Guia de viagens de Veneza, turismo histórico, Itália

Veneza era a capital da república marítima com o mesmo nome, o centro histórico de Veneza foi enriquecido ao longo dos séculos por grandiosos monumentos artísticos, uma manifestação da opulência que, graças ao comércio marítimo, atingiu a cidade. A incomparável localização no centro de uma lagoa e a beleza de suas construções a tornam uma cidade única no mundo.

Veneza é virtualmente a mesma que era há centenas de anos, o que aumenta o seu caráter fascinante. Veneza decaiu desde seu apogeu e sofre com o turismo excessivo, mas o charme romântico permanece. É também conhecida como o berço dos compositores Tomaso Albinoni e Antonio Vivaldi. Veneza e sua lagoa são Patrimônio Mundial da UNESCO.

Veneza é um santuário em uma lagoa, o primeiro assentamento histórico data de 25 de março de 421, data da consagração da igreja de San Giacometo, quando as populações do continente, fugindo das invasões bárbaras, buscaram refúgio na lagoa. Foi outra invasão, a descida de Pipino (Carlomanno) em 821, para decretar a prevalência da zona mais segura, a margem alta (Rialto), entre todos os centros circundantes e para lhe dar o título de capital do Ducado de Veneza.

Origens
A história da República de Veneza começa tradicionalmente com a fundação da cidade ao meio-dia da sexta-feira, 25 de março de 421 DC, pelas autoridades de Pádua, para estabelecer um entreposto comercial naquela região do norte da Itália. A fundação da república veneziana também teria sido marcada no mesmo evento com a fundação da igreja de St. James. De acordo com a tradição, a população original da região consistia de refugiados de cidades romanas próximas, que estavam fugindo de ondas sucessivas de invasões hunas e germânicas de meados do segundo a meados do quinto século.

Nos tempos antigos, Veneza gradualmente se retirou das disputas entre os senhores do continente e passou a prestar mais atenção ao comércio marítimo. A próspera economia marítima e o crescimento de cidades e armas, e depois de resistir com sucesso aos invasores, eles gradualmente se tornaram a nova República de Veneza.

A República de Veneza remonta a 827, quando um duque bizantino mudou sua sede para o que hoje é conhecido como Rialto e, nos 970 anos seguintes, prosperou no comércio (especialmente da Rota da Seda) e sob o domínio de um romano estilo Senado chefiado pelo Doge. Por fim, a República de Veneza tornou-se uma poderosa cidade-estado e o berço do renascimento italiano. No final do século 15, com a expansão do Império Otomano em torno do Mediterrâneo, novas rotas em alto mar deslocaram o comércio para o Atlântico, rebaixando o status político de Veneza.

A posição geográfica favorável dentro do Mediterrâneo favoreceu sua ascensão e o florescimento do comércio com a Europa e Constantinopla sancionou sua consagração definitiva ao poder marítimo e a República Marítima ao lado de Gênova, Pisa e Amalfi. No entanto, em comparação com outras cidades marítimas italianas, Veneza conseguiu alcançar uma riqueza e um poder incomparáveis ​​que a colocaram não apenas no topo da Itália, mas também no topo da Europa. Também se destacou por suas instituições extraordinariamente eficientes e “democráticas” para a época.

As Cruzadas
Veneza foi ao longo dos séculos um dos portos de partida dos Cruzados. Veneza também participou da terceira e quarta cruzadas a convite do Papa. Embora a guerra tenha sido em vão, as cruzadas deram a oportunidade de consolidar sua posição no Oriente ao conquistar pontos-chave para o comércio. Veneza era um monopolista de fato no tráfico de mercadorias que fluíam da Europa Ocidental e do norte da Itália.

Alta Idade Média
No século 12, a república construiu um grande estaleiro nacional que agora é conhecido como Arsenal de Veneza. Construindo novas e poderosas frotas, a república assumiu o controle do Mediterrâneo oriental. A primeira bolsa de valores do mundo foi iniciada em Veneza, para apoiar comerciantes de toda a Europa. Os venezianos também ganharam amplos privilégios comerciais no Império Bizantino, e seus navios freqüentemente forneciam uma marinha ao Império.

No século 14, Veneza enfrentou dificuldades para o leste, especialmente durante o reinado de Luís I da Hungria. Ao longo da costa da Dalmácia, seu exército atacou as cidades da Dalmácia de Zara, Traù, Spalato e Ragusa.

Guerra com Gênova
A rivalidade histórica com Gênova originou-se da competição entre as Repúblicas Marítimas pelo controle das rotas comerciais com o Oriente e com o Mediterrâneo. No século 13, as hostilidades eram limitadas à guerra. Por volta de 1218, as repúblicas de Veneza e Gênova concordaram em pôr fim ao nocivo corsário com a garantia de proteção mútua, enquanto aos genoveses era garantida a liberdade de tráfico nas terras do Império do Oriente. As duas repúblicas entraram em confronto violento na segunda metade do século XIV pela posse do mosteiro de San Saba, na cidade síria de Acre.

Na realidade, Gênova, que não havia conseguido tirar seu rival do comércio com o Oriente, caminhava para um período de lutas internas que comprometiam sua independência. Veneza, ao contrário, conseguiu manter um estado coeso. Em poucos anos, porém, a queda de Bizâncio em 1453 revelou qual era realmente a potência naval dominante no Mediterrâneo oriental e forçou as duas repúblicas marítimas italianas a buscar um novo destino. Gênova encontrou nas nascentes finanças internacionais, Veneza na expansão de terras.

Alta Renascença
Veneza tornou-se rica no comércio, as guildas em Veneza também produziam sedas, brocados, joias e artigos de ourivesaria, armaduras e vidro em forma de contas e óculos.

No início do século 15, os venezianos também expandiram suas possessões no norte da Itália e assumiram o controle definitivo da costa da Dalmácia, que foi adquirida de Ladislau de Nápoles. Veneza instalou seus próprios nobres para governar a área. Veneza conseguiu conquistar o interior da Itália, movendo seu centro de gravidade mais para o oeste. Após as conquistas, para um controle mais amplo do território e graças às doações do Estado, muitos membros da nobreza passaram a possuir territórios.

Muitas outras famílias da aristocracia, no final do século XV e ao longo do século XVI, instalaram-se com atividades agrícolas nos novos territórios como verdadeiros colonos. Assim nasceu a villa veneziana, constituída por um corpo central (ou dominicale), geralmente alto, mas de proporções domésticas, adequada para acolher o proprietário e a sua família, quando este fosse pessoalmente verificar o fundo. O solar era ladeado por confortáveis ​​dependências para os camponeses, por depósitos para a colheita e por galpões para ferramentas (barchesse), como parte do ideal renascentista de boa governação dos assuntos públicos e privados.

Durante o século XVI com as vilas paladianas, isto é, aquelas construídas pelo arquiteto Andrea Palladio especialmente na província de Vicenza, a villa veneziana eleva-se à dignidade da arte e ao mesmo tempo conhece uma organização rigorosa, quase científica das relações funcionais entre seus diferentes espaços. Ao redor de Veneza, ao longo das vias de comunicação que levam a Pádua e Treviso, ao longo do tempo foram construídas casas de campo lado a lado por sua riqueza e beleza.

Um dos acontecimentos significativos na história de Veneza foi a inauguração da primeira ópera pública em 1637, que permitiu aos membros do público em geral (aqueles que podiam pagar pelos ingressos) desfrutar do que antes era entretenimento da corte reservado para os aristocracia, permitindo assim que o gênero da ópera prosperasse. Veneza foi um importante destino do Grand Tour do século XVII.

Guerra da Liga de Cambrai
Durante o mesmo período, a República de Veneza envolveu-se em uma confusão entre o Estado Papal e as potências europeias no norte da Itália. Embora nenhuma batalha em grande escala tenha sido travada no território, enfrentando um adversário poderoso, a República de Veneza teve que adotar uma estratégia defensiva e perdeu a oportunidade de abrir novos territórios. Depois da guerra, o território da República de Veneza foi reconhecido, mas também enfrentou a situação de ser encurralado por potências europeias.

Guerras Otomano-Venezianas
Depois que Constantinopla caiu nas mãos dos otomanos, a guerra era inevitável. Os otomanos conquistaram o Peloponeso e lançaram uma ofensiva no continente veneziano, aproximando-se do importante centro de Udine. Em 1571, após o longo cerco de Famagusta, Chipre foi perdido. Nesse mesmo ano, em Lepanto, uma frota cristã, comandada por Don Giovanni da Áustria e composta por navios venezianos, espanhóis, genoveses, saboianos, da Igreja e dos Cavaleiros de Malta, derrotou a frota turca. A contribuição de Veneza foi decisiva na batalha.

Em 1669, após a sangrenta guerra de Candia, que durou vinte anos, que deixou Veneza exausta, os turcos tomaram a cidade de Candia, ganhando assim o controle total de Creta.

A crise e queda da República
Neste período as rotas do Mediterrâneo perderam importância a favor das novas rotas comerciais atlânticas abertas pelos espanhóis e portugueses que, desde a descoberta da América e da abertura do caminho às Índias passando pelo Cabo da Boa Esperança, as viagens de exploração e a colonização dos continentes extra-europeus havia começado. Esta situação marcou o início da marginalização comercial de Veneza, agravada também pelo avanço contínuo dos turcos. Foi a mudança do centro de gravidade comercial europeu para as Américas e a luta árdua e desigual contra o Império Otomano que decretou o início do fim da república marítima do Adriático.

Veneza era no século XVIII uma das cidades mais requintadas da Europa, com forte influência na arte, arquitetura e literatura da época. Seu território incluía Veneto, Friuli, Istria, Dalmácia, Cattaro, parte da Lombardia e as ilhas Jônicas.

No entanto, Veneza permaneceu independente por mais de 1000 anos até a chegada de Napoleão, ainda constituindo um centro de interesse e referência para as artes, arquitetura e literatura na Europa.

Em 1797, a cidade foi conquistada por Napoleão, golpe do qual nunca se recuperou. A cidade logo foi absorvida pela Áustria-Hungria, e depois ficou entre a Áustria e a Itália nascente, mas Veneza ainda é um monumento aos dias de glória da Renascença, e a cultura histórica ainda palpita fortemente nas veias dos antigos italianos .

Reino da itália
Com a Paz de Presburgo em 26 de dezembro de 1805, o Império Austríaco renunciou à Província de Veneza, que foi cedida ao Reino Napoleônico da Itália. Após a restauração após o período napoleônico, em 9 de junho de 1815, com o Congresso de Viena, Veneza passou para o Reino Lombard-Vêneto, do qual se tornou uma das duas capitais, e capital da província com o mesmo nome.

Em 1846 foi inaugurada a ponte ferroviária ligando Veneza ao continente, hoje Ponte della Libertà.

A cidade participou das lutas do Risorgimento. Após a Terceira Guerra da Independência, o plebiscito de 21 e 22 de outubro de 1866 sancionará a anexação ao Reino da Itália.

Pós-guerra
O período do pós-guerra viu a grande expansão de edifícios do continente veneziano, que atraiu imigrantes de todo o interior do Vêneto e do próprio centro histórico. Paralelamente a esta expansão, a maior parte de sua população se afasta do centro histórico, a tal ponto que hoje o continente veneziano tem o dobro de habitantes da ilha de Veneza.

Tour Histórico
O lugar mais famoso da cidade é a Piazza San Marco, a única do centro histórico que se caracteriza pelo topônimo “piazza”: as demais praças são chamadas de fato “campi” ou “campielli”. A Basílica de São Marcos está localizada no centro da praça, colorida de ouro e coberta com mosaicos que contam a história de Veneza, juntamente com os baixos-relevos que retratam os meses do ano. O Palácio Ducal fica ao lado da Basílica: para uni-los, a Porta della Carta, obra de Bartolomeo Bono, que é a saída do museu Palazzo Ducale. Para ver a Sala del Maggior Consiglio, que durante séculos foi a maior sede do governo do mundo, a Ponte dos Suspiros, as prisões e as Guias. Em frente ao Palácio do Doge fica a torre do sino de San Marco:construído em 1173 como farol para marinheiros.

São inúmeras as igrejas que se destacam na cidade lagunar, tanto pelos seus méritos arquitetônicos quanto pelos tesouros artísticos nelas contidos. Entre as mais importantes estão a Basílica octogonal de Santa Maria della Salute, a Basílica de Santa Maria Gloriosa dei Frari, a igreja de Santa Maria dei Miracoli, a igreja de San Francesco della Vigna, a igreja de San Zaccaria, a basílica de Santi Giovanni e Paolo, a igreja do Redentor, esta última construída na ilha Giudecca por um projeto de Andrea Palladio, e a basílica de San Pietro di Castellowhich inclui duas capelas de Veronese. Outros monumentos venezianos importantes são o Arsenale, as sinagogas do Gueto.

Veneza está repleta de palácios nobres, com vista para campos, ruas, canais e canais, antigas residências das famílias venezianas mais ricas da época de ouro da cidade. Entre os mais famosos Palazzo Fortuny, em estilo gótico doados à cidade de Veneza pela viúva do artista espanhol Mariano Fortuny, Palazzo Grassi, obra de Giorgio Massari, Palazzo Mocenigo com fachada em estilo renascentista, Palazzo Grimani, propriedade do estado e sede do Tribunal de apelação e Palazzo Loredan de estilo gótico. Duas ou mais famílias são freqüentemente mencionadas no nome, como Palazzo Cavalli-Franchetti ou Palazzo Gritti-Badoer, ou o ramo da família é especificado (por exemplo, Palazzo Morosini del Pestrin).

Muitas residências privadas, em vez disso, mantêm a denominação tradicional Ca ‘, que indicava o nome da família e do edifício: por exemplo Ca’ Foscari, sede da universidade municipal homônima, Ca ‘Corner, projetada no século 16 por Jacopo Sansovino, Ca’ Rezzonico, no distrito de Dorsoduro e a obra de Longhena, Palazzo Balbi, sede do Presidente e do Conselho Regional da Região de Veneto, Ca ‘Pesaro, Ca’ Tron, Ca ‘Vendramin Calergi e Ca’ Dario,

Em Veneza, dada a sua vocação comercial milenar, existem também os fondachi, edifícios antigos de origem medieval que serviam de armazém e abrigo a mercadores estrangeiros. Ao longo do Grande Canal, você pode ver o Fondaco dei Tedeschi, o Fondaco dei Turchi e o Fondaco del Megio.

Devido à sua conformação, Veneza possui 435 pontes públicas e privadas que ligam as 118 ilhotas sobre as quais está construída, cruzando 176 canais. A maioria deles é construída em pedra, outros materiais comuns são madeira e ferro. A mais longa é a Ponte della Libertà, que atravessa a lagoa veneziana, ligando a cidade ao continente e permitindo assim o tráfego de veículos.

O principal canal que corta a cidade, o Grande Canal, é atravessado por quatro pontes: a ponte de Rialto é a mais antiga (construída por volta do século XVI); a ponte Accademia; a ponte Scalzi, esta última construída sob o domínio dos Habsburgos e reconstruída no século XX, e por último a ponte da Constituição, construída em 2008 por projecto do arquitecto Santiago Calatrava. Outro símbolo da cidade é a ponte de Rialto: obra de Antonio Da Ponte, foi construída em 1591. Uma das pontes mais famosas de Veneza é, aliás, a Ponte dos Suspiros. Construída em pedra da Ístria no século XVII por projeto do arquiteto Antonio Contin, ela conecta o Palazzo Ducale às Novas Prisões.

Veneza também abriga o procurado museu Peggy Guggenheim, onde há grandes obras de artistas como Ernst, Modigliani, Picasso, Mirò, Pollock e Kandinsky.

Patrimônio histórico

Campanário de São Marcos
A torre sineira de São Marcos é um dos símbolos mais importantes da cidade de Veneza, é uma das torres sineiras mais altas da Itália, estando isolada em um canto da Praça de São Marcos em frente à basílica. A torre do sino de San Marco foi construída no século IX. Foi originalmente usada como torre de observação e farol. Foi reconstruída em 1100 e concluída no dia 16 sob a orientação do arquiteto Bon. Foi reconstruída em estilo renascentista, mantendo a estrutura original. A torre sineira desempenha há séculos um papel essencial na vida política e social da cidade. Os sinos tocaram para informar os habitantes da cidade de todos os principais eventos organizados em Veneza. Ao pé da torre do sino estavam vendedores de vinho famosos que se mudaram para sentar à sombra da torre do sino,dependendo da hora do dia. Deste antigo costume deriva o termo usado pelos venezianos para uma taça de vinho: Ombra. O topo da torre oferece uma vista esplêndida de Veneza e da lagoa.

De forma simples, é constituída por um barril de tijolo canelado, de forma quadrada, com um lado de 12 metros e cerca de 50 metros de altura, acima do qual se encontra o campanário, com arcos. O campanário é, por sua vez, encimado por um dado, em cujas faces se retratam alternadamente dois leões voadores e as figuras femininas de Veneza (Justiça). O conjunto é completado pela cúspide em forma de pirâmide, no topo da qual, montada em uma plataforma giratória para funcionar como cata-vento, está a estátua de ouro do arcanjo Gabriel. A base do edifício é embelezada, no lado voltado para a basílica, pela loggia de Sansovino. Na base do Campanile está o Loggetta, um pórtico com colunatas projetado por Sansovino. Construído em mármore vermelho de Verona e embelezado com mármore branco de Carrara, antigo verde (um mármore verde mosqueado) e calcário de Ístria branco,a Loggetta foi projetada para servir como um pano de fundo adequado para os nobres venezianos se reunirem antes de serem processados ​​no Palácio dos Doges.

Biblioteca Nacional Marciana
A Biblioteca Nacional de Marciana é uma das maiores bibliotecas italianas e a mais importante de Veneza. Ele contém uma das melhores coleções de manuscritos gregos, latinos e orientais do mundo. Palladio define a biblioteca como “o edifício mais rico e ornamentado que já foi construído pelos antigos até aqui”. O projeto é notável, a estrutura importante. A decoração encontra-se na base da biblioteca, construída em dois pisos. A ordem arquitetônica, que define significativamente a decoração do artefato, é sobreposta. No andar térreo, uma rica toscana tridimensional que se apoia sobre os pilares (estilo romano) com tríglifos e metopos evidentes e no andar superior o jônico. Um exemplo de grande inovação são as Serliane bastante compactadas que caracterizam o edifício do primeiro piso.O enriquecimento decorativo da biblioteca é embelezado com obras escultóricas. Festões de frutas, grande cornija com importantes estátuas correspondentes às colunas caracterizam o evidente coroamento renascentista.

Os arcos do rés-do-chão são da ordem toscana. Sobre eles repousa um entablamento dórico que alterna triglyphs e metopes; no segundo nível, há uma loggia jônica, encimada por sua vez por um rico friso no qual querubins e festões de flores e frutos se sucedem. Nos arcos, uma rica decoração escultórica. No coroamento, balaustrada encimada por estátuas de divindades clássicas, obras de Alessandro Vittoria, Tommaso Minio, Tommaso e Girolamo Lombardo, Danese Cattaneo e Bartolomeo Ammannati. Na fachada, luz e claro-escuro, os vazios prevalecem sobre os cheios. É um organismo polivalente, cuja perspectiva na praça se resolve com uma dupla ordem de arcos de estilo romano, inspirados no Teatro de Marcelo e nos projetos Sangalleschi para o pátio do Palazzo Farnese. O primeiro pedido,com pórtico, ocupa o duplo sistema romano de colunas que sustentam a arquitrave e os pilares que sustentam os arcos, e a segunda que apresenta balaustradas descontínuas, colunas sustentando um friso riquíssimo e serlianas assim contraídas por anular seu valor de trifore.

Torre do Relógio
A Torre do Relógio é um edifício renascentista localizado na Praça de São Marcos. Em estilo renascentista, tem vista para a Piazza San Marco. O edifício é constituído por uma torre central, construída entre 1496 e 1499 pelo arquitecto Mauro Codussi, e duas alas laterais, acrescentadas posteriormente. O arco abaixo conecta a praça com a Mercerie. O mostrador do relógio, de 4,5 m de diâmetro, é em esmalte dourado e azul; marca a hora, o dia, a fase da lua e o zodíaco. O Relógio também é equipado com um mecanismo tradicionalmente ativado apenas nos dias da Epifania e da Ascensão: a cada badalada das horas, o painel lateral das horas se abre para deixar um carrossel de estátuas de madeira passar a Natividade e os três Reis Magos. As estátuas, arrastadas por um mecanismo de trilho ao longo da plataforma semicircular acima do mostrador,em seguida, entre novamente na torre pelo painel lateral da ata localizada no lado oposto da estátua da Virgem com o Menino, colocada no centro. A partir do ocaso do sol, que ocorre em horários diferentes dependendo da estação, o dia foi dividido em 24 horas de duração variável.

A torre é caracterizada pelos dois mouros no topo e por um relógio azul dourado que ativa o seu carrilhão por ocasião da Epifania, fazendo com que os Reis Magos e os personagens da Natividade surjam a cada badalada. Famosos são os chamados mouros de Veneza, assim apelidados por sua cor marrom pelos venezianos. Localizadas no topo da Torre, em um terraço, há duas estátuas de bronze representando dois pastores que batem as horas com uma maça em um grande sino. Um detalhe muito específico contribui para essa atribuição de papéis. Os mouros marcam as horas batendo no sino com os seus martelos (tantos toques quantas as horas), mas com uma modalidade precisa. O Moro Vecchio marca a hora dois minutos antes da hora exata, para representar o tempo que passou,enquanto o Moro Giovane marca a hora dois minutos depois para representar a hora que virá. A torre abriga um sino de nota E bemol 3, fundido em 1497 por Simone Campanato. O sino é batido pelos mouros e, ao meio-dia e meia-noite, também por dois martelos, os martelos do relógio de sol, não visíveis da praça.

Palácio Ducal
O Palácio Ducal, um dos símbolos da cidade de Veneza e uma obra-prima do gótico veneziano. Antiga sede do Doge e dos magistrados venezianos, fundada depois de 812. Hoje abriga o Museu Cívico do Palazzo Ducale, parte da Fondazione Musei Civici di Venezia (MUVE). Uma verdadeira homenagem ao gótico veneziano. Distingue-se por um estilo que, inspirado na arquitetura bizantina e oriental, exemplifica bem a intensidade das relações comerciais e culturais entre a Sereníssima e outros estados europeus, sua beleza se baseia em um astuto paradoxo estético e físico, o grosso dos principais o corpo é sustentado por colunatas incrustadas aparentemente delgadas. O Palácio do Doge está distribuído por três alas ao redor dos lados de um grande pátio central com arcadas,dois níveis com colunatas encimados por poderoso corpo de mármore embutido no qual se abrem grandes janelas ogivais, com monumental sacada central, sua abóbada é ricamente decorada, e um coroamento de pequenas cúspides e edículas de canto, substituindo a tradicional cornija.

O Palácio Ducal de Veneza preserva nos seus quartos e ao longo das suas fachadas um número impressionante de obras de arte, que datam de vários períodos históricos, encomendadas por doges individuais para transmitir a sua memória ou no contexto da reestruturação geral do complexo. O aparato decorativo tinha funções principalmente de celebração da história da Sereníssima República de Veneza, existem inúmeras alegorias, pinturas que retratam batalhas e acontecimentos históricos, tabelas que retratam gestos devocionais em relação aos santos e à Virgem. Os interiores, agora parcialmente privados das obras que outrora os decoravam, ainda conservam uma grande galeria de quadros, que inclui obras dos mais famosos mestres venezianos, incluindo Jacopo e Domenico Tintoretto, Tiziano Vecellio, Francesco Bassano, Paolo Veronese, Giambattista Zelotti,Jacopo Palma, o Jovem, Andrea Vicentino e Antonio Vassilacchi. Descubra a parte do edifício onde funcionava a administração da cidade, a prisão de Casanova e a maravilhosa estrutura do telhado de quinhentos anos. Visitando o palácio também é possível acessar a Ponte dos Suspiros.

Igrejas

Basílica de São Marcos
A Catedral Basílica Patriarcal de San Marco, mais conhecida como a Basílica de San Marco, é a igreja da catedral e a sede do patriarcado de Veneza. Junto com a torre sineira e a praça de San Marco, forma o principal conjunto arquitetônico de Veneza e, junto com eles, constitui o símbolo da cidade e do Vêneto mais conhecido no mundo. É também um dos símbolos da arte veneziana e do cristianismo. A basílica foi construída em 829 para conter os restos mortais de São Marcos, padroeiro da cidade e foi consagrada em 1024. A fachada principal é única. Tem cinco portas em arco, um terraço em que estou em casa, quatro cavalos de bronze da presa da 4ª cruzada dos incrédulos. No período da República de Veneza,foi a capela pessoal do Doge e foi construída com vários artefatos, principalmente da Ásia Menor e doados por mercadores venezianos. No interior, é embelezada com esplêndidos mosaicos dourados e várias obras de arte. Em virtude do tesouro de San Marco, os mosaicos ornamentados e os majestosos elementos de design, que fizeram do edifício sagrado o símbolo visível do poder e da riqueza.

Foi renovada e decorada várias vezes ao longo dos séculos e a Basílica é certamente a igreja mais espetacular da cidade. A famosa fachada principal apresenta uma linha do telhado ornamentada, na sua maioria gótica. Os mosaicos dourados que agora cobrem quase todas as áreas superiores do interior levaram séculos para serem concluídos. No século 13, a altura externa das cúpulas foi grandemente aumentada por tambores ocos erguidos em uma estrutura de madeira e cobertos com metal; as originais são mais rasas, como pode ser visto por dentro. Esta mudança torna as cúpulas visíveis da piazza. Muitos de seus ricos artefatos e relíquias foram saqueados de Constantinopla na Quarta Cruzada, incluindo muitos artefatos da Hagia Sophia. Por seu design opulento, mosaicos de ouro e seu status como um símbolo da riqueza e poder venezianos,a partir do século 11 o edifício é conhecido pelo apelido de Igreja de ouro. Alcança um sentimento oriental de exotismo, tem todos os elementos do estilo veneziano da arte renascentista, permanece único e é essencialmente um produto de trabalhadores italianos de todos os tipos.

Igreja de San Zulian
A igreja de San Zulian é um edifício religioso da cidade de Veneza. A igreja é dedicada ao mártir São Julião. Fundada em 829, a igreja teve seu surgimento durante a reconstrução do Sansovino, que foi financiada pelo Dr. Tomaso Rangone, o médico está imortalizado em bronze acima do portal que contém a salsaparrilha – sua “cura milagrosa”. No interior, sob o teto pintado, encontram-se as obras de Palma, o Jovem e “Cristo Morto e Santos”, de Veronese. Na luneta do frontão, Rangone ergue-se sobre uma urna funerária, vestido com a toga de doutorado, enquanto entrega à posteridade a síntese de seu saber envolto em um complexo simbolismo.

O interior do edifício é de nave única, quase quadrada, com o presbitério rectangular coberto por abóbada de cruz, ladeado por duas pequenas capelas. Ciclo cristológico que circunda o salão em seu registro superior. Oito figuras alegóricas ao redor do teto marcam a reflexão sobre a Paixão de Cristo e circundam o triunfo de São Julião, colocado no centro do teto no final do ciclo de São Julião, a estes dois ciclos devem ser adicionados os testemunhos da comunidade, das artes diversas, das Confrarias e Escolas de devoção que se expressavam nos altares laterais. Ao todo são sete altares: destaca-se o retábulo do altar-mor monumental (de Giuseppe Sardi), com a coroação da Virgem e dos santos assinada por Gerolamo Santacroce.

Igreja de Santo Stefano
A igreja de Santo Stefano é um local de culto católico da cidade de Veneza. A igreja foi construída entre finais do século XIII e princípios do século XIV pelos frades eremitanos de Sant’Agostino. Foi reconstruída no século XIV e sofreu ampliações substanciais durante o século XV. O portal da igreja em estilo gótico é obra de Bartolomeo Bon, enquanto o teto característico apresenta uma estrutura em quilha de navio. Para apoiá-lo, vigas e colunas gravadas em mármore de Verona. A abside da igreja é também uma ponte sob a qual corre um ribeiro navegável, enquanto a torre sineira românica particularmente elevada da igreja, de cela tripla e encimada por tambor octogonal, caracteriza-se por um declive acentuado.

A igreja de Santo Stefano domina o Campo Santo Stefano com o lado direito. Nele encontram-se várias janelas monolancetas ogivais e, no vão central das três visíveis do exterior, portal lateral com cornija de mármore talhada. A fachada parece muito mais impressionante do que é, uma vez que está voltada para uma rua muito estreita. Na banda superior, uma rosácea ao centro e duas janelas gradeadas góticas nas laterais. No inferior, alinhado com a janela central, destaca-se o imponente portal caracterizado por uma luneta de estilo gótico florido, cujo perímetro é flexionado no exterior e decorado com grandes chamas fitomórficas, agudas no interior e decorado com arcos suspensos trilobados. Em ambos os lados da luneta, vazia no centro, há duas torres octogonais estreitas,enquanto no topo do arco, acima do alto relevo de um anjo carregando uma cartela, há uma pequena estátua de mármore representando um Cristo Pantocrator.

Igreja de San Salvador
A Igreja do Santo Salvador é um local de culto católico de Veneza. Foi fundada no século VII e reconstruída no século XII pelos Cônegos de Sant’Agostino. O edifício atual foi iniciado por Tullio Lombardo, apenas para ser concluído mais tarde por Jacopo Sansovino. A fachada de 1663 é obra do conhecido arquiteto ticino Giuseppe Sardi. Em estilo renascentista onde é possível admirar a Anunciação de Ticiano. Caterina Cornaro, Rainha de Chipre, está enterrada na igreja dentro do monumento funerário dedicado a ela. A igreja foi atingida no cerco de 1849, do lado esquerdo da fachada, na base da primeira coluna, vê-se uma bala de canhão embutida na parede.

Igreja de San Bartolomeo
A igreja de San Bartolomeo é um edifício sagrado em Veneza. Fundada em 840, a igreja dedicada a São Demétrio de Tessalônica. Igreja de nave, com cúpula na intersecção desta com o transepto. No interior da igreja também existem duas esculturas de Enrico Merengo. No interior estão as pinturas de Sante Peranda (Queda do maná) Palma il Giovane (Castigo das serpentes) e o altar-mor do século XVIII de Bernardino Maccaruzzi. No presbitério e na capela da direita encontram-se afrescos de Michelangelo Morlaiter. As portas do órgão são uma das primeiras obras-primas de Sebastiano del Piombo.

Igreja de San Moisè
A igreja de San Moise é um edifício religioso da cidade de Veneza. Erguido no final do século 8 e foi inicialmente dedicado a San Vittore. Uma bela igreja de estilo barroco no interior abriga obras dos séculos XVII e XVIII entre as quais se destaca o lava-pés de Tintoretto. A fachada foi construída em 1668 graças ao financiamento dos irmãos Vincenzo e Girolamo Fini, representados em dois bustos colocados acima das entradas laterais. O projeto é do padu Alessandro Tremignon, irmão do então pároco Andrea. O todo está de alguma forma harmonizado graças ao uso de duas ordens, que amorteceram seu desenvolvimento em direção à outra, e ao uso de fundos menos proeminentes.

O altar da Natividade de Maria e o altar-mor também são devidos a Tremignon. Este último é decorado com esculturas de Enrico Merengo. Entre as outras pinturas é possível admirar a Lavagem dos pés de Tintoretto, uma Última Ceia atribuída a Palma, o Jovem, e duas importantes obras de Girolamo Brusaferro: a Submersão do Faraó (1706) e a Elevação da Cruz (1727) ) A nave central abriga a placa do financista escocês John Law, que fundou a Western Company voltada para o desenvolvimento do Vale do Mississippi e que se aposentou para morar em Veneza nos últimos anos de sua vida, após sofrer uma série de contratempos financeiros. Também na sacristia encontram-se obras de Michelangelo Morlaiter: San Matteo, San Vincenzo Ferrari, San Carlo Borromeo.

Igreja de San Vidal
A igreja de San Vidal é um edifício religioso da cidade de Veneza. Construído pelo Doge Vitale Falier no século XI. Agora é uma sala de concertos, que acolhe concertos de música clássica. A fachada principal domina o Campo do mesmo nome. Apresenta-se com formas clássicas segundo um esquema palladiano e abriga nos dois lados retratos esculpidos do Doge Carlo Contarini e sua esposa Paolina Loredan, em memória do legado com o qual a construção foi financiada. Diz a tradição que o sepultamento do famoso músico veneziano Baldassare Galuppi foi colocado na igreja de San Vidal, mas não há placa comemorativa que ateste isso.

O interior, com tecto abobadado, apresenta uma estrutura de nave única, com três altares secundários de cada lado. Ladeada por duas esculturas do século XVIII, o patriarca Simeone e San Giuseppe, atribuível a Antonio Tarsia, enquanto a luneta superior é decorada com a Ascensão de Antonio Vassilacchi. O terceiro altar à esquerda abriga uma pintura da escola de Giovanni Battista Piazzetta, San Sebastiano e San Rocco, de Angelo Trevisan. O altar-mor está localizado em uma posição isolada no centro do presbitério e é ladeado por duas estátuas de Antonio Gai representando La Fortezza e La Fede. À direita, três altares das obras de Giovanni Antonio Pellegrini, Antonio Tarsia e Giovanni Battista Piazzetta. Outras obras podem ser encontradas na sacristia: A morte de Sant ‘Ursicino de Gregorio Lazzarini e O martírio de San Vitale, uma pintura do século XVIII da escola veneziana.

Igreja de Santa Maria del Giglio
A igreja de Santa Maria del Giglio é um local de culto católico localizado no centro da cidade de Veneza. Fundada no século IX, mas quase totalmente reconstruída no final do século XVII. A fachada de mármore da igreja é uma obra-prima do Barroco. É constituído por uma série de nichos com estátuas e baixos-relevos intercalados por colunas jônicas (faixa inferior) e coríntias (faixa superior). A estátua no nicho central de segunda ordem, retratando Antonio Barbaro no sarcófago. esta igreja apresenta uma série de seis mapas em relevo na fachada representando Roma e cinco cidades venezianas: Pádua, as cidades croatas de Zadar e Split, e também as cidades gregas de Heraklion e Corfu.

O interior da igreja é de nave única com três capelas laterais curtas de cada lado. A capela-mor da abside também é de planta quadrangular e é coberta por uma abóbada em forma de luneta. No altar-mor, nas laterais do tabernáculo, duas esculturas alusivas à Anunciação, obra de Enrico Merengo. No interior existem várias obras-primas. Duas telas de Tintoretto, cada uma representando dois dos quatro evangelistas. Eles estão localizados nas laterais do corpo. Há um pequeno tesouro na Capela Molina, embora a verdadeira pérola da igreja seja uma pintura de Peter Paul Rubens representando a “Madona com o Menino e São João”. O almirante Antonio Barbaro ordenou a Giuseppe Sardi que reconstruísse a igreja para a glória da Virgem, em Veneza.

Basílica dos Santos João e Paulo
A Basílica dos Santos João e Paulo é um dos edifícios religiosos medievais mais impressionantes de Veneza. Foi construída junto com a igreja adjacente e já estava concluída em 1293. Foi reconstruída por Baldassare Longhena entre 1660 e 1675. A fachada está inacabada, mas ao lado está a bela fachada da antiga Scuola Grande di San Marco. É considerado o panteão de Veneza graças ao grande número de doges venezianos e outras figuras importantes que ali foram sepultados desde o século XIII.

Hoje abriga o Hospital Civil de Veneza. Articula-se em torno de dois claustros e um pátio. A leste fica o dormitório dos frades, atravessado por um corredor muito comprido onde se abrem as celas. O interior é austero e arejado. A escadaria Longhena é caracterizada por magníficas incrustações de mármore; a biblioteca ainda conserva o belo teto de madeira de Giacomo Piazzetta (1682), com pinturas de Federico Cervelli. No campo, em frente à igreja, está o monumento a Bartolomeo Colleoni, obra de Verrocchio e um dos maiores monumentos da estatuária renascentista.

Igreja de San Zaccaria
A igreja de San Zaccaria é um local de culto católico da cidade de Veneza. A igreja de San Zaccaria está localizada no centro de Veneza, perto da Praça de São Marcos e do Palácio Ducal. Igreja antiquíssima do século IX, que deu origem à cidade, era um local intimamente ligado à história arcaica de Veneza. O edifício atual foi construído entre 1444 e 1515, em um estilo que mistura gótico e renascentista. A igreja de três naves, com abóbadas cruzadas, tem uma fachada tripartida com colunas acopladas e aberta por numerosas janelas, em número decrescente de baixo para cima, dominadas pelo grande tímpano em arco encimado pela estátua de San Zaccaria.

No interior dos túmulos de muitos doges e obras de valor considerável, incluindo os polípticos esculpidos por Ludovico da Forlì e um retábulo de 1505 por Bellini, Madonna entronizada com Menino e santos e pinturas representando a Adoração dos Magos e a Adoração dos Pastores. Na parede interna da fachada encontram-se quatro obras de Antonio Vassilacchi. Nas lunetas nas paredes, compostas por 8 obras de Andrea Celesti, Giovanni Antonio Fumiani, Daniel Heintz, Antonio Zanchi e Antonio Zonca, ilustra, um caso praticamente único, os acontecimentos históricos e míticos do mosteiro e da igreja de San Zaccaria . Na entrada esquerda do ambulatório está o túmulo de Alessandro Vittoria. A Capela de Santo Atanásio constituía o coro das freiras.A Capela de San Tarasio constituiu a abside da igreja primitiva. A cripta acessada através da Capela de San Tarasio. Foi construída entre os séculos X e XI e está dividida em três naves por colunas que sustentam abóbadas de cruz.

Igreja de S. Francesco della Vigna
A igreja de San Francesco della Vigna é um edifício religioso da cidade de Veneza. Em 1534 a igreja foi construída no local do mosteiro. Foi desenhado por Sansovino. A fachada foi construída em 1568-1577. Projetada em um único andar a nave principal, coberta por um largo tímpano, e as duas laterais cobertas por dois semitimpanos, o problema composicional era constituído pela conexão orgânica dos dois sistemas e pela relação modular das duas ordens, a maior denominada para segurar o tímpano principal e o menor os dois semitimpanos. Duas estátuas de bronze de Tiziano Aspetti estão nos nichos, na fachada: à esquerda há uma estátua de Moisés e à direita uma estátua de São Paulo.

O interior de San Francesco della Vigna é uma cruz latina com uma nave central, capelas laterais, um altar e um coro mais profundo. O espaço dos corredores, inicialmente marcado apenas por pilares isolados com a função de sustentação dos arcos. Na contrafachada, à direita, encontra-se a Madona com o Menino, relevo bizantino policromado do século XII, enquanto à esquerda os santos Jerônimo, Bernardino de Siena e Ludovico di Tolosa, tríptico de Antonio Vivarini, restaurado em 1982. A igreja ao fundo termina com um presbitério profundo, de planta perfeitamente retangular, dividido em duas partes por um altar atrás do qual estava o coro dos frades. As capelas laterais, que abrigam sepulturas ilustres, foram decoradas à custa da nobreza veneziana.

Igreja de Pietà
A Igreja da Misericórdia ou Santa Maria da Visitação é um local de culto católico da cidade de Veneza. A atual igreja foi construída entre 1745 e 1760, mas a fachada permaneceu inacabada até o início do século XX. O edifício é um dos mais elegantes e evocativos do século XVII, no século XVIII já albergava um orfanato e um hospital. No teto da entrada principal há um maravilhoso afresco de Tiepolo: Fortitude Peace é uma de suas maiores obras-primas. Destacam-se também os afrescos que adornam a abóbada do coro, que compõem o Triunfo da Fé. Aqui Tiepolo se destacou, pintando a Glória do Céu. A igreja também é conhecida entre os fãs de música clássica como a igreja onde o padre e compositor católico Antonio Vivaldi trabalhou durante a maior parte de sua vida.

O interior é de planta ovóide, caracterizado por dois coros com grades de ferro forjado, que se desenvolvem ao longo das paredes laterais. O teto da entrada principal abriga um afresco de Giambattista Tiepolo, A Fortaleza e a Paz. Em ambos os lados havia dois altares. O altar da capela-mor, em mármore, é do século XVIII e é caracterizado por um rico tabernáculo barroco, rodeado por figuras de bronze dourado, da autoria de Giovanni Maria Morlaiter (Os Arcanjos Gabriel e Miguel), Antonio Gai (São Marcos) e Giovanni Marchiori (San Pietro). No teto há outro afresco de Giambattista Tiepolo, As Virtudes Teológicas, realizado entre 1754 e 1755. Acima da porta de entrada do coro há uma pintura de Moretto, Ceia na casa de Simão o Fariseu, de 1544,que estava originalmente localizado no convento de San Fermo e Rustico di Monselice. O teto do coro é decorado com outro afresco de Tiepolo, o Triunfo da Fé.

Igreja de San Giovanni in Bragora
A igreja de San Giovanni in Bragora é um local de culto católico da cidade de Veneza. A sua fundação remonta a 829. Foi reconstruída no século X e novamente em 1178. Em 1464 a igreja foi reestruturada segundo um modelo gótico tardio, na forma que conhecemos hoje. O reestruturado, mantendo a estrutura da basílica, cria uma fachada de tijolos com as formas góticas tardias locais habituais, com a tripartição correspondendo aos corredores; o teto treliçado de madeira é interessante.

No interior da capela dedicada a San Giovanni l’Elemosiniere foi erguida, que abriga as preciosas relíquias do santo. O conjunto, em madeira dourada e policromada, apresentava uma estrutura bastante rica e complexa. A talha foi confiada a dois mestres distintos: Alessandro da Caravaggio foi o responsável pela estrutura do monumento com o altar e a urna, Leonardo Tedesco o relevo com a figura do Santo, dourado e pintado por Leonardo Boldrini. Houve algumas obras de Jacopo Palma, o Jovem. O altar-mor abriga duas grandes estátuas de San Giovanni l’Elemosiniere e San Giovanni Battista. À direita do presbitério encontra-se uma pequena capela. Ao lado, a sacristia, que alberga obras de Alvise Vivarini, Cristo Ressuscitado, e de Giambattista Cima da Conegliano, Sant ‘Elena e Costantino de cada lado da cruz. Outras obras importantes de Bartolomeo Vivarini, o tríptico Sant’Andrea entre os Santos Martino e Girolamo.

Igreja de San Giorgio dei Greci
A igreja de San Giorgio dei Greci é um edifício religioso da cidade de Veneza. O edifício nasceu como uma igreja greco-católica. A construção do edifício, em estilo renascentista tardio, iniciou-se em 1536. O exterior do edifício foi finalmente concluído em 1571 com a construção da cúpula. No edifício adjacente à igreja existe um pequeno museu de ícones greco-bizantinos e paramentos sagrados ortodoxos. Segundo as crônicas, já em construção e antes da conclusão do campanário. O interior é verdadeiramente magnífico: a cúpula hemisférica é digna de nota, com o centro coberto por afrescos de G. di Cipro.

O interior tem estrutura de nave única e é coberto por afrescos, da obra de Giovanni di Cipro, com um coro de madeira de dois níveis ao longo das paredes laterais e uma obra de Giovanni Grapiglia. A iconostase é caracterizada por decorações em mármore e pinturas de Michele Damasceno representando vários santos e, na arquitrave, as Doze Festas. Ainda no hieron existe um afresco de Michele Damasceno (Apóstolos e Santos Gregos), na pequena abside acima do altar-mor, enquanto a abside e o arco triunfal são cobertos com mosaicos do início do século XVII. Existem também inúmeras outras obras pictóricas: Ascensão de Giovanni Ciprioto, o painel da Última Ceia dos Empórios Benedetto cretense e Deposição de Michele Damasceno.Nas paredes da capela que alberga o altar da Preparação, encontra-se o ícone da Virgem com uma camisa prateada. O mobiliário da igreja é completado por um púlpito de 1663 em tartaruga e madrepérola e quatro candelabros de bronze do início do século XVII.

Basílica de San Pietro di Castello
A basílica de San Pietro di Castello é um importante local de culto em Veneza, até 1807 a catedral do patriarcado de Veneza. Construída entre 822-823 e concluída por volta de 831-832, foi restaurada e reconstruída várias vezes entre os séculos XVI e XVII. A fachada monumental é de 1594-1596 e a torre sineira isolada, projetada por Mauro Codussi (1482-1490). A fachada do projeto é atribuída a Palladio, sua primeira obra em Veneza. A estrutura possuía três naves, fachada tripartida e ábsides circulares. O tema fundamental prevê uma ordem maior em relação à nave central e outra menor em relação às laterais. O conjunto é decorado com um baixo-relevo do século XIX, representando La Carità, do escultor Marsili. O estilo pode ser definido como clássico.O edifício apresenta esquema de cruz latina com três naves divididas por três arcos cada, com altar no interior; na intersecção com o transepto está a cúpula. O profundo presbitério, que acompanha a grande nave central da igreja, é ladeado por duas capelas laterais.

A Cátedra de São Pedro, que segundo a tradição pertencia ao próprio apóstolo quando este era bispo de Antioquia. No corredor direito San Pietro in Cattedra e quatro Santos por Marco Basaiti. Entre as duas capelas, as obras de Veronese de cerca de 1585, os Santos João Evangelista, Pedro e Paulo, a Imaculada Conceição de Giovanni Maria Morlaiter, século XVIII, e O Martírio de São João Evangelista, de Padovanino. A Ceia em Emaús de Pietro Malombra e Antonio Vassilacchi, na parede esquerda do portal. No corredor esquerdo a capela Vendramin e a capela Lando, com retábulo em mosaico de Arminio Zuccato, sobre uma caricatura talvez de Jacopo Tintoretto, 1570. À direita, de Jacopo Beltrame, século XVI, Ceia na Casa de Simone, duas estátuas por Orazio Marinali,Fé e meditação em torno do crucifixo de Jacopo Strada. São Jorge e a Princesa e o Dragão, obra de Marco Basaiti; desde 1985 está depositado nas Galerias da Accademia.

Igreja de San Lorenzo
A igreja de San Lorenzo é um edifício religioso da cidade de Veneza. A igreja data do século IX e foi anexada ao mosteiro beneditino vizinho. Foi reconstruída em 1580-1616 com projetos de Simone Sorela. O altar-mor foi parcialmente esculpido por Giovanni Maria da Cannaregio com desenhos de Girolamo Campagna. O último escultor completou as estátuas dos Santos Lourenço e Sebastião. Marco Polo foi enterrado lá, a seu pedido em seu leito de morte.

O interior é particularmente original, com a sua grande área dividida quase ao centro por três grandes arcos que separam o recinto do público. A base dos arcos laterais é fechada por um muro baixo com portas e janelas, usado como sala de estar, e acima de um elaborado guarda-corpo (outrora dourado) termina a separação, mas ainda permite uma percepção de leveza. No interior do arco central mais alto ergue-se o grande altar-mor. As secções do tecto correspondentes às duas divisórias da planta são divididas nas laterais em abóbadas de berço, orientadas ortogonalmente ao edifício, ligadas por nervuras às abóbadas transversais da faixa mediana, alinhadas entre as grandes janelas térmicas e o arco central ; cada segmento com a única ornamentação simples de uma discreta rosácea central.O altar-mor é o único altar remanescente entre os da igreja.

Igreja de Santa Maria Formosa
A Igreja da Purificação de Maria conhecida como Santa Maria. A Igreja é uma das oito igrejas construídas no século 7 por San Magno, Bispo de Oderzo. Diz a lenda que a Virgem Maria apareceu para ele na forma de uma matrona bem proporcionada. A igreja foi construída várias vezes ao longo dos séculos. Mauro Codussi construiu sobre a cruz grega original, planta latina com três naves, com o presbitério ladeado por duas capelas menores de cada lado, e grandes capelas nas laterais dos corredores menores tornadas mais arejadas pelas grandes janelas gradeadas laterais com as quais comunicar-se entre si e com o transepto. No interior, foi retomado o tema Brunelleschi dos elementos arquitetônicos de pedra cinza que se destacam nos rebocos brancos.

Fachada de aspecto clássico, é dividida em três partes por feixes de semipilares coríntios espelhados colocados aos pares em bases altas e encerrados, acima do entablamento alto, grande tímpano coroado por acroteras em forma de vaso. A fachada virada a norte dividida em dois níveis, o primeiro é quíntuplo por uma ordem menor de pilastras jônicas que encerram arcos cegos nas laterais. O segundo nível é conectado ao primeiro pelos dois pilares coríntios e espelhados da ordem principal em que o tímpano é colocado. A torre do sino barroca foi construída em 1668 em um projeto de Francesco Zucconi. Possui nave central e corredores, coro, transeptos com abóbadas cruzadas e cúpula hemisférica. A igreja também abriga algumas pinturas maravilhosas de Bartolomeo Vivarini, Palma, o Jovem e Palma, o Velho.

Igreja de Sant’Alvise
A igreja de Sant’Alvise é um edifício religioso da cidade de Veneza, a igreja dedicada a San Ludovico da Tolosa. Foi submetido a uma grande renovação no século XVII, que alterou em grande medida o seu interior. Construída em módulos góticos simples, com planta de basílica. A fachada é muito simples, são seis pilastras ligeiramente salientes, ligadas por arcos ogivais que acompanham todo o coroamento. O portal de pedra da Ístria é enriquecido por uma estátua do santo em mármore grego, atribuída a Bartolomeo Bon. A torre do sino manteve sua aparência gótica original do século XIV. Tem terracota com cúspide em pinha e pináculos nos cantos. O convento das freiras do lado direito era originalmente formado por dois claustros, dos quais agora apenas um se mantém intacto, e por um pórtico com colunas de estilo gótico e arcos de volta inteira.Nos tempos modernos, o convento foi ocupado pelas Filhas da Caridade.

Estátuas, altares e mármores do século XVII decoram as paredes. Destaca-se o grande afresco de teto plano realizado por Piero Antonio Torri e Pietro Ricchi nos anos seguintes a 1674. Para tornar esta igreja ainda mais bela a presença do barco, o típico coro suspenso, sustentado por duas colunas filiformes e barbacã gótica. Outro aspecto muito bonito são as grades de ferro forjado atrás das quais as freiras estavam escondidas. Abaixo, à esquerda do barco, há oito tabuinhas retratando episódios bíblicos, atribuídos a Lazzaro Bastiani. As obras de maior prestígio da igreja são três pinturas de Giambattista Tiepolo executadas entre 1737 e 1740: Coroação de espinhos e Flagelação na nave direita e Subida no Monte Calvário em parede do presbitério.A pintura de Angelo Trevisani Oração de Cristo colocada em frente a esta última pintura. No altar do século XVIII em mármore policromado na parede esquerda existem três estátuas atribuídas a Giovanni Maria Morlaiter.

Igreja da Madonna dell’Orto
A igreja da Madonna dell’Orto é um edifício religioso de Veneza, um dos locais emblemáticos da arquitetura gótica veneziana. O conjunto é definido nas laterais por duas colunas encostadas na parede com capitéis coríntios. Os capitéis e prateleiras correspondentes ao motivo em espinha suportam uma moldura / arquitrave moldada com motivos vegetalistas. Os cursos de nichos com as estátuas dos apóstolos emoldurando as asas. A grande rosácea foi desenhada por Bartolomeo Bon, assim como o portal. O portal, desenvolvido em torno de uma abertura quadrada, apresenta um crescendo de molduras requintadas: o bordo interno é orlado com motivo torcido enquanto que no bordo do batente existe um motivo de espinha enriquecido por repetidos símbolos de São Cristóvão;o todo é encerrado em uma primeira moldura mixtilinear branca e rosa com uma borda serrilhada. A decoração é completada pelas três estátuas superiores. Os símbolos de São Cristóvão mencionados, foram integrados às estátuas do século XVIII representando Prudência, Caridade, Fé, Esperança e Temperança, retiradas da demolida igreja de Santo Stefano em Murano.

O interior é de planta basílica, com três naves, com arcos pontiagudos de dupla moldura. O que torna esta igreja famosa em todo o mundo são as dez telas de Jacopo Tintoretto. Do lado esquerdo, único elemento remanescente do convento, foram abertas quatro capelas funerárias de algumas famílias importantes. A partir da entrada, encontra-se a capela Valier, de requintada arquitetura renascentista. Seguido pela capela Vendramin e a capela Morosini, em estilo gótico dos arquitetos Giovanni e Bartolomeo Bon. A sequência termina com a elegante capela Contarini. Do lado direito da igreja encontram-se os altares laterais e um importante monumento funerário. O teto é caixotado de madeira, obra da restauração em 1931,mas inspirado no do claustro vizinho, no estilo típico da construção gótica da época.

Igreja Scalzi
A igreja de Santa Maria di Nazareth, ou igreja dos Scalzi, é um edifício religioso da cidade de Veneza do início do século XVIII. Foi construída por Baldassarre Longhena em nave única, com duas capelas laterais, cada uma delas ladeada por duas capelas menores. Após o arco triunfal, o salão adentra o presbitério, elevado e dotado de cúpula. Na abside, você pode ver o coro dos frades. Uma grande restauração entre 1853 e 1862 pelo governo austríaco. Hoje é um monumento nacional. Por dentro, os mármores coríntios coloridos e opulentos dão uma sensação de opulência e maravilha ao visitante.

A fachada é de estilo barroco veneziano tardio, dividida em duas ordens e pontuada por colunas acopladas. As quatro estátuas de primeira ordem, a Madonna com o Menino colocadas no frontão e a Santa Caterina da Siena no nicho à esquerda da Madonna são de Bernardo Falconi. O nicho à direita foi ocupado por uma estátua de São Tomás de Aquino do próprio Falconi. A obra Transporte da casa do Loreto, afresco de Giambattista Tiepolo de 1743, foi destruída durante um bombardeio austríaco em 24 de outubro de 1915. Foi na tentativa de reparar esse dano que, no período 1929-1933, Ettore Tito pintou duas obras para a igreja: uma tela de 100 metros quadrados e um afresco de 400 metros quadrados.Os restos do Transporte da casa de Loreto e outros fragmentos remanescentes do teto estão agora preservados nas Galerias da Accademia, onde um dos dois esboços (óleo sobre tela) pintados por Tiepolo como modelos preparatórios para o grande afresco perdido também está guardado. Há também uma fotografia do teto de James Anderson e uma cópia de Mariano Fortuny no museu Correr.

Igreja dos Milagres
The church of Santa Maria dei Miracoli is a church site in Venice, it is one of the very first Renaissance- style buildings built in Venice. During the sixteenth century, interventions were carried out on the interiors. In 1997 it underwent a careful restoration, which allowed Venetians and tourists to fully enjoy its artistic beauties. The Church of Santa Maria dei Miracoli is almost hidden between two ancient buildings. The facade of the church is completely covered with marble, which, according to tradition, comes from the remains of the works of the Basilica of San Marco. The interior of the church is decorated in shades of pale pink, silver, gray and white and there is still the original bas relief working with mermaids, god Triton, animals, flowers and other images. The “Virgin lives for the saints” is above the church altar. The church has a rectangular structure. The facade overlooks the Campo dei Miracoli.

O espaço inferior ainda dominado pelo “barco”, decoração singular da coluna quadrada vizinha que sustenta o barco, talhada por uma mão aparentemente alheia à oficina de Pietro Lombardo. O teto inserido entre as vigas remonta ao final do século XVI; Vincenzo Dai Destri, de Treviso, participou desses trabalhos. As telas dos compartimentos são pinturas de uma época posterior. O interior é de nave única com abóbada de berço decorada com caixões dourados, no interior dos cinquenta painéis encontram-se pequenas pinturas em painel representando profetas e patriarcas. O presbitério começa com uma escadaria íngreme que conduz ao mezanino, elegantemente decorado com quatro estátuas. A grande cruz de discos de pórfiro na parede traseira atrai o olhar para cima,onde o vitral do tambor se encontra. No vitral há uma imagem de Pietatis, o Cristo no sepulcro.

Igreja de Santi Apostoli
A Igreja dos Santos Apóstolos de Cristo é um edifício religioso na cidade de Veneza, foi construída por San Magno, bispo de Oderzo. Igreja jesuíta cuja fachada é um exemplo perfeito do estilo barroco do início do século XVIII. O edifício atual é fruto de lotes de obras de remodelação realizadas ao longo do século XVIII. Diz a lenda que a Igreja foi um dos primeiros lugares em Veneza onde passaram a viver refugiados do continente.

O interior é constituído por uma nave de dois níveis de pilares, apresenta uma forma de cruz latina e as colunas internas são encimadas por estátuas. Imediatamente à direita o altar com o retábulo de Cristo entre os Apóstolos de Sebastiano Santi, por volta de 1828, segue a capela do Canto do século XV, com mármores e decorações muito preciosas. O altar com a Comunhão de Santa Lúcia de Giambattista Tiepolo, por volta de 1748, é lindo. O segundo altar do lado direito abriga o retábulo Nascimento da Virgem, de 1599, de Giovanni Contarini. O altar-mor com o tabernáculo em forma de templo circular foi projetado por Francesco Lazzari. Nas duas capelas laterais, os afrescos do século XIV foram salvos. No lado esquerdo retábulos de Gaspare Diziani e Domenico Maggiotto.A torre do sino data de 1672, mas foi concluída por Andrea Tirali no século XVIII.

Igreja de San Marcuola
A Igreja de San Marcuola ou Igreja dos Santos Ermagora e Fortunato é um edifício religioso de Veneza, foi construída pela primeira vez na ilha denominada Lemeneo ainda entre o século IX e o século X, e que foi então destruída por um incêndio na sequência um terremoto. Foi então no século XII que a atual igreja foi reconstruída, Giorgio Massari conseguiu terminar a parte interna já em 1736, mas não a fachada da igreja, que ainda permanece inacabada.

A primeira estrutura fazia parte dos cânones do estilo românico e possuía três naves com descobertas de telhado a telhado treliças. A torre sineira foi construída junto à abside. A igreja agora tem uma única nave quadrada coberta por uma abóbada de berço. Uma torre octogonal também foi adicionada durante a reforma da igreja. O presbitério foi obtido a partir de uma abside semicircular, que é a conclusão da bela capela-mor retangular, encimada por uma cúpula oval, sustentada por quatro colunas. A igreja oferece uma grande coleção de estátuas do escultor Gaetano Susali.

Igreja de San Giobbe
A igreja de San Giobbe é um local de culto católico em Veneza. A igreja é o que resta do convento franciscano de San Giobbe e San Bernardino da Siena. Grande parte do convento foi demolida em 1812. Em 1815, o jardim foi confiado ao jardineiro bávaro Giuseppe Ruchinger. Ao longo do século XX o complexo manteve-se, com modificações e adaptações, operacional com atividades de produção (uma termelétrica) e distribuição de energia elétrica (da usina Malnisio Montereale Valcellina) e das unidades técnicas especializadas do grupo Sade (conforme o escrito em mármore acima da entrada obtido nas paredes presentes na pequena praça em frente à igreja) e pela Enel com seu Serviço de Medição e Teste.A torre do sino foi concluída em 1464 com um campanário aberto com elegantes janelas góticas gradeadas em pedra da Ístria.

O grande escultor Pietro Lombardo foi chamado para embelezar o interior. No interior de uma única nave existe uma assimetria: a parede esquerda é cheia de capelas enquanto a parte direita é linear com quatro altares. Isso porque do lado direito a igreja repousava sobre o convento pré-existente. O presbitério é precedido por um arco triunfal, rodeado pelas estátuas do Arcanjo Gabriel e da Virgem da Anunciação. Tem uma forma perfeitamente quadrada e nas laterais tem quatro colunas. O conjunto é dominado por uma semi-cúpula com as estátuas dos quatro evangelistas, atribuídas a Pietro Lombardo. Na sacristia encontra-se a pintura a óleo sobre painel de Andrea Previtali Madonna e o Menino com os Santos João Batista e Catarina de Alexandria executada em 1504.

Igreja da Maddalena
A igreja de Santa Maria Maddalena é um edifício religioso da cidade de Veneza, um dos mais conhecidos exemplares da arquitetura neoclássica veneziana. Proveniente de um edifício religioso erguido em 1222, a partir de 1763 a igreja foi totalmente reconstruída, com planta circular, a partir do projeto de Tommaso Temanza, que mudou sua orientação para o campo. A igreja tem uma planta circular bastante invulgar para Veneza (o único outro exemplo é o de San Simeon Piccolo), com uma cúpula hemisférica, claramente inspirada na arquitectura da Roma Antiga e em particular no Panteão, do qual lembra os degraus exteriores . A referência também vai para edifícios venezianos como o Salute e San Simeon Piccolo, esta última obra de Giovanni Scalfarotto, mestre e tio de Tommaso Temanza.

Havia um grande valor arquitetônico de portal, precedido por uma pequena escada e formado por uma alta empena triangular suportada por dois pares de colunas com capitéis e entablamento iônico. Acima da porta de entrada há uma luneta com um olho que tudo vê dentro de um triângulo entrelaçado com um círculo em baixo-relevo. No interior, a planta circular transforma-se em hexagonal com a inserção de quatro capelas laterais (as outras duas faces são formadas pela capela-mor e entrada principal), enquadradas por arcos de volta perfeita. A Última Ceia de Giandomenico Tiepolo e a Aparição da Virgem a San Simone Stock de Giuseppe Angeli e outras pinturas do século XVIII, da escola de Giovanni Battista Piazzetta.

Igreja Jesuíta
A igreja de Santa Maria Assunt é um edifício religioso em Venic. A fachada desenhada por Rossi é uma interpretação livre da cultura barroca veneziana do início do século XVIII. Está dividido em duas ordens. O movimento da fachada é multiplicado pelas vigas dos semipilares, ligeiramente vazadas, que acolhem cada coluna e pelo rompimento da alta arquitrave. A ordem superior, de quatro pilares simples sem capitel, é estreitada à largura da nave por grandes volutas e aberta ao centro por grande janela. Coroando o tímpano ligeiramente defasado em dois planos verticais e encimado pelo dinâmico grupo de mármore da Assunção de Maria e anjos de Giuseppe Torretto, ao qual anjos e querubins adoradores formam uma asa espetacular.A cornija de primeira ordem sustenta oito estátuas em pedestais espelhados correspondentes às colunas, que junto com as quatro nos nichos subjacentes representam os Doze Apóstolos. A porta, um dos poucos originais sobreviventes, uma estrutura requintada em folha de bronze talhada e cinzelada.

A planta é típica das igrejas jesuítas, com cruz latina, com três capelas de cada lado no braço mais comprido. O transepto de fundo plano e o presbitério são ladeados por duas outras capelas. As seis capelas laterais da nave são separadas umas das outras em pequenas salas, outrora dedicadas às confissões. Os tetos são decorados com afrescos de Ludovico Dorigny, Musician Angels in Glory. O presbitério está rodeado por estátuas de querubins, anjinhos, anjos e arcanjos de Giuseppe Torretti. De Jacopo Antonio Pozzo, também conhecido como Giuseppe Pozzo, é o altar, que consiste em dez colunas encimadas por uma cúpula branca e verde.

Igreja de San Giovanni Grisostomo
São João Crisóstomo é uma igreja em Veneza, esta pequena igreja foi construída no século 11 em uma área de Veneza que já era muito rica, como é agora. A fachada está voltada para a rua principal, enquanto as duas paredes dão para outras praças. A sua planta é em cruz grega, regular, com duas naves que se cruzam perfeitamente e com os clássicos quatro pilares que sustentam os arcos sobre os quais assenta a cúpula hemisférica. No teto plano há nove compartimentos de vários tamanhos nos quais está o Santo Padre entre o putti e o Cherubini de Giuseppe Diamantini.

A obra mais importante é, sem dúvida, o retábulo do ‘altar de Giovanni Bellini, de 1513, com os santos Cristóvão, Jerônimo e Luís de Toulouse, encomendado por Jorge Amado em 13 de julho de 1494 em seu testamento. Também importante é uma tela de Sebastiano del Piombo, encomendada, como testamento, por Caterina Contarini e Nicolò Morosini, e mostra um San Giovanni Crisostomo muito humilde e humano. Nas paredes pode-se admirar a tradução de San Giovanni Grisostomo de Zaccaria Facchinetti, 1610. Finalmente, o retábulo de mármore de Tullio Lombardo Coroação da Virgem entre os Apóstolos, encomendado pela família Bernabò de Catenariis de Montepulciano.

Santuário da Lucia
O santuário de Lúcia é um importante edifício de culto, que abriga inúmeras obras de arte. A igreja foi construída no século 11, apenas para ser reconstruída várias vezes. O edifício atual foi projetado por Carlo Corbellini em 1753. A primeira missa na igreja reconstruída foi celebrada em 27 de abril de 1760. As fachadas do campo e do Canal Cannaregio, por outro lado, são de 1861, ano em que as obras foram concluídas. Em 2018 a igreja foi elevada a santuário. Na igreja de San Geremia estão preservados os restos mortais de um dos santos mais conhecidos e venerados do Cristianismo, Santa Lúcia, uma virgem e mártir de Siracusa.

No interior da igreja, muito bonito e precioso está o altar, com seu presbitério, no qual se podem admirar as estátuas do apóstolo São Pedro e do profeta São Jeremias, datadas de 1798, de Giovanni Ferrari. Ao fundo, o afresco monocromático de Agostino Mengozzi Colonna Dois Anjos no Ato de Apoiar o Globo. A valiosa obra que aparece no quarto altar, A virgem assiste à coroação de Veneza pelo bispo S. Magno de Palma il Giovane. Obras escultóricas notáveis ​​são a Madonna del Rosario de Giovanni Maria Morlaiter e A Imaculada Conceição de Giovanni Marchiori. Na igreja há uma escultura milagrosa de aqueropita de Cristo que data do início do século XVII.

Igreja de Santa Maria Gloriosa dei Frari
A basílica de Santa Maria Gloriosa dei Frari, a maior igreja de Veneza, um belo exemplo da arquitetura gótica veneziana. A planta é uma cruz latina e o estilo é gótico veneziano em terracota e pedra da Ístria. Possui três naves com arcos pontiagudos apoiados em seis colunas de cada lado. Mede 102 metros de comprimento, 48 metros no transepto e 28 metros de altura; possui 17 altares monumentais e no interior encontram-se diversas obras de arte, incluindo duas pinturas de Ticiano. Também abriga túmulos e monumentos fúnebres de inúmeras personalidades ligadas a Veneza, incluindo Claudio Monteverdi, o próprio Ticiano, Antonio Canova, bem como vários doges.

Foi construído pelos monges minoritários da ordem franciscana, chamados de Frades, ajudados por uma doação do Doge Jacopo Tiepolo. A primeira versão da igreja foi concluída em 1338 e era muito menor que a atual. Outras doações de importantes famílias venezianas ajudaram na expansão e decoração da igreja. No entanto, esta igreja foi demolida no início do século 15 para construir uma nova igreja. A imponente fachada é de estilo gótico tardio e está dividida em três partes por pilares encimados em estilo veneziano-bizantino. O interior é igualmente magnífico, e você pode admirar o grandioso retábulo da Assunção e da Madonna di Ca ‘Pesaro pintado por Ticiano, bem como um tríptico de Giovanni Bellini.

San Giacomo di Rialto
A igreja de San Giacomo di Rialto é um edifício religioso da cidade de Veneza. Esta igreja é talvez a igreja mais antiga de Veneza construída por volta de 421. Foi construída graças à fé e ao talento de um carpinteiro cretense, por volta do século V, mesmo quando os primeiros povos se estabeleceram neste grupo de ilhas. É mais conhecido por seu relógio do século 15 acima da entrada da igreja. Também é conhecido pelos pilares vermelhos e lindos detalhes em ouro ao redor da própria igreja. A igreja é muito pequena, mas muito bonita. O exterior com a empena do sino, o grande relógio (útil para o mercado, que acontecia em frente) e o pórtico gótico, um dos últimos exemplares do género ainda existentes na cidade. O interior segue o tradicional padrão cruzado com cúpula central, posteriormente imitado no Renascimento.

Igreja de San Rocco
A Igreja de San Rocco é um edifício religioso, construído por Bartolomeo Bon entre 1489 e 1508 para abrigar os restos mortais de seu santo titular, a bela Igreja de San Rocco recebeu uma reconstrução barroca entre 1765 e 1771, que incluía um grande portal cercado por estátuas de Giovanni Marchiori. A janela rosa de Bon foi movida para o lado da igreja, perto da porta lateral original do arquiteto. Nas laterais do altar-mor, quatro enormes pinturas de Tintoretto retratando a vida de San Rocco.

Os quatro nichos da fachada abrigam tantas estátuas de santos venezianos e beatos: no registro inferior Gerardo Sagredo e Pietro Orseolo de Giovanni Marchiori, no registro superior Lorenzo Giustiniani e Gregorio Barbarigo de Giovanni Maria Morlaiter. Entre as duas estátuas do registro superior está o imponente relevo com San Rocco cura as vítimas da peste sempre por Morlaiter. Coroando o sótão está a estátua de San Rocco ladeada por outras estátuas de santos venezianos, Pietro Acotanto e Jacopo Salomonio. Na moldura da porta, San Rocco carregado ao céu pelos anjos, uma cópia moderna de bronze do original de Marchiori murada na capela absidal direita.

Igreja de San Polo
A igreja de San Paolo apostolo vulgo San Polo é um edifício religioso da cidade de Veneza. De acordo com as crônicas antigas, a igreja provavelmente foi construída em 837, a mando do Doge Pietro Tradonico e seu filho Giovanni co-regente. A partir de 1804 até à rededicação de 1839, a igreja sofreu pesadas intervenções projectadas por David Rossi: nessa ocasião foram substituídas as colunas da nave central, algumas aberturas fechadas para abrir outras e dar-lhes um traçado neoclássico. As restaurações da recente década de 1930 restauraram parcialmente os elementos do século XV, em particular o teto do casco do navio. Incorporada por outras modestas edificações, parte da abside voltada para o campo homônimo e as laterais permanecem visíveis.

Ao longo do lado direito encontra-se o grande portal gótico tardio junto à oficina de Bartolomeo Bon adornado com dois anjos segurando cartela no entablamento e culminando no florão segurando uma meia figura de São Paulo além da linha do beiral. Posteriormente na parte mais estreita da salizada a fachada clássica do Oratório da Cruz, estrutura requintada marcada por colunas coríntias com vãos tipo serliana. A rosácea original na fachada antiga é pouco visível da Corte del Cafetier adjacente. Com o tempo, alguns mármores foram murados aqui e ali do lado de fora: a mais recente é a edícula neoclássica com a estátua de São Paulo no centro da abside principal; à esquerda, na capela absidal menor, a edícula do século XV da Scuola del Santissimo Sacramento é encimada por uma cortina barroca;nas paredes da antiga casa paroquial que incorpora a outra capela abside estão dois primitivos baixos-relevos, o superior com o Baptismo de Cristo, o inferior com Nossa Senhora com o Menino entronizado com os Santos Demétrio e Pedro.

Igreja de Sant’Aponal
A igreja de Sant’Aponal é uma igreja católica romana desconsagrada no sestiere de San Polo, em Veneza, Itália. A igreja foi fundada no século 11, por refugiados de Ravenna e dedicada a São Apolinário. Restaurado ao longo dos séculos, sofreu uma grande reconstrução no século XV. A fachada mantém as características góticas originais, como a torre sineira. O interior é o resultado de uma renovação do século XVIII. Uma pequena entrada lateral tornava-o acessível a partir do Rialto ruga. As funções paroquiais foram interrompidas em meados do século XX. A fachada foi adornada com uma decoração de mármore em alto relevo que voltou à sua sede original na igreja de Sant’Elena após a sua reativação. Foi fechado novamente em 1984 e agora é principalmente um arquivo. A fachada retém pedaços da decoração da arquitetura gótica.

Igreja de San Giacomo dall’Orio
A igreja de São Tiago de Orio é um edifício religioso da cidade de Veneza, localizado no bairro de Santa Croce. Provavelmente fundada no século 9-10, uma das igrejas mais antigas de Veneza. O encanto desta igreja consiste num exterior e interior sombrio e arcaico, dominado pela presença calorosa da madeira. O interior é caracterizado pela sobreposição de vários estilos arquitetônicos, ligados às intervenções que se sucederam ao longo do tempo: a torre sineira e a basílica planta com três naves permanecem do edifício do século XIII, enquanto a cobertura em “casco de navio” é gótica. e as decorações do altar-mor e da nave central são lombardas. Em particular, o teto usa as técnicas de construção naval típicas do Arsenal de Veneza.Há também uma série de pinturas, como o altar-mor de Lorenzo Lotto “A Virgem Maria e o Menino com os Apóstolos e os Santos” (1546), que é uma das poucas obras do artista que ainda podem ser encontradas em Veneza.

Outras obras importantes estão preservadas nas sacristias, em particular na Nova Sacristia ao lado do presbitério estão as obras de Paolo Veronese; Alegoria da Fé, no centro do teto, os Quatro Doutores da Igreja nas laterais e o retábulo San Lorenzo, San Giuliano e San Prospero, datado de 1573 e originalmente utilizado como retábulo da capela de San Lorenzo. A pintura San Sebastiano entre San Rocco e San Lorenzo de Giovanni Buonconsiglio domina a porta da sacristia, uma obra realizada entre 1498 e 1500 que anteriormente adornava o altar da igreja de San Sebastiano. Também na Antiga Sacristia existem várias telas de Jacopo Palma, o Jovem, que remonta a 1575: A Virgem e os Santos, O Castigo da Cobra, A Reunião do Maná, Elias e um Anjo,Sacrifício da Páscoa judaica, A passagem do Mar Vermelho e o teto O Santíssimo Sacramento adorado pelos quatro Evangelistas.

Igreja de San Simeone Piccolo
A igreja teria sido fundada no século 9 pelas famílias Adoldiand Briosi. É uma das igrejas mais conhecidas da cidade, pois se destaca das demais edificações. O edifício é frequentemente referido como uma reedição veneziana do Panteão de Roma, por isso tem uma grande cúpula com uma estátua de San Salvatore no topo. Uma das igrejas onde se celebra a Missa Tridentina aos domingos. Também é conhecido por sua cúpula porque é usado para fazer a igreja parecer mais alta do que é e a própria cúpula é totalmente coberta por placas de chumbo. O prédio é usado há muito tempo como auditório para shows.

O edifício assemelha-se a um corpo cilíndrico e estreito com cúpula revestida a cobre e pronaos coríntios com tímpano triangular onde se encontra um baixo-relevo de mármore O martírio dos santos titulares de Francesco Cabianca do século XVIII. A cúpula tem uma forma oval de altura que confere ao complexo um ligeiro impulso vertical acentuado pela lanterna em forma de uma pequena têmpora. O interior não acolhe grandes obras-primas. Sob a igreja, há um interessante porão com afrescos de cenas da Via Crucis e do Antigo Testamento, no qual dois longos corredores se cruzam em uma sala octogonal, que tem um altar no meio. Inclui vinte e uma capelas, oito das quais estão muradas e inexploradas.

Igreja San Stae
Construída no século VIII, a igreja de San Stae é um local de culto católico de Veneza. A igreja faz parte da associação Chorus Venezia. No final do século XVII, a igreja, embora várias vezes restaurada, estava em ruínas. A igreja foi reconstruída a pedido do Doge Alvise Mocenigo por volta de 1709 para servir de cripta familiar e foi decorada em estilo barroco tardio e é dedicada a São Eustáquio. A maior decisão foi mudar a orientação da igreja: não mais a tradicional voltada para o leste, mas com um espírito mais moderno cenograficamente voltado para a Grande Caná.

A fachada é rica em decorações de mármore e no interior existem inúmeras pinturas. Os escultores que fizeram essas decorações foram Tarsia, Torretto, Baratta e Groppelli. O arquiteto e construtor do interior da igreja foi Giovanni Grassi. A igreja tem um setor central, um teto abobadado e três capelas de cada lado. O teto acima da área do coro é um dos mais belos traços da igreja, com uma bela pintura que confere cor e brilho ao prédio.

Igreja de San Nicola da Tolentino
A igreja de San Nicola da Tolentino, chamada I Tolentini, é um local de culto católico dos séculos 16 a 17 na cidade de Veneza. A igreja foi projetada e construída por Vincenzo Scamozzi entre 1591 e 1602. Posteriormente, Andrea Tirali acrescentou à fachada inacabada um pronaos com um tímpano e seis colunas coríntias (1706-1714). A igreja abriga o órgão construído por Pietro Nachini em 1754 quase totalmente intacto, localizado em um coro de madeira na abside decorado com dois querubins alados em madeira dourada nas laterais. A caixa do instrumento tem decorações de madeira cinzelada representando duas folhas descendo do centro do tímpano que negligenciam a caixa que termina nas asas laterais do instrumento;a esta decoração dourada, finamente pintada, estão penduradas esculturas de instrumentos de sopro em madeira e instrumentos de cordas antigos originais de fino artesanato, também pintados em ouro.

O interior da igreja é decorado com pinturas do século XVII. Existem obras preservadas de Jacopo Palma il Giovane e Padovanino. Os doges Giovanni I Corner, Francesco Corner, Giovanni II Corner e Paolo Renier estão enterrados aqui. O monumento fúnebre do patriarca Gianfrancesco Morosini foi executado pelo escultor genovês Filippo Parodi. O altar de estilo romano em comissários de mármore policromado, com o grande tabernáculo em forma de pequeno templo como alegoria do Santo Sepulcro, foi desenhado por Baldassarre Longhena. Os dois anjos adoradores e seis anjos cariátides são de Giusto Le Court.

Igreja de San Rocco
A igreja de San Rocco é um edifício religioso localizado em Campo San Rocco, no bairro de San Polo, em Veneza. Quando em 1489 decidiu se mudar definitivamente para perto do Frari, a Scuola Grande di San Rocco decidiu erguer uma igreja para ser dedicada ao seu santo titular. Entre 1726 e 1732 a igreja foi radicalmente reestruturada por um projeto de Giovanni Scalfarotto que substituiu o teto plano por uma abóbada interrompida por grandes janelas térmicas, apenas as antigas absides e a cúpula foram preservadas.

O início das obras na fachada remonta a 1756. Os quatro nichos da fachada abrigam tantas estátuas de santos venezianos e beatos: no registro inferior Gerardo Sagredo e Pietro Orseolo de Giovanni Marchiori, no registro superior Lorenzo Giustiniani e Gregorio Barbarigo de Giovanni Maria Morlaiter. Entre as duas estátuas do registro superior está o imponente relevo com San Rocco cura as vítimas da peste sempre por Morlaiter. Coroando o sótão está a estátua de San Rocco ladeada por outras estátuas de santos venezianos, Pietro Acotanto e Jacopo Salomonio. Na moldura da porta, San Rocco carregado ao céu pelos anjos, uma cópia moderna de bronze do original de Marchiori murada na capela absidal direita.

Igreja de Santa Maria della Salute
Em 22 de outubro de 1630, durante a epidemia de peste que atingiu Veneza, o Doge Nicolò Contarini declarou publicamente que uma igreja seria construída em nome da Saudação como um juramento para pôr fim à calamidade. Um ano depois, em 1631, a epidemia de peste acabou e em 1687 a Basílica foi concluída. Para a construção da igreja foram propostos 11 projetos, dos quais foi escolhido Baldassarre Longhena.

O projeto incluiu uma enorme fachada que lembra paládio, com uma bela porta no centro. A fachada foi elevada com uma série de escadas para dar à igreja uma grandiosidade ainda maior. O interior possui uma área central em plano octogonal. Nas laterais há igual número de arcos divididos por colunas. Existem inúmeras obras de arte: Pentecoste, San Rocco e San Sebastiano, Davide e Golia, Caim e Abel de Ticiano; O casamento de Tintoretto e Iona em Caná da Galiléia e Sansão de Palma, o Jovem. Em estilo barroco veneziano.

Os Jesuítas (Santa Maria del Rosario)
O maior complexo de catedrais do século 18 em Veneza, construído entre 1726 e 1735 para os dominicanos para substituir a igreja, que se tornou pequena demais para os fiéis. Giorgio Massari foi o arquiteto que projetou a igreja em estilo rococó veneziano e a decoração interior em colaboração com dois grandes artistas da época: Giambattista Tiepolo e Gian Maria Morlaiter. Esses três se tornaram famosos ao longo do tempo pelo trabalho maravilhoso que fizeram aqui. A igreja é dedicada à Madonna del Rosario, representada no afresco do teto por Tiepolo.

Igreja de San Barnaba
Erguido em 809 pela família Adorni / Adami, foi destruído pelo incêndio de 1105, mas graças às ofertas dos fiéis foi rededicado em 1350.

Igreja de San Raffaele Arcangelo
Segundo uma tradição popular, foi erguido pela primeira vez em 416 e, nos séculos seguintes, foi destruído e reconstruído várias vezes, até à última consagração, que data de 1740.

Igreja de San Sebastiano
A fachada bastante rigorosa de Antonio Scarpignano 1508-48 cria um sentimento de modéstia enganosamente nesta igreja. O interior é decorado, do chão ao teto, pelas obras-primas de Paolo Veronese, criadas ao longo de três décadas. De acordo com uma lenda popular local, Veronese encontrou refúgio em San Sebastiano em 1555 após fugir da acusação de assassinato em Verona, e seu trabalho nesta igreja é um agradecimento à paróquia. Veronese decidiu ser enterrado aqui, sob suas obras-primas: seu busto comemorativo está à direita do corpo.

Igreja de San Trovaso
A igreja de San Trovaso (contração veneziana indicando os santos Gervasio e Protasio) é um edifício religioso da cidade de Veneza localizado no distrito de Dorsoduro, no campo do mesmo nome. A igreja foi construída nos primeiros dias após a fundação de Veneza, e imediatamente se tornou uma igreja paroquial. Foi reconstruída em 1028 pelas famílias Barbarigo e Caravella.

Uma característica singular do edifício é a fachada dupla, uma voltada para o Campo San Trovaso e outra voltada para o riacho homônimo. Segundo a tradição, a dupla entrada servia para manter separadas as facções rivais de Castellani e Nicolotti, quando ambos iam à igreja por ocasião da festa dos santos, a fim de evitar a eclosão de lutas.

Igreja de Santa Maria dei Carmini
A igreja de Santa Maria dei Carmini, também chamada de Santa Maria del Carmelo ou comumente “i Carmini” é uma igreja em Veneza, localizada no distrito de Dorsoduro e com vista para o Campo dei Carmini. O estilo é de um edifício tipicamente gótico que, devido às inúmeras intervenções posteriores, sofreu alterações. A planta tem forma alongada de basílica, com três naves com transepto e um profundo presbitério, nas laterais das quais foram colocadas capelas.

A fachada é de estilo renascentista com três frontões curvilíneos, atribuídos a Sebastiano da Lugano (1507-1514). Na coroa você pode admirar as estátuas do Redentor, do Arcanjo Gabriel, da Virgem e dos Santos Elia e Eliseo, atribuídas a Giovanni Buora. A antiga torre sineira, localizada ao lado da igreja, foi reconstruída em 1676 por Giuseppe Sardi. O campanário quadrado é encimado por um templo octogonal, no topo do qual está colocada a estátua da Madonna del Carmelo, cópia da original destruída por um raio em 1979.

Igreja de San Nicolò dei Mendicoli
A igreja de San Nicolo dei Mendicoli ou Mendicoli é um edifício religioso da cidade de Veneza, localizada no distrito de Dorsoduro. A igreja de San Nicolò dei Mendicoli é uma das mais antigas de Veneza: presume-se que já existia uma primeira construção no século VII. O edifício do século VII foi substituído pela atual igreja do século XIII, de planta basílica românica com três naves. Este segundo edifício foi também amplamente remodelado ao longo do tempo, tanto no exterior, com o acréscimo no séc. XV de um pequeno pórtico na parte norte, como no interior, muito rico, onde no século XVI a nave central era decorada com estátuas de madeira dourada.

Outras igrejas podem ser mais majestosas, mas nenhuma é mais veneziana do que esta igreja do século 12 com uma história de serviço aos pobres. Já serviu de abrigo para mulheres, e seu pórtico protegia os Mendicoli (mendigos) a quem deve seu nome. O pequeno e pitoresco campo (piazza) exterior é uma Veneza em miniatura, rodeada em três lados por canais e representando uma coluna com o leão de São Marcos. O interior escuro é iluminado por um pórtico dourado do século 18 e muitas pinturas brilhantes, incluindo a obra-prima “Ressurreição” de Giovanni Palma (1610) atrás, à esquerda do órgão. A capela frontal direita é uma típica resposta veneziana às insistentes ordens de Roma para limitar a música nas igrejas venezianas: Madonna in Gloria, desfrutando plenamente do concerto de anjos em flautas, alaúdes e violinos.

Basílica do redentor
A Basílica del Redentore, também conhecida como a igreja votiva do Santissimo Redentore ou mais simplesmente como o Redentore, é um importante edifício religioso em Veneza. É tradicionalmente o fulcro da grande festa do Redentor, celebrada no terceiro domingo de julho em memória da fuga por pouco da peste que assolou a cidade em 1575. A igreja dos Santos Pedro e Paulo em Villafranca di Verona é um quase cópia idêntica da igreja do Redentor. A igreja faz parte da associação Chorus Venezia.

Foi construído entre 1577 e 1592 em um projeto de Andrea Palladio. Este monumento religioso foi um sinal de agradecimento pelo fim da terrível praga que em 1576 causou a morte de um terço da população da cidade, incluindo o próprio Doge Sebastiano Venier. A Festa do Redentor é celebrada anualmente lá. O interior é valioso e repleto de pinturas dos maiores pintores venezianos. Na sacristia, pinturas de Paolo Veronese. A melhor vista geral pode ser obtida do Fondamenta delle Zattere, o longo cais ao sul do distrito de Dorsoduro.

Igreja da Zitelle
A igreja de Santa Maria della Presentation, comumente conhecida como Zitelle, é um edifício religioso da cidade de Veneza, localizado no extremo leste da ilha de Giudecca. Igreja paladiana que, além das funções religiosas normais, também abriga um moderno centro de congressos.

A igreja é consagrada à apresentação da Bem-Aventurada Virgem Maria e faz parte de um complexo que inclui um antigo asilo para meninas sem dote. O prédio adjacente à igreja já foi usado como um convento para meninas pobres que podiam aprender o trabalho feminino tradicional aqui, como a arte da famosa renda veneziana.

Igreja de Sant’Eufemia.
A igreja de Sant’Eufemia, é um edifício religioso da cidade de Veneza na ilha de Giudecca. A igreja de Sant’Eufemia foi construída no século IX em estilo veneziano-bizantino. Foi submetido a inúmeras restaurações, sendo a mais recente uma intervenção do século XVIII que alterou significativamente a fachada e o interior onde foram aplicados estuques tanto na nave central como nas abóbadas do tecto.

A igreja é uma das mais antigas de Veneza e, apesar da simplicidade do exterior, contém obras de arte de grande importância. Na capela de Sant’Anna é venerado o corpo da bem-aventurada Giuliana di Collalto, que no século XIII era abadessa do mosteiro vizinho de Santi Biagio e Cataldo.

Igreja dos Santos Biagio e Cataldo
A igreja de Santi Biagio e Cataldo era um edifício religioso da cidade de Veneza, localizada na parte mais ocidental da ilha de Giudecca. A igreja passou por duas reformas. A primeira intervenção ocorreu no final do século 16 por Michele Sanmicheli; durante essas obras, a igreja foi radicalmente reestruturada, o coro suspenso foi demolido e suas colunas foram realocadas no pórtico da vizinha igreja de Sant’Eufemia. A segunda intervenção importante foi realizada no início do século XVIII pelos arquitectos Domenico Rossi e Giorgio Massari e as obras incidiram sobretudo nos interiores, altares e pinturas.

A igreja com o mosteiro adjacente permaneceu em atividade até 1810, quando foram definitivamente suprimidas por decreto napoleônico. Adquiridos por particulares, a igreja e o convento foram utilizados pela primeira vez como um complexo hospitalar, depois demolidos na segunda metade do século XIX e o complexo industrial Molino Stucky foi construído na área.

Palácios e edifícios civis

Palácio Contarini del Bovolo
Palazzo Contarini del Bovolo é um edifício gótico tardio de Veneza. Uma torre cilíndrica com uma série de arcos em espiral, um dos exemplos mais característicos da arquitetura veneziana no período de transição do estilo gótico para o renascentista. Do alto há belas vistas panorâmicas da cidade. O palácio foi construído entre os séculos III e XV como residência dos Contarini “de São Paternos”, que a partir do final do século XV, devido ao acréscimo da escada em caracol, passaram a ser apelidados de “o Bovolo”. Em 1859, o então litógrafo Wilhelm Tempel conduziu suas primeiras observações astronômicas do mirante da torre com um telescópio de sua autoria. Aqui ele descobriu, em 2 de abril de 1859, o cometa C / 1859 G1, e em 19 de outubro de 1859,a nebulosa Merope no aglomerado aberto das Plêiades. O edifício ainda pertence às instituições de hospitalização e educação de Veneza.

A fachada do Rio di San Luca tem uma aparência simples, linear e elegante. Está distribuída por quatro pisos: o rés-do-chão, os dois pisos nobres e o último andar. O rés-do-chão é enriquecido por dois portais de água pontiagudos, ladeados por janelas de lanceta simples, mas também com arcos pontiagudos, dispostos nas laterais em dois níveis e ao centro em apenas um. Os três andares superiores possuem uma janela gradeada central, cada uma delas ladeada por seis janelas de uma única luz, três de cada lado. A fachada posterior tem uma aparência completamente diferente. Caracterizada por uma sequência de janelas retangulares de lanceta única e arcos redondos, encontra sua parte mais expressiva na famosa torre escalar redonda com escada em espiral. A torre dá acesso a loggias adjacentes, desenvolvidas em cinco níveis,e continua o estilo aéreo nas cinco ordens de arcobotantes em colunas. A torre termina em um mirante na cúpula com uma ampla vista da cidade. No interior do edifício encontram-se pinturas dos séculos XVII e XVIII, também propriedade do IRE.

Fontego dei Tedeschi
O Fontego dei Tedeschi é um palácio em Veneza. A partir do século 13, é um antigo armazém de mercadorias da Alemanha. De 1870 a 2011, a principal estação de correios de Veneza. Foi submetido a um novo projeto de restauração estática e funcional, sob a direção artística do arquiteto holandês Rem Koolhaas, para a sua conversão em também de um centro cultural, que foi aberto ao público em 2016.

Grande complexo sobranceiro à Ponte de Rialto, o Fontego é um edifício de planta quadrada distribuída por três pisos em torno de um pátio interno, coberto por uma estrutura de vidro e aço, onde se preserva o antigo poço. No andar térreo, cinco grandes arcos redondos fecham um pórtico em diálogo com o Grande Canal, onde as mercadorias eram descarregadas. O segundo nível é atravessado por uma longa fiada de janelas de lanceta e lancetas duplas que correspondem às janelas quadrangulares simetricamente menores dos dois pisos superiores. Por volta de 1508, a fachada com vista para o Grande Canal foi pintada com afrescos por Giorgione e Tiziano Vecellio, mas hoje apenas alguns fragmentos de sua obra permanecem no Ca ‘d’Oro. Os interiores guardaram também obras de inestimável valor, dos pintores Paolo Veronese, Tiziano Vecellio e Jacopo Tintoretto,dos quais quase todos os vestígios foram perdidos hoje.

Palácio Cavalli-Franchetti
Palazzo Cavalli-Franchetti é um edifício de Veneza localizado no bairro de San Marco. Este imponente edifício neo-gótico está localizado aos pés da Ponte Accademia, que se estende em direção ao Campo Santo Stefano. O palácio foi construído em 1565 e em meados do século XIX foi dividido como residência de várias famílias venezianas famosas: Marcello, Hussonita Cavalli. Na década de 1840, o arquiduque Frederico da Áustria reuniu a propriedade e deu início a um grande projeto de modernização com o objetivo de dar ao edifício uma modernidade que o distingue. O Palazzo Franketti é usado atualmente pelo Instituto de Ciências de Veneto e tem sido usado para eventos culturais. Desde 1999 pertence ao Instituto Veneziano de Ciências, Letras e Artes, que acolhe eventos culturais e exposições frequentes.

É um exemplo notável da arquitetura gótica, as janelas de cinco luzes dos dois andares nobres dão estilo a essa tipicidade, caracterizada por aberturas características semelhantes às do Palazzo Pisani Moretta. O piso é caracterizado por arcos entrelaçados, decorados com quadrilobos elevados. Esta composição é flanqueada por vários outros orifícios, semelhantes às janelas de cinco luzes por design; as exceções são as janelas de lanceta única no segundo andar, que são ogivas, e o portal de água. A fachada lateral, que insiste em um grande jardim, oferece um desenho mais sólido, caracterizado por sete janelas de uma única luz por andar. Com a ajuda do ornatista Matscheg e do engenheiro Manetti, que criaram uma arquitetura profundamente alterada graças a pinturas ornamentadas, mármore esculpido, ferro fundido e forjado, pedras trabalhadas,lâmpadas e móveis de gosto eclético.

Corner Spinelli Palace
Palazzo Corner Spinelli é um palácio em Veneza. Um dos melhores palácios da Renascença em Veneza. Foi construída entre 1480 e 1500 pelo arquiteto Mauro Coducci. A característica arquitetônica do edifício são as janelas redondas duplas e a alvenaria enferrujada do primeiro andar. O palácio tornou-se um protótipo para muitos edifícios da cidade. É muitas vezes referido como o emblema da transição da arquitetura gótica para a renascentista na arte veneziana.

O Palazzo Corner Spinelli é um exemplo da transição das formas góticas, predominantes em Veneza até o século XV, para as novas linhas renascentistas, que, especificamente, lembram as do contemporâneo Ca ‘Vendramin Calergi. A fachada do canal é simétrica, aberta aos pisos nobres por quatro janelas gradeadas em cada piso e cortada por cordões, que destacam os três níveis que compõem o edifício. Elementos peculiares da arquitetura deste edifício são as janelas em forma de pera, que dividem os dois orifícios das janelas gradeadas e as varandas trilobadas em estilo gótico. No rés-do-chão a superfície exterior é ornamentada com silhar, com portal redondo ao centro. Internamente, o edifício mantém uma lareira do século XVI.

Palazzo Malipiero-Trevisan
O Palazzo Malipiero-Trevisan é um palácio renascentista em Veneza. O palácio foi residência da família Malipiero até ao final do século XV, altura em que passou, por casamento, para a família Trevisan. A configuração da fachada simétrica, que ainda preserva o telhado de pedra da Ístria original, é tipicamente do estilo arquitetônico renascentista veneziano. O edifício é constituído por três pisos: um rés do chão e dois pisos nobres. O piso térreo tem dois portais de arco redondo no rio; dois pisos nobres de mesmo traçado são decorados com quadriforas ao centro. As quadriforas são decoradas com parapeitos esculpidos e ladeadas por pares de janelas de uma única luz. Para embelezar e regular as partes da fachada,há nichos e discos de mármore – os últimos lembrando o estilo gótico-bizantino típico do vizinho Palazzo Vitturi. No interior, no segundo andar, encontram-se afrescos pintados no século XVIII, ainda em bom estado.

Palazzo Vitturi
Palazzo Vitturi é um palácio em Veneza. O Palazzo Vitturi é um edifício antigo, construído na segunda metade do século XIII, e ao longo dos séculos passou por várias reformas que não comprometeram sua estrutura original. Hoje, em bom estado de conservação, o edifício acolhe um hotel. A fachada do Palazzo Vitturi é de estilo veneziano-bizantino do século XIV e está decorada com motivos góticos e mouros. De especial interesse são as aberturas e decorações do segundo andar nobre: ​​um quadrifora central, ladeado por dois pares de monoforas, sobre as quais se vêem azulejos e paterae originais. As balaustradas foram adicionadas nos séculos 16-17. Existem afrescos no piso principal. O mezanino possui uma pequena trifora no centro. O último andar, com suas aberturas retangulares,remonta ao resto do complexo.

Grande Escola de San Marco
A Scuola Grande di San Marco é um edifício renascentista, localizado no bairro Castello, fundado pela escola com o mesmo nome. A escola foi sede de uma irmandade e foi fundada em 1260, tendo a sua primeira sede na demolida igreja de Santa Croce. No século 16 foi construída a fachada voltada para o Rio dei Mendicanti. Posteriormente foi transformado em hospital civil, alterando substancialmente o seu interior. A fachada, delicada composição de edículas, pilastras coríntias e estátuas em mármore branco e policromado, é uma joia renascentista. Está dividido em duas partes, correspondendo ao salão à esquerda e ao hotel à direita. A decoração em mármore e os altos-relevos da parte inferior (dois leões marcianos e contos de São Marcos) são atribuídos à oficina Lombardo.O portal principal apresenta pórtico com colunas apoiadas em rodapés de primorosa talha. A arquivolta tem um alto relevo na luneta geralmente atribuído a Bartolomeo Bon, assim como a estátua da Caridade acima. Codussi construiu então a fachada do hotel e o coroamento superior com lunetas com estátuas.

No piso superior encontram-se o salão e o quarto do hotel, com esplêndidos tectos em caixotões com acabamentos dourados. Possuíam uma decoração pictórica muito rica que, ao contrário do que aconteceu com a Scuola Grande di San Rocco, se perdeu após a supressão da confraria. Algumas telas com histórias de San Marco de Jacopo Palma, o Velho, Jacopo Palma, o Jovem, Domenico Tintoretto, Nicolas Régnier, Vittore Belliniano e del Padovanino foram trazidas de volta ao seu local original. Outras pinturas com tema semelhante, de Jacopo Tintoretto (incluindo o Milagre de San Marco), Paris Bordone, Gentile e Giovanni Bellini, Giovanni Mansueti, estão expostas na Gallerie dell’Accademia ou na Pinacoteca di Brera.

Escola de San Giorgio degli Schiavoni
A Escola de Santos Giorgio e Trifone Dàlmata, também conhecida como Escola de San Giorgio degli Schiavoni, é um edifício em Veneza localizado no bairro de Castello. Seu interior é decorado com uma série de importantes obras de arte, incluindo um famoso ciclo pictórico de Vittore Carpaccio. No início do século 16, a comunidade erigiu o local atual às suas próprias custas, aproveitando o projeto de Giovanni De Zan para a fachada em estilo sansoviniano. Do lado de fora, na fachada acima da entrada, destaca-se o relevo de São Jorge matando o Dragão (1552) de Pietro da Salò e, acima deste, outro relevo da Virgem entronizada entre os Santos João Batista e Catarina de Alexandria (meados Século XIV) por um escultor veneziano.

Para além do famoso ciclo pictórico do Carpaccio, ao longo dos séculos os quartos foram enriquecidos com várias outras pinturas, decorações e ornamentos. A sala térrea, de planta retangular e de dimensões reduzidas, foi renovada em meados do século XVI, quando foram colocadas as telas de Vittore Carpaccio, antes presentes no andar superior. A sala apresenta um tecto particular com vigas decoradas e apresenta, ao longo das quatro paredes da sala, algumas pinturas notáveis ​​do ciclo das pinturas de Carpaccio. Nessas obras, Carpaccio amadureceu sua linguagem com maior certeza, o que o levou a pintar composições mais livres e variadas, com uso de cores densas e calculadamente harmoniosas. Acima do altar está o retábulo com Nossa Senhora entronizada com o Menino e os anjos,uma obra de alguns historiadores atribuída a Benedetto Carpaccio, enquanto por outros a seu pai Vittore.

Hospital dos Santos Pedro e Paulo
O hospital dos Santos Pedro e Paulo era uma instituição com sede em Veneza. Fundado no século XI, representava o mais antigo dos hospícios abertos na cidade para os peregrinos a caminho da Terra Santa. Posteriormente, foi usado como hospital para o atendimento de enfermos. Em 1350 o complexo foi ampliado com a incorporação de algumas casas deixadas por Francesco Avanzo. Outras transformações importantes ocorreram entre os séculos XVII e XVIII, com a reestruturação da igreja em 1736, e de todo o hospital. Após a restauração nos anos 1996-1999, o complexo, passado à Câmara Municipal de Veneza, é utilizado como centro cultural e residência estudantil.

No edifício original, apenas um valioso portal gótico é preservado com vista para as fundações de San Gioachino: datando do século XV, há uma Madona com o Menino esculpida entre São Pedro e São Paulo. A igreja tinha três altares, dos quais o maior continha um retábulo de Giuseppe Angeli (a Virgem e dois apóstolos). Do mesmo autor estavam Cristo no jardim e Cristo carregando a cruz, também no oratório, e o crucifixo, San Gerolamo Miani e dois peregrinos, na enfermaria. Todas as obras desapareceram.

Palácio Bonfadini Vivante
Palazzo Bonfadini Vivante é um palácio em Veneza. O palácio foi construído no século XVI, a fachada ainda hoje visível foi concluída em meados do século XVII. Na primeira metade do século XX, o edifício sofreu uma longa degradação, da qual foi resgatado com uma importante obra de restauro, efectuada pelos novos proprietários nos anos noventa.

A fachada do palácio é bastante simples, com três níveis e um sótão no topo. A estrutura possui dois portais retangulares no térreo ladeados por janelas quadradas. O segundo andar nobre é decorado com o elemento mais importante, uma serliana com parapeito de metal. O primeiro andar nobre abaixo tem traçado semelhante, com aberturas quadrangulares menores, também com parapeito. Por fim, a fachada termina com uma fina cornija denteada e um cordão. Os interiores têm maior valor artístico, onde se escondem pinturas grandiosas, criadas entre os séculos XVIII e XIX: uma série de estuques de Giuseppe Castelli acompanha um ciclo de afrescos neoclássicos, entre cujos autores são mencionados Giuseppe Borsato e Canal Giambattista.

Palácio Correr Contarini Zorzi
Palazzo Correr Contarini Zorzi é um palácio renascentista em Veneza, Itália. Construído em 1678 no local onde existia um antigo palácio gótico, do qual apenas sobrevivem as colunas de esquina, o edifício foi recentemente remodelado. O palácio oferece uma impressionante fachada do século XVII com dois imponentes portais de água monumentais, decorados por cabeças em forma de arco. Os portais têm aberturas principais rodeadas por janelas quadrangulares; sua posição simétrica à das janelas dos andares superiores. Existem dois pisos nobres de igual importância e com o mesmo desenho. Os pisos são decorados com triforas com pequenas varandas deslocadas para a esquerda e ladeadas por pares de janelas de luz simples à esquerda e (duplas) à direita. As faixas horizontais de pedra da Ístria sublinham a simetria e a harmonia de todos os elementos.A fachada termina com uma balaustrada branca, que delimita um amplo terraço no telhado e é sustentada por uma cornija denteada. Existem afrescos neoclássicos dentro do palácio.

Palácio Giustinian Pesaro
O Palazzo Giustinian Pesaro é um palácio gótico localizado em Veneza. O palácio data do final do século XIV; foi renovado posteriormente durante os séculos XVIII e XIX. O pequeno palácio tem uma planta atípica em forma de L e um jardim voltado para o Grande Canal. A fachada gótica perfeitamente restaurada apresenta o resultado de inúmeras modificações que a afetaram ao longo dos últimos séculos. O palazzo possui dois andares nobres decorados por quadriforas deslocadas para a direita, de forma que a fachada parece assimétrica. Cada quadrifora é apoiado por um par de janelas de luz única do lado esquerdo. Todas as aberturas ogivais são rodeadas por molduras serrilhadas e decoradas no topo pela típica flor. A fachada voltada para o grande jardim foi reorganizada durante o século XVIII, enquanto todo o complexo foi erguido no século XIX.O edifício foi convertido de residência em hotel em 2006.

Palácio Falier
O Palazzo Falier é um edifício civil localizado em Veneza. O palácio é particularmente conhecido por ter sido a casa de Marin Falier, doge da República de Veneza. O palácio é um dos edifícios mais antigos existentes em Veneza. Erguido de forma primitiva durante o século XI, o palácio foi destruído por um incêndio e reconstruído em 1105. Posteriormente, a estrutura foi objecto de inúmeras alterações, que alteraram parcialmente a sua estrutura. Atualmente, o primeiro andar abriga uma empresa hoteleira.

Fica em um pórtico característico com seis arcos, paralelo ao Rio dei Santi Apostoli, e tem vista para o Campo adjacente com extraordinária monumentalidade. A fachada, exemplificação da influência bizantina em Veneza, apresenta elementos muito antigos, entre os quais as duas janelas multi-lancetas com pedestre elevada, empilhadas de forma imprecisa. Destacam-se também as decorações dos séculos XIII e XV: dois painéis, duas pateras e dois escudos góticos. O monocromo da fachada é interrompido por janelas de uma única luz, posicionadas aos pares junto às janelas de multi-luzes.

Palácio Labia
Palazzo Labia é um palácio barroco em Veneza, Itália. Construído entre os séculos 17 e 18, é um dos últimos grandes palácios de Veneza. O palácio foi projetado pelo arquiteto Andrea Cominelli (por Alessandro Tremignon segundo outros), a fachada principal está no Canal Cannaregio; uma fachada menor de três alados está voltada para o Grande Canal. Uma fachada posterior provavelmente desenhada por Giorgio Massari é abordada a partir do Campo San Geremia. É mais notável pelo notável salão de baile com afrescos pintados de 1746 a 1747 por Giovanni Battista Tiepolo, com trabalhos decorativos em trompe-l’oeil de Gerolamo Mengozzi-Colonna.

No salão Giambattista Tiepolo pintou o magnífico ciclo de afrescos dedicados às Histórias de Antônio e Cleópatra; nas paredes entre figuras alegóricas e mitológicas estão as duas cenas principais o Encontro entre Antônio e Cleópatra e Banquete de Antônio e Cleópatra; no Salão dos Espelhos, no teto, ele cria o Triunfo de Zéfiro e Flora. Muitas outras salas do palácio estão decoradas com pinturas interessantes: há obras de Giandomenico Tiepolo, Palma il Giovane, Canal Giambattista, Placido Costanzi, Agostino Masucci, Pompeo Batoni, Gregorio Lazzarini, Gaspare Diziani, Antonio Visentini. Destaca-se também um ciclo de tapeçarias flamengas com histórias de Cipião. Esta riqueza artística teve uma das principais inspirações em Maria Labia;dizem que foi retratado em Cleópatra no Encontro de Tiepolo.

Palácio Mastelli del Cammello
Palazzo Mastelli del Cammello é um palácio gótico em Veneza. O edifício pertenceu anteriormente a três irmãos comerciantes de seda e especiarias. A construção inicial do palácio remonta ao século XII. A fachada do palácio tem três níveis e é coberta com estuque cinza. O piso térreo apresenta portal de água ladeado por lanceta e janelas em arco. No canto inferior direito, existe um pequeno chafariz de estilo árabe, que, até poucos anos atrás, servia para beber água durante a permanência no barco ou gôndola. O primeiro andar nobre possui uma trifora ladeada por pares de janelas laterais. Do lado direito, o nível é decorado com um bas-relef representando um homem de turbante puxando um camelo carregado. É esta escultura que dá o nome de cammello ao palácio.

O nível também tem duas paterae, uma delas representando um pavão. A janela do lado esquerdo tem um pequeno altar romano que serve de espessa coluna de canto. O segundo piso nobre possui hexafora gótica suportada por balcão sobre cachorros e ladeado por vãos laterais monoflorescentes, também com varandas. A varanda da esquerda dá a volta na esquina do prédio. Quatrefoils, dois deles irregulares, decoram a parte superior da hexafora. A cornija é sustentada por pequenos dentilos decorados com cabeças de animais. Na parte central do telhado há uma grande mansarda. As janelas, batentes de portas, varandas, cachorros, balaústres, cornija, quadrifólios e o relevo do camelo são feitos de pedra da Ístria.

Palácio Memmo Martinengo Mandelli
Palazzo Memmo Martinengo Mandelli é um palácio em Veneza. A estrutura foi construída durante o século 18 e substancialmente renovada durante o século 19. O palazzo já abrigou vários escritórios públicos. A fachada neoclássica assimétrica parece dividir-se em níveis graças ao uso de molduras e faixas de pedra da Ístria que conectam os peitoris, janelas e vergas. As janelas mais largas estão colocadas no lado esquerdo da fachada. O rés-do-chão está coberto com silhar. O palácio se estende em profundidade e possui um pátio central e um jardim. Depois que várias estruturas vizinhas ao palácio à direita foram demolidas, a ala direita foi reconstruída para adicionar um jardim.

Palácio do Terraço Barbarigo
O Palazzo Barbarigo the Terrace é um palácio em Veneza, foi construído por volta dos anos 1568 – 1569. O edifício possui um mapa inédito em forma de “L”, devido à presença no primeiro andar de um grande terraço com vista para o Grande Canal e o Rio di San Polo: este elemento é a peculiaridade que distingue o edifício. Uma fachada pouco desenvolvida em largura domina o Grande Canal, onde faz fronteira com o Palazzo Pisani Moretta: sem adornos, há duas janelas de lanceta única com balaustradas para cada um dos dois andares nobres. A fachada principal, debruçada sobre o rio, é simétrica e renascentista, com duas ordens de janelas quádruplas com varandas nos pisos principais e, no rés-do-chão, grande portal redondo com máscara em chave, igual a aquele com vista para o canal, abaixo. O terraço.Nas laterais do terraço existem dois outros portais menores. À esquerda existe um corpo inferior, de apenas dois pisos, dominado pelo terraço que é ladeado por uma balaustrada branca.

Com o passar dos anos, o palácio tornou-se a sede de uma importante galeria de arte privada. Em 1845, consistia em 102 telas feitas por artistas como Giorgione, Giovanni Bellini, Palma il Vecchio, Rubens, Guido Reni e Tiziano, mas foi vendida em 1850 por Nicolò Giustinian. Apesar da dissipação do século XIX da galeria de arte Barbarigo, que levou à dispersão de grande parte do patrimônio artístico, estuques e decorações de diferentes épocas são preservados no interior do palácio, incluindo obras de Vincenzo Guaraná, filho do mais famoso Jacopo. As pinturas mais valiosas são A coroação do Doge Marco Barbarigo e o Doge Agostino Barbarigo recebe a coroa de Chipre de Caterina Cornaro.o primeiro andar preserva as decorações originais e uma coleção de pinturas com retratos de doges fechados com molduras de madeira.

Casa de Carlo Goldoni
A casa de Carlo Goldoni, local de nascimento do famoso dramaturgo Carlo Goldoni. A partir de 1953 albergou o Instituto de Estudos Teatrais “Casa Goldoni”, que nos últimos anos foi remodelado e restaurado como museu. Vários eventos educacionais acontecem aqui e um teatro de fantoches de Ca ‘Grimani ai Servi, que anteriormente fazia parte da coleção Ca’ Rezzonico. Importante o arquivo e a biblioteca (mais de 30.000 obras), incluindo textos teatrais, pesquisas e manuscritos originais.

O palácio está organizado sobre um pátio com uma decoração bem decorada com cabeças de leões e uma escadaria coberta do século XV. O próprio museu está localizado no primeiro andar, distribuído por três salas. A vida e obra de Carlo Goldoni e o contexto do teatro e da sociedade veneziana do século XVIII são representados por meio de relíquias, móveis, pinturas, ilustrações de comédias goldonianas e painéis explicativos. No cenário destaca-se um salão dedicado a fantoches, onde se reconstrói o teatro do Palazzo Grimani ai Servi, incluindo cerca de trinta fantoches originais do século XVIII.

Ca ‘Corner della Regina
Ca ‘Corner della Regina é um palácio veneziano. Desde 2011 é a sede veneziana da Fundação Prada. O palácio foi construído no lugar de edifícios pré-existentes por vontade da família Corner, no século XVIII, pela mão do arquitecto Domenico Rossi. Com a extinção da nobre família veneziana, o Ca ‘Corner della Regina foi convertido em Monte di Pietà no século XIX, enquanto de 1975 a 2010 abrigou o ASAC, Arquivo Histórico de Arte Contemporânea da Bienal de Veneza. Desde maio de 2011, acolhe as exposições de arte contemporânea e atividades culturais da Fundação Prada.

O Ca ‘Corner della Regina é um edifício modulado em três níveis, mas particularmente esbelto também pela presença de dois mezaninos, no sótão e entre o térreo e o primeiro andar. O portal principal, em posição central, é arredondado e desenvolvido em altura, sobre fundo rusticado que caracteriza o primeiro nível e o mezanino, inspirado nas fachadas renascentistas. O primeiro dos dois pisos nobres é atravessado por uma balaustrada, acima da qual existem sete janelas de lanceta de arco único com uma máscara em chave, entre as quais existem semicolunas jônicas. Um grande curso de cordas divide este nível do segundo andar nobre, que apresenta as sete janelas dispostas regularmente, aqui porém de forma retangular e cada uma encimada por um tímpano; entre eles estão grandes semicolunas coríntias simetricamente interpostas,que afetam também o mezanino, ao nível do qual repousam sobre seções de arquitrave, por sua vez repousando sobre a fina cornija do telhado. Este último, em uma posição central, tem duas trapeiras.

Adoldo Palace
O Palazzo Adoldo é um palácio em Veneza, tem origens antigas e foi a casa do Adoldo ou Adoaldo, uma família de origem grega atribuída à aristocracia veneziana e extinta em 1432. Uma expoente da família, Lucia Adoldo, doou o edifício a a freguesia de San Simeon Piccolo, evidenciada por uma inscrição na fachada. A mesma placa lembra que em 1520 o edifício, que estava em perigo, foi reconstruído em grandes formas por Vittore Spiera.

No rés-do-chão, remodelado, existem vãos rectangulares simples em pedra branca. Os dois pisos nobres são, em vez disso, caracterizados por um par de janelas monoluminescentes de cada lado (entre as do primeiro andar existem dois baixos-relevos), inseridas em caixilharia de pedra, e por uma janela gradeada central, suportada por colunas jónicas e fechada por parapeito, em pedra no primeiro andar, ferro forjado no segundo. O sótão é caracterizado por uma elevação peculiar em que uma luneta acima de três janelas quadradas emparelhadas está inscrita. No topo uma estatueta representando uma águia.

Armazéns de sal
O Magazzini del Sale é um edifício em Veneza, localizado no bairro Dorsoduro. Este grande complexo foi construído no início do século XV em um ponto estratégico da cidade: ao longo dessas fundações ficava um dos principais locais de desembarque das jangadas e dos barcos que traziam mercadorias para Veneza. Aqui foi escolhido para construir o local para depositar o sal, um produto fundamental na economia da cidade lagunar. A fachada da estrutura é de um piso e desenvolvida em comprimento, com nove grandes portais encimados por outras tantas janelas em meia-lua; acima das aberturas centrais está a palavra Emporio dei Sali. No interior existem nove espaços onde o sal foi armazenado, onde agora estão organizadas as referidas exposições.

O complexo, desenhado pelo arquitecto Alvise Pigazzi, foi então preciosamente restaurado por volta de 1830. Durante o século XX, após a venda, os Magazzini del Sale sofreram um período de declínio, a seguir ao qual foram recuperados e utilizados, como é o caso hoje, para exposições e eventos culturais. Um dos nove Magazzini del Sale foi restaurado pela Fundação Emilio e Annabianca Vedova, a partir de um projeto de Renzo Piano; inaugurado em 2009, desde então, acolheu exposições organizadas pela Fundação sobre Emilio Vedova e outros artistas para uma comparação dialética com as obras de Vedova.

Ca ‘Foscari
Foscari Palace é um palácio gótico de Veneza localizado no bairro de Dorsoduro. O edifício é a sede histórica da Universidade Ca ‘Foscari de Veneza. Construído em 1452 pela vontade do Doge Francesco Foscari, é um exemplo extraordinário do gótico veneziano. Do prédio você pode desfrutar de um panorama único que vai da ponte de Rialto ao complexo da Academia de Belas Artes. Nas décadas de 1930 e 1960, Carlo Scarpa, famoso arquiteto e designer veneziano, foi chamado para restaurar a atual Aula Mario Baratto e os espaços adjacentes.

Atualmente é a sede histórica da Universidade Ca ‘Foscari, o que tornou alguns dos mais belos quartos acessíveis ao público. Graças à sua localização na abóbada do Canal, que se encontra na curva mais larga do Grande Canal, que permite vaguear com a vista desde a Ponte Rialto até à Gallerie dell’Accademia, o segundo andar foi escolhido por muitos pintores ( como o Canal Giovanni Antonio chamado Canaletto, Michele Marieschi, Francesco Guardi) como um lugar para pintar vistas do Grande Canal. Duas obras de Canaletto foram pintadas do segundo andar do edifício: Grande Canal de Ca ‘Balbi em direção a Rialto (1720-1723, Museu do século XVIII veneziano em Ca’ Rezzonico) e Regatta no Grande Canal (c.1732, Windsor , Coleção Real). Ca ‘Foscari também foi tema de pinturas de muitos pintores de paisagem (como Luca Carlevarijs e Michele Marieschi).

Ca ‘Dario
Ca ‘Dario é um palácio de Veneza, localizado no número 353 do distrito de Dorsoduro. Ca ‘Dario é frequentemente descrito como um dos palácios mais característicos de Veneza. A fachada delgada e assimétrica do Grande Canal, caracterizada por uma largura limitada de cerca de 10 metros, pende de um lado devido a uma falha estrutural e possui elementos de uma clara matriz renascentista, em contraste com as outras fachadas que ainda mantêm o estilo gótico então difundido em Veneza. É toda decorada com mármore policromado e pedra da Ístria, alternando-se em oitenta medalhões circulares. O piso térreo tem duas janelas de lanceta e um portal de água, enquanto cada um dos andares superiores é iluminado por uma janela de quatro lancetas e uma janela de lanceta única.

As lareiras, em típico estilo veneziano, estão entre os poucos exemplares originais da época que sobreviveram até os dias de hoje. A varanda neo-gótica foi adicionada no século XIX. Internamente o edifício distingue-se por um grande átrio com um poço em mármore, uma escadaria de mármore finamente decorada que conduz aos pisos principais e uma fonte interna de inspiração oriental, localizada numa sala que segue o estilo mourisco na decoração e forma de as janelas. A fachada posterior, de aspecto gótico nitidamente restaurado, apresenta-se irregular: o tom vermelho característico é a cola para um conjunto de lareiras, terraços, janelas góticas e galerias.

Punta della Dogana
Durante o século XV, o desenvolvimento da atividade comercial em Veneza levou à transferência para a ponta ocidental de Dorsoduro da Alfândega Marítima, anteriormente localizada perto do Arsenale. A partir daqui você pode desfrutar de uma bela vista da bacia de San Marco. O edifício foi concluído em 1682, cinco anos antes da catedral próxima. A obra do arquitecto Giuseppe Benoni é caracterizada por uma torre, encimada por um conjunto escultórico, representando dois atlas, que ergue uma esfera em bronze dourado, encimada pela Fortuna, que ao rodar indica a direcção do vento. O edifício continuou a ser uma alfândega e, por isso, tem uma ligação significativa com a história da cidade até à década de 1980. Após vinte anos de esquecimento, o Município de Veneza lançou um concurso para transformá-lo em um espaço de arte moderna.

Importantes obras de restauro, de janeiro de 2008 a março de 2009, permitiram a criação de um centro de arte contemporânea ligado ao Palazzo Grassi no interior do complexo Dogana da mar. O prédio ficou vazio por décadas, com planos fracassados ​​de transformá-lo em apartamentos ou um hotel antes de ser entregue a Pinault. O exterior foi restaurado sem adições e é a única parte da estrutura original que permanece intacta. As imperfeições cosméticas e as massas foram reparadas e as áreas danificadas foram reforçadas com âncoras de aço inoxidável, mas foram deixadas expostas com tijolos visíveis. O interior foi deixado sem tratamento de superfície, os tijolos foram substituídos com moderação. As paredes divisórias dos últimos dois séculos foram substituídas por salas paralelas e retangulares.O telhado foi substituído por um telhado semelhante com empenas de madeira, com claraboias adicionadas. Os novos pisos são de concreto aparente polido, em locais com linóleo.

Palácio Loredan Cini
Palazzo Loredan Cini is an architectural complex in Venice. This elegant 16th-century Gothic palace was the former home of the industrialist and philanthropist Vittorio Cini, who filled it with first-class paintings, interior items, ceramics and Murano glass. Wonderful paintings by little-known Renaissance artists such as Filippo Lippi, Piero Cosimo and Dosso Dossi are presented here. The palace, located at the confluence of the main waterway of the city and the Rio di San Vio, has three facades, both austere and clearly Renaissance. Facade on the Grand Canal: devoid of any architectural interest, it is spread over four floors and is characterized by a succession of mullioned windows and mullioned windows. It was once decorated with frescoes by Giuseppe Porta, which have now disappeared.

Fachada do Rio di San Vio: com cinquenta metros de comprimento, apresenta-se dividida em duas secções, cada uma delas identificada como edifício independente e correspondendo a um número de casa diferente (respectivamente Dorsoduro 732 e Dorsoduro 864). Tem uma vista monumental do Campo San Vio, ao qual está ligado por uma ponte privada. O troço direito, caracterizado por um imponente portal de água e por dois pentafore, comunica-se e integra-se com o outro, o que tem impacto semelhante se não fosse a substituição do polifore por uma serliana culminando em janelas quadrangulares. As outras janelas esparsas de lanceta simples não têm importância artística, com a feliz exceção das do andar nobre, com arcos redondos. Fachada posterior: vista para a piscina Forner,possui colunas unifilares animadas pela presença de uma serliana.

Molino Stucky
Localizada no extremo oeste da ilha, possui formas neogóticas. O edifício é notável por suas proporções anômalas em comparação com as da arquitetura veneziana tradicional presente em ambos os lados do Canal Giudecca. Construído em 1895 pelo Conde Giovanni Stucky, então lentamente ultrapassado pelo tempo e muito caro para manter, caiu em desuso em 1955.

Assumido pelo grupo Acqua Pia Antica Marcia, desde 2007 é utilizado como centro de convenções e hotel da rede Hilton. Com base no qual a área foi utilizada como complexo imobiliário equipado com uma residência, um centro de conferências e um hotel com 379 quartos, um restaurante panorâmico e piscina, uma sala de conferências com dois mil lugares.

Hotel Cipriani
Hotel Cipriani, localizado no extremo oposto da ilha, uma das residências venezianas mais luxuosas. O hotel foi inaugurado em 1958 por Giuseppe Cipriani, fundador do Harry’s Bar em Veneza e inventor do coquetel Bellini. Os quartos foram decorados com móveis venezianos, incluindo lustres de vidro Murano, tecidos Fortuny e obras de arte venezianas.

Em 2014, o Hotel Cipriani mudou o nome em Belmond Hotel Cipriani após a mudança da marca Orient-Express Hotels como Belmond Ltd. O hotel se expandiu ainda mais para o adjacente Palazzo Vendramin, um palácio do século 15 com vista para a lagoa e a Piazza San Marco. No cais da lagoa foi construído um restaurante denominado Cip’s Club e em 1990 foram inaugurados os antigos celeiros da República (adjacentes ao Hotel) como espaço para eventos.

Casa dei Tre Oci
A Casa dei Tre Oci ou Casa di Maria é um palácio em Veneza, localizado no bairro de Dorsoduro, na ilha de Giudecca. Tem vista para o Canal Giudecca, no auge da Fondamenta delle Zitelle. Foi concebido entre 1912 e 1913 pelo pintor emiliano Mario de Maria, que fez dele a sua nova casa veneziana.

Um exemplo da arquitetura neogótica do início do século XX, a Casa dei Tre Oci é o resultado de diferentes tendências arquitetônicas, desde os tradicionais armazéns venezianos até as vanguardistas do século XX. O edifício tem três andares, mas a importância do andar nobre é sublinhada, com os três enormes òci (veneziano para “olhos”), grandes janelas ogivais com vista para o Canal Giudecca e a Bacia de San Marco. No centro, no segundo andar, destaca-se a presença de uma janela gradeada emoldurada por decorações neogóticas.

Villa Hériot
Villa Hériot também conhecida como Villa Herriot é um edifício em Veneza, na ilha de Giudecca. No início do século XX, o francês Hériot, que, após comprar o terreno de uma antiga Saponeria alla Giudecca, tem duas estruturas de vilas construídas em um projeto de Raffaele Mainella com arquitetura eclética e abundantes elementos decorativos como paterae, azulejos, colunas e outros motivos bizantinos.

Em 1947, a esposa de Hériot, após a morte do marido, vendeu ao município o complexo Villa Hériot, deixando junto à escritura de venda a vontade de que fosse utilizado como escola pública: o edifício transformou-se assim na escola primária Carlo Goldoni. Posteriormente, a escola foi encerrada e a Villa Hériot é a sede da “Sociedade Europeia de Cultura”, da “Universidade Internacional de Arte, sede de Veneza” e da Casa Veneziana da Memória do século XX.

Eden Garden Hundertwasser
O Giardino Eden Hundertwasser, também conhecido como Eden Garden, é uma villa com um famoso jardim, ao sul da ilha Giudecca, em Veneza. O nome é uma homenagem a um inglês, Frederic Eden, que projetou o jardim em 1884 e que foi dono da propriedade por um longo tempo. A propriedade foi posteriormente expandida em dois acres quando as autoridades venezianas aumentaram a ilha. O casal criou um dos maiores jardins privados de Veneza, um jardim paisagístico inglês, com estátuas, rosas e animais. Foi frequentado por muitas figuras do mundo das artes, incluindo Marcel Proust, Rainer Maria Rilke, Walter Sickert, Henry James, Eleonora Duse etc.

O jardim apresentava um grande número de pérgulas de salgueiro cobertas de rosas e vastas plantações de lírios da Madonna e outras flores inglesas. Caminhos ao redor do jardim foram cobertos com conchas locais. Havia gramados, pátios e um calçadão forrado de ciprestes. Em 1903, Eden publicou A Garden in Venice, um pequeno livro que descreve sua criação do jardim. Danificada durante a Segunda Guerra Mundial, a villa foi reconstruída por Aspásia quando a paz voltou. Em 1945, o Eden Garden foi designado Monumento Nacional.

Espaço cultural

Palazzo Grassi
O Palazzo Grassi é um edifício civil veneziano. É uma das mais famosas edificações lagunares, além de abrigar exposições de arte dignas de especial interesse. O museu de arte contemporânea com exposições temporárias da coleção de François Pinault. Exposições de diversos artistas que fazem deste centro um dos mais ativos do mundo. No centro, há um pátio com colunatas, semelhante ao do Palazzo Corner, que divide a estrutura em dois blocos: o frontal abriga quatro cômodos laterais e um hall central, enquanto o posterior abriga cômodos menores e uma suntuosa escadaria decorada por Michelangelo Morlaiter e Fabio Canal, semelhante em forma ao do Palazzo Pisani Moretta. Existem várias janelas de lanceta única com ou sem varanda, organizadas ordenadamente aos pares.

Distingue-se por duas grandes fachadas, uma frontal voltada para o Grande Canal e uma lateral voltada para o Campo San Samuele, destaca-se por seu incrível tamanho e sua brancura. A fachada principal, em claro estilo neoclássico, esconde um plano muito complexo e cenográfico, inspirado mais no modelo romano do que no modelo veneziano. A fachada principal é inteiramente revestida a pedra Ístria e respeita a tradicional disposição tripartida: as janelas, de aspecto linear e de inspiração clássica, concentram-se em janela multilanceta em cada um dos pisos nobres. Os furos são diferentes na decoração: os do primeiro andar são de arco redondo, enquanto os do segundo têm empenas ora curvilíneas ora triangulares. As janelas são separadas por pilastras lisas que culminam em capitéis jônicos ou coríntios.Possui portal de água dividido em três buracos, semelhante a um arco triunfal. A fachada é fechada por uma faixa com cornija de mísula, que oculta o ático. A fachada lateral, igualmente imponente, imita o estilo principal, apresentando um portal térreo de inspiração romana e uma Serliana.

Museu Palazzo Fortuny
O Palazzo Fortuny é um palácio gótico de Venic. Recebe o nome do último proprietário, o artista Mariano Fortuny y Madrazo, e abriga o museu homônimo. O palácio foi fundado no final do século XV. Mariano Fortuny, que o comprou no início do século XX para fazer o seu próprio atelier, era um homem eclético que cuidava da fotografia, cenografia e cenografia, desenho têxtil, pintura. Após sua morte, sua esposa Henriette doou o palácio, que ainda preserva bem os tecidos e coleções de Mariano, à Câmara Municipal de Veneza (1956) que o tornou o local dedicado ao tratamento das disciplinas da comunicação visual, em particular da experimentação e inovação, em harmonia com o espírito e cultura do antigo proprietário.

O Palazzo Fortuny é considerado um dos maiores palácios de Veneza entre os de estilo gótico. É frequentemente citado como um dos melhores exemplos da arquitetura gótica veneziana naqueles edifícios sem vista para o Grande Canal, por sua compactação e coerência arquitetônica e pela harmonia de seu design estilístico. Particularmente importante é a fachada que dá para o campo, caracterizada por duas heptáforas centrais arejadas com arcos pontiagudos e outras aberturas mais espaçadas nas laterais. A fachada do rio, mais modesta, é caracterizada por três grandes poliforos e um grande portal de água rodeado por janelas secundárias. Caracterizam-se também as duas enormes arcadas, para permitir que a luz iluminasse todo o vasto ambiente, foi necessário criar um grande pátio interno caracterizado por várias aberturas.Todas as varandas são enriquecidas com decorações: ora por leões esculpidos, ora por frisos representando querubins.

Igreja de San Maurizio
A igreja de San Maurizio em Veneza está localizada no distrito de San Marco. Uma bela igreja com uma coleção de instrumentos musicais, pinturas barrocas venezianas. Os Interpreti Veneziani, os criadores do Museu da Música, também oferecem concertos na vizinha Igreja de San Vidal. Foi reconstruída pela primeira vez no final do século XVI; posteriormente, em 1806 foi demolido e reconstruído de acordo com o projeto de Antonio Diedo e Giannantonio Selva. A fachada da igreja é de empena, em estilo neoclássico, adornada com um baixo-relevo no tímpano e dois outros baixos-relevos rectangulares. No interior, cuja planta é em cruz grega, com cúpula central, destaca-se a sacristia, com móveis, adornos, estuques e pinturas ao estilo do século XVIII. A igreja atual está fechada para o culto,agora a igreja é a sede do Museu da Música.

Museu Diocesano de Arte Sacra de Sant’Apollonia
O Museu Diocesano de Arte Sacra “Sant’Apollonia” é um museu em Veneza. Móveis religiosos e objetos de igrejas e conventos demolidos, um dos claustros românicos mais evocativos de Veneza. Situa-se no mosteiro beneditino que existia na ilha Ammiana, perto de Torcello, que agora desapareceu. O Museu Diocesano de Arte Sacra foi transferido no final de 2020 para a Pinacoteca Manfrediniana. O claustro românico, o mais antigo de Veneza, acolhe o Lapidário de Marciano desde 1969, uma coleção de fragmentos de pedra romana, bizantina e veneto-bizantina, provenientes principalmente da antiga basílica de São Marcos.

O roteiro do museu desenvolve-se em seis secções expositivas. Galeria de Imagens: A seção reúne uma interessante coleção de pinturas. Joalharia: O museu possui uma das mais importantes e antigas colecções de prataria sagrada composta por cerca de 200 peças, datadas do século XIV ao XXI, provenientes de várias igrejas venezianas. Obras em madeira: O museu inclui entre as suas obras uma rica coleção de esculturas em madeira que vão do século XIV ao século XVI. Madonas vestidas: No museu diocesano encontra-se uma notável coleção de Madonas vestidas com os trajes tradicionais venezianos, muito interessantes do ponto de vista histórico-artístico e social. Vestimentas, tecidos e manuscritos iluminados: O museu preserva paramentos sagrados, datando do século XVIII ao século XIX.Arte Contemporânea: O Museu possui cerca de 40 pinturas de arte contemporânea. A seção nasceu graças às doações de artistas. O tema sagrado foi reconsiderado por meio de diferentes mídias e técnicas mistas.

Museu de História Naval
O Museu de História Naval, propriedade da Marinha Italiana, está localizado no Arsenale de Veneza. O museu reúne evidências históricas sobre a navegação e, em particular, a história marítima italiana e a marinha veneziana. Também fazem parte do museu o “Pavilhão dos Navios” na antiga oficina de remo do arsenal e a igreja de San Biagio, um antigo local de culto da marinha veneziana e depois austríaca, finalmente utilizado para as funções religiosas da Marinha pessoal. O edifício principal reúne relíquias artísticas e históricas relacionadas com a história da marinha italiana distribuídas em 42 salas de exposição em um total de cinco andares. Os três primeiros níveis são dedicados aos negócios, equipamentos e personagens da Marinha de Veneza e da Marinha italiana,com alguns testemunhos de outras Repúblicas Marítimas no terceiro andar. Ainda no terceiro nível, há uma sala dedicada ao Bucintoro, o antigo barco cerimonial do doge.

No quarto andar, estão expostas modelos de barcos típicos da lagoa de Veneza, barcos de pesca e várias gôndolas, incluindo a doada por Peggy Guggenheim ao museu após sua morte. Outros modelos de navios orientais e várias relíquias são colocados em uma sala adicional. O quinto andar, também denominado “sala sueca”, é dedicado às ligações entre Veneza e Suécia e entre as marinhas italiana e sueca, mostrando a ajuda que as nossas indústrias trouxeram para a formação da marinha e da aviação do país escandinavo. Uma rica coleção de conchas doadas por Roberta di Camerino foi colocada em uma pequena sala que é acessada por uma escada. Pavilhão de navios aberto ao público apenas em ocasiões especiais,o pavilhão exibe navios venezianos e militares autênticos e uma parte da sala de máquinas do iate Elettra. A Igreja de San Biagio pertence à Marinha e as tripulações dos navios estacionados em Veneza sempre “fizeram missa” aqui antes de sair para o mar.

Fundação Querini Stampalia
A Fundação Querini Stampalia é uma fundação cultural de Veneza. A instituição foi incumbida de promover o culto aos bons estudos e às disciplinas úteis, que oferece ao público uma biblioteca, um museu e espaços onde se realizam exposições temporárias, com particular atenção à arte contemporânea. Localizada no primeiro andar do Palazzo Querini Stampalia, a Biblioteca preserva um patrimônio bibliográfico de cerca de 350.000 volumes, que se divide em coleções históricas, derivadas de coleções familiares, e coleções modernas, estabelecidas após a fundação da Fundação e em contínuo crescimento. Nas salas de consulta e leitura, organizadas em estantes abertas de acordo com a Classificação Decimal de Dewey, estão disponíveis 32.000 volumes, enquanto na Jornais são 300 revistas e 20 jornais,nacionais e estrangeiros.

Instalado no segundo andar do Palazzo Querini Stampalia, o Museu deve seu acervo aos acervos artísticos formados ao longo da história da família e acompanhados de aquisições e doações após a fundação da Fundação. Residência-museu da família Querini-Stampa, biblioteca, galeria de arte, móveis e objetos domésticos a partir do século XVI, importantes pinturas de Bellini, Palma, Ricci, Tiepolo e Longhi. É proposta ao público como uma casa-museu na qual está exposta uma coleção de pinturas que vão do século XIV ao XX, principalmente da escola veneziana, mobiliário do século XVIII e neoclássico, esculturas, lustres de vidro Murano, porcelana, objetos de arte e móveis.

Museu Palazzo Grimani
Palazzo Grimani di Santa Maria Formosa é um museu estatal, localizado em Veneza. Uma joia da arquitetura renascentista inaugurada em 2008 como um museu cívico veneziano, coleções de pinturas, uma coleção arqueológica de artefatos gregos e romanos, exposições temporárias. O palácio é, para a história da arte e da arquitetura de Veneza, um elemento único e precioso. A sua forma arquitectónica peculiar, as decorações repletas de enigmas e diferentes interpretações, bem como a história dos acontecimentos da família Grimani de Santa Maria Formosa, são ainda hoje um apaixonante tema de estudo e investigação.

The long restoration has returned the rooms to the vision of visitors, including: the Camerino di Callisto, with stuccoes by Giovanni da Udine, the Camerino di Apollo, with frescoes by Francesco Salviati and Giovanni da Udine, the Sala del Doge Antonio, decorated with stuccoes and polychrome marbles, the Sala a Fogliami by Camillo Mantovano, with the ceiling entirely covered with fruit trees, flowers and animals, and the Tribune which housed more than one hundred pieces of the archaeological collection. Other works exhibited in the museum refer to the collecting interests of the Grimani family. In the Sala di Psiche you can admire the canvas with the Offering of gifts to Psyche, an ancient copy of the original by Francesco Salviati, already placed in the center of the wooden ceiling dismembered in the mid-nineteenth century.

Galeria Franchetti na Cà d’Oro
O Ca ‘d’Oro é um conhecido palácio de Veneza, cujo nome deriva do facto de originalmente partes da fachada serem revestidas a ouro que fazia parte de uma complexa policromia, considerada um dos maiores exemplos do gótico floral veneziano . A fachada é caracterizada pela marcada assimetria entre o lado esquerdo, em que se sobrepõem três bandas perfuradas (pórtico para atracação de barcos no rés-do-chão e loggias nos pisos superiores), e a ala direita, onde prevalece a alvenaria forrada. Um friso da residência Zeno anterior foi inserido entre os lados esquerdo e direito da fachada. O único elemento que dá continuidade à fachada, condicionando e dominando-a, é a grande cornija com as ameias superiores. No andar superior, a loggia de Reverti,composto por uma exáfora que é mais uma novidade para a época, como acima dos quadrilobos, alinhada com os vértices dos arcos das aberturas. Os capitéis das colunas com folhas grossas que se erguem em espiral são reinterpretados de forma inédita, rompendo a clássica simetria coeva veneziana. Mesmo as balaustradas entre as colunas têm um forte espírito decorativo. A loggia do último andar é composta por mais um exóforo com aberturas em forma de cruz alinhadas com as colunas.A loggia do último andar é composta por mais um exóforo com aberturas em forma de cruz alinhadas com as colunas.A loggia do último andar é composta por mais um exóforo com aberturas em forma de cruz alinhadas com as colunas.

Desde 1927 funciona como museu e sede da Galeria Franchetti. A galeria abriga o acervo de obras de arte colecionadas por Giorgio Franchetti em sua vida. Uma coleção de pinturas e estátuas em um antigo palácio do século 15. Um dos melhores exemplos da arquitetura gótica em Veneza, esculturas, bronzes, pinturas de Mantegna, Giorgione e Tiziano, pinturas flamengas e holandesas. Entre as obras mais valiosas estão o San Sebastiano de Andrea Mantegna, o Retrato de Marcello Durazzo de Antoon van Dyck, o Retrato duplo de Tullio Lombardo, a Vênus no espelho de Ticiano, vistas de Francesco Guardi, a Vênus adormecida de Paris Bordone e grandes porções dos afrescos de Giorgione e Tiziano, provenientes das duas fachadas do Fondaco dei Tedeschi, entre as quais se destaca a Giuditta.Por Vittore Carpaccio e oficina são as três telas com as Histórias da Virgem da Escola Albanesa. Para além das salas de exposição, o museu acolhe várias oficinas de conservação e restauro de obras de arte.

Museu Judaico
O Museu Judaico de Veneza é um museu difundido ou um complexo urbano arquitetônico e museológico que inclui espaços de exposição e sinagogas presentes dentro e fora do próprio museu. Desde 1990 está regularmente aberto ao público com visitas guiadas, exposições permanentes e temporárias. Duas outras salas são normalmente usadas para exposições temporárias, enquanto no último andar, perto da entrada da galeria feminina do Cantão de Scola, você pode visitar uma antiga Sucá, agora restaurada. Dentro do museu também há uma livraria especializada em judaica e um café kosher.

A coleção permanente do museu inclui objetos rituais e domésticos relacionados aos feriados judaicos, tecidos de decoração da Torá e da sinagoga, uma coleção de ketubboth (contratos de casamento), uma coleção de livros antigos, incluindo um Talmud impresso de Daniel Bomberg em 1500. Os espaços de exposição incluem: uma sala de prata dedicada a objetos rituais relacionados aos vários feriados judaicos e aos enfeites da Torá (existem exemplos preciosos de Rimmonim, as pontas das varas em que a Torá é enrolada, e de Ataroth, as coroas de a Torá); a segunda sala, por outro lado, apresenta tecidos decorativos da Sinagoga, como theparochet, tendas de Aron haQodesh (entre estas particularmente preciosa está a de Stella da Perugia do século XVII) e o Mappoth, tecidos da Torá.

Oratório dos Crociferi
O Oratorio dei Crociferi é um pequeno museu em Veneza que abriga telas significativas de Jacopo Palma, o Jovem. Foi fundado no século XII junto com o hospital administrado pelos padres Crociferi, que mais tarde se tornou um hospício e ainda é usado para sua função original. Nascida para dar alojamento e acolhimento às que partiam para a Terra Santa, durante o século XIV transformou-se em abrigo para mulheres pobres que aqui recebiam acolhimento e alojamento e aprenderam o ofício manual. Destruída por um incêndio no século XV, o Doge Pasquale Cicogna apoiou a sua renovação e decoração, culminando nas obras de Palma il Giovane. Severamente danificado pela enchente de 4 de novembro de 1966, o Oratório foi fechado ao público por dezoito anos, para permitir as obras de restauração necessárias.

O oratório tem uma fachada gótica simples e uma passagem aérea que o liga ao Palazzo degli Zen, uma família nobre que dele se beneficiou no século XIII com o doge Renier Zen. No interior, o ciclo pictórico, pintado entre 1583 e 1592, narra episódios relativos aos padres Crociferi e aos dois benfeitores doges. O edifício oposto, com portal encimado por cruzes, também atesta a presença dessa ordem. Os vestígios da antiga igreja também são as pinturas de Palma il Giovane preservadas na sacristia jesuíta nas proximidades.

Grande Escola de San Rocco
A Scuola Grande di San Rocco é um edifício antigo em Veneza. No interior é uma obra-prima de Tintoretto, esta casa é um exemplo requintado da arte maneirista no seu melhor. Para permitir uma admiração confortável do teto detalhado, espelhos são oferecidos aos visitantes. Ciclos de alegorias, vida e paixão de Cristo, cenas do Antigo e Novo Testamento são representados. Em 1564, Tintoretto foi contratado para decorar a Escola. O maravilhoso ciclo das telas, realizado nas três salas entre 1564 e 1588, representa para Veneza o que a Capela Sistina é para Roma.

No segundo andar do edifício, nas dependências construídas por Giorgio Fossati em 1773, está a Tesouraria da Scuola Grande di San Rocco. As salas do Tesouro são montadas com grandes armários do século XVIII que abrigam objetos destinados ao culto religioso. Destinada à custódia de prata e relíquias sagradas, a grande sala foi aberta ao público em 1899 e recebeu o nome de Sala del Tesoro. O salão estará fechado durante a Primeira Guerra Mundial para reabrir somente a partir de 2009. Entre os objetos guardados destacam-se o Altarolo com a Madona e o Menino, e um castiçal feito de um galho de coral.

Grande Escola de São João Evangelista
A Scuola Grande di San Giovanni Evangelista é uma escola em Veneza, é um complexo monumental com notáveis ​​exemplos de arte e arquitetura veneziana gótica, renascentista e barroca de Codussi, Lombardo, Massari, Morlaiter, Palma Giovanni, Tintoretto e Longi. Por mais de sete séculos, a Escola abrigou a confraria homônima de leigos, além de um museu aberto ao público. Hoje, aqui acontecem conferências e concertos e a Escola está aberta ao público quando não está a ser utilizada para eventos. Para ver a escadaria monumental de Codussi, o esplêndido Salone di San Giovanni, o Oratório da Cruz com preciosos relicários.

O complexo da Scuola Grande é acessível através do portal do septo, o septo é o elemento arquitetônico que dá importância artística ao exterior do complexo, impressionando, com suas decorações escultóricas renascentistas. À direita do septo encontra-se o edifício, que se estrutura primeiro em dois pisos no edifício onde se encontra o átrio, e posteriormente se expande para o grande edifício de três pisos, onde se realiza a Sala do Capítulo. No interior, o lugar de maior interesse é a Sala Capitolare, a obra-prima de Massari: uma sala de 11 metros de altura, iluminada no topo por doze grandes janelas ovais, decoradas com superfícies de mármore policromado, culminando no altar de San Giovanni Evangelista.O oratório da Scuola Grande é o local onde está guardada desde o século XIV a relíquia da Santa Cruz, objeto de culto da comunidade ao longo dos séculos, bem como inspiração para as grandes telas de Bellini.

Arquivos do Estado de Veneza
O Arquivo do Estado de Veneza é um instituto de pesquisa e conservação do MiBACT, um dos maiores arquivos do mundo, em um antigo mosteiro franciscano. Manuscritos, textos e documentos relativos à história da Sereníssima veneziana. O patrimônio documental preservado no arquivo veneziano é imenso, desde as origens da cidade até a era moderna. Segundo dados do site oficial, o Arquivo do Estado contém 70 km de estantes repletas de documentos que afetam toda a história da República de Veneza e de todo o mundo com o qual ela teve relações políticas, econômicas e culturais.

O complexo consiste em vários edifícios dispostos em torno de dois claustros adjacentes um ao outro e adjacentes à Basílica dei Frari. A entrada do Arquivo encontra-se no Campo dei Frari, do lado direito da fachada da Basílica. No entanto, é no lado norte do complexo que se mostra uma enorme estrutura com três andares altos e uma configuração neoclássica, com a inscrição ARCHIVIO DI STATO representada em letras grandes. Esta fachada, desenvolvida em comprimento, é em três níveis e tripartida, de grande importância e sobriedade: os dois “pisos nobres” do edifício são caracterizados por longas filas de janelas retangulares de lanceta, que na parte central são separadas por pilastras terminando na maciça arquitrave encimada por grande frontão contendo a efígie.No rés-do-chão, sete grandes portais de arco redondo (dos quais o primeiro da esquerda foi murada) dão acesso ao edifício.

Galeria Internacional de Arte Moderna
A Galeria Internacional de Arte Moderna de Veneza está localizada em Ca ‘Pesaro, no bairro de Santa Croce, perto do Campo San Stae. O prédio foi doado por Felicita Bevilacqua La Masa à cidade para se tornar um centro dedicado à arte moderna. O majestoso exterior deste palácio construído em 1710 esconde dois interessantes museus de arte. Os tetos fabulosamente pintados de Ca ‘Pesaro, que aludem à força e prestígio do clã Pesaro, também competem com as obras de arte. A Galeria Internacional de Arte Moderna inclui as obras expostas na Bienal de Veneza e cobre inúmeros movimentos artísticos dos séculos XIX e XX, incluindo McKyalio, os expressionistas e surrealistas e esculturas de Rodin e Wildt, muitas vezes o resultado de aquisições destinadas às várias edições da Bienal.No andar do meio, há exposições temporárias regulares de artistas modernistas e contemporâneos.

Na coleção destacam-se obras-primas famosas: entre as telas e os desenhos, destaca-se Judith II de Klimt; O espelho de Bonnard; o Rabino de Chagall, bem como obras de Kandinsky, Klee, Rouault, Matisse, Grosz, Moore, Morandi, Donghi, De Chirico, Boccioni, Sironi, Gustavo Boldrini, Emilio Vedova, Felice Carena, Virgilio Guidi, Davide Orler e outros. Entre as esculturas destaca-se um vasto acervo de obras de Wildt, Martini, Medardo Rosso, enquanto se destaca uma versão do Pensador e dos Burgueses de Calais de Rodin, este último exposto na primeira sala. No mesmo Ca ‘Pesaro existe também o Museu de Arte Oriental, instalado no último andar.

Museu de História Natural de Veneza Giancarlo Ligabue
O Fontego dei Turchi é um palácio em Veneza, o palácio remonta ao século 13; foi construído por volta de 1225 por encomenda de Giacomo Palmieri, cônsul do município de Pesaro e identificado como o fundador da família Pesaro. A partir de 1608, foi proposta a teoria de atribuir um edifício da cidade à sede dos mercadores turcos. A proposta foi realizada apenas em 1621; nessa ocasião o edifício foi convertido em centro comercial e foram construídos armazéns, lavadouros, serviços, quartos. O palácio manteve esta função do século XVII ao século XIX. Em 1860, o Município de Veneza comprou-o por 80.000 florins e utilizou-o, após uma restauração como museu. Em 1865 foi instalado o Museu Correr, hoje na Praça de São Marcos.Desde 1923, abriga o Museu Cívico de História Natural de Veneza.

O museu nasceu do desejo de coletar várias coleções naturalísticas localizadas na cidade lagunar, anteriormente pertencentes a diferentes propriedades, incluindo o Museu Correr, o Instituto Veneziano de Ciências, Letras e Artes e o Conde Alessandro Pericle Ninni. Aproveitando a mudança do Correr para a atual sede da Procuratie Nuove em 1922, o museu nasceu por iniciativa de Silvio Coen. As coleções mais notáveis ​​são a coleção entomológica Giordani Soika (presente desde 1983), a coleção naturalística Bisacco Palazzi (presente desde 1986), a coleção malacológica Cesari (presente desde 1993), a coleção ornitológica Perale e a coleção Ligabue, contendo entre outros achados fósseis .

Palazzo Mocenigo
O Palazzo Mocenigo é um imponente edifício de Veneza, é a sede do Museu do Palazzo Mocenigo – Centro de Estudos de História dos Têxteis, Trajes e Perfumes. Desde 1985, aqui está instalada a sede do Centro de Estudos da História do Têxtil e do Traje e do Museu de História do Têxtil e do Traje. Além de preservar as preciosas coleções em sua maioria de origem veneziana, o Centro oferece aos estudiosos uma importante biblioteca especializada no setor. Em 2013, na sequência de uma cuidadosa restauração do interior do edifício, o interior foi ampliado por uma nova secção (5 salas) dedicada à história do perfume e das essências que evidencia a antiga tradição cosmética de Veneza. Com esta reorganização do museu, dezenove quartos do andar nobre do prédio foram envolvidos,repropondo o cenário evocativo de uma autêntica residência nobre veneziana do século XVIII. Paralelamente, foi criado um caminho dedicado a compreender a evolução da tendência da moda, do traje e do têxtil.

O passeio foi totalmente reformado e ampliado em 2013. São vinte quartos no primeiro andar nobre. Aqui, as áreas de exposição inauguradas em 1985 foram duplicadas. O ambiente visa descrever como um todo diferentes aspectos da vida do patriciado veneziano entre os séculos XVII e XVIII. Habitado por manequins com roupas e acessórios antigos pertencentes ao Centro de Estudos de História dos Têxteis e do Traje, anexo ao Museu. Esses vestidos, feitos de tecidos texturizados e embelezados com bordados e rendas, documentam o rigor dos artesãos da época e a requintada elegância que tornou famosa a cultura veneziana.O cuidado e os detalhes e a realidade exposta fazem-nos apreciar o propósito do museu no que diz respeito à história da moda e as suas infinitas evoluções não só do ponto de vista têxtil mas também do vestuário.

Coleção Peggy Guggenheim
A Coleção Peggy Guggenheim é um museu no Grande Canal de Veneza, com sede no Palazzo Venier dei Leoni. O segundo museu veneziano mais visitado. Coletando principalmente a coleção de arte pessoal de Peggy Guggenheim (1898–1979), ex-esposa do artista Max Ernst e sobrinho do magnata Solomon R. Guggenheim, este museu, que já foi a casa particular de Peggy Guggenheim, reúne uma coleção em algo menor e mais concentrados do que os dos outros museus Guggenheim.

No outono de 2016, o museu foi ampliado com a compra de um edifício definitivo. Foi criado um novo refeitório, um pequeno centro educacional e um armazém para as obras. Graças à mudança da cafetaria, foi possível libertar novas salas de exposição. O museu também foi aberto ao público de forma educativa.

Galerias da Accademia
A Gallerie dell’Accademia em Veneza é um museu estatal italiano. Eles colecionam a melhor coleção de arte veneziana e veneziana, especialmente ligada a pinturas do período do século XIV ao século XVIII: entre os principais artistas representados estão Tintoretto, Giambattista Pittoni, Tiziano, Canaletto, Giorgione, Giovanni Bellini, Vittore Carpaccio, Cima da Conegliano e Veronese. Também são preservadas outras formas de arte, como esculturas e desenhos, incluindo o famoso Homem Vitruviano de Leonardo da Vinci (exibido apenas em ocasiões especiais).

Entre as pinturas mais importantes da Academia estão: Gentile Bellini: Procissão na Piazza San Marco (1496) e Milagre da Cruz na Ponte de San Lorenzo (1500), Giovanni Bellini: Pietà (1500), Jacopo Bellini: Madonna with Child e Cherubini (c. 1450), Paris Bordenone: Um pescador apresenta ao Doge o anel de San Marco (c. 1535), Vittore Carpaccio: Lenda de Sant’Orsola (1490-1498), Cima da Conegliano: A Virgem Santa abaixo a Laranja (1496 ca.), Giorgione (1477-1510): A Tempestade e a Velha (“A velha”), Andrea Mantegna (1431-1506): San Giorgio, Veronese Paolo (1528-1588): A festa em casa de Levi (1573), Tintoretto: Os milagres de San Marco (1548) e Ticiano.

Grande Escola do Carmini
A Scuola Grande dei Carmini é um palácio de Veneza, localizado no bairro Dorsoduro, na Calle della Scuola que liga o Campo Santa Margherita ao Campo dei Carmini. É a sede da escola homônima de devoção e caridade. A Escola tinha como finalidade as obras de caridade, como assistência aos pobres e doentes ou a “maritar donzele” com o devido dote, bem como fins de solidariedade entre os membros (algo agora semelhante a um seguro). O sustento da escola baseava-se na renda dos crescentes ativos imobiliários.

Dedicado à Madonna del Carmelo, com seus luxuosos interiores de Giambattista Tiepolo e Baldassare Longen. Esta escola (fraternidade religiosa) foi a única das seis grandes escolas que reconheceram as mulheres e fundaram o local no século XIII. Carmini continuou a dar as boas-vindas aos viajantes despossuídos e pródigos até a ocupação de Veneza por Napoleão. Os concertos Music in Mask estão ocorrendo atualmente aqui e os membros do Carmini continuam a organizar instituições de caridade até hoje.

Fundação Vedova
Criado pelo próprio artista e sua esposa, tem como objetivo principal promover a arte e a criatividade de Emilio Vedova e estudar seu papel na arte contemporânea do século XX.

As máquinas de Leonardo em Veneza
Uma exposição na Igreja de San Barnaba mostrando cerca de quarenta modelos de máquinas reproduzidos dos códices de Leonardo. Algumas das exposições são interativas e cópias dos códigos estão disponíveis para leitura. A conclusão era de 2012, já que a igreja é uma atração à parte. É aquele em que Indiana Jones encontra as catacumbas em A Última Cruzada.

Museu do Século XVIII Veneziano
Ca ‘Rezzonico é um dos palácios mais famosos de Veneza, contém coleções municipais relativas às tentativas do século XVIII para reviver a atmosfera doméstica da nobreza veneziana. Está dividido em três importantes faixas horizontais: o rés-do-chão, enriquecido com decorações de silhar e um portal de água com três furos de arquitrave e dois pisos nobres, caracterizados por colunas e janelas de arco redondo com cabeças de pedra angular. Cada andar termina com colunas acopladas. O sótão mezanino é caracterizado por janelas ovais de lanceta única, escondidas no desenho articulado da fachada. A planta do edifício é muito complexa: dispõe de um grande salão de festas, que ocupa dois pisos de altura, ligado ao piso térreo por uma majestosa escadaria monumental. Além dessa exceção extraordinária,o Palazzo está organizado de acordo com um plano tradicional: tem um grande portego no centro, com vista para o Grande Canal e para o pátio central: em ambos os lados há quartos menores.

Reaberto ao público após uma restauração, o museu organizou as obras de forma natural, quase como se elas fizessem parte do mobiliário. Além de preciosos móveis e joias, também contém as pinturas mais importantes de artistas venezianos do século XVIII, como Giandomenico e Giambattista Tiepolo, Rosalba Carriera, Canaletto e as famílias Longi e Guardi. Graças a doações, o acervo do museu foi recentemente reconstituído com outras 300 obras de artistas como Cima da Conegliano, Alvise Vivarini, Bonifácio de Pitati, Tintoretto, Sebastiano e Marco Ricci, além de muitas outras obras de arte. O museu está distribuído por quatro pisos e os visitantes também podem relaxar ou fazer um lanche na grande área da recepção, no café ou no lindo jardim.

Tags: