2º arrondissement de Marselha, Bocas do Ródano, França

O 2º arrondissement de Marselha está localizado ao norte do Porto Velho. O 2º distrito cobre a parte mais antiga de Marselha, incluindo o bairro Cart. Ainda resta pouca cidade da Idade Média: parte foi destruída durante a construção da rua da República no século XIX. Entre os edifícios antigos preservados estão a Maison Diamantée, o Hôtel-Dieu e a Vieille Charité. O cais norte do Porto Velho, onde está localizado o Hôtel de ville de Marseille, foi reconstruído após a Segunda Guerra Mundial pelo arquiteto Fernand Pouillon.

O norte do distrito abriga o novo porto de Marselha, aberto até o século xix, e o distrito comercial de Joliette – Arenc, construído a partir da década de 1990 como parte da Euroméditerranée e onde ficam docas e a torre CMA-CGM. A J4, ao sul do porto de Joliette, abriga desde 2013 o Museu de Civilizações Européias e Mediterrâneas e a Villa Méditerranée.

Distritos
Os setores e distritos de Marselha são divisões administrativas intra-municipais que compartilham o território de Marselha. A cidade é assim dividida em oito setores e dezesseis municípios.

Esses distritos municipais não devem ser confundidos com os distritos departamentais, que são outro tipo de subdivisão administrativa no nível departamental. Na França, os municípios de Lyon e Paris também são subdivididos em setores municipais.

O segundo distrito de Marselha é dividido em quatro distritos oficiais: Arenc, Les Grands Carmes, Hôtel de Ville e La Joliette. Forma, com o 3º distrito, o 2º setor, grande parte do qual faz parte do projeto de renovação urbana Euroméditerranée.

Arenc
Arenc é um distrito do 2º arrondissement de Marselha, que contém o terminal de balsas.

Em occitânico, Arenc designa um lugar onde há areia (arena, em occitânico). De fato, Arenc era, antes da construção do Porto Autônomo de Marselha, o local onde os Marselha se encontravam para ir à praia.

O distrito de Arenc está hoje no coração do projeto Euroméditerranée, declarado uma operação de interesse nacional, que transforma esse antigo distrito industrial em um grande centro terciário.

Les Grands-Carmes
O Grande Carmelita é um bairro do 2º arrondissement de Marselha, que recebeu o nome do convento do Grande Carmelita. Ele contém parte do distrito não oficial de Panier e da rue de la République.

Hôtel-de-Ville
O de-Ville Hotel é um distrito administrativo de Marselha (França), no lado norte do Porto Velho, no 2º distrito. Neste distrito está localizada a prefeitura de Marselha, o Hôtel-Dieu. É neste distrito administrativo que o distrito de Panier está incluído. O distrito de Saint-Jean, que era a maior parte antes da Segunda Guerra Mundial, foi dinamizado em 1942 pelas autoridades alemãs.

Seu nome occitânico (La Lòtja), que nessa língua designa os estabelecimentos administrativos do município de Focaean, é encontrado no nome de “rue de la Loge”.

La Joliette
La Joliette é um bairro do 2º arrondissement de Marselha, localizado ao norte do Porto Velho e do Shopping. Este distrito está no centro do projeto Euroméditerranée, que visa criar um centro de negócios.

Segundo uma lenda muito tenaz, o nome de La Joliette vem de Júlio César (Júlio) que, durante a rivalidade com Pompeu, havia estabelecido seu campo neste distrito. Na realidade, parece que o distrito deve esse nome a uma propriedade localizada lá, sob o Antigo Regime.

Locais de interesse

Le Panier
Cart designa um distrito de Marselha localizado no 2º distrito, dividido em três distritos administrativos: Hôtel-de-Ville, Os Grandes Carmelitas e La Joliette. A costa norte do Porto Velho é a parte mais antiga do local de assentamento histórico da colônia grega de Massalia, em 600 aC. DE ANÚNCIOS. As ruas estreitas que se encontram lá sempre nos lembram que é a parte mais antiga da cidade, apesar da destruição de grande parte desses distritos no século XIX, quando a Rue de la République foi aberta e, no século XX, durante a explosão pelas autoridades alemãs em fevereiro de 1943 do distrito de Saint-Jean, coração histórico de Marselha. Hoje, a cesta é a única parte preservada. A partir da segunda metade do século XIX, esses distritos tornaram-se a porta de entrada das populações imigrantes para Marselha, principalmente italianos, Corsos e depois magrebinos. Nos últimos anos, sob o efeito das reabilitações e do estabelecimento de locais culturais, o Panier se tornou um distrito turístico, principalmente com o projeto Euroméditerranée.

Diamond House
A casa Diamantée (antigo hotel de Saboulin Bollena) é um edifício em Marselha, localizado logo atrás da prefeitura, no distrito da prefeitura. Atualmente, abriga a sede da associação organizadora de Marselha Provence 2013, capital europeia da cultura. Ele deve seu nome à aparência de sua fachada, coberta de pedras cortadas em pontos: chefe prismático. A fachada e a escada são classificadas como monumentos históricos desde 10 de novembro de 1925.

Caridade antiga
A Old Charity, localizada 2, rue de la Charité, no coração do distrito de Panier, no 2º arrondissement de Marselha, na área oficial dos Grandes Carmelitas, é um edifício construído no século XVII, com os planos de Pierre Puget para abrigar os necessitados e os pobres da cidade. Corresponde à implementação em Marselha do “grande confinamento” que Michel Foucault destacou em sua famosa História da Loucura na Era Clássica (1962). O hospício é representativo da arquitetura do século XVII, principalmente pela presença da capela Puget e sua cúpula ovóide. Gradualmente, perdendo sua vocação até o final do século xix, estava quase extinto nos anos 1950, ocupado apenas por pessoas pobres que viviam em condições miseráveis. A capela e o hospício foram classificados como monumento histórico por decreto de 29 de janeiro de

Construído em pedra rosa e branca da pedreira da coroa, o complexo Vieille Charité consiste em quatro alas de prédio fechadas para o exterior e abrindo para um pátio retangular por galerias em três níveis que pontuam a vida no interior do edifício. É um grande edifício cujas quatro alas estão dispostas em um retângulo de 112 × 96 m, com paredes exteriores sem janelas. O corpo desses edifícios é composto por três andares de galerias sobrepostas com arcadas semicirculares que se abrem para um pátio interior de 82 × 45 m.

No centro desse quadrilátero, no eixo da porta da frente, há uma capela com uma cúpula elíptica no melhor gosto barroco. A varanda com colunas coríntias, no estilo do Segundo Império, retoma o tema da Caridade, acolhendo crianças carentes, cercadas por dois pelicanos que as alimentam. Foi construído entre 1861 e 1863 por Blanchet, arquiteto dos hospícios de Marselha.

Catedral de Santa Maria Maior de Marselha
A Catedral da Catedral Maior ou Sainte-Marie-Majeure é a catedral católica da Arquidiocese de Marselha. La Major foi construído em estilo neo-bizantino entre 1852 e 1893, segundo os planos do arquiteto Léon Vaudoyer. Localizada no distrito de Joliette, no 2º distrito, fica em uma esplanada entre o Porto Velho e o porto de Joliette, no local da antiga catedral do século xii, daí o próximo nome occitânico de “Major”. Sua arquitetura e decoração de interiores, em mármore e pórfiro, conferem um aspecto particular a um edifício religioso. Foi erguida como uma basílica menor por Leão XIII em 24 de janeiro de 1896.

A Catedral do Maior tem um comprimento de 142 metros; as torres do pórtico têm 60 metros de altura; a nave sobe para 20 metros; a cúpula central sobe para 70 metros para um diâmetro de 17,5 metros. O coro é cercado por um ambulatório muito longo, cercado por capelas radiantes. Suas dimensões podem acomodar 3.000 pessoas.

As fachadas exteriores e as diferentes alturas dos telhados refletem muito bem, por suas divisões, os vários volumes interiores, ainda mais sublinhados pela presença de torres que atuam como uma separação para cada parte do edifício. As fachadas exteriores e interiores são tratadas em faixas com policromia alternada: pedra Cassis e mármore verde Florença para o exterior, cores quentes para o interior. Este uso de pedras e mármores em cores diferentes o torna único, mas não necessariamente clássico. A fachada externa é ladeada por duas torres cobertas com cúpulas. Sobre a abóbada da varanda, que a antecede, corre uma galeria em arco que liga as duas torres. Sob os arcos, podemos ver uma fileira de sete estátuas altas representando Cristo no centro, cercadas pelos apóstolos Pedro e Paulo, além de Lázaro – quem teria sido, segundo a lenda, o primeiro bispo de Marselha – e seus companheiros (sua irmã Marthe, Maximin, Marie-Madeleine), santos lendários da Provença. Na praça fica a estátua do monsenhor de Belsunce, que se destacou durante a última grande epidemia de peste que a França experimentou, a praga de 1720.

A abóbada da varanda é coberta com mosaicos azuis e dourados inspirados no mausoléu de Galla Placidia, em Ravena. As faces internas deste alpendre são ocupadas pelas estátuas monumentais dos santos bispos de Marselha dos primeiros tempos, agrupadas por três. O tímpano que encima o arco triplo da arquivolt tem uma janela de rosas no centro, acompanhada pela estilização, em mosaico, das cidades de Jerusalém e Belém. Nos tímpanos das portas estão esculpidas em mármore, no centro: A coroação da Virgem por Guillaume; ao leste: O símbolo da ressurreição; a oeste, L’agneau mystique e La fontaine de vie de Brémond.

Três baías enormes constituem a nave principal. É coberto por abóbadas na virilha, a travessia do transepto e o coro por cinco cúpulas, a primeira em uma buzina com um tambor octogonal aberto com baías semicirculares gêmeas, as outras em pendentes. A ascensão é pontuada por inúmeras colunas de mármore. Construídos sobre estacas, onde pedra e mármore alternam seus tons vermelho e claro ocre, são iluminados por grupos de três janelas altas e arqueadas, com vitrais com decoração não figurativa. As naves laterais, perfuradas na espessura dos pilares, carregam as galerias apoiadas por uma arcada tripla apoiada em colunas monolíticas em pórfiro com capitéis. De mármore esculpido em folhagem. As balaustradas de mármore suportam candelabros de bronze. O pavimento em mosaico multicolorido da escola veneziana é notável pela originalidade de seus projetos. Pode-se admirar, na terceira baía,

Com 50 metros de comprimento, o transepto dá acesso por meio de degraus ao ambulatório que circunda o coro, separando-o das duas grandes capelas laterais. No centro, na encruzilhada, os quatro arcos monumentais sustentam a cúpula central montada em chifres, passando assim da planta quadrada ao octógono. As paredes dos oito lados são iluminadas por oito janelas semicirculares duplas, colocadas em arcos emoldurados por colunas com capitéis esculpidos encimados por uma janela rosa, fornecendo luz a uma altura de 60 metros. Em cada braço do transepto, uma cúpula de menor importância acompanha a entrada de cada capela lateral. Nos quatro ângulos formados por cada pilha enorme, são colocadas as estátuas monumentais dos quatro evangelistas pelo escultor de Marselha Louis Botinelly

Sete passos levam do transepto aos santuários. No centro, o altar principal em mármore de Carrara, decorado com mosaicos de Henri Antoine Révoil, está alojado sob um cibório com uma cúpula de bronze apoiada por quatro colunas de ônix de Tunis, presente do marceneiro e escultor Jules Cantini. O altar é colocado sob o pátio do meio, que ilumina o presbitério, mobiliado com barracas e o órgão. De cada lado, à esquerda, chega-se à capela capitular dedicada ao Sagrado Coração e, à direita, à capela Saint-Lazare, dedicada à adoração dominical dos fiéis do distrito.

Contorna o santuário e serve seis capelas apsidais, duas das quais receberam revestimento em mosaico e decoração em mármore policromado. Dá acesso no meio à capela axial, que por si só forma um edifício autônomo, com seu narthex, sua nave e sua abside encimada por sua cúpula em chifres decorados com bustos de anjo. Atualmente, dedicada principalmente à Virgem, esta capela abriga o túmulo de Santo Eugênio de Mazenod (1837 – 1861), bispo de Marselha e fundador dos Oblatos de Maria Imaculada, missionários presentes em cinco partes do mundo, canonizados pelo Papa João Paulo II, em 3 de dezembro de 1995.

Terraços portuários
O Terrasses du Port é um shopping center no 2º arrondissement de Marselha, com 171 lojas. O edifício possui uma varanda de 2.600 m2 com vista para o porto de Joliette, daí seu nome. O telhado do edifício à beira-mar se assemelha ao casco de um transatlântico. As áreas de embarque de passageiros foram mantidas no térreo. No terraço, as tabelas de orientação informam os visitantes sobre a flora e fauna dos arredores. O edifício foi projetado pelo arquiteto Michel Pétuaud-Létang em colaboração com a empresa 4A Architects e os escritórios de design da Ingérop e Barbanel. O projeto, que custou 466 milhões de euros 3, é financiado pelo grupo English Hammerson

Docas
As Docas de Marselha são uma série de cinco edifícios, anteriormente armazéns e hoje abrigam escritórios e lojas no distrito de Joliette, em Marselha. As docas foram construídas de 1858 a 1864, de acordo com o modelo de docas inglês, e consistem em cinco edifícios de sete andares, com um comprimento total de 365 metros. As obras de reabilitação começaram em 1992. As Docas de Marselha estão abertas em 10 de outubro de 2015 e inauguradas em 4 de dezembro de 2015.

Praça da Joliette
A Place de la Joliette, no sopé das docas de Marselha, fica no 2º arrondissement de Marselha.

Hangar J1
O Hangar J1 está localizado no coração de Marselha, no distrito de Joliette. Foi construído em 1923 pela empresa Eiffel para responder à forte atividade portuária.

Abandonado há muito tempo, encontra uma segunda vida no âmbito do programa Euroméditerranée e, mais especificamente, por ocasião do evento Marselha Provence 2013, com uma vocação cultural e várias exposições. Além de 2013, o futuro do edifício, de propriedade do Grand Port Maritime de Marseille, era incerto por um longo tempo. É o tema de uma chamada de projetos que deu seu veredicto em janeiro de 2019, o hangar J1 será renomeado “La Passerelle” e a partir de 2023 sediará várias atividades (lazer, eventos, complexo hoteleiro etc.).

Museu das Civilizações Europeia e Mediterrânea
O Museu das Civilizações Européia e Mediterrânea é um museu nacional localizado em Marselha, França. O museu é dedicado às civilizações européias e mediterrâneas. Com uma coleção permanente que representa a fertilização cruzada histórica e cultural na bacia do Mediterrâneo, é adotada uma abordagem interdisciplinar da sociedade através dos tempos até os tempos modernos.

O museu é construído em terrenos recuperados na entrada do porto, próximo ao local do Fort Saint-Jean do século XVII e a um antigo terminal portuário chamado J4. Um canal separa o novo prédio e o Fort Saint-Jean, que foi reestruturado como parte do projeto. Os dois sites estão ligados por uma passarela alta de 130 m (430 pés) de comprimento. Outra passarela liga o Fort Saint-Jean à Esplanade de la Tourette, perto da igreja de St Laurent, no bairro Panier.

O museu, construído “de pedra, água e vento”, foi projetado pelo arquiteto Rudy Ricciotti em colaboração com o arquiteto Roland Carta. Um cubo de 15.000 metros quadrados (160.000 pés quadrados), cercado por uma estrutura de treliça de concreto reforçado com fibra, abriga exposições em dois níveis, com um auditório subterrâneo com capacidade para 400 pessoas. A coleção permanente e a livraria estão localizadas no térreo. Há um restaurante no terraço no topo do edifício, com vistas panorâmicas da baía de Marselha, da Corniche e do Prado.

Villa Mediterrânea
La Villa Mediterranean é um edifício público no 2º arrondissement de Marselha, na esplanada da J4, no distrito de Joliette (perímetro Euroméditerranée). O objetivo era abrigar conferências, reuniões e exposições.

O edifício, projetado pelo arquiteto italiano Stefano Boeri, pertence ao conselho regional da Provença-Alpes-Costa Azul com o objetivo de “dar a todos as chaves para entender o Mediterrâneo contemporâneo”. O edifício, que continuou a ser alvo de críticas, foi inaugurado em 7 de abril de 2013 e fechado em janeiro de 2018; deve reabrir em 2022, abrigando uma réplica da caverna Cosquer.

Marselha
Marselha é a prefeitura do departamento de Bouches-du-Rhône e da região de Provence-Alpes-Côte d’Azur na França. Está localizado na costa do Mediterrâneo, perto da foz do Ródano. Marselha é a segunda maior cidade da França, cobrindo uma área de 241 km2 (93 milhas quadradas) e tinha uma população de 870.018 habitantes em 2016.

Marselha tem uma história complexa. Foi fundada pelos Phoceans (da cidade grega de Phocea) em 600 aC e é uma das cidades mais antigas da Europa. Marselha é a segunda maior cidade da França em termos de população. Sua população é um verdadeiro caldeirão de diferentes culturas.

Dos mercados coloridos (como o mercado de Noailles), que farão você se sentir na África, aos Calanques (uma área natural de grandes falésias que caem no mar – Calanque significa fiorde), da área de Panier (o lugar mais antigo da cidade) e historicamente o local onde os recém-chegados se instalaram) em Vieux-Port (porto antigo) e na Corniche (uma estrada ao longo do mar) Marselha definitivamente tem muito a oferecer.

Marselha é agora a maior cidade da França na costa do Mediterrâneo e o maior porto de comércio, frete e navios de cruzeiro. A cidade foi Capital Europeia da Cultura em 2013 e Capital Europeia do Esporte em 2017; sediou jogos na Copa do Mundo de 1998 e na Euro 2016. É o lar da Universidade de Aix-Marselha.

Tags: