Museu do Caracol, Cidade do México, México

O Museo del Caracol (Galeria de História), conhecido por sua forma espiral de caracol marinho, foi concebido como um museu didático e expressivo para crianças e jovens menores. Possui doze salas em forma descendente, equivalentes a dois andares de exposição. O museu oferece a oportunidade de abordar os grandes eventos históricos que deram vida ao atual México, bem como as características e características da sociedade que se desenvolveu e se transformou durante o século XIX e as primeiras décadas do século XX.

O museu é dividido em cinco períodos. O período da Independência e do Primeiro Império é exposto da sala 1 à 4. A República e a invasão norte-americana na sala 5 e 6. A sala 7 a 9 mostra a Reforma e a República Restaurada. O Porfiriato no quarto 10 e a Revolução nos 11 e 12.

História
A Galeria de História, Museo del Caracol, é um museu muito jovem, completou 58 anos! Ele nasceu em 1960, como parte de um grande projeto pedagógico e cultural, destinado a um país que cresceu vertiginosamente. Nasceu também como parte das comemorações do 150º aniversário do início da Independência e do 50º aniversário da Revolução.

El Caracol foi sonhado pela primeira vez pelo secretário de educação pública, Sr. Jaime Torres Bodet. Ele criou um projeto educacional destinado a melhorar a instrução básica. Don Jaime promoveu a construção de escolas e a distribuição de milhões de livros gratuitos. Como parte desse grande projeto conhecido como “Plano dos Onze Anos”, o conhecimento da história e o treinamento de bons cidadãos foram aspectos fundamentais. Por esse motivo, em 1960, ele propôs a construção de um museu diferente, qualquer outro dedicado às crianças e jovens mexicanos, onde o aprendizado histórico era visual.

Mas Torres Bodet não poderia ter feito esse projeto sem ajuda. Pessoas de grande qualidade e experiência participaram deste projeto. O arquiteto Pedro Ramírez Vázquez criou um edifício em harmonia com a antiga colina de Chapultepec. Iker Larrauri e Julio Prieto fizeram a reconstrução das cenas e ambientes do passado, e o historiador Arturo Arnáiz y Freg elaborou o roteiro histórico.

Muitas esperanças foram expressas na Galeria da História. Em apenas dez meses ele estava pronto. Ao abri-lo, o secretário Torres Bodet exaltou sua função educacional; seria, disse “um livro aberto”. Mais de meio século depois, essa missão ainda está sendo cumprida.

O projeto do arquiteto Ramírez Vázquez, uma espiral embutida na rocha, deu origem ao carinhoso nome “El Caracol”.

Quando os primeiros visitantes fizeram o passeio, ficaram completamente surpresos. Não havia, em todo o museu, uma única peça antiga, mas modelos e dioramas que davam vida ao museu e à história.

No caracol, concentraram-se os grandes momentos da história nacional, da independência à promulgação da constituição de 1917: personagens ilustres, crianças, mulheres, soldados, cães e cavalos, haciendas e palácios. Todo o passado reviveu para se colocar ao alcance dos mexicanos.

Meio século depois, nosso museu continua a gozar de uma saúde perfeita. Ele ainda cumpre a função educacional que Torres Bodet queria para ele. É um recinto no qual não apenas crianças, mas jovens e adultos vêm aprender sobre a nossa história, a que nos constitui como mexicanos, que nos torna as pessoas que somos hoje.

Salas de Exposições

Independência e Primeiro Império

Sala 1: Os anos finais do vice-reinado
Como precedente à Guerra da Independência, estão as Reformas Bourbon, promovidas pelos reis espanhóis, que pertenciam à dinastia Bourbon. Com essas disposições, a expulsão dos jesuítas foi alcançada em 1767, e a máxima do vice-rei Marquês de Croix tornou-se efetiva, na qual os habitantes da Nova Espanha nasceram para silenciar e obedecer e não para opinar sobre assuntos do governo.

A Plaza Mayor da Cidade do México em 1767

O pedestal, por muitos séculos, serviu de mercado. Havia também o edifício pariano, onde eram vendidos móveis, tecidos, vidro e mercadorias da Europa e do Oriente. O Plaza Mayor foi o local onde eles aprenderam sobre os eventos que ocorreram no restante dos territórios. Aqui, o pelourinho passou a chicotear ou sujeitar os ofensores à vergonha pública, bem como à forca dos condenados à morte.

Pirataria

Durante o vice-reinado, as acusações que chegaram ou partiram da Nova Espanha foram atacadas por ingleses, holandeses e franceses, por isso foi necessário construir fortes e muros defensivos nas cidades costeiras.

A Cidade da Cidade do México propõe um governo autônomo

Juan Francisco Azcárate, Francisco Primo de Verdad e Ramos e o irmão Melchor de Talamantes foram os crioulos que governavam a prefeitura da Cidade do México. Entre suas propostas, ele estava ignorando José Bonaparte e forma um governo provisório.

A apreensão do vice-rei José de Iturrigaray

Depois de rejeitar, pelos espanhóis, o acordo entre a Prefeitura da Cidade do México e o vice-rei de ignorar José Bonaparte; em 15 de setembro de 1808, Gabriel Yermo dispensa o vice-rei Iturrigaray e envia Azcárate, Primo de Verdad e Talamantes para a prisão.

Denúncia da conspiração de Miguel Hidalgo

Os conspiradores decidiram avançar a insurreição após a confissão de um moribundo, no qual ele denunciou a preparação de uma revolta contra os espanhóis revelada pelo padre Rafael Gil de León perante as autoridades em 13 de setembro de 1810.

Sala 2: A Revolta de Miguel Hidalgo
A Guerra da Independência durou onze anos. Durante esse processo histórico, os grupos sociais e a ideologia inicial foram diferentes no final da guerra. O movimento Miguel Hidalgo y Costilla foi caracterizado por alguma improvisação, pois o padre era um homem iluminado, mas com pouca informação militar. A revolta de Hidalgo começou em 16 de setembro de 1810 em Dolores, Hidalgo durou menos de um ano. O padre foi capturado pelos monarquistas em Acatita de Baján e em 30 de julho de 1810 Hidalgo foi baleado. Mesmo sem Miguel Hidalgo, o movimento de independência continuou.

Choro de dor

Depois que a conspiração foi descoberta, Miguel Hidalgo e Allende decidiram libertar prisioneiros e aprisionar espanhóis para iniciar o movimento de independência. Hidalgo foi ao átrio da igreja para tocar os sinos e depois falar com a multidão e convencê-los a iniciar a luta contra o governo vice-jurídico. Cerca de quinhentos indivíduos formaram o primeiro exército insurgente, que em menos de dois meses, somava oitenta mil.

Descoberto a conspiração, Miguel Hidalgo decide avançar o movimento e treinar seus anfitriões

O primeiro exército insurgente era formado por povos indígenas, fazendeiros mestiços e prisioneiros. Durante o avanço do movimento, foram anexados mestiços, camponeses armados e mulatos que trabalhavam em obras e minas. Allende e Aldama estavam no comando da carreira militar, sendo a única facção disciplinada do movimento. No entanto, houve saques e saques do grupo rebelde, pois havia muitos ressentimentos e miséria que haviam gerado a opressão de três séculos de colônia.

Assalto à Alhondiga de Granaditas

A primeira grande batalha da Guerra da Independência foi o ataque a Guanajuato.

Miguel Hidalgo encomendou Morelos

Em Indaparapeo, Michoacán Miguel Hidalgo encarregou José María Morelos e Pavón de estender a guerra para o sul do México.

A Batalha do Monte das Cruzes

Depois de tomar Valladolid, hoje Morelia, o exército insurgente seguiu para a Cidade do México. No entanto, no Monte das Cruzes, o exército realista os perseguiu com melhores armas e maior disciplina. Mariano Abasolo e Mariano Jiménez derrotaram os monarquistas. Hidalgo, em vez de seguir a Cidade do México, decidiu se aposentar para evitar baixas em seu exército.

Miguel Hidalgo em Guadalajara

Em Guadalajara, ele publicou um decreto contra a escravidão, a anulação do pagamento de impostos, que foi substituída por uma taxa de alcabala na terra.

Sala 3: A participação de José María Morelos
Após a morte de Miguel Hidalgo, José María Morelos e Pavón lideraram o movimento. Morelos definiu os lugares onde o governo independente seria estabelecido. Em Chilpancingo, Morelos convocou um Congresso Nacional Supremo Americano.

O cerco de Cuautla

Morelos, junto com o exército insurgente, resistiu por dois meses ao assédio dos monarquistas em Cuautla, Morelos, onde foram sitiados e sofreram sede e fome. Hermenegildo Galeana reconquistou a fonte para fornecer líquido vital. Em 2 de maio de 1812, Morelos deixa Cuautla perdendo algumas armas e homens.

The Gunner Child

Narciso Mendoza é conhecido na história como “El Niño Artillero” por atirar em Felix Maria Calleja e no exército realista com um canhão durante o cerco a Cuautla em 1812.

José María Morelos e o Congresso Chilpancingo

Em Chilpancingo, Guerrero, Morelos convocou um congresso em que a independência foi declarada para a Espanha. Morelos tornou-se o Servo da Nação e o Congresso sob a autoridade dos insurgentes. O congresso foi formado por deputados eleitos, conhecido como Congresso de Anahuac. Em Chilpancingo, foram discutidas questões sobre a conformação do novo país e os direitos dos mexicanos. Em novembro de 1815, Morelos foi preso e, em dezembro, o Congresso foi dissolvido.

Nicolás Bravo perdoa soldados realistas

Nicolás Bravo foi nomeado comandante militar da província de Veracruz. Depois que seu pai, Don Leonardo Bravo, foi preso, ele libertou soldados realistas em El Palmar, Guerrero. Nicolás Bravo foi prisioneiro dos monarquistas de 1817 a 1820. Ele teve um papel importante durante as primeiras décadas do México independente.

O julgamento de José María Morelos

Vicente Guerrero rejeita perdão Após a morte de Morelos, Vicente Guerrero estava no comando do movimento. O exército realista se aproximou do pai de Guerrero para convencê-lo a desistir, mas ele respondeu: “O país é o primeiro”.

O desembarque de Francisco Javier Mina

Frei Servando Teresa de Mier foi um precursor mexicano do movimento de independência. Ao viajar para a Europa, ele conheceu Javier Mina e o convidou para fazer parte do movimento Independência. Eles desembarcaram

Sala 4: A consumação da independência
Quando José María Morelos morreu, Vicente Guerrero continuou a luta no sul do território. Para atingir seus objetivos, o clero e os comerciantes espanhóis do vice-reinado tiveram que realizar certas reuniões secretas, principalmente na igreja da Profesa, na Cidade do México, onde Agustín de Iturbide foi apontado como líder do movimento de emancipação. Os espanhóis pediram a Iturbide para derrotar Guerrero, mas ele o convidou para o seu movimento, consumando a independência em setembro de 1821.

O abraço da Acatempan

Guerrero e Iturbide se encontraram em Acatempan, Guerrero, para selar a aliança pela Independência. Iturbide carregava uma bandeira com uma cruz da Borgonha ou San Andrés, enquanto o exército de Guerrero era de uma águia com um cacto; ambos os padrões formaram um único símbolo: a bandeira das Três Garantias, que consistia na luta pela religião, independência e união. Posteriormente, o Plano Iguala foi realizado em fevereiro de 1821, no qual a Independência foi declarada e um governo de monarquia constitucional foi estabelecido. Em agosto do mesmo ano, Juan de O’Donojú chegou à Nova Espanha, representante do governo espanhol e simpatizado com idéias liberais. O’Donojú e Iturbide assinaram “Os Tratados de Córdoba”, nos quais a independência da Nova Espanha será aceita,

Entrada do Exército Trigarante na Cidade do México

Juan de O’Donojú convence Francisco Novella a deixar a capital da Nova Espanha em 1821. Em 27 de setembro de 1821, o Exército Trigarant faz sua entrada triunfante na Cidade do México. Iturbide recebe o bastão do presidente de Cabildo. O Conselho Provisório e a Regência foram formados e estavam sob o controle de Iturbide, além de serem gormadas pelos membros da antiga burocracia. O Ato de Independência do Império Mexicano foi promulgado e, com ele, a guerra terminou.

A coroação de Agustín de Iturbide

Agustín de Iturbide convocou um Congresso para decidir a situação política no México. Surgiram três opiniões: o de que o trono foi ocupado por alguém nascido nos Estados Unidos ou por um membro da casa dominante na Espanha que se mudará para o México ou que o México se tornaria uma república federal. A Espanha não reconhece a independência do México. Iturbide é proclamado imperador e sua coroação foi em 21 de maio de 1822. Durante seu governo, muitos chefes insurgentes foram excluídos de seu governo. O Congresso foi dissolvido e uma monarquia absolutista foi proposta. Santa Anna se rebelou contra Agustín de Iturbide, que decide abdicar em 1823 e foi baleado em 1824.

República Americana e Invasão

Sala 5: nasce a República Mexicana
Durante os primeiros anos do México, como nação independente, teve vários tipos de governo, como: império, república federal, república centralista, ditadura e regimes moderados. Em 5 de outubro de 1824, a Magna Carta entrou em vigor, estipulando que o México seria uma República Federal. Guadalupe Victoria foi o primeiro presidente da República Mexicana.

A Constituição de 1824

O Congresso Constituinte da Nação Mexicana é formado em 7 de novembro de 1823 no templo jesuíta de San Pedro e San Pablo na Cidade do México. Era formado por federalistas e centralistas, liderados por Miguel Ramos Arizpe e irmão Servando Teresa de Mier, respectivamente. Ambos propuseram a criação de uma república federal. Em 5 de outubro de 1824, foi proclamada a Constituição Federal dos Estados Unidos Mexicanos, com 171 artigos, nos quais foi estabelecido que o México seria uma república representativa, federal e popular; Com 2 poderes: legislativo e executivo e a religião oficial seria católica.

Rendição dos espanhóis em San Juan de Ulúa

Uma das primeiras ordens de Guadalupe Victoria foi despejar os espanhóis de San Juan de Ulúa, Veracruz, pois a partir daquele local a operação do principal porto do México foi prejudicada, o que ameaçava a independência do país. Em 1825, a cidade foi bombardeada e o cerco militar começou. Todo o acesso marítimo foi bloqueado para que os espanhóis não recebessem água ou comida. Em 18 de novembro de 1825, os espanhóis capitularam e o México obteve soberania sobre seu território.

A invasão de Isidro Barradas

Em 26 de julho de 1829, houve uma tentativa de reconquista liderada por Isidro Barradas. O movimento rapidamente tomou conta, então foi necessário enviar um contingente do exército, chefiado por Santa Anna e Manuel Mier y Terán. Barradas foi derrotado no forte de La Barra. Em Pueblo Viejo, Tamaulipas assinou um acordo em que os invasores prometeram não pegar em armas contra o México.

O Banco do Avío

O Banco del Avió foi fundado em 1830 por Don Lucas Alamán, que emprestou dinheiro para promover a indústria no país. Juntamente com Esteban de Antuaño, ele apoiou a tecnologia durante a Revolução Industrial.

Captura e morte de Vicente Guerrero

Anastasio Bustamante levantou-se contra o governo de Guerrero, que teve que renunciar ao cargo em 16 de dezembro de 1829. Bustamante ordenou a captura de Guerrero e uma vez capturado, ele foi transferido para Guerrero para ser condenado por um conselho de guerra e morre morto em Cuilapan, Oaxaca.

A Batalha do Alamo

Texas e Zacatecas se declararam revoltados contra o centralismo de Santa Anna. O Texas reivindica sua independência do governo mexicano em 1835. Santa Anna tomou o forte de El Alamo, San Antonio; onde ele ordenou atirar em todos os prisioneiros, por serem considerados estrangeiros com armas no país.

Sala 6: A invasão americana

General Antonio López de Santa Anna Na feira de San Agustín de las Cuevas

Santa Anna tinha certas características como: confiar seu governo ao vice-presidente, paixão pelo jogo e criação de galos que apostam em brigas. Aposto em lugares considerados recreação e descanso como San Angel e Tacubaya, onde eram jogados baralho, dados e alburno; piqueniques e danças eram celebrados com músicos tocando sons, xaropes e canções românticas.

A Batalha de Angostura

Os americanos queriam conquistar o México, começaram em Monterrey e continuaram em Coahuila. Porém, nos dias 22 e 23 de fevereiro de 1847, foi encontrada resistência entre uma série de colinas conhecida como La Angostura. Os invasores usaram Santa Anna para que o governo mexicano aceite vendê-los Alta Califórnia e Novo México, mas o Congresso nunca aceitou. Se sua oferta não for aceita, os Estados Unidos decidem invadir o México para assumir a Califórnia, o Novo México e o Texas. No entanto, foram derrotados e, depois do que aconteceu, decidiram uma segunda campanha de invasão, na qual triunfaram e, juntamente com o governo mexicano, assinaram o Tratado de Guadalupe Hidalgo, no qual nosso país reconheceu o Rio Grande como a fronteira norte. Os Estados Unidos assumiram a Califórnia,

A Batalha de Churubusco

Os americanos perdem sua primeira batalha no Pedregal de Padierna e avançam em direção à cidade de Churubusco. Em 20 de agosto de 1847, as tropas americanas sob David E. Twiggs derrotaram os mexicanos comandados por Pedro María Anaya. Os nacionais tiveram que se render devido ao esgotamento de suas munições.

O assalto ao castelo de Chapultepec
Depois de tomar Churubusco, os americanos acamparam na cidade de San Ángel e Tacubaya. Em 13 de setembro de 1847, houve um ataque contra o Colégio Militar no castelo de Chapultepec. Os cadetes do Colégio Militar, juntamente com Nicolás Bravo, sofreram um bombardeio até que sucumbiram.

Reforma e República Restaurada

Sala 7: A Guerra da Reforma
Durante o século 19, havia dois grupos políticos no México: os liberais e os conservadores. Os liberais eram a favor de uma república federal moderna, enquanto os conservadores continuam com as tradições espanholas.

Benito Juárez e José María Mata em Nova Orleans

Benito Juárez, que na época era diretamente do Instituto Científico e Literário de Oaxaca, era contra o governo de Santa Anna. Benito Juárez, depois de preso em Jalapa e preso no castelo de San Juan, viajou para a cidade de Nova Orleans, onde iniciou uma amizade com liberais como José María Mata, Melchor Ocampo, José Guadalupe Montenegro e Ponciano Arriaga, entre outros. eles organizaram uma revolução. Juarez e Mata retornaram ao México assim que souberam da revolução de Ayutla, liderada por Juan Álvarez e Ignacio Comonfort.

Valentín Gómez Farías foi o primeiro a assinar a Constituição de 1857, comemorada em 5 de fevereiro daquele ano. A Constituição reflete a essência das ideologias liberais.

Os bravos não matam

Benito Juárez é nomeado presidente da República em 1857. Guillermo Prieto com um discurso improvisado salvou Benito Juárez de ser baleado em Guadalajara. As palavras de Prieto foram; “Abaixe essas armas: os corajosos não matam!”

O assassinato de Melchor Ocampo

Leonardo Márquez ordena a execução do liberal Melchor Ocampo em Tepeji del Río, Hidalgo.

A Batalha de Calpulalpan

Juarez atravessou o Panamá para chegar a Veracruz, onde instalou seu governo e emite as Leis de Reforma, nas quais a separação entre a Igreja e o Estado, o casamento e o registro civil, a tradução da administração dos panteões e cemitérios para a administração de o Estado e a transformação dos bens da Igreja em patrimônio da nação.1 Em 22 de dezembro de 1860, Miguel Miramón é derrotado pelo exército de Jesús González Ortega em San Miguel Calpulalpan, depois de tentar tomar várias vezes a cidade de Veracruz . O conservador Miramón teve que fugir da capital, refugiando-se em Havana. Em 1860, Juarez e as forças liberais entram na cidade triunfantemente.

A Batalha de 5 de maio

O exército comandado pelo general Ignacio Zaragoza derrota as tropas francesas na cidade de Puebla em 5 de maio de 1862.

Sala 8: A intervenção francesa (1862-1867)
Benito Juárez se torna presidente do México em 1858. Seus principais objetivos eram finanças públicas e pagamento de dívida externa, porque França, Espanha e Inglaterra pressionavam o México. Juarez não conseguiu um acordo com a França; em 5 de maio de 1862, eles tomaram a cidade de Puebla. Os conservadores, depois de perderem na Guerra da Reforma, buscaram ajuda na Europa, recebendo ajuda militar de Napoleão III. Eles ofereceram o trono do México a Maximiliano de Habsburgo, que chega com sua esposa Carlota em 1864.

Oferenda do Trono do México

Alguns pensaram que a solução para o México seria uma monarquia. Em 3 de outubro de 1863, os conservadores fizeram uma entrevista no Palácio Miramar, onde ofereceram o trono a Maximiliano da Áustria.

Entrada de Maximiliano e Carlota na Cidade do México

Uma condessa escreveu no porto de Veracruz: “O novo soberano do México estava enfrentando seu próprio império; em pouco tempo ele teve que pisar no chão, mas seus súditos se esconderam. Ninguém o recebeu”. Porém, Maximiliano, junto com sua esposa Carlota, foram recebidos com grande júbilo pelos mexicanos em junho de 1864.

Um acampamento de Chinaco

O termo chinaco foi usado de forma depreciativa. No entanto, os liberais a converteram em uma palavra usada para definir a honra e o símbolo da causa nacionalista. Os chinacos eram fazendeiros. Um dos melhores chinacos foi Nicolás Romero, que nunca imaginou o número de inimigos, mas onde eles estavam.

A Batalha de Miahuatlán

Porfirio Díaz derrotou em 3 de outubro de 1866 o imperialista Oronoz e o coronel Testard em Miahuatlán, Oaxaca. Mais de cinco mil lutadores participaram dessa batalha. Porfirio Díaz participou excepcionalmente porque, quando a munição acabou, ele liderou uma acusação geral de vitória. As mortes de José María Arteaga e Carlos Salazar José María Arteaga e Carlos Salazar foram os primeiros a serem mortos em Uruapan em 14 de outubro de 1865 por empunhar uma arma. Essa lei foi publicada por Maximiliano em 3 de outubro de 1865.

A Batalha de 2 de abril de 1867

Em 2 de abril de 1867, o general Porfirio Díaz conseguiu derrubar a Plaza de Puebla, o que significava ter recuperado um espaço roubado. Leonardo Márquez, conhecido como “El Tigre de Tacubaya”, era o general conservador que se entrincheirara em Puebla.

O Fusilamiento de Maximiliano

As forças mexicanas leais a Maximiliano, queriam se refugiar em Querétaro em 1867. Tropas francesas cercaram a cidade e, em 15 de maio, depois que Maximiliano tentou escapar, ele foi preso no Cerro de las Campanas, junto com Miguel Miramón e Tomás Mejía. Com essas capturas, a Guerra de Intervenção e o governo monarquista terminaram. Maximiliano, junto com Miramón e Mejía, foram mortos em 19 de junho de 1867.

Sala 9: A República Restaurada e o Porfiriato
As etapas da República Restaurada e do Porfiriato tiveram governos duradouros, grande crescimento econômico, construção de ferrovias, fazendas e meios de comunicação, extração de petróleo e desenvolvimento de atividades industriais e de mineração. O poder executivo dominava o legislativo e o judiciário. Durante a República Restaurada, Benito Juárez e Sebastián Lerdo de Tejada governaram. Lerdo tentou reeleição, no entanto, Porfirio Díaz se levantou contra a tentativa com o Plano Tuxtepec. Díaz durou trinta anos no poder em um regime ditatorial chamado Porfiriato.

A Escola Preparatória Nacional

Foi inaugurado em 1 de fevereiro de 1868. A sede era o edifício ocupado pelo Colegio de San Idelfonso. Gabino Barreda foi o primeiro diretor e organizou o currículo com base na filosofia positivista de Comte.

Benito Juarez, Criança

Benito Pablo Juárez García era originalmente de San Pablo Guelatao, Oaxaca. Quando criança, trabalhou como colecionador de pastoreio, agricultura e cochonilha. Ele se formou como advogado no Instituto de Ciências e Artes. Ele defendeu as comunidades indígenas. Ele se casou com Margarita Maza. Ele foi deputado e governador de Oaxaca. Juarez tinha um caráter civil, ele era um homem de leis e não de armas. Sua visão liberal abriu o México à modernidade.

Benito Juárez em seu gabinete presidencial

Em 25 de dezembro de 1867, Benito Juárez tornou-se presidente novamente. Os escritórios de Juarez ficavam no Palácio Nacional. Regulou o julgamento do amparo, os Códigos de Processo Civil e Penal e a Lei Orgânica da Instrução Pública, com a qual a Escola Nacional Preparatória foi formada. Em 16 de setembro de 1869, a ferrovia México-Veracruz foi inaugurada. Ele foi reeleito para 1871-1875, no entanto, Diaz se levantou contra a reeleição em sua roda gigante. Díaz foi derrotado em Icamole e se refugiou nos Estados Unidos. Benito Juarez morreu em 18 de julho de 1872.

Ponte Metlac

Durante os governos da Reforma após a Guerra, novos canais de comunicação foram construídos, como as ferrovias que facilitaram o transporte de pessoas e mercadorias. A primeira a ser concluída foi a que comunicou a Cidade do México a Veracruz, foi inaugurada em 1º de janeiro de 1873. Algumas das obras mais importantes foram a ponte De la Soledad e a ponte Metrac, com 28 metros de altura.

O Tesouro no Porfiriato

A fazenda nasceu durante a era colonial, onde foram criados gado e produtos agrícolas. Durante o Porfiriato, às custas da exploração dos trabalhadores, o Tesouro atinge seu auge. A produção de bens aumentou devido à Lei do Confisco, à criação de ferrovias e ao crescimento econômico do México. As principais Haciendas foram: pulqueras em Hidalgo, usinas de açúcar em Morelos, henequeneras em Yucatán e algodão em Coahuila.

Rebelião tomóquica

As frases famosas durante o Porfiriato eram “ordem e progresso”. Para evitar movimentos que alteram a paz porfiriana, foram utilizados métodos repressivos, como a rebelião de Tomochic, Chihuahua, onde os índios se rebelaram após os abusos sofridos. Em 1892, os soldados sitiaram Tomochic e derrotaram os nativos. Esses excessos foram publicados pelos militares Heriberto Frías no período liberal The Democrat.

O Porfiriato

Sala 10: O pôr do sol de Porfiriato
Porfirio Díaz usou a violência para manter a paz. Porfirio Díaz modernizou a indústria e o transporte. Entre os quais se destacaram: apoio à agricultura, ferrovias e telégrafo. Durante o Porfiriato, a Greve de Cananea em Sonora surgiu devido a conflitos na ordem do trabalho. O Porfiriato foi um tempo de modernização, mas não no plano político e social

A imprensa no Porfiriato

O jornal “El Imparcial” publicou as conquistas e escondeu as injustiças do governo de Diaz, por isso teve o apoio total do governo. “El Diario del Hogar”, “EL Monitor Republicano” e “El Son de Ahuizote” criticaram o governo de Díaz, como reeleição e controle, e seus editores foram presos.

Revolução
Sala 11: A Revolução Mexicana
Foi um movimento social a favor da democracia e reivindicações sociais. A revolta contra Diaz começou em 20 de novembro de 1910, com o plano de San Luis Potosí escrito por Madero.

Sala 12: A Constituição de 1917 e o México atual
Ao longo do século XX, o pacto social e de convivência de todos os mexicanos foi inscrito na Constituição de 1917. Em 1900, uma alta porcentagem da população vivia no campo, sua economia era de autoconsumo e mentalidade tradicionalista. Atualmente, a maioria dos mexicanos vive em cidades, tem fácil acesso à educação e está ciente dos eventos mundiais.

Tags: