Baelo Claudia, Cádiz, Espanha

A antiga cidade romana de Baelo Claudia está localizada na enseada de Bolonha, na cidade de Bolonha, a cerca de 22 km a noroeste da cidade de Tarifa, na província de Cádiz (Espanha). Está localizado dentro do atual Parque Natural do Estreito. O estudo de seus restos arquitetônicos mostra sua origem romana no final do século II aC. C., já observado desde aquela época uma grande riqueza que o transforma em um importante centro econômico dentro da área do Mediterrâneo.

História
Baelo Claudia está situado na costa norte do Estreito de Gibraltar. A cidade foi fundada no final do século II aC, como resultado do comércio com a África do Norte (era um importante porto de Tânger, na Mauritânia Tingitana, por exemplo). É possível que Baelo Claudia tivesse algumas funções da administração governamental, mas a pesca do atum, a salga e a produção de garum eram as principais fontes de riqueza. A cidade foi finalmente bem sucedida o suficiente para ser concedido o título de municipium pelo imperador Claudius.

A vida dos habitantes alcançou seu maior esplendor durante o século I aC e no século II dC. No meio do século 2, no entanto, a cidade declinou, provavelmente como resultado de um grande terremoto que varreu uma grande parte. Além de tais desastres naturais, no século 3, a cidade foi cercada por hordas de piratas, tanto germânicos quanto bárbaros. Embora tenha experimentado um leve renascimento no final do século, no século VI a cidade foi abandonada.

As escavações revelaram os vestígios mais completos de uma cidade romana em toda a Península Ibérica, com monumentos extremamente interessantes, como a basílica, o teatro, o mercado e o templo de Ísis. O cenário espetacular no Parque Natural El Estrecho permite ao visitante ver a costa do Marrocos. Um moderno Centro de visitantes apresenta muitos artefatos e tem uma introdução abrangente ao site. Também oferece estacionamento, sombra, banheiros, uma loja e boas vistas do mar. A entrada é gratuita para os cidadãos do Espaço Econômico Europeu mediante a apresentação de um documento de identidade.

Espaços Singulares

Templo de Isis
Construído em 70 dC
Templo com planta retangular de 29,85 x 17,70 m.

Origem
Espaço sagrado dedicado à deusa Ísis.

Comentários
O templo foi dedicado à deusa egípcia Ísis, como atestam as duas inscrições encontradas na escadaria do templo durante as escavações. O nome da deusa aparece gravado nas placas na silhueta dos pés em relevo daquele que faz a oferenda.

O espaço público do templo é fechado por um pórtico e no centro é o pódio com o salão da divindade. Na frente desta sala estão os elementos destinados ao culto: o altar, o lar, o poço sagrado e a cisterna.
O espaço privado do templo é separado do culto e contém os cômodos para o uso doméstico dos sacerdotes, bem como a apresentação dos novos iniciados, onde seus rituais eram realizados.

parede
Construído no tempo de Augusto e reparado e renovado com o mesmo layout na segunda metade do primeiro século dC
Cerca de 1200 m. de layout que representa o perímetro da cidade.

Origem
Acredita-se que não tenha um propósito puramente defensivo, dado que foi um tempo de paz, para o que é considerado um muro de prestígio. Provavelmente pretendia definir o “pomoerium” da cidade, o limite urbano sagrado da cidade.

Comentários
Na parede, os principais acessos à cidade são abertos. No lado nordeste, da chamada Puerta de Asido, a estrada que levava a esta cidade (agora Medina Sidonia) começou. Outra porta se abriu na mediação da parede leste, dando acesso ao Teatro Decumanus. Um pouco mais abaixo encontramos a porta Carteia no Decumanus Maximus. No lado oeste da muralha, apenas o Portão de Gades é conhecido, dando também acesso ao Decumanus Maximus. A zona sul da muralha, paralela ao mar, circunda o bairro salazonero.

Capitólio
Construído entre 50 e 70 dC
Todos os três são quase idênticos: A, 20,23 x 8 m; B, 20,23 x 7, 42 m; C, 20,23 x 8,03 m.

Origem
Templos dedicados ao culto da Tríade Capitolina.

Localizado no lado norte do Fórum, em uma plataforma que apresenta uma queda vertical de cinco metros em relação à praça pavimentada.

Comentários
Esses três templos representam a religião oficial e também compõem a área sagrada de Baelo. Sua situação dominante não é acidental e simboliza a submissão da vida administrativa e política à divindade, sob cuja proteção se desenvolve a vida cidadã. O templo serve apenas como morada para a estátua do deus ou deusa, enquanto o culto é desenvolvido principalmente no exterior, especialmente nos altares existentes ao pé da escadaria do edifício central. Nos ritos oficiais, uma grande importância foi dada aos imperadores deificados.

Teatro
Construído no século I dC, por volta do ano 60 dC, foi abandonado no final do século II ou início d. III AD

67 m de comprimento de fachada por 15 m. Alta.

Origem
O teatro foi usado para a performance teatral. Após o seu abandono, no final dos tempos romanos foi reutilizado como uma necrópole.

Comentários
A proliferação de portas e corredores de acesso obedece ao fato de que a colocação dos espectadores no teatro foi predeterminada. A cavea foi dividida em três setores semicirculares: o ima cavea – ou arquibancada inferior – era reservado para as classes dominantes da cidade, com os magistrados locais ocupando os primeiros assentos, ao lado da orquestra; a cavea média – ou arquibancadas intermediárias – era ocupada por mercadores e funcionários públicos, bem como por cidadãos livres de status mais elevado; a parte superior ou summa caveait foi reservada para as pessoas comuns, as pessoas comuns. Se levarmos em conta que cada setor foi separado de seu imediato por meio de uma pequena parede, entendemos o motivo da existência de tantas portas.

Nas laterais do púlpito, um espaço decorado localizado bem em frente ao palco, há duas fontes monumentais cuja parte escultural representa dois sátiros reclináveis, que alimentam a água das fontes com odres embaixo dos braços.

Atrás do palco havia uma grande parede ricamente decorada – scaenae frons -, que serviu de pano de fundo para a performance teatral e ao mesmo tempo fez uma caixa de ressonância para que a voz dos atores pudesse ser amplificada e atingir o público.

Fórum
Embora a origem do Fórum de Baelo deva ser colocada no tempo de Augusto, o núcleo fundamental da área forense que vemos hoje é remodelado entre 50 e 70 aC (reinados de Cláudio e Nero).
Área forense: 75 x 50 m; Praça do Fórum: 37 x 30 m.

Origem
Espaço essencial para uso público, centro da vida cívica em todas as suas facetas: política, administrativa, judicial ou religiosa.

Área central da cidade, posição central entre as telas das paredes leste e oeste. Comunica-se com o Decumanus Maximus no seu lado sul.

Comentários
A área forense de Baelo Claudia é, talvez, a que chegou até nós de maneira mais completa e a que apresenta o melhor estado de conservação de toda a Península.

Em imitação de Roma, o Fórum estava em todas as cidades o centro da vida cívica e o lugar de encontro e relação. Por esta razão, eles estavam localizados na junção das duas principais ruas da cidade ou muito perto dela. Em princípio, o Fórum de Baelo tinha várias funções, entre as quais se destacava a comercial. A partir de meados do primeiro século, esse papel está desaparecendo em todas as cidades das províncias ocidentais do mundo romano. O Fórum agora adquire um sentido mais institucional, político e religioso, movimentando a atividade comercial para outras áreas, o que explica a construção do mercado ou “Macellum” de Baelo Claudia. A atmosfera do fórum na antiguidade era mais fechada do que podemos ver hoje. Era um espaço delimitado por grandes edifícios de todos os lados, o que propiciava um espaço com sua própria entidade. As varandas laterais protegiam os cidadãos da intempérie do tempo.

Mercado (Macellum)
Foi construído no final do século I dC, quando o Fórum estava fechado à atividade comercial. No século II DC, apenas as lojas que abrem suas portas para o Decumanus Maximus sobrevivem. Logo depois foi completamente abandonado.

Origem
Mercado de suprimentos da cidade. No segundo século as lojas de interiores são usadas como aterro e em casas de período final são construídas.

Comentários
Existem muitos elementos arquitectónicos disponíveis: o pavimento, os drenos, os suportes, as pilastras, as colunas, as capitais, etc., que permitem deduzir com suficiente precisão a sua condição original, bem como aventurar a possibilidade de um restauração arquitetônica futura. Esta ação seria de grande interesse, considerando o pequeno número de mercados que permanecem intactos no resto do mundo romano. O prédio tinha dois níveis. As lojas eram pequenas, já que a maior parte da mercadoria era exibida fora delas. O prédio tinha portas que fechavam à noite, além de lojas. A aedicule (capela) existente no centro do edifício deve ser dedicada a uma divindade ligada ao comércio, possivelmente Mercúrio.

Molas quentes urbanas
Sua construção pode ser datada do final do século I – início do século II dC, graças às inscrições dos tijolos usados ​​em sua construção. O edifício estava em uso até o final do século IV dC

32,50 x 13,50 m. Parcialmente escavado entre 1969 e 1970. O edifício como um todo é de 38 x 37,8 m.
Origem
Os banhos tinham uma função higiênica, mas também eram um espaço de lazer e recreação social, para relações com outros cidadãos, onde conversavam, faziam ginástica, tomavam banho etc.

Comentários
Os usuários, depois de acessar o espaço térmico, sujaram com óleo e massagearam nas “tepidarias” ou salas quentes, antes de acessar o “caldário”, onde tomavam banho quente e reprimiam o calor sufocante com água do labrum. No final do seu descanso, eles cruzaram as salas quentes novamente e foram para o banheiro frio no “frigidarium”. Nela havia duas banheiras, uma mais funda para o banheiro e outra na forma de uma abside para aspersão.
Estes banhos de Baelo conservam perfeitamente o “hypocaustum” “ou sistema de aquecimento, que através da combustão permanente nos fornos permitiu ter água quente e vapor. Muitos dos tijolos desta construção têm um selo que marca sua fabricação perto dos vizinhos Tingis (presente Tânger), que corrobora uma vez mais, as intensas relações de Baelo com o norte da África.

Recentemente, eles descobriram grandes banhos termais localizados fora da cidade, mas muito próximos a eles. Elas foram definidas como Termas Marítimas, localizadas em um subúrbio imediato da cidade, mas abertas para o mar, possivelmente para atender à importante população flutuante relacionada às atividades portuárias e à pesca. Ambos os espaços térmicos são praticamente sincrônicos e foram construídos em um período em que houve um amplo desenvolvimento deste tipo de instalações no mundo romano, representando Baelo Claudia como um claro expoente do mesmo.

Decumanus Maximus
O traçado corresponde ao tempo de Augusto, sendo posteriormente remodelado em consonância com o resto das importantes obras realizadas na segunda metade do primeiro século dC O seu abandono, muito desigual, ocorreu ao longo do período romano tardio, podendo ser condicionado para o tsunami que deveria ter devastado parte da cidade no s. III AD

Tem 9 m. de largura variável e seu comprimento total constitui a largura máxima da cidade.

Origem
Rua principal da cidade. Abriu as principais lojas da cidade, assim como o mercado (macellum), a praça de compras e as fontes termais urbanas. Essa rua era o eixo comercial da cidade.

Separa a zona intermediária da cidade da parte sul definindo um eixo leste-oeste. A confluência entre esse eixo rodoviário e o Cardo Maximo (norte-sul) definiu o fórum da cidade, o coração da vida pública. Dos eixos do Cardo e Decumanus Maximus o urbanismo vitrubiano foi articulado com base em ruas paralelas e perpendiculares.

Comentários
O Decumanus Maximus, como rua principal de Baelo, comunicava dois dos principais portões da cidade e era ladeado por pórticos. Do Decumanus, edifícios importantes como as termas urbanas, o mercado (macellum) e a basílica foram acessados, assim como a conexão com o Fórum. É comum encontrar em pavimentos romanos carros enrolados nas lajes, embora não seja o caso de Decumanus de Baelo, o que sugere que era a principal rua de comércio e relacionamento dos cidadãos e não o ponto em que o tráfego rolava.

Este eixo rodoviário foi escavado em torno de 90% do seu comprimento, constituindo um dos únicos decumanos do nosso país preservados inteiramente.

Seu traçado fossiliza a rota costeira que ligava Gades (Cádiz) e Carteia (San Roque), as principais cidades que eram a espinha dorsal da costa de Cádis durante a antiguidade e que representavam dois dos enclaves mais destacados da área do Estreito nos tempos romanos. .

Portão Leste, também chamado Carte de Carteia.
A porta é construída por volta de 10 aC, no reinado de Augusto. Seu uso é mantido até o final do século IV dC
Acesso central: 3,15 m entre as torres; bastiões retangulares: 6,50 x 4,50 m

Origem
Entrada da cidade a partir da estrada que chega de Carteia, dando acesso ao Decumanus Maximus.

Comentários
No setor de Puerta de Carteia, pode-se observar claramente a evolução do muro em torno de Baelo Claudia. Foi construído no primeiro século dC em duas fases: a primeira, no tempo do imperador Augusto; e o segundo, sob Claudio. A espessura reduzida de suas telas confirma que, em plena paz romana, o objetivo principal do muro não era a segurança contra os inimigos inexistentes, mas serviu como uma delimitação da área do cidadão, que era o espaço sagrado protegido pelos deuses, chamado “pomoerium” ”

O Portão Carteia foi escavado em 1919 por Pierre Paris, após o que foi abandonado por oitenta anos. Em 2013, a sua escavação foi concluída pelo Conjunto Arqueológico e com a colaboração da Universidade de Cádiz.

Basílica
É construído entre 50 e 70 dC, para cessar a sua utilização nos s. III AD quando o prédio desmoronou.

31,50 x 18,50 m.

Origem
Prédio público destinado principalmente à administração da justiça. É também um local de culto imperial, espaço de negócios e encontro de cidadãos.

Ocupa todo o lado sul do Fórum, que se abre em uma frente, enquanto, por outro, dá acesso a uma pequena praça que se abre para o Decumanus Maximus.

Comentários
A Basílica era o edifício mais monumental do fórum, e destinava-se essencialmente à atividade judicial, embora os duoviros, magistrados supremos de Baelo Claudia, tivessem poderes de justiça muito limitados, pois as principais causas dependeriam dos magistrados da província.

Além da celebração dos julgamentos, a basílica provavelmente teve múltiplos usos. Vitrubio fala da basílica como um lugar onde as transações comerciais ocorrem, sob a proteção do direito romano, mas também serviu como um ponto de encontro para o refúgio de agentes meteorológicos.

Presidindo a basílica, podemos identificar a estátua colossal de Trajano com as vestes do magistrado e a abundância de cornucópia. A presença desta imagem e a descoberta de vários pedestais de outras esculturas, possivelmente de membros da família imperial, nos fazem pensar na prática do culto imperial dentro da Basílica.

Foi construído em meados do século I, fechando a área forense, possivelmente em uma basílica anterior, quando o fórum foi reformado. Seu colapso definitivo veio no s. III, associado a um grande terremoto. Os tambores das colunas foram localizados, nas escavações, colados uns aos outros, o que permitiu que parte da colunata fosse restaurada após as escavações.

Cisterna e aquedutos
Aqueduto e cisterna do norte: tempo de agosto, possivelmente. Aqueduto de Punta Paloma: metade do primeiro século dC Aqueduto da Serra de Prata: primeira metade do século II dC

Cisterna norte: 30 x 6 m. Aquedutos: Punta Paloma, 8 km; Sierra de Plata, 1,2 km; Norte, 4 Km.

Origem
Abastecimento de água.

Canalização de nascentes e elementos de armazenamento e distribuição dentro da cidade.

Comentários
Havia um suprimento completo de água potável por meio de três aquedutos, com destaque para o leste, que parte de Punta Paloma, a oito quilômetros de distância, e do qual ainda existem vestígios das arcadas que serviram para salvar os vários córregos que cruzavam seu traçado. . Um desses restos de arcadas ainda é visível muito perto da parede oriental da parede.

Dos poços circulares do norte aqueduto são conservados, bem como vários trechos com restos do canal que levaram à cisterna terminal de armazenamento de água, na parte superior da área urbana. Isso tinha que fornecer água para os edifícios naquela área. Foi parcialmente escavado em 2000 e 2001.

Necrópole sudeste
Incinerações: do século I aC ao século I dC; Inumações: de III AD a IV AD

Ocupa um setor de 2 tem

Origem
Local de enterro.

Área Sudeste do Conjunto Arqueológico, na estrada que leva a Carteia. Extramural.

Comentários
A cidade de Baelo Claudia tem três necrópoles. Dois deles localizados na saída dos portões leste e oeste da cidade, marcando a estrada; outra, localizada a nordeste, fica entre o aqueduto oriental e a atual estrada de acesso a Bolonha. Este último é o mais recente.

A principal característica da necrópole de Baelo é a incorporação de betiles, que são peças cilíndricas ou troncocônicas com ou sem base, esculpidas em calcário, ou simples pedregulhos de quartzito que tentam representar um torso humano. Estes betils são colocados fora do monumento funerário e voltados para o mar, tal como acontece nos monumentos colectivos com o local para o depósito de urnas. Os betilos têm um significado ritual talvez relacionado às divindades marinhas que também podem atuar como gênios protetores, como um símbolo da vida futura. Eles também podem estar relacionados com alguma divindade greco-romana (Saturno ou Baco) ou Púnica (Baal).

Em Baelo encontramos elementos que associam suas necrópoles com outras similares do Norte da África, como os enterros turriformes, de inspiração púnica ou líbia, que permaneceram muito válidos durante a era romana.

Famílias Domus do Quadrante Solar e Domus do Ocidente
Séculos I – III AD

Domus do Quadrante Solar: 28 x 20 m; Domus del Oeste: 25 x 20 m.

Origem
Provavelmente, essas casas foram associadas aos negócios da indústria de salga, como o endereço dos proprietários das fábricas ou espaços comerciais associados à sua gestão.

Zona sul de Baelo, dentro do distrito industrial. Ambas as casas têm acesso a partir da rua porticada tradicionalmente conhecida como “Cardo de las Columns” e estão localizadas frente a frente gerando uma composição praticamente simétrica.

Comentários
Dessas moradias surgem as melhores amostras de arte pictórica de Baelo Claudia, uma vez que quase todos os quartos foram originalmente estucados e decorados com pinturas que reproduziam, principalmente, motivos geométricos ou florais. Eles foram escavados entre 1917 e 1921, embora tenham sido re-escavados mais tarde, como a areia da praia os tinha re-enterrado.

Uma dessas casas, a mais oriental ou “Quadrante Solar”, recebe seu nome atual para a descoberta de uma peça única que estava localizada no interior e que é um relógio de mármore de grande qualidade técnica e artística. No museu da cidade romana você pode ver uma cópia desta peça, desde que o original está em exposição no Museu Arqueológico Nacional (Madri).

No que diz respeito à outra casa, a Casa del Oeste, como curiosidade, devemos salientar que, em um momento indeterminado, parte dos quartos dos fundos foi segregada para estender a fábrica de salazonera, localizada no fundo, para que pudesse abrigar a nova fábrica. piscinas circulares ou troncos que, desde então, foram integrados na maior fábrica da cidade.

Como singularidade, por último, podemos destacar que, durante a década de 50, um bunker relacionado à defesa costeira do Estreito foi construído em parte dessas casas, que foi definitivamente desmantelada nos anos 80. A partir desta construção defensiva não há mais provas de que a cabeça de um ninho de metralhadora que está integrado sob a passarela externa que corre ao longo do perímetro da cidade romana ao lado da praia.

Salgar fábricas
A construção, uso e abandono da maioria das fábricas escavadas em Baelo pode ser datada pelo menos entre o século IV dC, embora tenha sido testemunhado na área da praia a presença de fábricas de salga mais antigas, que podem ser rastreadas até a s. II aC, como é o caso do encontrado em Punta Camarinal. A maioria desses complexos industriais foi construída durante o período de agosto ou durante os séculos I e II dC, e um processo de abandono foi geralmente observado em meados ou final do século XX. II AD que afetou algumas dessas fábricas. Ao longo do s. IV foi confirmada a recuperação da atividade salazonera, com duração claramente até pelo menos no século seguinte.

Entre 80 e 200 m2, com capacidade produtiva que chegou a 90 m3 em alguns casos.

Origem
Zona industrial dedicada principalmente à salga de peixe e à produção do famoso molho de peixe “garum”.

Eles estão localizados no bairro sul da cidade, intramuros, na área mais próxima da praia.

Comentários
As necessidades de consumo de alimentos essenciais da população das grandes cidades do Império Romano e a dificuldade que estes alcançaram em um estado aceitável de conservação fazem proliferar as indústrias de salga na costa de Cádiz. As condições naturais da área são excepcionais para a pesca, pois é um local de passagem para a migração anual de atum entre o Atlântico e o Mediterrâneo.

A captura do atum em almadraba e sua posterior conservação constituíram uma indústria florescente e foi a causa fundamental do nascimento e prosperidade da própria Baelo Claudia. Quando o peixe chegou à fábrica, as barbatanas, a cabeça, os intestinos e as ovas, bem como o sangue, foram removidos. O peixe foi cortado e lacerado para que o sal penetrasse bem. Mais tarde, foi empilhado em grandes tanques ou piscinas, escavadas ao nível do solo, para serem salgadas. Sucessivamente camadas de peixe e sal foram espalhados em proporção igual, deixando-o entre um e três meses, em média, antes de terminar a salga. Os peixes salgados foram colocados em ânforas seladas com um disco de barro, depois depositados nos armazéns à espera de serem transferidos.

O produto mais apreciado e caro que foi feito nessas fábricas foi um molho conhecido como “garum” ou “liquamen”. Nas comédias gregas, o “garum” hispânico já é mencionado, sendo um produto altamente valorizado no mercado mediterrâneo. Havia uma ampla gama de produtos por trás dessas definições genéricas, pois sabemos que alguns desses molhos utilizavam como base espécies de peixes pequenos, como a sardinha ou a anchova, enquanto outros reutilizavam as vísceras e o sangue do atum, como é o caso da salsa. “O garum acompanhou todos os tipos de alimentos, como molho ou tempero, atuando como tempero e realçador de sabor, devido às suas características é conhecido por ter propriedades estimulantes do apetite e tem sido testemunhou que os médicos ou médicos costumavam recomendá-lo. por suas faculdades alimentares e curativas.

O site atual
O sítio arqueológico fica ao lado de uma área turística, por isso está começando a explorar seu potencial turismo cultural. O site é facilmente acessado e as visitas são gratuitas, exceto para estrangeiros que precisam pagar uma taxa para visitá-lo.

A Junta de Andalucía construiu um novo Centro de Recepção de Visitantes (do qual o arquiteto é Guillermo Vázquez Consuegra) e realizou um Projeto de Ação de Paisagem na Ensenada de Bolonia (escrito e executado pelo Instituto Andaluz de Patrimônio Histórico entre 2010 e 2013) . Da mesma forma, a Universidade de Cádiz realiza estudos do local, dando origem a novas descobertas, como a única cópia do Doryphoros de Polykleitos na Hispânia.

Tags: