Castelo de São Jorge, Lisboa, Portugal

O Castelo de São Jorge é um castelo histórico na capital portuguesa de Lisboa, localizado na freguesia de Santa Maria Maior. A ocupação humana da colina do castelo data pelo menos no século 8 aC, enquanto as primeiras fortificações construídas datam do século 1 aC. A colina onde fica o Castelo de São Jorge desempenhou um papel importante na história de Lisboa, tendo servido como local de fortificações ocupadas sucessivamente por fenícios, cartagineses, romanos e mouros, antes de sua conquista pelos portugueses no cerco de Lisboa, em 1147. . Desde o século XII, o castelo tem servido de várias formas como palácio real, quartel militar, sede do Arquivo Nacional da Torre do Tombo e agora como monumento e museu nacional.

Com o tempo, o castelo, assim como as várias estruturas militares de Lisboa, foi sendo remodelado, a ponto de que na primeira metade do século XX ele estava em um estado avançado de ruína. Na década de 1940, foram realizadas obras monumentais de reconstrução, com grande parte das muralhas sendo erguidas e muitas das torres sendo erguidas. Por esse motivo, ao contrário do que se pensa à primeira vista, o “caráter medieval” desse complexo militar se deve a essa campanha de reconstrução, e não à preservação do espaço do castelo desde a Idade Média até os dias atuais.

Nasce numa posição dominante na colina mais alta do centro histórico, proporcionando aos visitantes uma das mais belas vistas da cidade e do estuário do rio Tejo.

História
Embora as primeiras fortificações neste topo da colina datem do século I aC, escavações arqueológicas identificaram uma presença humana no vale do Tejo desde o século VIII aC. A primeira fortificação foi, presumivelmente, erguida em 48 aC, quando Lisboa foi classificada como município romano.

A colina foi usada pela primeira vez pelas tribos celtas indígenas, depois pelos fenícios, seguida pelos gregos e mais tarde pelos cartagineses como posto avançado defensivo que depois foi expropriado sucessivamente pelos romanos, pelos suebi, pelos visigodos e pelos mouros. Durante o século 10, as fortificações foram reconstruídas pelas forças berbere muçulmanas; estes incluíam as paredes ou Cerca Moura (“Cerco aos Mouros”).

fundo
A presença humana primitiva na área remonta à Idade do Ferro, e as pesquisas arqueológicas trouxeram à tona testemunhos desde pelo menos o século VI aC, sucessivamente por fenícios, gregos e cartagineses. A informação histórica, no entanto, começa apenas no contexto da conquista da Hispânia pelas legiões romanas, quando foi chamada Olisipo. Serviu, a partir de 139 aC, como base das operações do cônsul Décimo Junio ​​Bruto Galaico, contra os núcleos de Lusitanos dispersos após o assassinato de seu líder, Viriato, quando se admite que aqui, por esse motivo, havia houve algum tipo de estrutura defensiva. Posteriormente, em 60 aC, quando o então proprietário Caio Júlio César concluiu a conquista definitiva de Lusitânia, concedeu à vila o título de Felicidade Júlia (Felicitas Julia), permitindo a seus habitantes o privilégio de cidadania romana.

Diante das invasões do Império pelos bárbaros, aos quais a Península não era imune, a cidade foi conquistada pelos Suevi sob o comando de Maldras, em meados do século V e, alguns anos depois, pelos visigodos sob o comando de Eurico, tornando-se definitivamente Visigoda sob o reinado de Leovigildo.

Mais tarde, no século 8, cairia sob o domínio muçulmano, mudando seu nome para Al-Ushbuna ou Lissabona. As descrições de seus geógrafos referem-se à existência da fortificação com suas muralhas, que defendiam o “quasabah” (alcáçova), o centro do poder político e militar da cidade. A chamada “Cerca Moura” foi construída no final do período romano, tendo sido reconstruída e ampliada durante o período islâmico.

No contexto da Reconquista Cristã da Península, sua propriedade flutuou após os ataques cristãos, que a colimaram como alvo nas margens do rio Tejo. Assim, foi conquistada inicialmente por Afonso II das Astúrias, numa contra-ofensiva em 796. Naquela época a cidade foi saqueada e as forças cristãs, muito distantes de sua base na região de Entre-Douro-e-Minho, retiraram-se imediatamente . O mesmo sucesso foi repetido no reinado de Ordonho III de Leão, sob o comando deste soberano, e a cidade sofreu graves danos.

Membro dos domínios Taifa de Badajoz, no início do século XII, enfrentando a ameaça representada pelas forças de Iúçufe ibne Taxufine, que, procedentes do norte da África, haviam passado para a península visando a conquista e reunificação dos domínios de Almorávida , o governador de Badajoz, Mutavaquil, entregou, juntamente com Santarém e Sintra, na primavera de 1093, ao rei Afonso VI de Leão e Castela, visando uma aliança defensiva que não se sustentava. Envolvido na defesa de seus próprios territórios, o soberano cristão não pôde ajudar o governante mouro, cujos territórios caíram, no ano seguinte, na frente dos invasores. Desta forma, Lisboa, Santarém e Sintra permaneceriam domínios muçulmanos, agora sob os Almorávidas.

A fortificação, nesse período, foi constituída pelo Alcáçova de planta aproximadamente quadrangular com cerca de 60 metros de lado, em posição dominante no topo da colina, defendida por muros com aproximadamente 200 metros de largura. Deste núcleo, cujo perímetro corresponde aproximadamente aos limites da atual freguesia de Castelo, os muros que cercam a vila descem para o rio, reforçados por torres e onde as portas foram derrubadas para o rio.

O castelo medieval
No contexto da Reconquista Cristã da Península Ibérica, após a conquista de Santarém, as forças de D. Afonso Henriques (1112-1185), com a ajuda de cruzados normandos, flamengos, alemães e ingleses que se dirigiam à Terra Santa , investiram contra essa fortificação muçulmana, que capitulou após um duro cerco de três meses (1147), conforme narrado no manuscrito “De expugnatione Lyxbonensi”, uma carta escrita por um cruzado inglês que participou da conquista. Uma lenda que surgiu mais tarde diz que o cavaleiro Martim Moniz, que havia se destacado durante o cerco, quando notou uma das portas do castelo entreaberta, sacrificou sua própria vida, interpondo seu próprio corpo na brecha, impedindo seu fechamento pelos mouros e permitindo os companheiros para acessar e vencer.

Como presente de gratidão, o castelo, agora cristão, foi colocado sob a invocação do mártir São Jorge, a quem muitos cruzados dedicaram devoção. No dia da conquista, 25 de outubro, hoje é o “Dia do Exército”, instituição que, no país, tem São Jorge como padroeiro.

Algumas décadas depois, entre 1179 e 1183, o castelo resistiu com sucesso às forças muçulmanas que devastaram a região entre Lisboa e Santarém.

A partir do século XIII, Lisboa sendo a capital do reino (1255), o castelo atingiu seu auge, quando era, além de Paço Real, o chamado Paço da Alcáçova, palácio dos bispos, lar dos nobres da Corte e fortificação militar. Os terremotos que afetaram a cidade em 1290, 1344 e 1356 causaram danos a ela. No avião militar, ele se mobilizou em face do cerco castelhano de fevereiro e março de 1373, quando os arredores da capital foram saqueados e incendiados. Nesse ano, o muro de D. Fernando (1367-1383) começou, completou dois anos depois e se estendeu à Baixa. Na 3ª guerra fernandina, os arredores da cidade foram novamente alvo de ataques castelhanos, em março de 1382

Em 26 de janeiro de 1383, o castelo foi entregue ao conde de Barcelos, João Afonso Telo, por seu prefeito, Martim Afonso Valente.

Durante a crise de 1383-1385, Lisboa seria assediada pelas forças de D. João I de Castela em 1384.

Nas funções de Paço Real, sediou a recepção de Vasco da Gama, após a descoberta da rota marítima para a Índia, no final do século XV, e da estréia, no século XVI, do Monologue do Vaqueiro, por Gil Vicente, primeira peça de teatro português, comemorando o nascimento de D. João III (1521-1557).

Da Guerra de Restauração até os dias atuais
Juntamente com a cidade, o castelo sofreu novamente com os terremotos de 1531, 1551, 1597 e 1699. Sua história como Paço Real terminou com sua mudança, ainda no século XVI para Paço da Ribeira. A partir de então, suas instalações foram utilizadas como quartel. Na época da dinastia das Filipinas, foi novamente guarnecido, tendo sido usado como prisão.

No contexto da Restauração da Independência, seu prefeito Martim Afonso Valente, em homenagem ao juramento de lealdade àqueles que prestaram homenagem, só entregou a praça aos Restauradores após receber instruções de Margarida de Saboia, duquesa de Mântua, até então vice-rainha de Portugal, que lhe ordenou que se rendesse (1640).

A mudança da residência real para a margem do rio, a instalação de quartéis e o terremoto de 1755 contribuíram para o declínio e degradação do monumento. Foi a sede da Casa Pia de 1780 a 1807, quando foi usada como sede por Jean-Andoche Junot. Assim, não caracterizada e, em parte, banida de Lisboa, chegou ao século XX.

Classificado como Monumento Nacional pelo Decreto de 16 de junho de 1910, passou por importantes obras de restauração nos anos 40 e no final dos anos 90, que tiveram o mérito de reabilitar o monumento, recuperando seus traços medievais. É atualmente um dos lugares mais visitados por turistas na cidade de Lisboa. Em 2000 e 2009, dois projetos de conexão de elevador entre Castelo e Baixa foram considerados pela Câmara Municipal.

O monumento também oferece jardins e miradouros (especialmente a Praça de Armas com a estátua de D. Afonso Henriques), o castelo, a cidadela e o terraço, uma sala escura (Torre de Ulisses, antiga Torre do Tombo), sala de exposições espaciais , sala de reunião / recepção (Casa do Governador) e loja temática para seus visitantes.

A entrada no castelo é gratuita para os residentes do município de Lisboa. Para os demais visitantes, custa 10 euros.

Recursos
O castelo defende a antiga cidadela islâmica, o Alcazar, abrindo em seus muros as muralhas de doze portões, sete dos quais ao lado da freguesia de Santa Cruz do Castelo. Do lado de fora, um pano de parede dá acesso a uma torre de barbacã. Dezoito torres fornecem apoio e reforço às paredes. Pelo Portão Sul, pela Rua de Santa Cruz do Castelo, acesso à Plaza de Armas.

Arquitetura
O castelo fica no centro de Lisboa, em uma colina, enquanto muitos de seus muros se estendem ao redor da cidadela até as paróquias civis que o cercam a leste e sul.

O plano do castelo é aproximadamente quadrado, e foi originalmente cercado por uma muralha, para formar uma cidadela. O complexo do castelo é constituído pelo próprio castelo (o castelejo), alguns edifícios auxiliares (incluindo as ruínas do palácio real), jardins e uma grande praça com terraço, da qual é visível um impressionante panorama de Lisboa. A entrada principal da cidadela é um portão do século XIX, encimado pelo brasão de armas de Portugal, o nome da rainha Maria II e a data de 1846. Esse portão permite o acesso à praça principal (Praça d’Armas), decorado com velhos canhões e uma estátua de bronze de Afonso Henriques, o monarca português que tomou o castelo dos mouros. Esta estátua é uma cópia do original do século XIX, do escultor romântico António Soares dos Reis, localizado perto do Castelo de Guimarães, no norte de Portugal.

Os remanescentes do palácio real estão localizados perto da praça principal, mas tudo o que resta são algumas paredes e algumas salas reconstruídas, como a Casa Ogival. Acolhe agora o Olissipónia, um espectáculo multimédia sobre a história de Lisboa.

O castelo medieval está localizado em direção ao canto noroeste da cidadela, no ponto mais alto. Hipoteticamente, durante um cerco, se os atacantes conseguissem entrar na cidadela, o castelo era a última fortaleza, o último lugar para se refugiar. É retangular, com dez torres. Uma parede com uma torre e uma porta de conexão divide o pátio do castelo em duas partes. Uma série de escadas permite que os visitantes cheguem à passarela no topo da muralha e das torres, de onde podem ser vistas magníficas de Lisboa. A Torre de Ulisses (onde ficava o arquivo da Torre do Tombo) possuía em 1998 uma câmera obscura instalada que permite aos espectadores uma visão de 360 ​​graus da cidade e do rio Tejo.

Além das muralhas principais, o castelo é protegido, nos lados sul e leste, por um barbacã (barbacã), um muro baixo que impedia que os motores de cerco se aproximassem das muralhas principais do castelo. Os lados norte e oeste do castelo, por outro lado, eram naturalmente protegidos pela encosta íngreme que descia das fundações do castelo. O castelo também é parcialmente cercado por um fosso, agora seco. A entrada principal é liderada por uma ponte de pedra sobre o fosso. No lado oeste, há uma longa parede de cortina que se estende ladeira abaixo, terminando em uma torre (a Torre De Couraça). Esta torre serviu para controlar o vale abaixo, e também poderia ser usada para escapar, caso o castelo fosse tomado por inimigos.

Torre da Mensagem
É a torre mais importante de um castelo, a mais robusta, estando preparada para suportar um ataque próximo, servindo assim como um posto de comando privilegiado. Foi nessa torre que o padrão real foi elevado, símbolo da vassalagem do prefeito ou do governador ao rei que lhe confiara o castelo para mantê-lo e defendê-lo. No século XVIII, o primeiro observatório geodésico de Lisboa foi instalado nesta torre.

Torre de Haver ou Torre de Tombo
Também chamada de Torre de Ulisses desde o século 18, o tesouro real (o produto dos impostos e aluguéis reais) foi mantido lá e, desde o reinado de D. Fernando (1367-1383), o arquivo real, sendo aqui o local mais documentos importantes do reino caíram, adotando, portanto, a designação de Torre do Tombo, que ainda hoje designa o arquivo principal de Portugal. O arquivo real funcionava nesta torre, na Torre do Paço e em algumas dependências do Paço Real contígua ao castelo até o terremoto de 1755. Desde 1998, a Câmara Escura foi instalada nessa torre, um dispositivo que permite explorar completamente as vistas de Lisboa.

Torre do Paço
Assim designado porque fica próximo ao antigo Palácio Real, ao qual é provável que esteja vinculado. No século XV, no reinado de D. Afonso V, o africano, era contíguo a uma ala do palácio conhecida como “Casa dos Leões”, assim designada para guardar dois leões. Em meados do século XVI, também se tornou parte dos Arquivos Reais.

Torre Cisterna
Assim designado por ter um compartimento de coleta e armazenamento de água da chuva – a cisterna.

Torre de São Lourenço
Localizado na meia encosta e conectado ao castelo por um peitoral, um elemento característico da arquitetura militar peninsular dos tempos islâmicos, garantia acesso seguro a um poço localizado fora do castelo, geralmente na base da torre, ou garantia de comunicação rápida com o fora, em caso de cerco, permitindo a fuga ou entrada de reforços ou suprimentos.

Exposição Permanente
Explore os restos do bairro islâmico do século XI no Sítio Arqueológico, descubra vistas inéditas da cidade em Câmara Escura, passeie pelos jardins e miradouro, faça uma pausa no Café do Castelo, participe de visitas guiadas ou outras atividades educacionais, encantadas por encontros de música, teatro, dança e patrimônio que animam os dias neste notável Monumento de Lisboa.

Camera Obscura
A câmara escura, sistema óptico de lentes e espelhos, permite observar em detalhes a cidade em tempo real, seus monumentos e áreas mais emblemáticos, o rio e a azáfama de Lisboa, em um visual de 360º.

Castelejo
Desde uma era islâmica, construída em meados do século XI, a fortificação está localizada na área mais difícil de acessar do topo da colina, aproveitando as escarpas naturais no norte e oeste. O castelo tinha a função de hospedar a guarnição militar e, em caso de cerco, as elites que viviam na alcáçova (a cidadela). Não tinha uma função de residência como outros castelos na Europa. Também preserva 11 torres, incluindo a Torre de Menagem, Torre do Haver ou Tombo, Torre do Paço, Torre da Cisterna e Torre de São Lourenço, localizadas na metade da encosta. Na segunda praça ainda há vestígios de prédios antigos e uma cisterna. Também neste átrio, na parede norte, há uma pequena porta chamada Porta da Traição, que permitia que mensageiros secretos entrassem ou saíssem, se necessário.

Jardim de espécies nativas da floresta portuguesa
A paisagem ajardinada de Castelo de S. Jorge é hoje o único espaço verde em Lisboa onde predominam as principais espécies indígenas da floresta portuguesa, e são observáveis, como sobreiros, zambujeiros, alfarrobeiras, medronheiros, pinheiros e algumas árvores . frutas em memória do antigo jardim do Paço Real da Alcáçova.

Ponto de vista
Devido à sua localização excepcional, o Castelo de S. Jorge destaca-se do conjunto de miradouros de Lisboa pelas vistas únicas e majestosas que permite desfrutar.

Castelo de S. Jorge
Aberto ao público 7 dias por semana, Castelo de S. Jorge é hoje um lugar onde você pode apreciar o patrimônio, conhecer um pouco da história de Lisboa no Núcleo Museológico, explorar os restos do bairro islâmico do 11º dia. século no Núcleo Arqueológico, descubra vistas sem precedentes da cidade em Câmara Escura, passeie pelos jardins e mirante, faça uma pausa no Café do Castelo, participe de visitas guiadas ou outras atividades educacionais ou simplesmente deixe-se encantar pela música, teatro, reuniões de dança e patrimônio que animam os dias neste notável Monumento de Lisboa.

Centro Arqueológico
Conjunto de restos arqueológicos que testemunham três períodos significativos da história de Lisboa: (1) as primeiras ocupações conhecidas que datam do século VII aC; (2) os restos da área residencial da era islâmica, do período de construção do castelo, de meados do século XI; (3) as ruínas da última residência do palácio na antiga alcáçova, destruída pelo terremoto de Lisboa em 1755.

Núcleo Museológico
Coleção visitável composta por uma coleção de objetos encontrados na área arqueológica (Centro Arqueológico), proporcionando a descoberta de múltiplas culturas e experiências que, do século VII aC ao século XVIII, contribuíram para a construção de Lisboa hoje, com ênfase particular no período do século 11 a 12.

Vestígios do Antigo Palácio Real de Alcáçova
Todo o conjunto de edifícios onde o Núcleo Museológico, o Café do Castelo e o Restaurante Casa do Leão são hoje constitui a memória mais significativa da antiga residência real medieval. Também na área do Jardim Romântico e nos terraços, é possível ver alguns elementos arquitetônicos que integram a antiga residência real. O palácio real foi destruído em grande parte pelo terremoto de Lisboa em 1755. A ilustração da recepção do Núcleo Museológico, reprodução de um desenho do século XVI, é o testemunho mais expressivo do que foi o Palácio Real e a cidade de Lisboa, antes do tremor de terra.

Tags: