permite a segregação ou mistura de materiais certificados e não certificados; e os tipos de declarações de sustentabilidade que são feitas nos produtos.

Feira comercial
O selo Fairtrade foi desenvolvido no final dos anos 80 por uma agência de desenvolvimento holandesa em colaboração com agricultores mexicanos. A iniciativa realiza um trabalho de desenvolvimento e promove a sua visão política de uma economia alternativa, tendo como principal objetivo capacitar os pequenos produtores e proporcionar-lhes acesso e melhoria da sua posição nos mercados globais. A característica mais distintiva do rótulo Fairtrade é a garantia de um preço mínimo e um prêmio social que vai para a cooperativa e não diretamente para os produtores. Recentemente, o Comércio Justo também adotou objetivos ambientais como parte de seu sistema de certificação.

Aliança da floresta tropical
A Rainforest Alliance foi criada no final dos anos 80 a partir de um movimento social e está comprometida com a conservação das florestas tropicais e sua biodiversidade. Um elemento-chave da norma é a elaboração e implementação obrigatória de um plano detalhado para o desenvolvimento de um sistema de gestão agrícola sustentável para ajudar na conservação da vida selvagem. Outro objetivo é melhorar o bem-estar dos trabalhadores estabelecendo e assegurando meios de subsistência sustentáveis. Os preços do produtor podem levar um prêmio. No entanto, em vez de garantir um preço mínimo fixo, a norma busca melhorar a situação econômica dos produtores por meio de maiores rendimentos e maior eficiência de custos.

Selo do Comércio Justo
O Selo do Comércio Justo foi desenvolvido no final da década de 1980 por uma agência de desenvolvimento holandesa em colaboração com agricultores mexicanos. A iniciativa realiza o trabalho de desenvolvimento e promove sua visão política de uma economia alternativa, tendo como principal objetivo o empoderamento dos pequenos produtores e proporcionando-lhes o acesso e a melhoria de sua posição no mercado global. A característica mais marcante do Selo Fair Trade é a garantia de um preço mínimo e um prêmio social que vai para a cooperativa e não diretamente para os produtores. Recentemente, o Selo do Comércio Justo também adotou objetivos ambientais como parte de seu sistema de certificação.

Aliança para Florestas
A Aliança para Florestas (Rainforest Alliance) foi criada no final dos anos 80, a partir de um movimento social, e está comprometida com a conservação das florestas tropicais e sua biodiversidade. Um elemento chave da norma é a elaboração e execução obrigatória de um plano detalhado para o desenvolvimento de um sistema de gestão agrícola sustentável, a fim de ajudar a conservação da vida selvagem. Outro objetivo é melhorar o bem-estar dos trabalhadores através do estabelecimento e garantia de meios de subsistência sustentáveis. Os preços de produção podem levar a um prêmio. No entanto, ao invés de garantir um preço mínimo fixo, a norma busca melhorar a situação econômica dos produtores por meio de maiores rendimentos e maior eficiência de custos.

Certificação Utz
A UTZ Certified (anteriormente Utz Kapeh) foi co-fundada pela Ahold Coffee Company, empresa holandesa de torrefação de café, em 1997. O objetivo é criar um mercado aberto e transparente para produtos agrícolas social e ambientalmente responsáveis. Os instrumentos incluem o Sistema de Rastreabilidade da UTZ e o Código de Conduta da UTZ. O sistema de rastreabilidade torna os produtos certificados rastreáveis ​​desde o produtor até o comprador final e possui rigorosas cadeias de requisitos de custódia. O Código de Conduta da UTZ enfatiza tanto as práticas ambientais (por exemplo, conservação da biodiversidade, manuseio de resíduos e uso da água) e benefícios sociais (por exemplo, acesso a cuidados médicos, acesso a instalações sanitárias no trabalho).

Ecológico
O padrão ecológico foi desenvolvido na década de 1970 e baseia-se nos padrões básicos da IFOAM. IFOAM significa a Federação Internacional de Movimentos da Agricultura Orgânica e é a principal organização global para o movimento da agricultura orgânica. Os Padrões Básicos da IFOAM fornecem uma estrutura de requisitos mínimos, incluindo a omissão de agroquímicos, como pesticidas e fertilizantes químicos sintéticos. O uso de ração para o gado também é estritamente regulado. A engenharia genética e o uso de organismos geneticamente modificados (OGMs) são proibidos.

Orgânico
O padrão Orgânico foi desenvolvido na década de 1970 e é baseado nos Padrões Básicos da IFOAM. IFOAM significa Federação Internacional de Movimentos da Agricultura Orgânica e é a principal organização global para o movimento da agricultura orgânica. Os Padrões Básicos da IFOAM fornecem uma estrutura de requisitos mínimos, incluindo a omissão de agroquímicos, como pesticidas e fertilizantes químicos-sintéticos. O uso de alimentos para animais também é estritamente regulado. A engenharia genética e o uso de organismos geneticamente modificados (OGMs) são proibidos.

trustea
O código trustea é projetado para avaliar o desempenho social, econômico, agronômico e ambiental de fazendas indianas de chá, pequenos produtores e fábricas de folhas compradas (BLFs).

Espera-se que a conformidade com o código não apenas melhore a competitividade das fazendas de chá, mas também facilite as fazendas de chá na obtenção da conformidade com as regulamentações nacionais e os padrões internacionais de sustentabilidade em uma abordagem gradual. Os pontos de controle aplicáveis ​​com menos de onze capítulos devem ser obedecidos dentro de um período de quatro anos. O código de chá da Índia permite que os produtores demonstrem que operam com responsabilidade – produzindo chá de qualidade de acordo com padrões estritamente sociais e ambientais. A verificação sob o código fornece aos fabricantes a garantia de produção responsável e fornece oportunidades para demonstrar isso aos seus clientes.

SuRe® – O Padrão para Infraestrutura Sustentável e Resiliente
O SuRe® é um padrão voluntário global que integra critérios-chave de resiliência e sustentabilidade ao desenvolvimento de infra-estrutura, através de vários critérios entre governança, fatores sociais e ambientais. Atualmente, é desenvolvido sob as diretrizes da ISEAL pela Fundação de Infraestrutura Global da Suíça (GIB) e pelo banco francês Natixis. A GIB e a Natixis lançaram o padrão SuRe® em um evento da COP21 em 9 de dezembro de 2015.

Outros exemplos
Outros tipos de padrões incluem esquemas específicos do setor, como a Mesa Redonda sobre Óleo de Palma Sustentável (RSPO); padrões para intervenções sobre clima e desenvolvimento, como o Padrão Ouro, iniciativas de certificação de sustentabilidade lideradas por varejistas, como o GlobalGAP; Iniciativas de sustentabilidade de marca própria corporativa, como as Práticas CAFE da Starbucks; e programas nacionais, como o esquema “Origin Green” do Irish Food Board.

O Fórum das Nações Unidas sobre Padrões de Sustentabilidade (UNFSS) é uma iniciativa conjunta da FAO, UNEP, ITC, UNCTAD e UNIDO sobre Padrões de Sustentabilidade.

Tags: