Museu em St. Ignatius College of Loyola Biscaynes, Cidade do México, México

O patrimônio artístico e histórico protegido pelo Museu da Biscaia foi moldado a partir de vários momentos históricos. Algumas peças vêm da suprimida Irmandade de Nossa Senhora de Aránzazu, outras foram trazidas das desaparecidas escolas femininas de San Miguel de Belén e Nossa Senhora da Caridade, que se somavam às obras que já estavam no Colégio de Biscaynes.

A riqueza do patrimônio que reúne o Museu de Biscaynes chamou a atenção de curadores especializados que incluíram peças de nossa coleção em várias exposições no México no Museu Franz Mayer, no Museu Nacional de Antropologia, no Museu MODO, no Museu Amparo, e Museu de História do México, para citar apenas alguns.

Capela
Possui cinco retábulos de ouro, patrocinados por ilustres personagens e famílias hispânicos, atribuídos à oficina de José Joaquín de Sáyagos. Estes trabalhos são dedicados a San Ignacio, a Virgem de Aranzazu, a Virgem das Dores, a Virgem de Loreto e a Virgem de Guadalupe, respectivamente.

Pintura
A coleção pictórica é composta por obras de renomados pintores vice-legais, como Miguel Cabrera, José de Ibarra, Cristóbal de Villalpando e Juan Correa. Temos obras do século XIX executadas por Santiago Rebull e algumas alunas virtuosas.

Escultura
Nossa coleção escultural reúne imagens devocionais esculpidas em madeira com ensopados extraordinários, além de roupas, além de dois cristais na cruz de marfim.

Têxtil
A coleção têxtil reúne mais de 1.200 obras, entre elas saquetas, bordados de diversos temas criados com materiais de qualidade: tecidos e fios de seda, rendas, borlas, fios e lamelas metálicas de ouro e prata, além de pérolas naturais.

Coleção Científica
Temos amostras, instrumentos de laboratório e diversos dispositivos para experimentação científica correspondentes aos séculos XIX e XX, com os quais as alunas eram ensinadas eletricidade, física, óptica, química, entre outras.

Móveis e Objetos
Protegemos uma importante coleção de talheres, móveis para casa e escolares, além de materiais didáticos, de diferentes temporalidades.

Colégio Santo Inácio de Loyola Biscaynes
O Colégio de San Ignacio de Loyola Vizcaínas é uma instituição educacional sem fins lucrativos, fundada em meados do século 18 em um edifício barroco que ocupa um quarteirão inteiro da cidade no centro histórico da Cidade do México. A escola manteve a maior parte de sua missão e organização e é a única instituição da era colonial em operação contínua no México. Foi originalmente criado para a educação de meninas e viúvas órfãs, mas agora é co-educacional. Oferece educação desde o jardim de infância até o ensino médio (preparatoria, que significa “escola preparatória”). O edifício geralmente não é aberto a turistas, mas pode ser alugado para eventos sociais, como o casamento de Shallalom.

A escola
O Colegio é uma instituição privada sem fins lucrativos dedicada à educação. É uma escola co-educacional com funcionários leigos, que fornece educação do jardim de infância à escola preparatória. Foi fundada no século 18 no edifício que ainda ocupa no sul do centro histórico da Cidade do México. A escola é a única instituição educacional da era colonial que continua suas operações sem fechamento desde a sua fundação. Ainda beneficia quem precisa de bolsas de estudos e ainda é governado por um “patronato”, sucessor de uma linha que remonta aos fundadores originais.

Dois dos alunos mais notáveis ​​da escola são Josefa Ortiz de Domínguez, que foi protagonista da Guerra da Independência do México e Sara García, conhecida como a “abuelita (avó)” do cinema mexicano. Dois dos principais custos de manutenção da escola são as bolsas de estudo e a necessidade de preservar a estrutura barroca do século XVIII. A localização da escola ainda é bastante ruim, o que dificulta a reabilitação e conservação do edifício. Os esforços de conservação são contínuos. Por exemplo, três figuras de Cristo foram recentemente enviadas da escola para a Escola Nacional de Conservação, Restauração e Museografia, para serem restauradas pelos alunos de lá. A escola é afiliada à INAH.

Por se tratar de uma instituição privada, geralmente não é permitido entrar em turistas. Um dos principais meios pelos quais a instituição recebe renda além de doações é o aluguel do próprio edifício para eventos sociais. O prédio pode ser alugado para casamentos, apresentação de livros e formaturas. Entre as pessoas famosas que se casaram aqui estão Lucero e Manuel Mijares, Ninfal Salina, filha de Ricardo Salinas Pliego, filha de Carlos Slim e Bernardo Sepúlveda Amor, Maria Inés Guerra e Gustavo Guzmán Favela. O edifício também foi usado para receber dignitários estrangeiros, como o rei da Espanha. Em janeiro de 2009, foi alugado para um concerto beneficente dado pelos músicos Elton John e James Blunt, como parte de uma turnê latino-americana. O palco foi montado no centro do pátio principal. O pátio principal pode acomodar 1.200 pessoas e outras 350 na capela. O custo médio do aluguel do prédio é de cerca de 350.000 pesos. Geralmente, esses aluguéis são de fim de semana, pois a escola ainda dá aulas de segunda a sexta-feira. As reservas são necessárias com seis a oito meses de antecedência.

O edifício
O edifício ocupa um quarteirão inteiro cercado pelas ruas Las Vizcaínas, Manuel Aldaco e San Ignacio, com a Plaza de Vizcaínas ao sul. Nos lados leste, oeste e sul, o nível do solo era uma série de compartimentos que se abriam para a rua, mas não para o interior. Esses compartimentos foram alugados como alojamentos e centros comerciais. Estes foram planejados para servir a duas funções. Primeiro, eles forneceram renda à escola e também ofereceram uma barreira nesse nível entre as ruas movimentadas e as meninas e mulheres dentro. O edifício foi projetado desta maneira porque, na época, a reclusão era considerada parte integrante da formação das mulheres. No entanto, quase todos esses compartimentos estão agora fechados.

O edifício teve problemas com afundamentos desde que foi construído, devido ao solo pobre em que foi construído e a eventos naturais como inundações e terremotos. A extração de água subterrânea na Cidade do México acelerou o processo. Os danos causados ​​ao edifício ao longo do tempo são mais visíveis nas ondas que agora se formam nas vigas de pedra da rua Aldaco, juntamente com os grafites nas paredes cobertas de tezontle. No entanto, continua sendo a estrutura barroca mais bem preservada da cidade.

A fachada do edifício é um barroco sóbrio. As diferentes seções do edifício são divididas por pilastras, coroadas por pináculos. Todas as quatro fachadas do edifício são cobertas de pedra tezontle com arenito branco acinzentado como acentos. Ao mesmo tempo, esses detalhes foram pintados com cores brilhantes, mas foram perdidos com o tempo. Existem três portais, um central e dois laterais. Um dos portais laterais tem o antigo brasão de armas do México e uma imagem da primeira santa do Novo Mundo, Rosa de Lima. O outro lado do portal tem o brasão de armas espanholas e uma imagem da Virgem de Aránzazu. O portal principal foi uma adição um pouco mais tarde, quando o arquiteto Lorenzo Rodriguez foi contratado em 1771 para criá-lo e outras modificações. Este portal parte do barroco mais sóbrio do resto do edifício para algo um pouco mais elaborado. É ladeado por duas pilastras altamente incomuns. Um dos nichos do segundo corpo tem uma imagem de Inácio de Loyola. Os outros dois nichos do portal principal contêm imagens de San Luis Gonzaga e Estanislao de Koski. Essas estátuas foram feitas por alguém chamado Don Ignacio com Pedro Alyala e José de Olivera encarregado de pintá-las. Embora não seja aparente, as janelas dos andares superior e inferior diferem significativamente, sendo as do piso térreo retangulares e as de cima octogonais. Eles são harmonizados pelas molduras elaboradas que emolduram cada um. Muitas das janelas possuem grades de ferro.

No interior, uma imponente escada leva a uma capela dentro de um grande pátio cercado por arcos. Existem onze pátios interiores, que ainda possuem seus azulejos originais. Além das inúmeras salas de aula e escritórios, existem alguns outros recursos. Os Arquivos Históricos mantêm os registros da escola desde o início e também tem seu próprio museu. Os bairros dos capelães estão localizados em uma propriedade que não foi incluída na concessão original de terras no século XVIII. Sem ele, a propriedade não era exatamente retangular. A construção foi suspensa temporariamente para negociar um acordo com o proprietário da casa no momento da aquisição do terreno.

No entanto, o aspecto mais impressionante do interior é a capela. Esta capela é elaborada em estilo churrigueresco, com colunas invertidas em pirâmide truncada, com cinco retábulos dourados e uma área de coral que possui um dos poucos órgãos sobreviventes do século XVIII no país. A capela era estritamente privada e, portanto, luxuosamente mobiliada, começando com uma porta de entrada muito elaborada. Os cinco retábulos foram criados por José Joaquín de Sáyagos no final do século XVIII, sendo os mais destacados os dedicados a Nossa Senhora Señora de Loreto e São José. Um dos retábulos é cercado por anjos voadores. Sáyagos também esculpiu a imagem da Virgem de Guadalupe para uma das portas internas da capela. Lorenzo Rodriguez criou o arco do coro inferior com seus trilhos instalados por modéstia. Uma das melhores esculturas da escola era a imagem da Virgem do Coro “Virgen del Coro”, tanto pela qualidade quanto pela ornamentação com jóias. Esta estátua foi vendida, com permissão do presidente do México em 1904, a um joalheiro chamado La Esmeralda. O dinheiro dessa venda foi usado para construir uma enfermaria em 1905.

História
Segundo a lenda, três bascos encontraram algumas garotas brincando em um monte de esterco e usando linguagem grosseira. Depois de castigar as crianças, os homens decidiram que as próprias meninas não eram culpadas, mas sim a sociedade pelo fracasso em fornecer uma educação. Eles decidiram fundar uma escola para meninas. Os nomes desses bascos estão nas ruas circundantes, Ambrosio de Meave, Francisco de Echeveste e José de Aldaco.

Até a fundação da escola, não existia escola para meninas no nível preparatório. A educação das meninas limitava-se principalmente à leitura e escrita e à confecção de artesanato, sem escolaridade formal. O estabelecimento desta escola é considerado um dos primeiros passos para a igualdade educacional entre os sexos no México. A escola foi fundada por uma irmandade de bascos que viviam no México durante o período colonial. Essa irmandade se chamava Nuestra Señora de Aránzazu e era formada por bascos pertencentes à Sociedade Real de Bascongada e a maioria era proveniente de clérigos, comerciantes e nobres vindos das províncias espanholas de Vizcaya, Álava, Guipúzcoa e Navarra. A irmandade estava associada ao mosteiro de São Francisco, no entanto, eles mantinham uma grande independência dos frades. Em 1732, a Irmandade de Nuestra Señora de Aránzazu decidiu fundar uma escola para proteger e educar meninas e viúvas órfãs. O projeto foi apoiado por toda a irmandade, mas três membros lideraram Francisco de Echeveste, Manuel de Aldaco e Ambrosio de Meave. O projeto foi fortemente apoiado pela comunidade basca no México fora da irmandade.

Originalmente, a irmandade pedia uma grande quantidade de terras onde hoje fica a Avenida Juarez, mas isso foi negado. Em vez disso, eles receberam a área que costumava ser o mercado (tianguis) para o bairro de San Juan, mas que havia se tornado um depósito de lixo. A área era considerada na época como classe muito baixa. Apesar disso e do fato de a área necessitar de grandes drenagens, o local foi aceito. O projeto foi iniciado por Pedro Bueno Bazori, mas ele morreu muito antes de terminar o projeto. Os arquitetos posteriores foram Miguel José de Quiera e Miguel de Rivera. O projeto foi formalmente iniciado em 31 de julho de 1734, dia da festa do santo padroeiro basco, Inácio de Loyola, quando o vice-rei Juan Antonio de Vizarrón e Eguiarreta lançou a primeira pedra. Enquanto começou nesta data, a padroeira da escola era a Virgem de Aránzazu, uma aparição de Maria no território basco. Quando a pedra foi colocada, uma caixa com moedas de ouro e prata e uma placa de prata foram enterradas. O paradeiro desses itens não é conhecido. O edifício custou 2 milhões de pesos e foi concluído na década de 1750.

O nome atual do Colégio Las Vizcainas deriva do fato de ter sido projetado para abrigar viúvas e meninas pobres, preferencialmente de origem basca ou pelo menos espanhol. Não ser um convento e não exigir que as meninas fizessem votos fizeram dela uma instituição antes do tempo e a inauguração foi adiada. A Coroa Espanhola hesitou em conceder as aprovações finais e não o fez até que fosse aprovada pelo Papa Clemente XIII e pela ascensão de Carlos III ao trono. Essa aprovação final veio em 1767.

Originalmente, o nome da escola era o Real Colégio de San Ignacio de Loyola. Embora os estudantes fossem considerados seculares, sua educação era baseada em princípios católicos, incluindo instrução moral e religiosa. Após a independência, o nome caiu a palavra “Real” (real) em favor de Nacional (nacional). As leis de reforma mudaram o nome da escola para Colegio de la Paz Vizcaínas. Em 1998, a instituição retomou o nome do santo e agora é formalmente chamado de Colégio de San Ignacio de Loyola Vizcaínas.

De 1767 a 1861, a instituição operou sob seus mandatos e organização originais. De 1861 a 1912, ganhou favores do governo, mas perdeu autonomia, principalmente na designação de membros para o Conselho de Administração. Com as leis de reforma, a escola parou de oferecer missa em sua capela, que ficou meio abandonada por algum tempo. Os aposentos do capelão funcionaram por pouco tempo como uma escola associada à Secretaria de Educação Pública. No entanto, esta área foi modificada de modo a representar um risco para a integridade do restante do edifício. Os danos foram tão grandes que o governo abandonou esta parte do edifício que ficou inutilizável por algum tempo devido ao afundamento do piso. A partir de 1912, a escola recuperou sua independência. A partir de 1878, a faculdade se modernizou para se concentrar na preparação técnica e profissional. Na década de 1990, essa parte do prédio abandonada pelo governo passou por uma restauração para trazê-lo de volta ao seu estado original, tanto quanto possível. A área foi convertida em museu para exibir a coleção de itens religiosos da escola, registros históricos e muito mais. Ao mesmo tempo, a capela e seus anexos foram restaurados.

Durante a história da escola, o México assistiu à Guerra da Independência, à Guerra Mexicano-Americana, à Reforma, à Intervenção Francesa e à Revolução Mexicana, com a escola aberta o tempo todo.

Tags: