Museu Regional de Puebla, México

O Museu Regional de Puebla abriga uma coleção de extraordinário valor cultural e apelo estético, além de fazer parte do Centro Cívico 5 de Mayo Los Fuertes, formado pelo Museu de Não Intervenção Fuerte de Loreto, o Monumento Histórico Fuerte de Guadalupe, o Museu Interativo Imagine, o Planetário, o Auditório da Reforma e o Centro de Expositores de Puebla. Esta área é emblemática da história, cultura e vida social da cidade de Puebla, o que lhe confere uma localização privilegiada para o Museu Regional, tendo a oportunidade de ser um espaço cultural central da cidade e do estado.

História
Em 1962, como parte da comemoração do centenário da batalha de 5 de maio de 1862, foi criado um projeto chamado Unidad Cívica 5 de Mayo, que tentou sucintamente ser um projeto de arquitetura urbana que converte uma área monumental em uma espécie histórica. do parque-monumento para o gozo da população.

Os projetos arquitetônicos e urbanos foram confiados à Arch. Abraham Zabludovsky que, juntamente com Arch. Luis G. Rivadeneyra, coordenador e arquiteto colaborador Jorge Ferraez, Pedro Flores, R. Torres Garza e Arturo Ortega, foram responsáveis ​​pelos projetos. do Auditório da Reforma, da fonte dedicada ao General Ignacio Zaragoza, do planejamento urbano da região, da restauração do Forte de Loreto, da consolidação do Forte de Guadalupe, bem como da criação de a escola de artesanato do estado, que mais tarde se tornou o Museu Regional e o centro INAH-Puebla.

A criação do Museu Regional ocorre catorze anos após a criação da Unidade Cívica 5 de Mayo e gradualmente. Em uma primeira instância, desde 1974, a escola estadual de artesanato deu ao INAH um espaço nesta propriedade para abrigar os escritórios regionais e o Museu Regional de Puebla, adotando sua imagem atual após a realização de um projeto de reforma no mesmo ano. .

Em 1984, um espaço geminado foi construído no lado sudoeste da propriedade, com 8,50 metros de largura por 30,50 metros de comprimento. Esse acréscimo é composto por dois andares; no térreo, foi adaptada a biblioteca do Centro INAH; no andar superior, uma sala de exposições temporárias com 4 metros de largura e 30,50 metros de comprimento, era atualmente usada como área administrativa.

Em 2008, começou o projeto de Reestruturação do Museu, atualmente com a área de serviços educacionais reabilitados e uma nova imagem tanto na fachada quanto na gráfica, até o momento, novas peças foram integradas à sala de Arqueologia e História para fortalecer o discurso do museu e, assim, poder para oferecer ao nosso público visitante um serviço melhor.

Propriedade
Quanto aos espaços, o museu é composto de dois níveis: o primeiro é um porão onde a biblioteca (344,36 metros quadrados), o armazém de material do museu (187,26 metros quadrados) e a área de serviços educacionais composta por um saguão (69,08 metros quadrados) ) estão localizados. ), escritório (17,82 metros quadrados), oficina (75,36 metros quadrados), banheiros (17,10 metros quadrados) e auditório (91,21 metros quadrados).

Duas salas de exposição estão localizadas no primeiro nível, a primeira é a sala permanente (1.385 metros quadrados) que exibe os 10% dos ativos do museu e é distribuída por um pátio central (206 metros quadrados) em quatro seções: sala introdutória, sala de arqueologia , sala de história e sala de etnografia; o segundo é a sala temporária (337 metros quadrados). Espaços públicos como: lobby (148,48 metros quadrados), bilheteria (5,9 metros quadrados), banheiros (20,42 metros quadrados), loja de publicações e reproduções (25,69 metros quadrados) e escritórios (232,88 metros quadrados).

Temas

Sala de introdução
O território do atual estado de Puebla oferece praticamente todos os climas e regiões naturais do planeta, desde os áridos desertos do sul até as florestas tropicais da Serra Norte.

Seus primeiros habitantes, descendentes daqueles que caminharam da Sibéria para o Alasca, há mais de cinquenta mil anos atrás, encontraram uma variedade de fauna da qual podiam se alimentar caçando, sempre forçados a viver em grupos para agir e se defender.

Seus descendentes, milhares de anos depois, formaram uma região cultural muito ampla e variada chamada Mesoamérica.

Salas de arqueologia

Pré-história
A evidência mais antiga da atividade humana em Puebla remonta a cerca de 7000 aC no vale de Tehuacán. Desde então, temos instrumentos de pedra, como machados, raspadores e facas de pedra esculpida, que os aborígines fizeram e usaram para caçar e colher ervas e frutas silvestres para atender às suas necessidades de comida, abrigo e roupas. Além disso, podemos ver restos de cordas ixtle, sementes de abacate, ramos de amaranto e restos de espigas de teozintle, esta última a primeira variedade de milho cultivada por seres humanos no continente americano.

Era pré-hispânica
As condições geográficas e climáticas do vale Puebla-Tlaxcala são favoráveis ​​à vida desde os tempos muito antigos. Durante o horizonte formativo (200 aC a 200 dC), houve um importante processo de ocupação do território; as sociedades daquela época eram sustentadas por meio da agricultura. A importância dada à natureza e ao progresso material resultou no desenvolvimento da religião e do pensamento mágico. Um exemplo disso são os enterros humanos, nos quais o corpo do falecido foi colocado vestido com jóias de pedra verde e protegido dentro de uma “cerca mágica”.

A alta cultura floresceu durante o horizonte clássico (200 a 900 dC) no vale de Puebla. A cidade mais importante da época era Cholula, uma cidade sagrada onde uma grande diversidade de culturas se reunia. Um elemento importante dessa etapa é a cerâmica fina do tipo laranja, produzida na área de Ixcaquixtla, ao sul de Puebla, e que estava entre as melhores e mais preciosas mercadorias que circulavam na Mesoamérica.

O museu possui uma excelente amostra de cerâmica policódica do códice, produzida pelos ceramistas colultecanos durante o horizonte pós-clássico (900 a 1521 dC). O império Mexica dominou grande parte da Mesoamérica durante esse período, e evidências disso estão espalhadas por todo o estado de Puebla. O museu possui uma escultura modelada em argila que representa Xipe Tótec, deus da primavera, recuperado das explorações de Tepexi el Viejo, que nos mostra a influência da religião dos mexicas na região Mixtec no final do período pré-hispânico. .

Salas de história

A conquista do México
O Lienzo de Tlaxcala ilustra a entrada dos conquistadores espanhóis no vale Puebla-Tlaxcalteca. A mudança social desse período foi evidenciada em várias peças esculturais, como o cão coberto de plumagem – não o cabelo – de Tepeaca e a fonte batismal em Tecamachalco, na qual podemos ver a força de trabalho indígena interpretando as idéias e a religião imposta por os conquistadores.

A era colonial
Durante o vice-reinado, Puebla foi uma região agrícola e industrial de primeira classe. Desde a sua fundação, tem sido o núcleo de indústrias como têxteis, vidro, sabão, carpintaria, ferraria, alvenaria, marcenaria, curtume, selaria, prataria e louça. No museu, podemos apreciar uma grande variedade de objetos de Talavera Poblana, esculturas de madeira cozidas e pinturas. A maioria dessas peças vem de locais e atividades relacionadas à religião, uma vez que Puebla se destacou durante a era colonial como uma cidade devota.

O período independente
Esse período é marcado por confusão na população devido a eventos políticos e militares, pois durante três quartos do século XIX a cidade sofreu dez locais e numerosas revoltas sociais; dessas atividades militares, existem algumas armas, armas e uniformes.

O Porfiriato
A partir desse período (1876-1911), são exibidos um carro alegórico e alguns vestidos elegantes que permitem apreciar a opulência com a qual as classes privilegiadas viviam. Seguidos por isso, temos uma amostra de objetos como capacetes e chapéus militares, além de armas e utensílios da época.

revolução Mexicana
Puebla ocupa uma posição importante no processo de mudança política e social do século XX. No museu, existem livros, canetas e fotografias que ilustram a atmosfera revolucionária que culminaria no ato heróico dos irmãos Serdán, que iniciaria a Revolução Mexicana em novembro de 1910 e que seria a origem da formação do México contemporâneo.

Salas de etnografia

Tecnologia
O México contemporâneo é um mosaico multicultural, no qual a população rural tem um papel importante. O museu possui uma ampla amostra de instrumentos, ferramentas e utensílios utilizados por várias comunidades camponesas em suas atividades produtivas. Podemos ver máquinas para o benefício do café da Serra Norte, sistemas para o desenvolvimento da apicultura, instrumentos para a produção de cerâmica, instrumentos para a coleta de pulque, todos provenientes de diferentes regiões do estado.

Além disso, podemos ver algumas amostras de tecido em ixtle e palma, marcenaria, ferraria, curtume e couro. Esta amostra inclui tecnologia de origem pré-hispânica e colonial; de origem externa e local.

Vida cotidiana
No museu, podemos perceber a cultura de maneira íntima, pois é um mecanismo não natural que a humanidade desenvolveu para sobreviver e se reproduzir. Dessa forma, juntamente com as grandes obras da engenhosidade humana, os objetos da vida cotidiana são considerados elementos vitais que nos ligam à natureza. A vida cotidiana é representada no museu por uma série de objetos como móveis, roupas, brinquedos, remédios e material escolar que, nos tempos contemporâneos, fazem parte da nossa cultura popular.

Dança
A dança é um elemento cultural de grande importância. Há dança e dança tão divertidas ou como uma atividade artística; no entanto, também pode ser ritual. O museu possui uma coleção de roupas e máscaras que nos mostram a diversidade cultural e a riqueza artística de Puebla. Por exemplo, da dança de Los Voladores, da Serra Norte; Los Tecuanes, que vem do sul do estado; Danças de Los Negritos e Los Huehues, mais típicas da região central, entre outras.

O circulo da vida
A cultura, como característica da condição humana, é marcada pelo ciclo da vida em seus diferentes estágios. O museu exibe uma coleção de ornamentos feitos de papel colorido, tecido, cera e plástico, que se refere à vida de um ser humano desde o nascimento até o casamento e, finalmente, a morte. Esta coleção vem de San Gabriel Chilac, no sul de Puebla, e com ela termina nosso passeio pelo museu.

Serviços
Neste museu há uma bilheteria, banheiros, uma estação de reprodução e publicações do INAH, um auditório, uma biblioteca e também há visitas guiadas a pedido.

Tags: