Artissima 2016, Torino, Itália

Famosa por seu foco na pesquisa artística mais inovadora e na vanguarda redescoberta. O fio condutor de 2016 é a performance: o aspecto físico dos eventos ao vivo no programa de performance; a discussão entre curadores e coleções, em conversas ao longo da feira; o tema da grande exposição de colecionismo; o aspecto conceitual na capacidade da Artissima de repensar o papel de uma feira de arte.

Artissima 2016 traz sete seções, uma seção de performance renovada, sete prêmios importantes, um layout de feira aprimorado, uma programação envolvente de colecionadores e visitas guiadas por curadores, uma nova exposição notável com o acervo público e privado da cidade e um surpreendente projeto paralelo no Aeroporto de Torino .

A edição de 2016 consolidou a identidade específica da Artissima focada na experimentação e caracterizada por uma forte cunho curatorial que continua atraindo novos colecionadores de todo o mundo. Capaz de despertar o interesse dos profissionais e do grande público, a Artissima confirmou a sua qualidade, a sua grande amplitude geográfica e, sobretudo, a sua capacidade de inovar e introduzir novos formatos.

Turin fez da arte contemporânea sua principal vocação, tornando-se uma joia cultural incomparável na Itália. Artissima está enraizada no fértil território de uma cidade que conta com a serendipita convergência de grandes instituições, fundações e acervos públicos e privados. Conta com ser o berço da Arte Povera, com os importantes curadores locais com atuação internacional, com seus inúmeros artistas excepcionais, com galeristas e também com colecionadores visionários que compõem sua identidade única e misteriosa.

Pelo quinto ano consecutivo, a Artissima é dirigida por Sarah Cosulich, que tem trabalhado ativamente no desenvolvimento e inovação da feira. Artissima é um evento imperdível no calendário internacional da arte por suas apresentações de alta qualidade e seleção criteriosa de obras e galerias, bem como por sua capacidade de apresentar novos projetos e antecipar tendências, e pela atenção sem precedentes que dá ao papel do curador e à experimentação.

193 galerias participantes representando 34 países (Irã, África do Sul, China, Japão e Argentina entre outros), com presença internacional que representou 65% dos expositores (67 italianos e 126 estrangeiros); sete seções da feira, das quais três foram dirigidas por comitês de curadores internacionais. Como sempre, uma enorme participação de curadores internacionais e diretores de museus – mais de 250 – dos quais 60 estiveram ativamente envolvidos nas diferentes iniciativas da feira. Mais de 2.500 colecionadores de todo o mundo (em particular Europa, América do Sul, Oriente Médio e Estados Unidos), além de diretores de cinco museus internacionais.

A Artissima 2016 oferece mais uma vez até sete seções dedicadas aos expositores, abordando temas de arte moderna e contemporânea por meio de obras de arte. Entre as Novas Entradas, temos galerias de Teerã, Xangai, Rio de Janeiro, Bogotá e Saint Ouen, entre outras, enquanto como parte do Presente Futuro, as galerias apresentam as obras de 20 jovens artistas. Em Back to the Future, uma seção dedicada a períodos específicos da história da arte, desta vez podemos encontrar 19 exposições individuais com qualidade de museu de peças dos anos 1970 e 1980, ou mais precisamente entre os anos 1970 e 1989.

A exibição
Artissima 2016 gira em torno do compromisso de promover a experimentação artística e curatorial e a exploração da noção de performance. Inovador e experimental, Artissima concentra-se em artistas jovens e vanguardistas, estandes com curadoria e projetos especiais. A elevada qualidade da feira, garantida ano após ano por um número crescente de curadores internacionais que contribuem para a investigação e seleção dos artistas expostos, atrai colecionadores sofisticados de todo o mundo e um público atento e especializado.

Este último inspirou o projeto de exposição performativa da Mostra e orienta o público pelas seções da feira, estimulando um diálogo ativo entre o olho e o corpo do visitante e o objeto de arte.

Apoiada no sucesso dos anos anteriores, em 2016 as seções com curadoria De Volta para o Futuro, Futuro Presente e Per4m são enriquecidas por novas inspirações e visões. Back to the Future continua a desenvolver sua pesquisa curatorial sobre as figuras de vanguarda mais relevantes, embora subestimadas, e este ano se concentra em trabalhos datados entre 1970 e 1989. Esta fórmula testada pelo tempo se tornou uma das plataformas mais estimulantes para redescoberta e sucesso de mercado. Da mesma forma, o Present Future tem afirmado seu papel de viveiro de talentos emergentes, expandindo-se geograficamente graças à pesquisa de campo realizada por uma equipe de jovens curadores. A visão dos curadores desta seção sempre se mostrou inovadora, como evidenciado pelas futuras trajetórias de carreira dos artistas apresentados.

Per4m, a seção de performance da feira inaugurada em 2014, evoluiu para um projeto inédito com curadoria do coletivo holandês Se eu não posso dançar, não quero fazer parte da sua revolução. Este novo programa – coerente, inovador, de ponta e criado especificamente para o contexto da feira – leva o público a uma viagem surpreendente pelas mais recentes formas de experimentação no campo da performance.

Uma nova atenção sem precedentes será dada à seção Novas Entradas dedicada às galerias jovens, que pela primeira vez se apresentam juntas em um eixo principal da feira, ao longo de sua entrada. Além disso, unindo-se às tradicionais Main Section e Art Editions, uma nova seção chamada Diálogo apresenta apresentações com curadoria especial nos estandes.

A noção de performatividade surge na abordagem curatorial da edição 2016 do projeto expositivo Na Mostra. Esta ambiciosa mostra, com curadoria de Simone Menegoi, gira em torno da relação entre corpo humano, gesto e postura, e inclui obras de arte excepcionais das principais coleções públicas e privadas da região do Piemonte.

Seções
Artissima, um evento aguardado por colecionadores sofisticados e comprometidos em todo o mundo, aumentou sua área de influência nos últimos anos com uma perspectiva geopolítica cada vez maior. A feira agora é uma plataforma de intercâmbio global, graças à participação ativa de colecionadores do Brasil, Peru, Israel, Colômbia, Filipinas e Europa Oriental, além da tradicional presença importante de colecionadores americanos e europeus. Reconhecida como a feira da descoberta e da redescoberta, Artissima estimula o intercâmbio mais vivo e internacional, colocando Torino no mapa como a cidade de referência para o público perspicaz da arte.

Outra novidade é o Premio Mutina Este não é um Prémio com o valor de 5.000 euros, atribuído a um talentoso artista que expõe trabalhos na feira.

Diálogo é a nova secção que apresenta stands com um máximo de três artistas, cujas obras estão intimamente relacionadas entre si segundo um projecto coerente concebido pelas galerias. Além disso, a presença de curadores de renome internacional – entre os mais importantes protagonistas do mundo da arte contemporânea – será ainda mais ativa: uma grande oportunidade que desejamos oferecer às nossas galerias.

Artissima apresentou apresentações de alto nível com estandes frequentemente desenvolvidos em torno de um projeto curatorial – como em De Volta para o Futuro, apresentações monográficas, que este ano se concentraram na década de 1970-1989.

Present Future, os projetos solo de 20 jovens artistas produzidos especificamente para a ocasião, comprovaram a extensão de sua grande pesquisa geográfica.

A PER4M, criada em 2014, teve a curadoria deste ano do coletivo holandês Se Eu Não Posso Dançar, Não Quero Fazer Parte da Sua Revolução, que desenvolveu um programa de performance único que acontece tanto na feira quanto em espaços ao ar livre em torno de Torino.

Grande sucesso foi vivido por um dos projetos especiais da Artissima: os Walkie Talkies, uma série de conversas informais que exploram a feira através do olhar de casais de colecionadores e curadores em diálogo entre os estandes.

Na Mostra, com curadoria de Simone Menegoi, leva o título corpo.gesto.postura e apresenta obras, pela primeira vez em 2016, vindas de grandes museus e fundações, além de importantes empréstimos de coleções particulares da cidade.

Projeto especial
A edição 2016 da Artissima inaugurou também o Flying Home, um surpreendente projeto paralelo off-site de Thomas Bayrle, com curadoria de Sarah Cosulich e produzido em colaboração com Sagat – Aeroporto de Torino.

Com este projeto, que Bayrle concebeu especificamente para a área de bagagens, Artissima oferece à cidade e aos seus visitantes uma nova experiência: uma grande obra de arte pública de um grande artista internacional em um local inesperado com o objetivo de conectar Torino de uma forma inédita.

Flying Home de Thomas Bayrle, uma instalação de lightbox espetacular, revela os mecanismos de construção de sua peça gigantesca Flugzeug (Airplane, 1984), uma impressão em grande escala de um avião que é composto por milhões de pequenos aviões em um 96 metros quadrados superfície. Destacando desta vez o complexo processo manual de sua prática, Bayrle aponta para os bastidores do aeroporto: o lado humano que está oculto em seu funcionamento, mas fundamental para a definição da composição total. O aeroporto é visto como uma máquina cujo funcionamento perfeito depende de engrenagens ocultas e energias humanas implícitas, tornando-se assim uma metáfora para a relação entre o homem e a sociedade, o indivíduo e o todo, processo e produto.

Artissima
Artissima é a feira de arte contemporânea mais importante da Itália. Artissima é a feira de arte contemporânea de longa data da Itália. O foco do evento é fornecer uma plataforma para criatividade experimental e inovadora. Muitas galerias participam todos os anos.

De fato, mais de 200 expositores são esperados na mostra a cada edição. A obra de arte é dividida em diferentes partes com curadoria, oferecendo algo um pouco diferente. Em primeiro lugar, existe a seção principal. Em segundo lugar, há uma parte que apresenta novos e jovens artistas com menos de 40 anos. Em terceiro lugar, uma seção apresenta exposições individuais para o período que vai de 1960 a 1990. Finalmente, uma última seção é inteiramente dedicada aos desenhos. Como um evento animado e inspirador, Artissima atrai vários amantes da arte e profissionais. Acontece no outono de cada ano em Torino, que também se mantém.

O Futuro Presente é a seção que Artissima dedicou aos talentos emergentes, com menos de 40 anos, selecionados por um conselho de jovens curadores de todo o mundo. Os artistas são apresentados por suas galerias representativas e as obras incluem novas produções, bem como projetos que estão sendo exibidos pela primeira vez na Itália e na Europa.

De Volta para o Futuro é a seção que Artissima dedicou aos grandes pioneiros da arte contemporânea. A secção – também aberta a Artists ‘Estates – apresenta obras realizadas entre 1960 e 1999. A secção pretende trazer de volta ao centro das atenções artistas internacionais que desempenharam um papel fundamental na arte contemporânea. Para o público em geral, De Volta para o Futuro é uma oportunidade única de conhecer obras importantes daqueles anos em um diálogo com a experimentação de hoje.

Disegni é a secção da Artissima dedicada ao expressivo meio do desenho. A secção pretende celebrar uma disciplina artística capaz de expressar o imediatismo e o pensamento por trás do gesto criativo, existindo num espaço suspenso entre a ideia e a obra acabada.

Desde a sua fundação em 1994, combinou a presença de um mercado internacional com foco na experimentação e pesquisa. Artissima apresenta três projetos expositivos nos museus da Fondazione Torino Musei (Galleria Civica d’Arte Moderna e Contemporanea, Palazzo Madama – Museo Civico d’Arte Antica e Museo d’Arte Orientale). 2020, um novo formato, estendido pela cidade e online que reúne exposições físicas e projetos digitais.

Tags: