Convento de Cristo, Tomar, Portugal

O Convento de Cristo (Convento de Cristo / Mosteiro de Cristo) é um antigo convento católico romano em Tomar, Portugal. Originalmente uma fortaleza dos Templários do século XII, quando a ordem foi dissolvida no século XIV, o ramo português foi transformado nos Cavaleiros da Ordem de Cristo, que mais tarde apoiaram as descobertas marítimas de Portugal do século XV. O convento e complexo do castelo é um monumento histórico e cultural e foi listado como Património Mundial da UNESCO em 1983.

História
Convento de Cristo é uma denominação que geralmente identifica um importante conjunto arquitectónico que inclui o Castelo Templário de Tomar, a Igreja de Carola e a Igreja Manuelina adjacente, o convento renascentista da Ordem de Cristo, a cerca conventual (ou a Mata das Sete Montanhas), o Ermida de Nossa Senhora da Conceição e o Aqueduto dos Conventos (Aqueduto dos Pegões). Sua construção começou no século XII e continuou até o final do século XVII, envolvendo um vasto compromisso de recursos, materiais e humanos, ao longo de sucessivas gerações. Hoje é um espaço cultural, turístico e devocional.

Séculos XII-XVIII
O castelo foi fundado por Gualdim Pais no reinado de D. Afonso Henriques (em 1160) e ainda preserva memórias da época destes monges cavaleiros empenhados na reconquista; incluía a aldeia murada, o terreiro e a casa militar entre a casa do Mestre, a Alcazaba e o oratório dos cavaleiros (a Rotunda ou Charola). Em 1357, quarenta e cinco anos após a extinção da Ordem dos Templários, o castelo tornou-se a sede da Ordem de Cristo, criada em seu lugar ainda no reinado de D. Dinis.

Em 1420 o Infante D. Henrique foi nomeado governador e administrador da Ordem de Cristo e, a partir daí, o exercício do governo da Ordem será entregue à família real. A Ordem é reconfigurada sem distorcer seu espírito original, cavalaria e cruzada, mas direcionando-a para um novo objetivo, o da expansão marítima, que a própria Ordem vai financiar (é com o Infante que os Cavaleiros se tornam navegadores e muitos navegadores se tornam cavaleiros da Ordem de Cristo). Durante sua regência, o ramo da religião contemplativa é introduzido na Ordem, coexistindo com o dos freire-cavaleiros; a casa militar do castelo é transformada em convento, dois claustros são construídos e a Alcazaba é adaptada à casa senhorial do Infante.

Entre 1495 e 1521 D. Manuel é rei de Portugal, assumindo o cargo de governador e regedor da Ordem, que em seu reinado terá um profundo envolvimento na companhia dos Descobrimentos, sendo detentor de imenso poder disperso por todo o império português. O convento será palco de importantes obras de expansão e aperfeiçoamento, entrelaçadas com o espírito que preside ao reinado deste monarca. Expandiu a Rotunda dos Templários para o ocidente, com a construção extramural de uma imponente igreja / coro e sacristia (iniciada por Diogo de Arruda e terminada por João de Castilho), que coloca em vigor uma linguagem decorativa revigorante (estilo manuelino) que “celebra a Descobertas marítimas portuguesas, a mística da Ordem de Cristo e da Coroa em uma grande manifestação de poder e fé. ”

Ainda mais do que D. Manuel, D. João III centrar-se-á na tomada de muitas das suas iniciativas, em consonância com o desejo de fazer desta cidade uma espécie de “capital espiritual” do reino, onde desejaria ser enterrado (alguns historiadores Admita ter sido este o motivo da construção da pequena Igreja Mausoléu de Nossa Senhora da Conceição). A partir de 1529, ele ordenou uma profunda reforma da Ordem de Cristo e a construção de um novo espaço conventual. O processo é liderado por Frei António de Lisboa, notável humanista que implementa uma mudança global na instituição, transformando a Ordem numa ordem estrita de encerramento (inspirada na Regra de São Bento) e promovendo a construção de um grande convento. Será João de Castilho, o mais reputado arquiteto / mestre dos trabalhos da época, a assumir a responsabilidade pela obra (c.1532-1552), seguido de Diogo de Torralva (após 1554). Os novos edifícios vão subir a oeste do castelo e Nave manuelino, segundo um estilo classicista sóbrio que contrasta com o carácter hiper-decorativo do manuelino.

É no adro do Convento de Cristo que se realizam as Cortes de Tomar de 1581, em que D. Filipe I (Filipe II de Espanha) é aclamado rei de Portugal. Herdeiro do trono português, Filipe I torna-se também mestre da Ordem de Cristo. A construção do convento prolonga-se durante a sua governação e a dos seus sucessores, com a conclusão do Claustro de D. João III, a construção da Sacristia Nova e, a sul, o Aqueduto (de Philip Terzi). Também o flanco norte sofre mudanças significativas, com a construção da Nova Portaria e do Novo Dormitório no Claustro da Pousada e, no final do século XVII, a grande Enfermaria e a nova Botica, as últimas grandes obras realizadas no convento. em data posterior à Restauração da Independência.

Século XIX
Os séculos XIX e XX representam um período de turbulências e profundas mudanças no Convento de Cristo. Em 1811, as tropas francesas ocupam o convento, levando à destruição da notável tenda do coro. Em 1834, a extinção das ordens religiosas repentinamente pôs fim à vida monástica neste monastério masculino (pela vontade de D. Maria II, a Ordem de Cristo sobreviverá na forma de uma Ordem Honorífica; presente, o Presidente da República Portuguesa); parte importante do seu recheio é roubada, incluindo livros em pergaminho com iluminações, pinturas e outros espécimes artísticos. No ano seguinte, muitos dos bens conventuais (como a Cerca Conventual, o recinto da antiga vila no castelo e os edifícios do ângulo sudoeste do convento) são vendidos em hasta pública a um conde privado e futuro. Tomar, ala oeste do claustro do corvo em uma mansão do século XIX, onde ele e sua família residirão por várias gerações.

Em 1845 D. Maria II, acompanhada por D. Fernando, instalou-se no convento; sete anos depois D. Fernando encomendou a demolição do andar superior do Claustro de Santa Bárbara e os primeiro e segundo andares da ala sul do Claustro da Pousada para permitir uma melhor visualização das fachadas da igreja do século XVI, nomeadamente a janela manuelina a oeste, obstruída pelos edifícios renascentistas.

No final do século XIX, várias dependências foram entregues aos militares – como as antigas enfermarias, o hospital, o Knights ‘Hall, a Botica e o claustro de Micha – para ocupação pelo Hospital Militar Regional; em 1917, toda a assembléia, exceto a igreja, é agora ocupada pelo Ministério da Guerra. Em 1939 as propriedades dos herdeiros do conde de Tomar são readquiridas pelo Estado. A desativação dos espaços entregues à esfera militar deveria ocorrer mais tarde, nas últimas décadas do século XX, e o Estado havia retomado a posse plena do convento agora com suas funções culturais e turísticas.

Ao longo dos anos, houve muitas ações de recuperação do Convento de Cristo; eles são devidos à sobrevivência do conjunto histórico que podemos admirar hoje. Entre os mais recentes, destaca-se o longo processo de restauração de bandejas (iniciado no final dos anos 80 e final de 2013), revelando um tesouro há muito escondido: pinturas em trompe l ‘oeil do período manuelino, “cuja visão faz a leitura do espaço interior da bandeja notavelmente “.

Classificação
Devido ao seu notável valor patrimonial, o Convento de Cristo é classificado como Monumento Nacional (1910) e Patrimônio Mundial (1983) [nota 2]. A classificação da UNESCO como Patrimônio da Humanidade foi baseada em dois critérios: primeiro, o Convento de Cristo representa uma conquista artística excepcional em relação ao templo primitivo e aos edifícios do século XVI; por outro lado, está associado a ideias e eventos de significado universal, tendo sido concebido na sua origem como monumento simbólico da reconquista e tornando-se, no período manuelino, um símbolo inverso, o da abertura de Portugal às civilizações externas.

Caracterização arquitetônica
O complexo foi construído entre os séculos XII e XVII e sofreu sucessivas adaptações que refletiram os diferentes tipos de uso que recebeu e as características estilísticas da arquitetura dos diferentes momentos históricos, compartilhando românico, gótico, manuelino, renascentista, maneirista e assim por diante. estilo de chão chamado.

Num equilíbrio muito simplificado, destacam-se as construções iniciais dos séculos XII e XIII que sobreviveram ao Castelo e à Templária Charola (em estilo românico e gótico); das intervenções do tempo do Infante D. Henrique, no século XV, os claustros góticos, a noroeste da Charola e as ruínas do Paço do Infante; a décima quinta intervenção inicial (1510-1515) deixou-nos o coro / igreja manuelina, a ampla apreciação do interior da Charola, o portal sulista e uma inacabada sala capitular dominada pelo estilo manuelino; os seguintes trabalhos, iniciados c. 1532, correspondia à construção do vasto convento em estilo renascentista (sendo o Claustro maneirista de D. João III), que envolvia externamente a igreja manuelina e ocupava uma extensa área a poente (incluindo vários claustros, dormitórios, refeitório, cozinha e outros espaços destinados à vida monástica); os últimos estágios de construção ocorreram durante a Dinastia Filipina e no período posterior à Restauração, correspondendo ao prédio, entre outros, do bloco longo, no estilo do piso, que delimita o complexo conventual ao norte / nordeste (que abriga a Nova Portaria ou Portaria das Filipinas, a Enfermaria e Botica) e o Aqueduto a sul.

Castelo, Charola, claustros góticos
O Castelo de Tomar foi constituído por uma cintura de paredes e foi dividido em três espaços. Na parte sul foi o recinto da aldeia (onde hoje é o laranjal). No topo da colina ao norte ficava a casa militar dos Templários, ladeada pela casa do Mestre (a Alcazaba, em ruínas), com a torre de menagem e, no oeste, o oratório dos cavaleiros (a Charola). . Separou estes dois recintos o vasto terreiro do castelo, hoje um espaço de jardim.

A Charola do Convento de Cristo era o oratório privado (com prováveis ​​funções sepulcrais) dos Cavaleiros dentro da fortaleza. Tomando a basílica paleocristã do Santo Sepulcro de Jerusalém como modelo, é um dos raros e emblemáticos templos da Europa medieval. Segundo Paulo Pereira, sua construção foi realizada em duas etapas: a inicial ocorreu na segunda metade do século XII (1160-1190), época dominada pelo românico (seria interrompida devido a graves escaramuças com Almohades); a segunda, a conclusão do templo, cerca de quatro décadas depois (1230-1250 aC), já em fase de plena afirmação da língua gótica em Portugal. O resultado é um trabalho que cruza elementos de ambos os estilos (românico e gótico). A planta da Charola se desenvolve em torno de um espaço octogonal central, que se desdobra em dezesseis faces na parede externa do ambulatório. O interior do tambor central é coberto por uma cúpula baseada em veias cruzadas, de grande verticalidade, e o ambulatório por abóbada de canhão.

O edifício seria objecto de adaptações ao longo do tempo, especialmente em termos de acesso, inicialmente localizado na nascente e que passaria, no reinado de D. Manuel I, para ocidente, através de um arco triunfal de João de Castilho) de comunicação com a nova igreja manuelina, numa alteração formal e funcional que transformou a Charola na capela-mor do novo templo. A valorização litúrgica foi então realizada através de uma intervenção abrangente e multifacetada que incluiu programas de escultura e pintura parietal e integração de importantes peças de escultura e pintura, como as de Jorge Afonso, Olivier de Gand, Fernão Muñoz, Fernão por Anes, Gregório Lopes e Simão de Abreu (particularmente significativo foi a descoberta de pinturas do século XV da abóbada do ambulatório, finalmente reveladas em uma recente restauração).

Desde a remodelação e ampliação do mosteiro iniciado durante o período da administração do Infante, entre outras iniciativas, a construção de dois claustros, em estilo gótico, que têm estrutura de arcadas quebradas em colunas de grupos. Adjacente à Charola, o Claustro do Cemitério é devido à mariposa de Fernão Gonçalves e remonta a cerca de 1420; o nome é devido ao fato de que foi destinado ao enterro dos freires e altos dignitários da Ordem de Cristo. O Claustro das Lavagens, de dois pisos, originalmente fazia a articulação entre o Claustro do Cemitério e o Paço do Infante.

Igreja Manuelina e Portal Sul
Entre 1510 e 1513 as obras de construção da igreja acontecem sob a direção de Diogo de Arruda. O novo edifício foi literalmente encostado à face ocidental da antiga bandeja templária e aproveitou-se de terrenos irregulares naquela área para criar um volume unificado de grande magnificência (o impacto externo seria, no entanto, seriamente afetado pela construção subsequente de claustros renascentistas adjacentes) e criar, internamente, os espaços sobrepostos da sacristia e do alto coro (onde foi instalada uma notável banca de Olivier de Gand, que não sobreviveria à devastação patrimonial que ocorreu durante as invasões francesas). O conjunto, particularmente a fachada ocidental, apresenta uma profusão decorativa dotada de um profundo simbolismo mitográfico que cruza os símbolos Cristológico e Mariano com os da heráldica real. A famosa janela da fachada ocidental em particular, concebida como um “poema de pedra inflamada”, faz parte de uma vasta fachada (cingida com bustiços e animada com esculturas dos quatro “reis de armas” do reino), revelando o programa de ornamentos de fauna e flora e ecos da aventura dos Descobrimentos Emblemáticos do estilo manuelino.

A obra terminaria em 1515, num segundo empreendimento em que o novo funcionário, João de Castilho, se encarregaria de tratar de vários assuntos que ficaram por resolver nos trabalhos anteriores, entre os quais a construção da abóbada do novo edifício manuelino. igreja / coro, a ligação entre ele e a bandeja e a criação de um novo e monumental portal para o templo. A abóbada nervurada unidirecional que cobre a igreja, dá unidade ao espaço e melhora a iluminação interior de quatro janelas (duas sul e duas norte) e um óculo circular na fachada oeste. A abóbada é dividida em três panos, apoiando-se em oito mísulas com decoração vegetal e figurativa. Entre a igreja / coro e a bandeja foi aberto um amplo arco quebrado que garante uma conexão efetiva entre os dois espaços. Por fim, o Mosteiro dos Jerónimos.

O portal sul aproveita a espessura da parede da igreja para criar um dossel arquitectónico no topo e protege o conjunto escultural no qual foram incluídas várias figuras simbólicas de profetas, mitrado clero, doutores da Igreja, que fica no centro, o imagem da Virgem Rainha do Céu, com a cruz de Cristo superando. Do ponto de vista estilístico, a fusão entre o manuelino e o gótico influenciada pelo léxico decorativo da Renascença tem lugar aqui, através de um tipo de ornamentação muito difundida em Espanha, o plateresco. Na obra de 1515 também começou a construção do Salão do Capítulo, que ficaria inacabado.

Claustros renascentistas
A disposição geral da renovação e expansão renascentista de João de Castilho obedeceu a um conceito racional (e funcional). Dois longos corredores cruzados articulam quatro claustros principais, que juntos delimitam um enorme quadrilátero; eles são o Grande Claustro (ou D. João III), o Claustro da Hospedaria, o Claustro dos Corvos e o Claustro de Micha. Um quinto claustro, de dimensões mais modestas, apoiava-se na fachada ocidental da igreja manuelina, afectando seriamente a sua visibilidade. De um ponto de vista funcional, este claustro – Claustro de Santa Bárbara – passou a ocupar um lugar chave, de transição entre edifícios antigos e novos. Terá sido o primeiro a ser construído (c. 1531-1532) e as suas características estilísticas revelam um corte radical com a densidade hiper-decorativa do manuelino e a opção por uma nova linguagem classicista. O primeiro andar deste claustro foi demolido em meados do século XIX com o objectivo de restaurar a visibilidade da fachada da igreja manuelina, em particular a famosa janela manuelina. Finalmente, observe o pequeno Claustro Necessaria (um bloco saliente na fachada oeste do convento), exclusivamente para saneamento.

O claustro da pousada tinha a intenção de receber os visitantes do convento e, portanto, tem uma aparência nobre. Preserva características idênticas ao que deveria ter sido o Cloister Grande inicial, castelhano, permitindo imaginar em traços gerais o que teria sido esta construção perdida. Contrafortes de secção quadrangular, ao longo da altura do claustro, ritmam suas elevações. Cobertas por abóbadas de nervuras, as galerias do térreo são constituídas por quatro seções, com arcada dupla de perfeito retorno, dispostas em colunas com amplas capitéis; o primeiro andar é coberto por suportes de madeira com tetos em caixotões, consistindo de uma arquitrave no centro de uma coluna jônica; o lado oeste do claustro tem um andar adicional, resolvido de forma idêntica ao primeiro andar. O equilíbrio formal deste claustro foi seriamente perturbado pela subsequente demolição da galeria do primeiro andar (por razões semelhantes à amputação do claustro de Santa Bárbara) a sul, e pelo edifício norte do corpo deselegante do chamado Portaria Nova, que distorce o equilíbrio dessa fachada. Os Claustros de Corvos e Micha são organizados de maneira basicamente semelhante à da Pousada, embora tenham uma escala menos ampla e um nível mais simples de acabamento, já que são áreas funcionais diferentes, destinadas ao noviciado e à assistência.

Claustro de D. João III
O Grande Claustro original – ou Claustro de D. João III – foi quase completamente desmantelado após a morte de João de Castilho, por motivos que permanecem pouco claros na sua totalidade. Foi substituído pela notável versão maneirista de Diogo de Torralva, considerada uma obra-prima desse arquiteto e maneirista europeu. As obras foram prolongadas por Francisco Lopes após a morte de Torralva (1566), com os últimos acabamentos (de Filipe Terzi) e a fonte central (de Pedro Fernandes de Torres) já concluída no tempo da dominação filipina. Como cúpula da arquitetura européia do século XVI, esse claustro traduz a assimilação precoce dos valores maneiristas mais instruídos.

O Claustro de D. João III de Torralva revela um domínio absoluto da linguagem clássica, influenciado pelos Livros III e IV de Sebastiano Serlio, e provavelmente de obras inspiradoras como a Villa Imperial de Pesaro (c. 1530), adaptando-as ao programa. O trabalho interpreta uma mesma frase clássica, mas agora informada pela experiência do Alto Renascimento. Monumentalidade e escala desempenham um papel decisivo aqui através da proporção cuidadosa de vãos e elementos de suporte. “O resultado é um corpo de galerias de transparência transparente”, de uma luminosidade suave, reverberada pela suave pedra de cor quente; “Os valores de luz e sombra são acentuados pelo jogo cromático de superfícies, que empregam principalmente calcário amarelo, em contraste com o mármore preto dos aviões de reentrada.”

Dormitórios e Cruzeiros, Cantina, Noviciado
Os longos corredores do andar superior dos dormitórios são cobertos por extensas abóbadas de berço com esculturas de madeira de carvalho tipicamente clássicas; no lugar onde se cruzam formam o Cruzeiro propriamente dito, uma interessante peça arquitectónica desenhada por Castilho com a ajuda de Pedro Algorreta que tem adjacente uma capela com a imagem do Cristo Sentado ou Senhor da Cana Verde, 1654 (escultura em terracota da Inácia da Encarnação). Decorado em relevo (guirlandas, putti …) e coberto por uma lanterna com uma cúpula em “clergyman’s cap”, o cruzeiro marca o cruzamento de corredores e altera a arquitetura clara e despojada do conjunto. A sala de jantar é coberta por uma abóbada de canhão, apoiada em uma cornija contínua e com cercados delimitados por nervuras em pedra, seção quadrada e configuração clássica.

No primeiro andar da fachada oeste do claustro de Micha estão as três salas do noviciado. Cada um deles tenta de alguma forma imitar a sala hypostyle de Vitruvius; os dois primeiros (destinados ao dormitório dos noviços), têm um espaço arquitrafado, coberto de madeira, sustentado por quatro colunas centrais com capitéis iônicos; na terceira praça – a capela do Noviciado ou dos Reis Magos -, “o arquiteto construiu uma das obras-primas renascentistas portuguesas”. A cobertura dessa sala, que termina o piso, é formada pelo cruzamento de duas abóbadas de dossel em madeira ( com ensecadeiras), sustentadas por arquitraves baseadas em colunas coríntias com capitéis compostos, sendo as quatro centrais perfeitamente realçadas e as doze restantes ligadas às paredes da fronteira.

Aqueduto, Nova Ordenança e Enfermaria Monástica
Construído na época de Filipe II de Espanha, o Aqueduto dos Pegões foi desenhado por Philippe Terzi. É um projeto de engenharia hidráulica em grande escala com cerca de 6 quilômetros de extensão, com um total de 180 arcos para as passagens aéreas do conduíte. A seção sobre o vale do Pegões, composta de 58 arcos na parte mais profunda do vale, é composta por 16 arcos quebrados, erguidos por sua vez em imponentes massas de alvenaria. O aqueduto termina com uma fileira de grandes arcos ligados à fachada sul do convento.

No lado oposto, ao norte do complexo conventual, encontra-se o corpo “longo e monótono” da chamada Nova Ordenança. Erguido no século XVII, no estilo do chão, “sem qualquer escárnio estilístico”, integra a enfermaria e a Botica. Com entrada ao norte, a Portaria Nova inclui uma escada em 3 lanços, com azulejos azuis e brancos de padrão-padrão, sendo precedida por um pequeno vestíbulo (a céu aberto), terminando no Salão dos Reis, um espaço quadrangular com telhas idênticas para a escadaria e teto com painéis de madeira pintada.

Ermida de Nossa Senhora da Conceição
Localizado junto ao Convento de Cristo, terá sido o Hermitage de Nossa Senhora da Conceição (segundo a proposta do historiador Rafael Moreira), concebido como uma igreja do mausoléu para D. João III e seus familiares (este desejo testamentário do o rei não estaria no cumprimento de seus sucessores). De corte quadrangular, esta pequena capela foi uma das últimas obras de João de Castilho; sua configuração interior é totalmente idêntica à da Capela do Noviciado, embora neste caso totalmente em pedra. Estaria terminado por Diogo de Torralva (cuja marca estilística é detectada sobretudo no estrangeiro) após a morte de Castilho.

“O belo exterior é muito superado pelo interior”, não é muito espaçoso, onde está um reflexo do primeiro renascimento italiano; são três naves cobertas por abóbadas de berço sobre requintadas colunas coríntias, sendo o transepto coberto identicamente por uma abóbada de berço. “O eremitério pode ser considerado, justamente, uma das jóias do renascimento europeu. A sua intrigante perfeição, especialmente no interior, [de Castilho] de uma harmonia única na arquitectura portuguesa e peninsular, faz dele um verdadeiro exemplo da linguagem renascentista na arquitectura. ”

Tags: