Museu de História Natural, Viena, Áustria

O Museu de História Natural (em alemão: Naturhistorisches Museum) é um grande museu de história natural localizado em Viena, na Áustria. O Museu de História Natural de Viena (NHM) é um dos museus mais importantes da Áustria, com cerca de 30 milhões de objetos de coleção e um dos maiores museus da Áustria. O site do museu fornece uma visão geral sob a forma de um tour virtual.

As primeiras coleções de artefatos do museu foram iniciadas há mais de 250 anos. Hoje, suas coleções em exposição cobrem 8.700 metros quadrados. A partir de 2011, o museu abriga aproximadamente 30 milhões de objetos e o número está crescendo. Nos bastidores, coleções que compreendem cerca de 25 milhões de espécimes e artefatos são a base essencial para o trabalho de mais de 60 cientistas da equipe. Seus principais campos de pesquisa abrangem uma ampla gama de tópicos, desde as origens do Sistema Solar e a evolução de animais e plantas até a evolução humana, bem como tradições e costumes pré-históricos.

O museu abriga objetos mundialmente famosos e únicos, como a Vênus de Willendorf, com 29.500 anos de idade, a vaca-marinha do Steller que se extinguiu há mais de 200 anos e enormes esqueletos de dinossauros. Outros destaques nas 39 salas de exposição incluem a maior e mais antiga coleção pública de meteoritos do mundo, incluindo o espetacular meteorito “Tissint” de Marte, bem como a nova exposição antropológica permanente sobre as origens e o desenvolvimento dos humanos. No entanto, o tempo não fica parado. É por isso que, por ocasião do 125º aniversário do museu, foi inaugurado um novo Planetário Digital, com tecnologia de projeção fulldome que dará aos novos visitantes a oportunidade de embarcar em fascinantes viagens virtuais com detalhes científicos deslumbrantes até a borda da galáxia Via Láctea ou de Saturno. argolas. Os departamentos do museu abrigam cerca de 60 cientistas que realizam pesquisas fundamentais em uma ampla gama de áreas relacionadas às ciências da terra, ciências da vida e ciências humanas. Isso faz do museu uma importante instituição pública e um dos maiores centros de pesquisa não universitários da Áustria.

O museu é dividido nos seguintes departamentos, liderados por diretores científicos:
Departamento Antropológico
Arquivo para a história da ciência
Departamento botânico
Departamento Geológico e Paleontológico
Departamento de cársico e ciência das cavernas
Departamento Petrográfico Mineralógico
Departamento de Ecologia
Departamento Pré-histórico
1. Divisão Zoológica (Vertebrado) com local de exame sistemático molecular
2. Departamento de Zoologia (insetos) com grande preparação zoológica
3. Departamento Zoológico (animais invertebrados)

Departamento Antropológico:
A exposição permanente de antropologia foi concebida desde o início após o encerramento da antiga “sala racial” em 1996 e inaugurada em janeiro de 2013. É dedicada à evolução dos hominídeos e ao processo de surgimento do homem. Nos quartos 14 e 15, dois temas principais são: o andar reto e a revolução cerebral. A partir dos próximos parentes vivos, os macacos humanos, o desenvolvimento do moderno Homo sapiens humano, adaptado a diferentes espaços naturais, apresenta-se com diversos blocos temáticos paleoantropológicos até o período neolítico. O desenvolvimento é apresentado não apenas como um processo (pré) histórico e biológico, mas também enfatiza o desenvolvimento cultural como um componente essencial da encarnação.

Departamento Botânico:
As coleções originam-se, em grande parte, de suas próprias viagens de expedição, mas há décadas, já de um intenso intercâmbio de trocas com instituições de parcerias internacionais. O foco geográfico das coleções é na Europa os territórios da antiga monarquia austro-húngara, a Europa Central, assim como toda a área do Mediterrâneo, em particular a Grécia e a Turquia. Os centros do interesse na coleção no continente asiático são o Oriente, o Cáucaso e a área da Flora Iranica (altiplano iraniano e regiões vizinhas). Da África, as coleções são principalmente da Tunísia, África Oriental e Central, bem como da área do Cabo. As principais áreas de amostragem na América do Sul são principalmente o Brasil, a Argentina e o Chile. O departamento botânico do Museu de História Natural de Viena também preserva numerosos documentos da Austrália e Nova Zelândia.

Departamento Geológico e Paleontológico:
Na sala 7 do museu principalmente a idade da terra é apresentada. Um dos destaques desse espaço é, por exemplo, a floresta artificial de carbono reconstruída. Nisso, modelos originais e verdadeiros de animais que existiam naquela época (mais de 300 milhões de anos atrás) podem ser encontrados. Estes incluem, entre outros, lobos gigantes como o Meganeura. Também deve ser mencionado o diorama de um recife do Silur.

Departamento de carste e cavernas:
Hoje, o departamento científico de estudos cársticos e de cavernas existe no Museu de História Natural de Viena e, historicamente, retornou ao antigo departamento de proteção das cavernas no Federal Monument Office, que foi colocado sob a responsabilidade do NHM Vienna em 1979. departamento é dedicado à exploração científica e proteção de cavernas e áreas cársticas. As cavernas são fenômenos geológicos e valiosos arquivos da natureza e da história humana. As áreas cársticas são tipos de paisagem específicos, que são baseados na solubilidade das rochas e contêm cavernas e sistemas de drenagem subterrânea. Além da importância científica deste tipo de paisagem, as áreas cársticas têm uma imensa importância para o abastecimento de água potável da população.

Departamento Petrolífero Mineralógico:
A coleção de meteoritos do Museu de História Natural é a coleção mais antiga do mundo (1778) e a maior coleção de estudiosos, e é uma das maiores do mundo, com mais de 7.000 peças inventariadas de meteoritos historicamente e cientificamente importantes. O diretor do museu, Christian Köberl, é ele mesmo um renomado pesquisador de impacto. O curador da coleção de meteoritos é Franz Brandstätter. De fevereiro a novembro de 2012, o Meteorite Hall (Hall V) foi fechado para renovação e re-design. Desde a reabertura em 14 de novembro de 2012, cerca de 1100 objetos foram exibidos (anteriormente, cerca de 2200), mas muito mais informações sobre o tema de exposições gerais e individuais são oferecidas. Em junho de 2013, o NHM recebeu três amostras adicionais de moon rock como um empréstimo de longo prazo.

Tags: