Gaudí Arquitetura Turismo em Barcelona, ​​Espanha

Antoni Gaudí (1852-1926), o arquiteto que tornou a cidade de Barcelona mais conhecida em todo o mundo. O passeio pelo percurso temático da Arquitetura de Gaudí apresentará sua obra e mostrará como Gaudí rompeu com a tradição ao propor uma nova forma de entender a arquitetura, tanto no que se refere à aplicação da geometria, quanto à concepção do espaço e aos procedimentos construtivos, como o uso de materiais , formas e cores com as quais dotou suas obras de expressividade.

Ao longo de sua história, Barcelona sempre foi uma cidade aberta e acolhedora. Graças ao impulso econômico e ao progresso social, entre o final do século XIX e o início do século XX ocorreu um processo dinâmico de modernização que afetou o urbanismo e todas as expressões artísticas. O estilo da época era denominado Modernismo, coincidindo com a formulação europeia da Art Nouveau e tão profundamente enraizado em todas as esferas da sociedade, que rapidamente se tornou um dos estilos mais representativos. É por isso que Barcelona é uma das capitais mundiais do Modernismo.

Gaudí, embora coincidisse com a era modernista, desenvolveu uma linguagem diferenciada, totalmente inédita e extremamente pessoal. Muitas interpretações foram feitas da obra de Gaudí. Alguns consideram que vem da tradição, e outros, é vanguardista. Alguns descrevem Gaudí como um grande artista e outros como um grande técnico. Alguns o definem como um transgressor e alguns defendem seu misticismo. Todos, no entanto, concordam que seus edifícios são incríveis, diferentes e, portanto, difíceis de classificar.

Biografia
Antoni Gaudí i Cornet foi um arquiteto modernista catalão que foi reconhecido internacionalmente como um dos gênios mais relevantes para sua disciplina.

Gaudí passou a estudar arquitetura na cidade de Barcelona, ​​onde suas primeiras obras foram influenciadas por vários estilos, como o neo-gótico, mudéjar e barroco, até a explosão do modernismo., Na qual conseguiu implantar seu próprio estilo, com o aplicação de seus estudos sobre a natureza e as formas reguladas da geometria, o uso de todas as artes aplicadas para a decoração de seus edifícios e a recuperação para ornamentação do antigo mosaico por ele transformado em trencadís, transformado em uma nova técnica.

Sua contribuição para a arquitetura é única e é considerada um dos maiores expoentes do modernismo. Desde criança Gaudí foi um observador atento da natureza, cujas formas, cores e geometrias o atraíam. Apesar de possuir grandes edifícios, dos quais se fazem cada vez mais monografias, o que lhe tem dado mais fama em todo o mundo é, sem dúvida, o templo da Sagrada Família, uma obra ainda em construção cuja popularidade vai crescendo à medida que sobe, conforme bem como a admiração que desperta.

Antoni Gaudí é o único arquiteto que possui 8 obras declaradas Patrimônio da Humanidade, incluindo a Sagrada Família, o monumento mais visitado da Catalunha, e a Casa Batlló e La Pedrera. Com grande capacidade imaginativa, Gaudí projetou mentalmente a maioria de suas obras. Na verdade, ele raramente fazia planos detalhados, mas os recriou em modelos tridimensionais.

Estilo arquitetônico
A influência do mudéjar é evidente nas primeiras obras de Gaudí; a casa Vicens e os interiores do palácio Güell são totalmente mouriscos. Um pouco mais tarde, surpreende o já hispânico mudéjar que se observa no convento dos Teresianes, com ritmos lineares e elementos de cor na cerâmica.

Nos seus estudos desenhou acessórios arquitectónicos artesanais, esteve mesmo a cargo da sua realização, graças aos conhecimentos que obteve sobre esta obra na oficina de caldeiraria do seu pai, que posteriormente, já em Barcelona, ​​alargou frequentando as oficinas de carpintaria de Eudald Puntí e Llorenç Matamala, escultor e modelo. Tudo influenciou sua arquitetura, pois ele foi capaz de dar uma marca pessoal a todos os seus edifícios; assim, são desenhados por Gaudí, móveis, caixilhos de arcos e portas interiores e exteriores de madeira ou ferro, grades, percevejos, puxadores, fechaduras, etc.

A síntese arquitetônica deve estar ligada à geometria e à mecânica, às leis e formas de equilíbrio; A pesquisa de Gaudí na década de 1880 começou com a construção da casa de Eusebi Güell e o estudo das forças de compreensão em arcos e abóbadas. Os arcos parabólicos de tijolo ou tábua melindro permitiam-lhe fazer telhados sem costura, como em Bellesguard, ou o sótão de La Pedrera.

Ele estuda estilos históricos junto com a natureza, acumulando ideias e efeitos para suas criações. Ele se considerava um grande admirador da arte grega e um seguidor da arte mediterrânea, mas buscando o significado mais íntimo e com o espírito repleto de seus sentimentos religiosos; é na arquitetura gótica que ele encontra mais relação com Deus. Por muitos anos, ele buscou em seus projetos o mecanismo estrutural do sistema de pilares e abóbadas; a construção da igreja de Colônia Güell, o projeto em combinação de funis ou curvas de equilíbrio, de estruturas circundadas pelo sistema de cálculo, como no famoso modelo estereostático de cordão e sachês de pellets.

A arquitetura de Gaudí tem algum contato com o barroco ao conseguir a percepção dos sentidos com o jogo de formas geométricas. Como no Barroco, as formas complexas são apreciadas e só com a contemplação da obra sua dinâmica é descoberta; esta é capturada no templo da Sagrada Família, no qual há uma grande fusão entre escultura e arquitetura à maneira barroca. Antoni Gaudí tem uma visão corporal de sua arquitetura; por isso, curva as paredes para alcançar maior plasticidade, idealizando tudo o que aprecia na natureza, e atingindo as últimas estruturas da sua obra de maturidade, como a Sagrada Família, já com linhas de grande riqueza e fantasia ousada, mas sempre com formas não agressivas.

A iluminação fez parte das pesquisas de Gaudí, que realiza por meio da geometria do direito fixada nos vitrais e com a colocação das colunas entre si; assim, quando a luz é filtrada, ela se orienta em direções de 45 ° com respeito ao espectador, e se obtém a visão do relevo e a harmonia em todas as formas. Nas abóbadas que cobrem as naves, utiliza curvaturas como a hiperbolóide e a hiperbólica parabolóide; isto, junto com as colunas inclinadas, dá a impressão de um santuário misteriosamente iluminado.

Todos os quatro tipos de superfícies reguladas: a hiperbolóide, a helicoide, a parabolóide hiperbólica e a conóide, foram utilizadas pelo arquitecto nas suas estruturas em abóbadas, tectos, paredes e pilares.

Trencadís
Uma particularidade nos acabamentos para o revestimento final das paredes ou pisos das obras de Gaudí foi a utilização de trencadís, que se consegue com fragmentos de ladrilhos cerâmicos de sucatas da fábrica Pujol i Bausis, localizada em Esplugues. de Llobregat, quebrado para formar novos desenhos ou cores; Gaudí, junto com seu colaborador Josep Maria Jujol, foi o primeiro a utilizá-lo principalmente durante o modernismo, e conseguiu torná-lo um signo característico desse movimento artístico.

A técnica foi utilizada pela primeira vez para o picador na entrada da herdade Güell na Avinguda de Pedralbes, onde a arquitectura sinuosa exigia quebrar ladrilhos onde não podiam existir inteiros. A bancada da grande praça do Parc Güell destaca-se com uma estrutura de concreto e coberta com várias cores com a técnica trencadís.

Catalanismo
Durante a adolescência de Antoni Gaudí, a manifestação do catalão foi muito frequente, entre outras, com caminhadas e recuperação do património artístico. Junto com seus colegas de colégio Eduard Toda e Josep Ribera, durante as férias de verão, entre os 15 e os 17 anos, decidiram fazer um projeto de restauração do mosteiro de Poblet, então em ruínas; um desenho de Gaudí e um livro de memórias de seus colegas são preservados. Cada um deles teve uma missão na reconstrução: Gaudí a espessura da obra, construir paredes e telhados; Toda faria o inventário da biblioteca e Ribera investigaria a história de Poblet; até bolaram um meio de obter ajuda financeira, montando uma loja de souvenirs onde pudesse ser vendido o livro que seria publicado sobre o mosteiro, feito por Ribera. Em setembro daquele ano, os três amigos se separaram. Eduard Toda e Güell editaram Poblet. Dados e notas, em 1870.

Foi membro da Associació Catalanista d’Excursions Científiques entre 1879 e 1889 e colaborou com a Associació d’Excursions Catalana que se fundiu com a anterior para formar o Centro Excursionista de Catalunya. Gaudí fez várias excursões; entre estes, em Granollers, onde escreveu um relatório para a restauração da igreja de Sant Esteve; seu amigo Eusebi Güell também pertencia a esta associação desde 1880. Outra excursão com a associação foi feita em 1883 em Banyuls de la Marenda, Perpignan e Elna, onde uma fotografia foi tirada com Verdaguer e Guimerà e publicada na ilustração Catatal.

Os símbolos da bandeira das quatro barras aparecem em muitas de suas obras:
No Palau Güell, na parte central do rés-do-chão entre as duas portas de entrada, pode-se ver o brasão da Catalunha encomendado por Gaudí a Joan Oñós, feito de um tamanho de dois metros de altura, de ferro forjado, com helicoidal formas, e para representar as cores que faz em malha de uma faixa contínua.
Na entrada do Bellesguard, o escudo de pedra com as quatro barras com duas datas: 1409, do casamento de Martí I l’Humà com Margarida de Prades e a segunda data de 1909, no final das obras do Bellesguard.
Na coluna da torre da Bellesguard, a bandeira da Catalunha é formada com faixas helicoidais.
Nas escadas do Parc Güell, o escudo aparece na entrada junto com a cabeça de uma cobra.
No Primeiro Mistério de Glória do Rosário Monumental de Montserrat, há um escudo feito com a técnica trencadís.

Modernismo
A vida profissional de Gaudí foi marcante porque ele nunca parou de investigar estruturas mecânicas de edifícios. Logo no início, Gaudí se inspirou nas artes orientais (Índia, Pérsia, Japão) por meio do estudo de teóricos da arquitetura historicistas, como Walter Pater, John Ruskin e William Morris. A influência do movimento oriental pode ser vista em obras como o Capricho, o Palácio Güell, os Pavilhões Güell e a Casa Vicens. Posteriormente, aderiu ao movimento neogótico que estava na moda na época, seguindo as ideias do arquiteto francês Eugène Viollet-le-Duc. Esta influência reflete-se no Colégio Teresiano, no Palácio Episcopal de Astorga, na Casa Botines e na Casa da Guarda, bem como na cripta e na abside da Sagrada Família. Eventualmente, Gaudí embarcou em uma fase mais pessoal,

Durante seu tempo como estudante, Gaudí pôde estudar uma coleção de fotografias de arte egípcia, indiana, persa, maia, chinesa e japonesa pertencentes à Escola de Arquitetura. A coleção incluiu também monumentos mouros na Espanha, que o deixaram uma marca profunda e serviram de inspiração para muitas de suas obras. Ele também estudou o livro Planos, elevações, seções e detalhes da Alhambra de Owen Jones, que ele emprestou da biblioteca da Escola. Tirou várias soluções estruturais e ornamentais da arte nazarí e mudéjar, que utilizou com variações e liberdade estilística nas suas obras. Notavelmente, Gaudí observou da arte islâmica sua incerteza espacial, seu conceito de estruturas com espaço ilimitado; sua sensação de sequência, fragmentada com buracos e partições,

Sem dúvida, o estilo que mais o influenciou foi o Revival Gótico, promovido na segunda metade do século XIX pelas obras teóricas de Eugène Viollet-le-Duc. O arquitecto francês apelou a estudar os estilos do passado e a adaptá-los de forma racional, tendo em conta a estrutura e o design. No entanto, para Gaudí o estilo gótico era “imperfeito”, pois apesar da eficácia de algumas das suas soluções estruturais era uma arte que ainda não tinha sido “aperfeiçoada”. Em suas próprias palavras: A arte gótica é imperfeita, apenas parcialmente resolvida; é um estilo criado pelas bússolas, uma repetição industrial padronizada. Sua estabilidade depende de sustentação constante pelos contrafortes: é um corpo defeituoso sustentado por muletas. (…

Após essas influências iniciais, Gaudí mudou-se para o Modernismo, então em seu apogeu. O modernismo em seus estágios iniciais foi inspirado na arquitetura histórica. Seus praticantes viam seu retorno ao passado como uma resposta às formas industriais impostas pelos avanços tecnológicos da Revolução Industrial. O uso desses estilos mais antigos representou uma regeneração moral que permitiu à burguesia se identificar com os valores que considerava suas raízes culturais. A Renaixença, o renascimento da cultura catalã que teve início na segunda metade do século XIX, trouxe mais formas góticas ao estilo “nacional” catalão que pretendia combinar nacionalismo e cosmopolitismo, integrando-se ao mesmo tempo na modernização europeia movimento.

Algumas características essenciais do Modernismo foram: uma linguagem anticlássica herdada do Romantismo com tendência ao lirismo e à subjetividade; a determinada conexão da arquitetura com as artes aplicadas e o trabalho artístico que produziu um estilo abertamente ornamental; o uso de novos materiais dos quais emergiu uma linguagem construtiva mista, rica em contrastes, que buscava um efeito plástico para o todo; um forte sentido de otimismo e fé no progresso que produziu uma arte enfática que refletia o clima de prosperidade da época, sobretudo da estética da burguesia.

Arte religiosa
A forte formação religiosa que Gaudí demonstrou ao longo de sua vida começou com a recepção de sua mãe, que lhe transmitiu o amor à natureza e a Deus “fé no criador dessas maravilhas”. Sabe-se que sua participação na missa diária foi constante ao longo de sua vida.

Sua religiosidade inclui também a arquitetura civil, na qual utilizou símbolos como a cruz gaudiniana de quatro braços, constante em sua obra; assim, você pode ver que a primeira vez que o usou como simples cata-vento foi no palácio Güell, na casa Batlló, em um dos pavilhões do parque Güell, na escola Teresianes e na casa da Bellesguard. A sua devoção mariana está patente nas numerosas inscrições do templo da Sagrada Família; as de carácter mariano podem ser vistas no friso do Ângelus da casa de Milão, no topo da fachada, e outras nos azulejos de Valência feitos especificamente para a grande bancada do Parque Güell. Na porta do Bellesguard, executado em ferro forjado, está a inscrição: “Ave Maria, sem pecado ela foi concebida.”

Em outubro de 1913, durante o Primeiro Congresso de Arte Cristã da Catalunha, integrou a comissão, na qual fez o discurso de abertura seu amigo, o bispo Josep Torras i Bages. Ele foi membro da Liga Espiritual da Virgem de Montserrat, fundada por Torras i Bages, e participou do Primeiro Congresso Litúrgico de Montserrat em 1915.

No desenho de 1878 de um relicário mantido no Museu de Reus, ao lado de uma imagem da Virgem, há uma inscrição de “Ave Maria” e “Sanctus, Sanctus, Sanctus”. A utilização desta invocação já foi abundantemente feita por Gaudí no projecto da porta de um cemitério (1875), que se repete no altar de Alella (1883), nas torres e na cripta da Sagrada Família, como bem como no oratório de Bocabella (1885).

Nas bordas dos caminhos do Parque Güell, encontram-se grandes bolas de pedra em número de 150, que correspondem às covas do rosário, como se convidassem os caminhantes à oração.

Graças ao seu grande patrono Eusebi Güell, contactou grupos eclesiásticos de ideias renovadoras, que o ajudaram nas suas convicções religiosas. A encomenda para a construção do templo da Sagrada Família foi a sua grande obra, na qual colocou além do seu valor arquitetônico todas as suas preocupações religiosas: Os assuntos religiosos exigem o uso de todos os meios em seu grau máximo. O templo deve inspirar o sentimento de divindade com suas qualidades infinitas e atributos infinitos.

Durante a visita do núncio do Papa Bento XV à Sagrada Família em 1915, o futuro cardeal Francesco Ragonesi disse-lhe que era poeta, e o arquiteto respondeu: «E quem não sentiria, ao lado da igreja. “Gaudí tinha um profundo sentimento religioso cristão que o levou a se dedicar na parte final de sua vida exclusivamente à construção do templo da Sagrada Família.

Devido ao seu grande fervor católico, fez um jejum quaresmal em 1894, levado a tal ponto que pôs em perigo a sua própria vida, e no qual teve de intervir Torras i Bages para o persuadir de que o ‘abandonava.

Beatificação
Atualmente está em processo de beatificação pela Igreja Católica. A Associação para a Beatificação de Antoni Gaudí solicitou autorização juntamente com o pedido do Arcebispo de Barcelona Ricard Maria Carles para iniciar o processo de beatificação, o qual foi autorizado pelo Vaticano em 2000. Em 2003, todos os documentos da obra foram realizados até aquele ano no processo diocesano em Barcelona foram apresentados ao Cardeal José Saraiva Martins, no Vaticano. Em junho de 2003, o processo canônico foi aberto na Congregação para as Causas dos Santos em Roma. Desde 2003, a diocese de Barcelona o considera um servo de Deus por suas virtudes cristãs.

Em 2010, o Rev. Lluís Bonet i Armengol, reitor da paróquia da Sagrada Família e vice-postulador da causa de beatificação, manifestou o desejo de que em 2016 Gaudí passasse de servo de Deus a venerável. No mesmo ano, o cardeal Sistach afirmou que 2026 é uma data realista para a beatificação, que coincidiria com o centenário da morte de Gaudí e a possível conclusão do templo da Sagrada Família.

Nova linguagem arquitetônica
Gaudí é geralmente considerado o grande mestre do modernismo catalão, mas suas obras vão além de qualquer estilo ou classificação. São obras imaginativas que encontram sua principal inspiração na geometria e nas formas da natureza. Gaudí estudou profundamente as formas geométricas orgânicas e anárquicas da natureza, buscando uma forma de dar expressão a essas formas na arquitetura. Algumas de suas maiores inspirações vieram de visitas à montanha de Montserrat, as cavernas de Maiorca, as cavernas de salitre em Collbató, o penhasco de Fra Guerau nas montanhas Prades atrás de Reus, a montanha Pareis no norte de Maiorca e Sant Miquel del Fai em Bigues i Riells.

Formas geométricas
Este estudo da natureza traduziu-se no uso de formas geométricas reguladas como o parabolóide hiperbólico, o hiperbolóide, o helicoide e o cone, que refletem as formas encontradas por Gaudí na natureza. Superfícies regidas são formas geradas por uma linha reta conhecida como geratriz, conforme ela se move sobre uma ou várias linhas conhecidas como diretrizes. Gaudí encontrou abundantes exemplos deles na natureza, por exemplo em juncos, juncos e ossos; ele costumava dizer que não há estrutura melhor do que o tronco de uma árvore ou um esqueleto humano. Essas formas são ao mesmo tempo funcionais e estéticas, e Gaudí descobriu como adaptar a linguagem da natureza às formas estruturais da arquitetura. Ele costumava comparar a forma helicoide ao movimento e o hiperbolóide à luz.

Outro elemento amplamente utilizado por Gaudí foi o arco catenário. Estudou geometria a fundo quando jovem, estudando numerosos artigos sobre engenharia, área que enaltecia as virtudes da curva catenária como elemento mecânico, que na época, porém, era usado apenas na construção de pontes suspensas. Gaudí foi o primeiro a usar este elemento na arquitetura comum. Arcos catenários em obras como a Casa Milà, o Colégio Teresiano, a cripta da Colônia Güell e a Sagrada Família permitiram a Gaudí agregar um elemento de grande robustez às suas estruturas, visto que a catenária distribui uniformemente o peso que carrega regularmente, sendo afetada apenas por forças tangenciais de cancelamento automático.

Gaudí evoluiu da geometria plana para a espacial, para a geometria governada. Essas formas de construção são altamente adequadas ao uso de materiais baratos, como o tijolo. Gaudí costumava usar tijolos assentados com argamassa em camadas sucessivas, como na tradicional abóbada catalã, usando o tijolo deitado de lado em vez de lateralmente. Essa busca por novas soluções estruturais culminou entre 1910 e 1920, quando ele explorou sua pesquisa e experiência em sua obra-prima, a Sagrada Família. Gaudí concebeu o interior da igreja como se fosse um bosque, com um conjunto de colunas arborizadas divididas em vários ramos para sustentar uma estrutura de abóbadas hiperbolóides entrelaçadas.

Ele inclinou as colunas para que pudessem resistir melhor à pressão perpendicular em sua seção. Ele também deu a eles uma forma helicoidal de dupla volta (giro à direita e giro à esquerda), como nos galhos e troncos das árvores. Isso criou uma estrutura que agora é conhecida como fractal. Juntamente com uma modulação do espaço que o divide em pequenos módulos independentes e autoportantes, cria uma estrutura que suporta perfeitamente as forças mecânicas de tração sem a necessidade de contrafortes, como exige o estilo neogótico. Gaudí alcançou assim uma solução racional, estruturada e perfeitamente lógica, criando ao mesmo tempo um novo estilo arquitetônico original, simples, prático e estético.

Superando o Gótico
Essa nova técnica de construção permitiu a Gaudí atingir seu maior objetivo arquitetônico; para aperfeiçoar e ir além do estilo gótico. As abóbadas hiperbolóides têm o seu centro onde as abóbadas góticas têm a sua pedra angular, e o hiperbolóide permite um orifício neste espaço para deixar entrar a luz natural. Na intersecção entre as abóbadas, onde as abóbadas góticas têm nervuras, o hiperbolóide também permite orifícios, que Gaudí costumava dar a impressão de um céu estrelado.

Gaudí complementou esta visão orgânica da arquitetura com uma visão espacial única que lhe permitiu conceber seus projetos em três dimensões, ao contrário do design plano da arquitetura tradicional. Ele costumava dizer que adquirira esse sentido espacial quando menino, olhando os desenhos que seu pai fazia das caldeiras e alambiques que produzia. Por causa dessa concepção espacial, Gaudí sempre preferiu trabalhar com moldes e maquetes ou mesmo improvisar no local à medida que a obra avançava. Relutante em fazer planos, apenas em raras ocasiões ele esboçava suas obras – na verdade, apenas quando exigido pelas autoridades.

Outra inovação de Gaudí no campo técnico foi o uso de maquete para o cálculo de estruturas: para a igreja da Colônia Güell, ele construiu uma maquete de 1:10 com 4 metros de altura em um galpão próximo a o edifício. Lá, ele montou um modelo que tinha cordas com saquinhos cheios de chumbo de pássaros pendurados nelas. Em uma prancheta presa ao teto, ele desenhou o chão da igreja e pendurou os cordões (para as catenárias) com o chumbo (para o peso) nos pontos de apoio do edifício – colunas, intersecção de paredes. Esses pesos produziram uma curva catenária tanto nos arcos quanto nas abóbadas. Nesse momento, ele tirou uma foto que, invertida, mostrava a estrutura de colunas e arcos que Gaudí procurava. Gaudí então pintou essas fotografias com guache ou pastel.

A posição de Gaudí na história da arquitetura é a de um gênio criativo que, inspirado pela natureza, desenvolveu um estilo próprio que atingiu a perfeição técnica e também o valor estético, e deixou a marca de seu caráter. As inovações estruturais de Gaudí foram em parte o resultado da sua viagem por vários estilos, do dórico ao barroco ao gótico, sua principal inspiração. Pode-se dizer que esses estilos culminaram em sua obra, que os reinterpretou e aperfeiçoou. Gaudí passou pelo historicismo e ecletismo de sua geração sem se conectar com outros movimentos arquitetônicos do século XX que, com seus postulados racionalistas, derivaram da escola Bauhaus, e representaram uma evolução antitética àquela iniciada por Gaudí,

Entre outros fatores que levaram ao abandono inicial da obra do arquiteto catalão foi que, apesar de ter numerosos assistentes e ajudantes, Gaudí não criou nenhuma escola própria e nunca ensinou, nem deixou documentos escritos. Alguns de seus subordinados adotaram suas inovações, sobretudo Francesc Berenguer e Josep Maria Jujol; outros, como Cèsar Martinell, Francesc Folguera e Josep Francesc Ràfols graduaram-se em direção ao Noucentisme, deixando o rastro do mestre.

Apesar disso, pode-se perceber um grau de influência em alguns arquitetos que fizeram parte do movimento modernista ou dele partiram e que não tiveram contato direto com ele, como Josep Maria Pericas (Casa Alòs, Ripoll), Bernardí Martorell ( Cemitério de Olius) e Lluís Muncunill (Masia Freixa, Terrassa). No entanto, Gaudí deixou uma marca profunda na arquitetura do século 20: mestres como Le Corbusier se declararam admiradores, e as obras de outros arquitetos como Pier Luigi Nervi, Friedensreich Hundertwasser, Oscar Niemeyer, Félix Candela, Eduardo Torroja e Santiago Calatrava foram inspiradas em Gaudí . Frei Otto usou as formas de Gaudí na construção do Estádio Olímpico de Munique. No Japão, a obra de Kenji Imai mostra a influência de Gaudí,

Design e habilidade manual
Durante sua época de estudante, Gaudí frequentou oficinas de artesanato, como as ministradas por Eudald Puntí, Llorenç Matamala e Joan Oñós, onde aprendeu os aspectos básicos das técnicas relacionadas à arquitetura, incluindo escultura, carpintaria, ferraria, vitral, cerâmica, gesso modelagem, etc. Ele também absorveu novos desenvolvimentos tecnológicos, integrando em sua técnica o uso de ferro e concreto armado na construção. Gaudí tinha uma visão ampla da arquitetura como um projeto multifuncional, em que cada detalhe de um arranjo deve ser feito de forma harmoniosa e bem proporcionado. Este conhecimento permitiu-lhe conceber projetos arquitetónicos, incluindo todos os elementos das suas obras, desde o mobiliário à iluminação e ao ferro forjado.

Gaudí foi também um inovador no domínio do artesanato, concebendo novas soluções técnicas e decorativas com os seus materiais, por exemplo a sua forma de desenhar mosaicos cerâmicos feitos de peças de desperdício (“trencadís”) em combinações originais e imaginativas. Para a restauração da Catedral de Maiorca ele inventou uma nova técnica de produção de vitrais, que consistia em justapor três vidros de cores primárias, e às vezes neutros, variando a espessura do vidro para graduar a intensidade da luz.

Foi assim que ele projetou pessoalmente muitas das esculturas da Sagrada Família. Ele estudaria minuciosamente a anatomia da figura, concentrando-se nos gestos. Para tanto, estudou o esqueleto humano e às vezes usou bonecos de arame para testar a postura adequada da figura que estava prestes a esculpir. Em uma segunda etapa, ele fotografou seus modelos, usando um sistema de espelho que fornecia múltiplas perspectivas. Ele então fez moldes de gesso das figuras, tanto de pessoas quanto de animais (em uma ocasião ele fez um burro se levantar para não se mover). Ele modificou as proporções desses moldes para obter a aparência desejada da figura, dependendo de sua localização na igreja (quanto mais alto, maior ela seria). Eventualmente, ele esculpiu as figuras em pedra.

Espaços urbanos e paisagismo
Gaudí também praticava paisagismo, muitas vezes em ambientes urbanos. Ele pretendia colocar suas obras no ambiente natural e arquitetônico mais adequado, estudando cuidadosamente a localização de suas construções e tentando integrá-las naturalmente nesse ambiente. Para tanto, utilizou com frequência os materiais mais comuns no ambiente próximo, como a ardósia de Bellesguard e o granito cinza Bierzo do Palácio Episcopal de Astorga. Muitos de seus projetos foram jardins, como o Parque Güell e os Jardins de Can Artigas, ou jardins incorporados, como na Casa Vicens ou nos Pavilhões Güell. A abordagem harmoniosa de Gaudí ao paisagismo é exemplificada no Primeiro Mistério da Glória do Rosário em Montserrat,

Interiores
Da mesma forma, Gaudí se destacou como decorador de interiores, decorando a maioria de seus edifícios pessoalmente, desde o mobiliário até os menores detalhes. Em cada caso soube aplicar particularidades estilísticas, personalizando a decoração de acordo com o gosto do proprietário, o estilo predominante do arranjo ou o seu lugar no entorno – seja urbano ou natural, secular ou religioso. Muitas de suas obras foram relacionadas à decoração litúrgica. Do projeto de uma escrivaninha para seu escritório no início de sua carreira ao mobiliário projetado para o Palácio de Sobrellano de Comillas, ele projetou todos os móveis das casas Vicens, Calvet, Batlló e Milà, do Palácio Güell e da Torre da Bellesguard, e o mobiliário litúrgico da Sagrada Família. Vale ressaltar que Gaudí estudou um pouco de ergonomia para adaptar seu mobiliário à anatomia humana.

Outro aspecto é a distribuição inteligente do espaço, sempre com o objetivo de criar um ambiente interior confortável e íntimo. Para isso, Gaudí dividiria o espaço em seções, adaptadas ao seu uso específico, por meio de paredes baixas, tetos rebaixados, portas de correr e armários de parede. Além de cuidar de cada detalhe de todos os elementos estruturais e ornamentais, ele garantiu que suas construções tivessem boa iluminação e ventilação. Para tanto, estudou a orientação de cada projeto quanto aos pontos cardeais, bem como o clima local e seu lugar no entorno. Naquela época, crescia a demanda por mais conforto doméstico, com água e gás encanados e uso de luz elétrica, tudo isso incorporado por Gaudí com perícia. Pela Sagrada Família, por exemplo,

A iluminação também serviu a Gaudí para a organização do espaço, o que exigiu um estudo cuidadoso do gradiente de intensidade da luz para se adaptar adequadamente a cada ambiente específico. Ele conseguiu isso com diferentes elementos, como claraboias, janelas, venezianas e persianas; Um caso notável é a gradação de cores utilizada no átrio da Casa Batlló para conseguir uma distribuição uniforme da luz pelo interior. Ele também tendia a construir casas voltadas para o sul para maximizar a luz solar.

Patrimônio Mundial
A UNESCO declarou Patrimônio de 1984 e 2005 Algumas das obras de Antoni Gaudí: o Parc Güell, o Palau Güell, a Casa Mila, a fachada da Natividade e a Cripta da Sagrada Família, a Casa Vicens e a Casa Batlló na cidade de Barcelona – junto com a cripta de Colònia Güell, em Santa Coloma de Cervelló.

A declaração de Patrimônio Mundial dessas obras por Gaudí significa reconhecer seu valor universal excepcional. Isso foi fundamentado pela UNESCO:
A obra de Antoni Gaudí representa uma contribuição criativa excepcional e marcante para o desenvolvimento da arquitetura e da tecnologia da construção na época da transição do século XIX para o século XX.
A obra de Gaudí mostra uma importante troca de valores intimamente ligados à cultura e às correntes artísticas de sua época, representadas no modernismo catalão. Ele influenciou muitas das formas e técnicas que foram relevantes para o desenvolvimento da construção moderna no século XX.
A obra de Gaudí representa uma série de exemplos marcantes do tipo de construção na arquitetura do início do século XX, tanto residencial como pública, para o desenvolvimento do qual ele deu uma contribuição importante e criativa.

O trabalho de Gaudí em Barcelona
A obra de Gaudí é normalmente classificada como modernista e faz parte desse movimento pela ânsia de renovar sem romper com a tradição, pela busca pela modernidade, pelo sentido ornamental aplicado às obras e pelo caráter multidisciplinar de seus empreendimentos, onde o artesanato ocupa um lugar central. Função. A isso Gaudí acrescenta uma dose do barroco, adota avanços técnicos e continua usando a linguagem arquitetônica tradicional. Junto com sua inspiração da natureza e o toque original de suas obras, este amálgama dá às suas obras um caráter pessoal e único na história da arquitetura.

Cronologicamente, é difícil estabelecer diretrizes que ilustrem com fidelidade a evolução do estilo de Gaudí. Embora tenha mudado sua abordagem inicialmente historicista para mergulhar completamente no movimento modernista que surgiu tão vigorosamente no último terço do século 19 na Catalunha, antes de finalmente atingir seu estilo pessoal e orgânico, este processo não consistiu em etapas claramente definidas com limites óbvios: antes, em cada estágio há reflexos de todos os anteriores, à medida que ele gradualmente assimilou e os superou. Uma das melhores descrições da obra de Gaudí foi feita por seu discípulo e biógrafo Joan Bergós, segundo critérios plásticos e estruturais. Bergós estabelece cinco períodos nas produções de Gaudí: período preliminar, mudéjar-morisco (arte mourisca / mudéjar), gótico emulado,

Casa Vicens
A Casa Vicens é um edifício modernista e primeiro projeto importante para o arquiteto Antoni Gaudí começou a construir em 1883. Localizada na rua Carolinas, número 20-26, no bairro de Gràcia da cidade de Barcelona. É uma obra declarada Bem Cultural de Interesse Nacional e Patrimônio Mundial da UNESCO. Casa de jardins imponentes de volumes complexos, Gaudí combina a pedra, o tijolo e visto uma ampla gama de azulejos valencianos em cores diferentes, onde a influência do orientalismo enraizado no Islã é evidente.

As cercas de ferro forjado inspiram-se diretamente na natureza e, em particular, na palmeira (palmeira típica do Mediterrâneo ocidental). Corrimãos e grades também são de ferro forjado e prenunciam motivos decorativos modernistas. A marchetaria das treliças do jardim, do próprio jardim, que vão desde soluções de acabamento interior Arabising, de um Mediterrâneo ou de proximidade com a natureza. No interior, o principal elemento decorativo é a madeira talhada e policromada, que em conjunto com o mobiliário forma um conjunto de um carácter fantástico.

Em 1883, Gaudí foi contratado por Manuel Vicens i Montaner para construir uma residência de verão. Em fevereiro de 1883, Manuel Vicens solicitou à Câmara Municipal de Vila de Gràcia a permissão para construir uma casa de verão na Carrer Sant Gervasi 26 (atualmente Carrer Carolines 20-26). Um mês antes ele havia pedido permissão para demolir a casa que havia herdado de sua mãe, Rosa Montaner, devido ao seu péssimo estado de conservação. Embora o Sr. Manuel Vicens ainda seja uma personagem bastante desconhecida, o seu testamento menciona a sua profissão: corretor e cambista, o que desmentiria a sua alegada ligação com a cerâmica e seria reforçada pelo inventário de 1885 da olaria Pujol i Bausis que se conserva em o Arquivo Municipal de Esplugues de Llobregat, onde o Sr. Manuel Vicens i Montaner, de Gràcia, está documentado como devedor de 1.440 pesetas.

A Casa Vicens foi projetada por Antoni Gaudí em 1878 e construída entre 1883 e 1885 como uma casa de verão em Gràcia. É a primeira tentativa de Gaudí de encontrar um novo estilo e escapar do historicismo arquitetônico e do ecletismo. predominante. Na Casa Vicens, Gaudí antecipa de forma puramente intuitiva toda uma série de categorias formais e construtivas que ajudarão a preparar o surgimento do modernismo. Está estruturada em quatro níveis, correspondendo a cave para a adega, dois pisos para a casa e um sótão para o serviço. Gaudí anexou o edifício ao meio de um convento vizinho, obtendo assim um grande e amplo jardim. Para o outro lado do jardim, ele projetou uma fonte monumental de tijolos aparentes, formada por um arco parabólico acima do qual era uma passagem entre colunas. A água era armazenada em dois tanques colocados no topo de cada pilar final da fonte. Em 1946 foi demolido para venda desta parte do terreno.

Gaudí está no primeiro período, no qual utiliza uma linguagem arquitetônica de grande simplicidade construtiva, com predomínio da linha reta sobre a curva. Quer romper com a influência do historicismo e reconhece o património mudéjar tirando partido da actividade empresarial dos proprietários e utilizando intensamente a cerâmica. Foi inspirado nos elementos vegetais do local para desenhar algumas das peças de decoração mais significativas, como uma folha de palmeira para a grelha de ferro forjado ou um cravo para decorar a cerâmica da fachada. Estamos na virada de uma era que estava prestes a preceder o modernismo. É tempo que Domenech i Montaner para o editorial Montaner i Simon, com uso total e massivo de tijolo, e o castelo dos três Dragões (Restaurante da Exposição de 1888), com estrutura de ferro e vidro,

Esta casa possuía uma nascente de água mineral, muito apreciada pela vizinhança devido aos poderes de cura que as pessoas lhe conferiam. O bairro a conhecia pela “água da fonte de Santa Rita”. Esta casa tem características semelhantes e datas bastante coincidentes com o “Capricho de Comillas” (Santander), também obra de Gaudí.

Em 1925, o arquiteto Joan Baptista Serra realiza um prolongamento do edifício à imagem do que Gaudí tinha feito, reduzindo significativamente o seu jardim. Por estas obras ganhou o prémio do Concurso Anual de Edifícios Artísticos de 1927, atribuído pela Câmara Municipal de Barcelona. Em 27 de março de 2014, MoraBanc comprou a casa Vicens e finalmente abriu suas portas como uma casa-museu em 16 de novembro de 2017.

Pavilhões Güell
Os Pavilhões Güell são uma série de edifícios no bairro de Pedralbes, em Barcelona, ​​projetados pelo arquiteto modernista catalão Antoni Gaudí, construídos entre 1884 e 1887. Gaudí foi encomendado por seu grande patrono, o Conde Eusebi Güell. Ele conheceu o trabalho de Gaudí na Exposição Universal de Paris em 1878, quando iniciou uma longa amizade e um grande número de encomendas como o Palau Güell, os Pavilhões Güell em Pedralbes, Parc Güell e a Cripta da Colônia Güell em Santa Coloma de Cervelló.

Güell tinha uma propriedade em Les Corts de Sarrià, uma união de dois lotes de terra conhecidos como Can Feliu e Can Cuyàs de la Riera. O arquiteto Joan Martorell i Montells, um dos mestres de Gaudí, havia construído um palacete de ar caribenho, quase onde hoje fica o Palácio Real de Pedralbes. A casa ficou conhecida como Torre Satalia, nome que lhe foi dado por Monsenhor Cinto Verdaguer, amigo da família. Gaudí foi contratado para renovar a casa e construir uma cerca e postes.

Gaudí fez um projeto aéreo oriental, que às vezes lembra a arte mudéjar. Fez a parede de alvenaria com várias portas, destacando-se a principal com grade de ferro em forma de dragão, com olhos de cristal; esta figura representaria Ladó, o dragão guardião do Jardim das Hespérides, derrotado por Hércules em sua décima primeira obra – episódio narrado por Jacint Verdaguer em seu poema L’Atlàntida, dedicado a Antonio López y López, primeiro Marquês de Comillas, que foi o sogro de Eusebi Güell, onde podemos perceber a possível origem da figura de entrada dos pavilhões-. Acima do dragão está uma laranjeira feita de antimônio, também alusiva às Hespérides. A forma do dragão corresponde à posição das estrelas na constelação da Serpente, na qual Ladó foi transformada em punição por roubar as laranjas.

As outras três portas de acesso à propriedade perderam a funcionalidade com a abertura da Avinguda Diagonal: uma delas ainda está em frente ao cemitério de Les Corts, embora sua grade de ferro tenha sido transferida para a Casa Museu Gaudí do Parc Güell; outra foi restaurada em 1982 pela Universidade de Barcelona e atualmente está localizada entre as faculdades de Ciências da Terra e Biologia; e o terceiro foi demolido aquando da construção da Faculdade de Farmácia, mas reconstruída em 1957 junto a este edifício.

Os pavilhões são constituídos por estábulos, estábulos e balizas: os estábulos têm uma base rectangular, coberta por uma abóbada divisória em forma de catenária; o picador é quadrado na base, com uma cúpula de perfil hiperbolóide, encimada por um templo; o portão é constituído por três pequenos edifícios, o central de planta poligonal e cúpula hiperbólica, e dois menores de planta cúbica. Todos os três são encimados por ventiladores em forma de chaminés, revestidos com cerâmica. A obra é em tijolo vista em vários tons entre o vermelho e o amarelo, e revestida com cristais coloridos; em certas seções, ele também usou blocos pré-fabricados de cimento.

Gaudí foi também parcialmente responsável pelo desenho dos jardins da quinta, construindo duas fontes e uma pérgula, e plantando vários tipos de plantas mediterrânicas (pinheiros, eucaliptos, palmeiras, ciprestes e magnólias). A Fonte de Hércules ainda permanece ao lado do Palácio Real de Pedralbes, restaurado em 1983; contém um busto do herói mitológico grego, sobre uma pilha com o brasão da Catalunha e um canhão em forma de dragão chinês. Em 1969, os Pavilhões Güell foram declarados Monumento Histórico Artístico Nacional. Os pavilhões abrigam atualmente a Cátedra Real Gaudí, pertencente à Universitat Politècnica de Catalunya, e o Jardim Botânico da Faculdade de Biologia está localizado em seu terreno.

Templo expirador da Sagrada Família
O Templo Expiatório da Sagrada Família, comumente conhecido como Sagrada Família, é uma basílica católica localizada na cidade de Barcelona. É um dos exemplos mais conhecidos do modernismo catalão e um edifício único no mundo, que se tornou um símbolo da cidade. Obra inacabada do Arquiteto catalão Antoni Gaudí, fica no bairro da Sagrada Família, no bairro do bairro Eixample da cidade. A Sagrada Família é um testemunho da plenitude artística de Gaudí: ele trabalhou lá durante a maior parte de sua carreira profissional; mas especialmente nos últimos anos, quando atingiu o ápice de seu estilo naturalista, com uma síntese de todas as soluções e estilos testados até agora. Gaudí conseguiu uma perfeita harmonia na inter-relação entre os elementos estruturais e ornamentais,

A partir de 1915, Gaudí dedicou-se quase que exclusivamente à Sagrada Família, obra que significa a síntese de toda a sua evolução arquitetónica, já que aplicou à cripta da Colônia Güell todas as descobertas até então vividas. Após a criação da cripta e da ábside, ainda em estilo neogótico, Gaudí concebeu o resto do templo em estilo orgânico, com imitação das formas da natureza, onde abundam as formas geométricas reguladas. O interior parece uma floresta, com um conjunto de colunas de árvores inclinadas e helicoidais, que criam uma estrutura simples e durável. Durante a vida de Antoni Gaudí (1852-1926), apenas foram concluídas a cripta, a abside e, parcialmente, a fachada da Natividade, da qual apenas foi concluída a torre de Sant Bernabé.

Neste templo, o arquitecto concebeu um simbolismo meticuloso dentro de um poema místico com grande audácia construtiva formal, como na sua forma de conceber a estrutura com o arco parabólico – também denominado funicular de forças -, combinando o tratamento naturalista da escultura com a abstracção do torres. É o monumento mais visitado de Espanha, à frente da Alhambra ou do Museu do Prado, com 3,7 milhões de visitantes em 2015. A obra de Gaudí – ou seja, a cripta, a abside e a fachada da Natividade – foi declarada Património Mundial Site pela UNESCO em 2005.

O conceito de templo expiatório significa que a sua construção se realiza a partir de donativos, o que fez com que por vezes as obras tivessem de ser paralisadas. Porém, desde a década de 1990, o afluxo de visitantes e o grande renome mundial mudaram a situação econômica e as obras deram um forte impulso, até a pandemia de Covid-19. A Sagrada Família foi declarada basílica menor, pelo Papa Bento XVI em 7 de novembro de 2010. Embora não seja uma catedral, várias fontes a chamaram de Catedral da Europa, devido ao caráter universal que Gaudí quis dar a ela.

Palau Güell
O Palau Güell é um edifício projetado pelo arquiteto Antoni Gaudí, o maior representante do modernismo catalão, entre 1886 e 1890. O palácio está localizado na Carrer Nou de la Rambla no. 3-5 de Barcelona, ​​no distrito de Raval. O empresário e patrono barcelonês Eusebi Güell encarregou seu amigo Gaudí de construir a residência de sua família, que também seria um ponto de encontro da burguesia da época. É a primeira grande obra que Eusebi Güell confia a Gaudí e se destaca pela forma como o arquiteto concebeu o espaço e a luz. Esta obra pertence ao período orientalista de Gaudí (1883-1888), período em que o arquiteto realizou uma série de obras inspiradas na arte do Próximo e Extremo Oriente (Índia, Pérsia, Japão), bem como na l ‘ Arte islâmica hispânica principalmente arte mourisca e mourisca.

O edifício está estruturado em vários pisos funcionalmente diferenciados, com uma entrada em arco catenário de dimensões impressionantes e uma distribuição das divisões em torno do hall central, eixo principal e espinha dorsal do edifício. São vinte chaminés no telhado que, longe de serem tratadas como simples chaminés, Gaudí as concebeu como esculturas. Com isso, deu início a uma forma de desenhar as chaminés que desenvolveria em seus trabalhos posteriores, até alcançar resultados espetaculares na Casa Milà.

Gaudí teve para sua construção a colaboração do arquiteto de sua oficina Francesc Berenguer, o mestre ferreiro Joan Oñós, a marcenaria de Antoni Oliva e Eudald Puntí, a decoração, vitrais e móveis de Francesc Vidal e Jevellí e a pintura de Aleix Clapés i Puig. O palácio foi inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO por seu valor universal excepcional em 1984.

O Palau Güell ocupa um terreno de piso quase retangular, 18 x 22 metros, com um edifício anexo no sudoeste, 6 x 20 m. A estrutura assenta nas paredes das fachadas, em pedra natural, bem como nas divisórias, em tijolo, para além de pilares de tijolo na cave e de pedra nos restantes pisos. A parede divisória do lado leste era originalmente uma fachada exposta, até ser rebocada e pintada com um afresco de Aleix Clapés retratando Hércules à procura das Hespérides, inspirado no poema L’Atlàntida de Jacint Verdaguer, já desaparecido. O edifício é composto por um total de sete pisos entre cave para cavalariças, rés do chão com hall de entrada, porteiro, garagem e várias zonas de serviço, mezanino para zona administrativa, andar nobre para zona social, 2º andar para zona privada (quartos, banheiros),

A característica básica do edifício é a riqueza de espaços, com percursos fluidos e uma independência na distribuição de cada planta que dão a aparência de um volume construído bastante grande para a superfície limitada do lote. O desenho geral segue as linhas de suas criações da época, marcadas pelo estilo oriental aplicado à concepção de suas obras. Este palácio culmina um período de predominância de formas de inspiração árabe, bizantina ou mudéjar, com obras como a Casa Vicens, os Pavilhões Güell e El Capricho de Comillas (Cantábria). Gaudí aplica um estilo transicional com elementos de composição góticos com soluções que lembram certos palácios venezianos.

Gaudí desenhou cuidadosamente o exterior e o interior do palácio, com uma sumptuosa decoração mudéjar, onde se destacam os tectos com caixotões de madeira e ferro. Gaudí estudou também com eficiência todas as soluções técnicas e estruturais do edifício, cuidando ao máximo de detalhes aspectos como iluminação, ventilação ou isolamento acústico do exterior. Analisado sob um aspecto estritamente construtivo, o Palau Güell representa um dos pontos mais complexos da produção de Gaudí, onde se encontram muitos dos recursos geométricos e construtivos que o arquiteto utilizará no futuro. Como se Gaudí quisesse experimentar, encontram-se elementos completamente novos experimentando procedimentos construtivos mais adequados para cada caso.

A delicada modelagem das superfícies de transição entre os arcos parabólicos e as colunas de mármore da sala principal antecipa claramente o tratamento plástico de algumas de suas obras posteriores, como a casa de Milão e, em particular, o trabalho com superfícies tortas das abóbadas do Colònia Güell e a Sagrada Família. O tipo de tratamento e geração formal das cúpulas e chaminés da cobertura do palácio têm, ao mesmo tempo, um claro antecedente na casa dos Vicens e na quinta de Güell, mas será ainda mais projectado no Milà e no Batlló casas, atingindo a sua expressão plástica máxima nas formas do Parc Güell.

Colégio dos teresianos
O Colégio dos Teresianos é uma escola na Carrer de Ganduxer, no centro histórico de Sant Gervasi de Cassoles, e atualmente no distrito de Tres Torres, no distrito de Sarrià – Sant Gervasi de Barcelona. A escola ministra todos os cursos de ensino regulamentado da segundo ciclo da educação infantil ao ensino médio. Costumava ser uma escola só para meninas, mas no final do século 20 era mista. Tem um concerto com a Generalitat de Catalunya para ensinar o ensino obrigatório. É uma obra declarada Patrimônio Cultural de Interesse Nacional. A escola teresiana é um edifício retangular alongado com eixo de comunicação longitudinal, formado por arcos parabólicos, de quatro pavimentos (térreo e três pavimentos), constituído principalmente de pedra e tijolo aparente.

Nos cantos da fachada, pináculos de tijolo com coluna helicoidal culminando na cruz de quatro braços, típica da obra de Gaudí, e com escudos de cerâmica com vários símbolos definidores da ordem teresiana: o Monte Carmelo coroado. pela cruz, o coração da Virgem coroado de espinhos e o de Santa Teresa trespassado por uma flecha. Quase todas as aberturas têm forma próxima ao arco parabólico. No térreo, eles formam uma galeria de arcos enfileirados. No primeiro e segundo andares, os arcos estão inscritos em retângulo. No último andar, uma sucessão de arcos (alternando aberturas reais com arcos cegos) forma um grande friso que coroa o todo, que é sobreposto pela grade do telhado que se combina com uma espécie de ameias triangulares e pináculos com cruzes de quatro braços nos cantos.

Num dos lados compridos, encontra-se um pequeno alpendre junto à praça, que sobe mais dois pisos formando miradouros, circundados por treliça de tijolo com pequenos círculos de cerâmica coloridos. A porta de entrada deste alpendre, formada por arco parabólico, possui grelha em ferro forjado, que se alinha com a porta dragão dos pavilhões Güell, embora o seu desenho seja mais simples.

O brasão da ordem aparece em vários lugares. Em contraste, praticamente não existem elementos ornamentais, mas soluções construtivas. No seu interior existe um corredor que é famoso pela sucessão de arcos parabólicos que contém. Estes elegantes arcos de linhas não são meramente decorativos, mas têm a função de apoiar o tecto e o piso superior. Gaudí utilizou o arco parabólico como elemento construtivo ideal, capaz de suportar pesos elevados por meio de perfis delgados. O edifício teresiano torna-se assim uma das obras mais coerentes de Gaudí, na qual o interior e o exterior formam um conjunto.

Gaudí construiu o prédio do convento e escola dos teresianos com um orçamento pequeno, o que junto com a austeridade da ordem religiosa determinou que a obra não tivesse muitas pretensões aparentes; desta forma, a simplicidade das estruturas internas reflete-se no exterior, que não é decorado com nenhum tipo de policromia. A comissão foi de Enric d’Ossó para abrigar uma escola e convento da Congregação das Monjas Teresianas (Companhia de Santa Teresa de Jesus), que ele mesmo fundou. Foi concebido para substituir o edifício que até então as freiras viviam em c / Sant Elies, 4, do então autônomo município de Sant Gervasi de Cassoles. A casa foi ocupada em 1886 e funcionou como internato, noviciado e sede provincial para aluguel.

A construção começou em 1887 sob a direção do arquiteto Joan Baptista Pons i Trabal, mas em 1888 Ossó encomendou o projeto a Gaudí, que já havia adquirido grande fama como arquiteto e devoto, razão pela qual Ossó optou. As obras duraram de 1888 a 1889.

Do projeto inicial de Pons and Trabal apenas as fundações foram realizadas. Gaudí cumpriu a vontade da ordem de refletir austeridade na construção, em cumprimento do voto de pobreza; seguindo as instruções das freiras, ele projetou um edifício sóbrio, feito de tijolo por fora e com alguns elementos de tijolo por dentro. Usando o argumento de que o tijolo não era caro e de que não havia muita diferença de custo na disposição das peças de uma forma ou de outra, ele estava criando elementos decorativos sempre que possível, tanto por fora quanto por dentro. o interior. Também incorporou na fachada grades de ferro forjado, um dos seus materiais preferidos, e coroou-a com um conjunto de ameias que sugerem um castelo, possível alusão ao. Em 1908, Gaudí projetou uma capela que não pôde ser construída por desentendimentos com a superiora do convento; a atual, em estilo neogótico, é obra de Gabriel Borrell i Cardona.

Casa Calvet
A Casa Calvet é um edifício projetado por Antoni Gaudi, um dos arquitetos mais representativos do modernismo catalão. Está localizado na Carrer de Casp 48, no Eixample de Barcelona, ​​e data de 1899. O edifício foi feito para a família de Pere Màrtir Calvet i Carbonell, um fabricante têxtil de Sant Genís de Vilassar casado com Juliana Pintó i Roldós e era Utilizada tanto para o comércio, onde foram aproveitados o rés do chão e a cave., como para habitação, localizado nos pisos superiores. Pere Màrtir Calvet morreu em Barcelona em 21 de fevereiro de 1894 aos 51 anos e sua esposa e filhos Eduard, Pere e Elisa Calvet i Pintó realizam o projeto. É listado como um Ativo Cultural de Interesse Nacional. A Casa Calvet é considerada a obra mais conservadora do arquiteto. Segundo especialistas, a explicação está no fato de que,

Na verdade, a simetria, o equilíbrio e a ordem que caracterizam a Casa Calvet não são comuns na obra de Gaudí. No entanto, é possível perceber elementos modernistas, como os dois frontões curvilíneos no final da fachada, a varanda com galeria de vidro e lajes que se projetam sobre a entrada ou a forma das demais varandas. As colunas que ladeiam a entrada lembram carretéis de linha e constituem uma alusão ao negócio têxtil da família Calvet. Como elemento curioso devemos destacar também, no topo da fachada, os bustos dos três santos padroeiros de Vilassar de Dalt, onde se encontravam os Calvetes: Sant Pere Màrtir (em homenagem ao pai do dono), Sant Genís d’Arle , o notário e o ator São Gênio de Roma. Foi a primeira construção premiada pela Câmara Municipal no Concurso Anual de Construção Artística (1899).

Porta e cerca da Finca Miralles
A porta e cerca da fazenda Miralles é uma obra de Antoni Gaudí declarada bem cultural de interesse nacional. É o único que sobrou da casa de Hermenegild Miralles. É uma obra de Barcelona declarada Patrimônio Cultural de Interesse Nacional. O portal e cerca de Can Miralles, menor obra de Gaudí, é uma parede de perfil ondulado, de base mais larga e estreito no topo. Coroando essa parede, há um elemento contínuo ao longo de toda a parede que acentua a forma sinuosa do todo. No topo da parede está uma grade de malha de arame com pontas na parte superior. Está centrado pela porta principal e o seu arco também é irregular. Ao lado da porta principal, há uma menor, que mantém a grade de ferro original.

Essas portas são cobertas por um telhado, como uma marquise, empena. As telhas são feitas de fibrocimento, embora originalmente feitas de papelão de pedra e tenham sido feitas por Hermenegild Miralles em uma de suas fábricas. Este telhado é tensionado com elementos de metal trançado e coroado por uma cruz gaudiniana de quatro lâminas com um perfil sinuoso de ferro forjado. Este telhado é uma reprodução do original, removido em 1965 e reconstruído em uma restauração em 1977-1978. Na porta principal, encontra-se uma escultura em bronze em tamanho natural de Gaudí, executada em 1999 pelo escultor Joaquim Camps, ano em que foi realizada a última restauração. Atualmente, a seção preservada da parede está em bom estado, embora tivesse originalmente 36 metros de comprimento.

A cerca e a porta de entrada de Can Miralles, situada no passeio aberto pelo Conde de Güell para chegar à Porta do Dragão da quinta de Pedralbes, foi construída por Gaudí no início do séc. Foi encomendado por Hermenegild Miralles com o objetivo de criar uma cerca que cercaria toda a sua propriedade. Salva da demolição, a cerca foi restaurada em 1977-78, com a restauração da cobertura que protege o acesso, que havia desaparecido, e a retirada da grade do grande portal, que não era a original.

Park Güell
O Parque Güell é um grande jardim com elementos arquitetônicos localizado na parte alta de Barcelona, ​​nas encostas do monte Carmelo com vista para o mar, não muito longe de Tibidabo. Foi projetado pelo arquiteto Antoni Gaudí, o maior expoente do modernismo catalão, construído entre 1900 e 1914 e inaugurado como parque público em 1926. Possui uma área de 17,18 hectares (0,1718 km²), o que o torna um dos maiores arquitetônicos trabalha no sul da Europa. Em 1984, a UNESCO declarou o Parque Güell um Patrimônio Mundial. O projeto do parque mostra claramente a mão de um arquiteto, e o estilo peculiar de Gaudí é evidente em qualquer elemento, por menor que seja. Existem formas ondulantes, semelhantes a rios de lava, e caminhos cobertos por colunas que têm o formato de árvores ou estalactites. Muitas das superfícies são cobertas com trencadís, peças de cerâmica ou vidro sob a forma de mosaicos coloridos. Devido à sua localização no meio da cidade e a uma altitude elevada, este parque é um refúgio de paz que contrasta com o barulho e a agitação da capital catalã.

Antoni Gaudí tinha em mente as cidades-jardim inglesas e fez questão de conseguir uma integração perfeita de suas obras na natureza. Prova disso são as colunas de pedras de tamanhos e formatos muito variáveis, que sugerem troncos de árvores, estalactites e cavernas naturais. Os ângulos retos não aparecem em lugar nenhum: as colunas são inclinadas como palmeiras. O ponto central do parque é constituído por uma imensa praça, cuja orla serve de banco e ondula como uma cobra de cento e cinquenta metros de comprimento. Esta bancada também é revestida com trencadís feitos de pequenas peças de cerâmica e vidro e é obra de Josep Maria Jujol, colaborador de Gaudí.

A praça é parcialmente sustentada pelo Salão das Cem Colunas, composto por oitenta e seis colunas que lembram estalagmites gigantes em uma caverna. No teto, entre as colunas, encontram-se decorações circulares onde não foram construídas as colunas inicialmente planejadas (deviam ser cem). Chega a este local a escadaria da entrada principal do parque, com degraus dispostos simetricamente em torno da escultura de uma salamandra que se tornou o emblema do jardim. Representa a salamandra alquímica, que simboliza o elemento fogo.

Na entrada principal do parque erguem-se dois edifícios de puro estilo Gaudí, com tectos lisos e curvos, estranhos apêndices e motivos geométricos. À direita está a Casa del Guarda, concebida e projetada por Gaudí como a casa do goleiro do Parque Güell. Os trabalhos de forja são obra de Badia, irmãos. A Casa del Guarda é um dos poucos exemplos de casa modesta construída por Gaudí. Foi construído entre 1901 e 1903 atendendo aos princípios da utilidade e da simplicidade interior, sem sacrificar, no entanto, uma grande riqueza formal e visual. Ao longo do tempo, a casa teve diferentes utilizações e passou por várias restaurações para acomodar o atual projeto museológico do Museu de História de Barcelona (MUHBA). A exposição “Güell, Gaudí e Barcelona. Expressão de um ideal urbano ”que explica a Casa del Guarda,

Casa Batlló
A Casa Batlló é um edifício projetado pelo arquiteto Antoni Gaudi, o mais alto representante do modernismo catalão, entre 1904 e 1907 está situado no número 43 do Passeig de Gràcia em Barcelona, ​​a ampla avenida que atravessa o bairro modernista no Eixample. Foi encomendado por Josep Batlló i Casanovas, empresário têxtil ligado à família Godó pelo casamento. A sua parte mais conhecida é a fachada, considerada uma das obras mais criativas e originais do arquitecto; combina pedra, ferro forjado, vidro quebrado e cerâmica policromada.

Gaudí teve para sua construção a colaboração dos arquitetos Josep Maria Jujol e Joan Rubió i Bellver para a realização da fachada, com os artesãos da forja os alemães Badia, os carpinteiros Casas e Bardés, o ceramista Sebastià Ribó e Josep Pelegrí (manchado fabricante de vidro).

Para além das diferentes interpretações de áreas ou detalhes específicos desta obra, a Casa Batlló, dentro da linha naturalista do autor, inspira-se no meio marinho. A variedade das suas cores e espécies compõe a tese com um predomínio proeminente do azul do mar e do ocre das rochas, um azul que aparece ligado à decoração cerâmica, à fachada, ao átrio ou aos pátios interiores. Segundo o historiador Juan José Lahuerta, “o interior da casa torna-se um ponto de encontro para o homem que enfrenta as multidões da cidade e luta em um mundo competitivo, uma espécie de caverna subaquática onde se reunir, onde encontrar um espaço íntimo, como mostra a obra de Júlio Verne (muito popular na época e falecido em 1905 coincidindo com a construção do prédio), o herói, o homem moderno e conquistador tem duas realidades: um exterior, cósmico, sem limites e um íntimo onde se recolhe na caverna, no seio materno da terra; natureza, razão e história convergem neste trabalho. ”

O edifício como um todo é inspirado em um ambiente marinho, um enigma submarino. A visão naturalista do autor explica esta tese com um domínio proeminente do azul do mar e do ocre das rochas. Um azul que aparece ligado à decoração cerâmica, que começa com tons suaves de azul no átrio que se ligam, internamente, com os pátios cambiantes de intensidade e, externamente, com o mar da fachada. A escadaria principal situa-se numa gruta subaquática que conduz a um piso nobre que se configura como o grande refúgio subaquático, como um aquário de onde somos observados ou observados, como um submarinoque nos permite isolar e nos proteger. Um interior em que as formas arredondadas das portas e janelas evocam as comportas interiores de um navio e onde os entalhes das portas de carvalho apresentam uma amostra de cobras do mar,

A conexão naturalista do edifício com um vivente leva Gaudí a usar símiles em função do trabalho mecânico realizado. Em suportes longos, usa formas que lembram o úmero ou o fêmur; as bases e capitéis dos pilares são uma reminiscência de vértebras; as balaustradas das varandas do primeiro andar são falanges e as grades convexas e túrgidas, feitas de corrimão de ferro, que protegem os óculos das varandas de ferro, lembram costelas. Na ausência de documentação direta de Gaudí, o significado das formas e cores da fachada teve várias interpretações, todas bastante plausíveis. A semelhança das varandas das varandas com máscaras de festa convida a ver deslizamentos de confete na policromia da fachada.

A interpretação de Lluís Permanyer aponta para uma visão menos profana e mais épica do que as anteriores e coloca o simbolismo em torno da luta de São Jorge contra o dragão, representante do mal, cuja espinha forma o perfil superior da fachada. prédio principal. A torre seria a lança cravada no dragão, o edifício; uma lança coroada por uma cruz que simboliza a bandeira de São Jorge e com as iniciais da Sagrada Família inscritas, um símbolo inequívoco do triunfo da religiosidade e do bem. As escamas azuis das costas do dragão ficam vermelhas – manchadas de sangue – no lado esquerdo da torre. Nessa interpretação, as varandas são fragmentos de crânios e os pilares das janelas do andar principal são os ossos das vítimas do dragão.

O conjunto de janelas do piso principal delineia a imagem de um morcego de asas abertas. É um animal ligado ao simbolismo medieval catalão popularizado pelo rei Jaime, o Conquistador que, segundo a lenda baseada no Livro dos Fatos, o lembrava de um morcego que impediu a derrota da Coroa de Aragão às margens de Burriana e permitiu a conquista de Valência.

No entanto, a origem mais provável deste animal como símbolo está no vibrio do Cume Real de Pedro, o Cerimonioso. A vibria era um dragão que coroava os brasões de algumas cidades importantes do Mediterrâneo, como Palma, Valência e Barcelona. A partir do século XVII, a imagem do viburno começou a se transformar, identificando-se com um morcego cuja forma acabou adquirindo. Essa transformação progressiva na heráldica foi totalmente imposta durante o século XIX, encurralando a vibração quase completamente. Naquela época, com o impulso do Renascimento, a imagem do morcego foi amplamente divulgada pelo movimento modernista, aparecendo em capas de periódicos como Lo Gay Saber e Revista de Catalunya. No brasão de Barcelona, ​​o morcego apareceu no início do século XIX e permaneceu até meados do século XX. Assim, o morcego como evolução do dragão alado está hagiográfico relacionado à figura de São Jorge.

No piso principal, muitas formas o transportam para um mundo fantástico, como se inspiradas em mitos ou livros de aventura e expedições tão em voga no final do século XIX. Alguns dos animais descritos ou as formas internas do piso nobre parecem ter sido tirados das ilustrações de Alphonse de Neuville na edição de 1870 do romance Vinte Mil Léguas Submarinas de Júlio Verne. O “olho do dragão” formado pela pequena janela triangular é inspirado na Roca Foradada da montanha de Montserrat. Gaudí, além do sentimento religioso, conheceu bem a montanha onde realizou o Primeiro Mistério de Glória do Rosário Monumental de Montserrat. A forma do teto da sala de jantar do andar nobre tem a forma de um splash com as gotas que gera a partir das quais são geradas as ondas expansivas da criação.

A Casa Batlló é uma vanitas em exibição no passeio mais luxuoso de Barcelona e que relembra, através do luxo transbordante da burguesia, a transitoriedade de todas as coisas e a sua morte. Por outro lado, a morte é o começo da transformação, da metamorfose eterna como o perpetuum móvel representado pelo redemoinho onde o tempo devora a matéria e a matéria sempre retorna no caos. Formas espirais, como nebulosas associadas à geração do universo, sua criação. A forma mais saliente encontra-se no tecto da sala do andar nobre, mas também pode ser vista em alguns tímpanos de portas interiores.

A escadaria principal é claramente a espinha de um animal pré-histórico dentro de sua caverna. Das juntas das colunas em forma de osso do lado de fora da galeria do andar nobre brotam plantas carnudas. Gaudí alude à constante regeneração da criação. Gaudí desenhou para o Batlló o panot Gaudí, um pavimento hidráulico feito pela Escofet, de peças hexagonais de cor azul e motivos marinhos que deviam estar no chão do quarto do Batlló para terminar de criar um ambiente marinho, mas no final foi não usado. Uma alga do gênero Sargassum, uma amonita e um equinoderme são representados. Embora tenha pago em Batlló, Gaudí o recuperou e colocou na casa de Milà. Com o tempo, o panot Gaudíha tornou-se um sinal de identidade e é o pavimento das calçadas do Passeig de Gràcia. Tinha sido desenhado em cera cinza por Joan Bertran,

Casa de milão
A Casa Mila, também conhecida como edifício “La Pedrera” é uma modernista localizada no Paseo de Gracia em Barcelona, ​​na esquina da rua Provença. Foi a última obra civil projetada por Antoni Gaudí e foi construída entre 1906 e 1912.

Foi encomendado pelo empresário Pere Milà i Camps e sua esposa Roser Segimon i Artells, natural de Reus e viúva do rico indiano Josep Guardiola i Grau. Na época, era altamente polêmico devido às formas onduladas ousadas da fachada de pedra e ao ferro forjado retorcido que decorava suas varandas e janelas, projetadas em grande parte por Josep Maria Jujol, que também projetou alguns dos céus de gesso.

Arquitetonicamente, é considerada uma obra inovadora por possuir uma estrutura de colunas e pisos livres de paredes de suporte. Da mesma forma, a fachada – toda em pedra – é autoportante, ou seja, não deve suportar cargas das plantas. Outro elemento inovador foi a construção da garagem subterrânea.

O ano de 1984 foi declarado Patrimônio Cultural da UNESCO por seu valor universal excepcional. Desde 2013 é a sede da Fundació Catalunya La Pedrera, que gere as várias exposições e atividades que aí se realizam e as visitas ao edifício.

O prédio tem 1.323 m² construídos por andar em um terreno de 1.620 m². Gaudí iniciou os primeiros esboços na sua oficina na Sagrada Família, onde concebeu a casa como uma curva constante, exterior e interior, incorporando múltiplas soluções de geometria regulada, bem como elementos de carácter naturalista.

A Casa Milà é o resultado de dois edifícios que se estruturam em dois pátios que iluminam os nove níveis: cave, rés-do-chão, mezanino, piso principal (ou nobre), quatro pisos superiores e um sótão. O subsolo foi destinado a garagem, o piso principal foi a residência dos senhores milaneses, um apartamento de 1.323 m², e o restante foi distribuído em 20 casas para aluguel. A planta resultante tem uma forma assimétrica em “8” devido à forma e ao tamanho diferentes dos pátios. O sótão, que albergou as lavandarias e estendais, constitui um espaço isolante do edifício e ao mesmo tempo determina os diferentes níveis da cobertura.

Uma das partes mais marcantes é a cobertura, coroada com sinos ou saídas de escadas, ventiladores e chaminés. Todos estes elementos, construídos em tijolo plano revestido a cal, mármore partido ou vidro, têm uma função arquitectónica específica e tornam-se verdadeiras esculturas integradas no edifício.

A Casa Milà é um organismo único, onde a forma externa tem uma continuidade interna. Dos pavimentos é necessário destacar os tectos de gesso com relevos de grande dinamismo, o trabalho da madeira das portas, das janelas e dos móveis (infelizmente, hoje desaparecidos), bem como o desenho do pavimento hidráulico e ornamentais diversos elementos

A escada foi destinada ao serviço, pois o acesso às casas era feito por elevador, exceto no piso principal, onde Gaudí acrescentou uma escada de configuração particular.

Escolas da Sagrada Família
As escolas da Sagrada Família é um edifício construído em 1909 pelo arquiteto modernista catalão Antoni Gaudí, localizado no terreno do templo expiatório da Sagrada Família.

Foi encomendado pela Associação dos Devotos de São José, presidida por Josep Maria Bocabella, promotor do templo da Sagrada Família. Gaudí construiu no terreno destinado à fachada do Glória, que se esperava por muito tempo livre; era um pequeno prédio destinado à escola dos filhos dos trabalhadores que trabalhavam na Sagrada Família. O ensino ficou a cargo da professora e amiga de Gaudí, Magin Espina Pujol, a foto está na atual escola. O edifício tem uma planta rectangular de 10 × 20 metros, e era constituído por três salas de aulas, um átrio e uma capela, com instalações sanitárias num corpo agregado ao edifício. A construção foi feita em tijolo, em três camadas sobrepostas, seguindo a técnica tradicional catalã. Tanto as paredes como o teto são ondulados, o que confere à estrutura uma sensação de leveza mas ao mesmo tempo uma grande resistência. Do lado de fora, ele definiu três áreas para salas de aula em seu quarto.

As escolas sofreram graves danos durante a Guerra Civil Espanhola, razão pela qual o edifício foi desmontado em blocos e posteriormente reconstruído. Domènec Sugrañes i Gras encarregou-se do restauro em 1940 com fundos limitados, razão pela qual ruiu e foi necessária uma nova intervenção em 1943, de Francesc de Paula Quintana i Vidal. Em 2002, o prédio da escola foi transferido para o exterior do templo, na esquina das ruas Sardenya e Mallorca.

As escolas da Sagrada Família foram um exemplo de génio construtivo e serviram de inspiração para muitos arquitectos, pela sua simplicidade, resistência, originalidade de volume, funcionalidade e pureza geométrica. Suas formas onduladas foram aplicadas por arquitetos como Le Corbusier, Pier Luigi Nervi, Félix Candela e Santiago Calatrava.

Tags: