Crítica do Carnaval de Veneza 2014, Itália

O Carnaval de Veneza 2014 vai de 15 de fevereiro a 4 de março. A romântica cidade aquática às vezes coberta por uma densa neblina, cheia de histórias e mistérios. A mais mágica das cidades se enche de uma massa de festeiros mascarados, posando e se arrumando, dançando e namorando, em uma reinvenção ligeiramente surreal de uma grande tradição da cidade. Muitos eventos que se realizaram durante o carnaval, grandes bailes à fantasia, ferozes concursos de máscaras, perucas altíssimas e um desfile de enfeites, enriquecidos com trajes suntuosos e máscaras fascinantes.

A edição 2014 do Carnaval de Veneza gira em torno do tema “Natureza fantástica”, um Carnaval de conto de fadas, o maravilhoso e o fantástico ligado à natureza animal e vegetal. O objetivo era estimular o público da festa a redescobrir, com máscaras individuais e urbanas, a importância do fantástico, popular e culto, esotérico e didático, na sua relação entre o homem e o meio ambiente.

Oriente e Ocidente, Ásia e Oceania, Américas e Europa, África: no Carnaval do conto de fadas buscamos a mascarada inspirada nos contos de fadas históricos da tradição europeia, nas histórias árabes e do Oriente Médio, nos símbolos votivos dos africanos e mesoamericanos culturas, até as alegorias indianas, mongóis e catay antigos

Um carnaval global porque todas as culturas, desde as suas origens, se inspiram no fantástico e no conto de fadas como uma metáfora narrativa da vida. Um carnaval dos dias atuais porque o conto de fadas naturalista é a forma de enfrentar, na festa, os temas profundos da relação entre o homem e o meio ambiente: os bosques, os vales, os mares, as montanhas, as lagoas e o mar. misteriosas criaturas animais e vegetais que os habitam.

Todos sabem da necessidade do homem contar o misterioso naturalista por meio da fábula. As culturas planetárias, primeiro na forma de mitos, depois na de natureza humana, da qual tanto se encontra na tradição fabulosa do mundo, desdobram um depósito infinito de símbolos e personagens em torno da criação e origem da vida, elementos atmosféricos, para seres vegetais e criaturas animais.

Redescobrimos no Carnaval as máscaras individuais e urbanas, o relevo do fantástico, popular e culto, esotérico e didático, a sua relação entre o homem e o meio ambiente. Veneza é um milagre da imaginação. Interface cidade do Oriente e do Ocidente, onde mitos e medos de criaturas monstruosas e surpreendentes do exterior foram traduzidos em narração, pintura, ornamentação arquitetônica, para depois serem exportados para a Europa pelos canais e pelas ruas batidas pelos mercadores.

Um mundo de conto de fadas alimentado pelos aromas e sabores de estrangeiros, cultivado nos sons secretos das línguas que os mercadores traziam do Leste e do Norte da Europa, documentados nos idiomas dos Príncipes e viajantes que enfrentaram a longa jornada até Veneza.

Veneza durante o Carnaval é fascinante, com uma mistura historicamente rica de performance e jantares e, claro, os trajes magníficos, incluindo as máscaras extravagantes pelas quais Veneza é tão famosa. Se você nunca teve um encontro romântico em Veneza, talvez tenha a oportunidade de aprender por que inúmeras gerações de amantes apaixonados exclamam que o romance em Veneza é o melhor que existe. Como todos os anos, a expectativa é grande pelo festival de Veneza, que sempre atrai um grande número de turistas de toda a Itália e do mundo para a ocasião.

No Carnaval, as ruas ficam cheias de festeiros vestidos com trajes festivos e luxuosos; experimentar Veneza durante o carnaval é como voltar no tempo, sem edifícios modernos para estragar a ilusão. Pode-se passear pelas ruas, apreciando os trajes e apresentações de rua, ou assistir a uma festa à noite, uma ópera ou concerto, em um dos palácios ou hotéis acostumados a receber a realeza.

Populares e emocionantes também são o Corteo delle Marie e o Flight of the Angel que celebram o segundo fim de semana do Carnaval, como o Concurso para a mais bela máscara em que participam grupos fantasiados de todo o mundo, o Flight of the Eagle, o a coroação do Carnaval de Maria e dos shows que fecham a festa na terça-feira gorda, em uma profusão de cores, aplausos, confetes e a graça e beleza das meninas protagonistas.

O lado glamoroso do carnaval é o das festas palacianas: estuques, ouros, veludos e velas, a experiência é avassaladora e envolvente: entre comidas e perfumes casais de fadas e admiradores, rainhas e cortesãos, grandes líderes, doges, cardeais, comediantes e os bailarinos acolhem os convidados que, em poucos minutos, esquecem a época a que pertencem.

Você pode passar a noite inteira subindo as escadas de um palácio à luz de velas, esperando que Casanova faça seus avanços; saboreando coquetéis no cintilante Grande Canal, abandonando seus sentidos ao prazer; tudo isso enquanto revela sua verdadeira identidade apenas para pessoas íntimas cuidadosamente escolhidas. Depois de toda essa extravagância, talvez sua noite seja completada por um encontro misterioso e romântico ao luar, deixando-o em transe e sem fôlego, pronto para enfrentar toda a experiência novamente no dia seguinte.

Destacar eventos
O Carnaval de Veneza é uma tradição com forte base na cultura com significado e beleza. O mundo inteiro também se reúne todos os anos em torno desta época para contemplar sua grandeza. Todos os anos, o Carnaval de Veneza transforma a cidade em um espetáculo de pompa, cor, apresentações musicais, fogos de artifício e glamourosos bailes venezianos. Se você deseja experimentar o melhor da atmosfera exótica de Veneza, o carnaval é a hora certa.

Um carnaval que o remete às origens, ao contínuo desenho do mito, da fantasia, do conto de fadas como metáfora da vida. Um Carnaval que, ao mesmo tempo, quer evidenciar a relação entre o Homem e o Meio Ambiente, a Natureza como um todo, protagonista ativa do conto de fadas e do mito. Montanhas, florestas, mares, lagos, lagoas, estranhas criaturas animais e vegetais sempre povoaram a imaginação e povoam esta fantástica edição do mais famoso dos carnavais: o de Veneza.

A natureza é um caixão infinito de símbolos e imagens para se inspirar e os contos de fadas de todos os continentes foram a fonte de inspiração para o Carnaval na Lagoa. Dos contos históricos da tradição europeia às histórias árabes e do Oriente Médio, dos símbolos votivos das culturas africanas e mesoamericanas às alegorias da Índia, da Mongólia e do antigo Catai: uma região lendária e fabulosa onde apenas um veneziano era gentilmente “arreado”.

O pano de fundo da imaginação, do mito, da relação entre o homem e a Natureza é Veneza, ela própria um espetáculo da Natureza e um milagre da imaginação. Veneza como uma Vênus saindo da água, como uma ponte entre duas culturas, a ocidental e a levantina, Veneza como uma criatura aquática mágica, misteriosa, perturbadora e magnética. Cidades do Oriente e do Ocidente onde mitos, e até medos, de criaturas monstruosas foram transformados em pintura, ornamentação arquitetônica, narração.

A partir de 14 de fevereiro, Dia dos Namorados, todos os dias grupos de quadrinhos animam, em várias línguas, os dois desfiles diários durante os quais as mais belas fantasias competem no habitual encontro com a mais bela máscara do Carnaval de Veneza. Os Campi e Fondaci da cidade foram transformados graças a arranjos de plantas reais, seguindo o conceito de Natureza Fantástica. Para acompanhar a imersão num bosque vegetal e de pedra houve música com uma programação dedicada sobretudo aos mais novos. Cada acampamento tem o nome de um animal no qual os visitantes podem se inspirar para se maquiar ou se vestir. Por ocasião da festa dos amantes, em 14 de fevereiro, no Teatro Fondamenta Nuove, uma versão revisitada da obra-prima de Shakespeare Romeu e Julieta foi encenada.Definitivamente uma ideia romântica para passar um dia com seu ente querido em uma cidade especial.

No dia 15 de fevereiro foi inaugurado o verdadeiro carnaval, a partir desse dia foi inaugurada a moderna pista de patinação no coração do centro histórico veneziano, no Campo San Polo. Além disso, este ano o Nordic Walkin Carnival chega a Veneza, onde as equipas mascaradas participam numa caçada carnavalesca através de 4 itinerários inspirados no tema “Natureza Fantástica”. Também no dia 15 de fevereiro no Palazzo Grimani houve um show que divertiu todas as crianças. Dentro do projeto Perdifiaba, foi representado o Castelo das Flores, um antigo conto de fadas japonês animado pela Companhia de Teatro Pantakin. Durante as apresentações ouve-se sons e também vozes vindas dos países de origem do conto de fadas, e na hora do lanche, até na mesa as crianças encontram um presente do país que acabaram de visitar.

O dia 15 termina com um dos tradicionais espetáculos de carnaval: o Festival de Veneza na água. A partir das 18h00 das 15h os barcos começaram a circular no Grande Canal de Veneza em um grande show de luzes e sons. Uma segunda parte que foi encenada no dia seguinte chegando ao popular Rio di Canneregio. Quando chegam os barcos, a comida e o vinho ficam abertos oferecendo especialidades venezianas e, sobretudo, os doces carnavalescos característicos, fritole e galani.

No dia 18 de fevereiro, no âmbito do festival de cinema “Microcosmos e microworlds”, o filme “O homem que plantou árvores” de Frédéric Back foi exibido dentro da Casa del Cinema, uma parábola sobre a relação entre o homem e a natureza que faz refletir sobre o não destruição do que nos rodeia. No mesmo dia, dentro da Universidade foi possível acompanhar uma conferência sobre zoologia fantástica, que também se repetiu na quinta-feira, 20 de fevereiro.

Sábado, dia 22 de fevereiro, foi disputado o concurso que elegeu a mais bela máscara. Os competidores fantasiados desfilam no palco da Praça de São Marcos, com dois atendimentos diários, o primeiro às 11h e o segundo às 15h. Todos os dias foram premiados dois vencedores, que participam diretamente na final que se realiza no último domingo da festa.

Este dia foi repleto de eventos, para além da competição poderá assistir ao Teatro Itinerante “Os segredos de Veneza”. Os visitantes puderam acompanhar uma companhia de atores pela cidade, que os levou a descobrir os lugares de uma Veneza insólita e misteriosa. Você descobre um buraco na parede de um prédio, de onde dizem ter saído um demônio, você pode tomar um café com Casanova, permitindo que você revele alguns segredos ou converse com o fantasma levantino. Enquanto isso, os compromissos para os mais pequenos continuam com Perdifiaba, que no sábado terá de enfrentar o frio e a geada da estepe russa com “a história do Príncipe Ivan, o pássaro de fogo e o lobo cinzento”.

No domingo, 23, tradicionalmente um acrobata partindo de um barco subiu ao campanário do Campanile di San Marco e desceu na Loggia Foscara do Palácio do Doge, onde ofereceu uma homenagem floral ao Doge de Veneza. Todos os anos este evento se repete, obviamente em uma jornada mais curta e segura. Ainda há dúvidas sobre quem foi o hóspede secreto que, no papel do anjo, voou do alto da torre do sino de São Marcos até o centro da praça. Também neste dia continuam os shows itinerantes “Os segredos de Veneza” e o concurso da mais bela máscara.

Os tradicionais compromissos continuam ao longo da semana seguinte, enriquecidos por exposições, novas representações teatrais e contos de fadas infantis que levam os mais pequenos a descobrir o ambiente mágico da Irlanda. Além disso, no sábado, 1º de março, houve uma festa de máscaras somente para crianças, durante a qual galani e panquecas foram distribuídas, além de muitos jogos e entretenimento.

Domingo, 2 de março, às 12h00 na Piazza Ferretto, em Mestre aconteceu a Fuga do Burro, uma paródia da tradicional fuga do anjo. Um convidado disfarçado de burro sai voando da Torre e pousa no rinque de patinação da praça. No mesmo dia, na mesma hora, mas na Praça de São Marcos houve o vôo da águia, onde um convidado desta vez veste o traje de águia e desce do Campanário de São Marcos.

Depois deste vôo da águia sempre na Praça de São Marcos houve o Grand Finale da mais bela máscara, onde os finalistas competem com fantasias originais e bizarras para ganhar os prestigiosos prêmios em disputa. quem melhor interpretou o tema do Carnaval deste ano “A Natureza Fantástica”.

Terça-feira, 4 de março, é o dia que fecha o grande carnaval de Veneza. Neste dia realizou-se a cerimónia de entrega de prémios final do Concurso da Máscara Mais Bonita e da Maria do Carnaval 2014. O feliz vencedor chega à praça no final da procissão das águas que parte de San Giacomo dell’Orio e foi coroado pelo doge.

Às 18:00 o leão alado, símbolo de Veneza, foi celebrado com o Svolo del Leon. O símbolo, retratado em um grande pano, foi colocado no topo da torre do sino da Praça de São Marcos e enviado voando sobre a multidão presente. O Carnaval então termina simbolicamente com a Fileira do Silêncio, uma procissão de gôndolas silenciosas que da Ponte Rialto alcançam a Bacia de San Marco passando por um Grande Canal iluminado por velas.

Programa cultural
Eventos culturais que acontecem em teatros, museus e institutos da cidade. A programação, com curadoria de Stefano Karadjov, é o resultado da ação das inúmeras realidades culturais de prestígio que conseguiram entrar online. Seguindo os passos da Expo, o tema deste ano é a comida, em relação à civilização veneziana e a arte, música e teatro na lagoa. A revisão cultural do Carnaval de Veneza 2014 coloca a cidade no palco ao abrir as portas de palácios, bibliotecas e arquivos, museus e salas de música a projetos híbridos e improvisados, adequados a um contexto mais brilhante e festivo do que o ambiente do Carnaval induz. Uma programação amplamente gratuita ou muito popular com dezenas de eventos diários que delineiam uma cidade artisticamente vital e exuberante.

Uma programação que se organiza para todo o período do evento conectando as realidades culturais da cidade, dos Museus Cívicos ao Centro de Museus do Estado, passando por fundações privadas independentes em um precioso calendário de eventos (concertos, conferências, exposições, teatrais e críticas de filmes) sobre o tema do Carnaval, obras que testemunham a cultura da arte e do artesanato em Veneza; itinerários iconográficos voltados para as artes também em lugares do sagrado; performances teatrais e de comédia; contos de fadas para crianças e teatros, além de oficinas de artesanato.

História
O Carnaval de Veneza é um festival anual realizado em Veneza, Itália. É um dos carnavais mais conhecidos e populares do mundo. O festival é mundialmente famoso por suas máscaras elaboradas. Suas origens são muito antigas: as primeiras evidências remontam a um documento do Doge Vitale Falier de 1094, onde se fala em diversão pública e em que a palavra Carnaval é mencionada pela primeira vez.

A instituição do Carnaval pelas oligarquias venezianas é geralmente atribuída à necessidade da Sereníssima, como já acontecia na Roma Antiga (ver panem et circenses), de conceder à população, especialmente às classes sociais mais humildes, um período inteiramente dedicado à diversão e celebrações, durante as quais venezianos e estrangeiros se aglomeravam por toda a cidade para festejar com música selvagem e dança.

Através do anonimato que as máscaras e os trajes garantiam, uma espécie de nivelamento de todas as divisões sociais foi alcançada e até mesmo o escárnio público das autoridades e da aristocracia foi autorizado. Essas concessões foram amplamente toleradas e consideradas uma saída providencial para as tensões e descontentamento que inevitavelmente surgiram dentro da República de Veneza, que impôs limites estritos aos seus cidadãos em questões como a moralidade comum e a ordem pública.

O Carnaval Moderno
Só em 1979, a centenária tradição do Carnaval de Veneza renasceu oficialmente das cinzas, graças à iniciativa e ao empenho de algumas associações de cidadãos e à contribuição logística e económica do Município de Veneza, do Teatro la Fenice., De a Bienal de Veneza e conselhos de turismo.

Em poucas edições, graças também à visibilidade mediática reservada ao evento e à cidade, o Carnaval de Veneza voltou a traçar os passos do antigo evento com grande sucesso, embora de maneiras e ambientes diferentes.

As edições anuais individuais deste novo Carnaval têm sido frequentemente distinguidas e dedicadas a um tema básico, que os inspira para festas e eventos culturais envolventes. Algumas edições também se caracterizaram pela combinação e geminação com outras cidades italianas e europeias, proporcionando assim um maior envolvimento do evento a nível internacional.

O atual Carnaval de Veneza tornou-se um grande e espetacular acontecimento turístico, que atrai milhares de visitantes de todo o mundo que se dirigem à cidade para participar neste festival considerado único pela sua história, ambiente e máscaras.

Os dias tradicionalmente mais importantes do carnaval veneziano são a quinta-feira de carnaval e a terça-feira de carnaval, embora os maiores influxos sejam certamente registrados durante os fins de semana do evento.

Os feriados
Com a primeira edição do Carnaval recente, são estabelecidos simultaneamente um programa de eventos e um calendário detalhado para o novo grande evento. A data de início das celebrações oficiais é fixada para coincidir com o sábado anterior à quinta-feira de carnaval e o final com a terça-feira de carnaval, numa duração total de apenas onze dias. Ao contrário do Carnaval de outrora, que durante muito tempo teve a duração oficial de seis semanas, o moderno ocorre com uma programação concentrada, mas repleta de eventos individuais.

Como no passado, o Carnaval de Veneza ainda representa uma grande festa popular para um grande público de todas as idades. Festas de rua e eventos de todo tipo animam os dias dos grupos de máscaras e turistas, que alegremente se espalham pela cidade. Além das festas oficiais na praça entre campi e campielli, ainda hoje como no passado várias festas privadas e bailes de máscaras são organizados nos grandes palácios venezianos. Nestes locais, ricos em mobiliário e ambientes quase inalterados ao longo do tempo, é possível reviver os antigos esplendores e a tradição do carnaval do passado.

A Festa das Marias
Somente em 1999 a antiga Festa delle Marie foi finalmente restaurada, com uma atmosfera que combina a reconstituição histórica da antiga procissão com as meninas com um desfile de beleza mais moderno em trajes. Foi oficialmente revivido cerca de seiscentos anos depois, por Bruno Tosi

Nas semanas que antecedem o Carnaval, é realizada uma espécie de seleção entre as jovens beldades locais para escolher as doze Marias destinadas a desfilarem como protagonistas da procissão, durante a celebração. A festa geralmente acontece na tarde do primeiro sábado do Carnaval, quando as doze Marias, acompanhadas por uma longa procissão composta por uma procissão de damas de honra, agitadores de bandeiras, músicos e centenas de outras figuras em trajes de época, dá início ao seu caminhada lenta partindo da igreja de San Pietro di Castello e seguindo em direção à Piazza San Marco, entre as asas de uma multidão de máscaras e turistas.

Na Praça de São Marcos, no dia seguinte, as damas de honra voltam a desfilar à espera da proclamação oficial da vencedora da edição, a mais bela das doze (a chamada Maria do ano), a quem é atribuído um importante prémio.

O vôo do anjo
No Carnaval moderno decidiu-se reapresentar ao público, de forma semelhante à original do carnaval antigo, o aniversário da Fuga do Anjo, em sua variante de Volo della Colombina. Enquanto no passado esse espetáculo era celebrado na quinta-feira de carnaval, nas edições modernas é geralmente realizado ao meio-dia do primeiro domingo de festa, como um dos eventos de abertura que decretam oficialmente o início do próprio carnaval. Até a edição de 2000, acima de uma multidão animada, com o olhar voltado para o Campanário de San Marco, um pássaro mecânico em forma de pomba realizava, como no passado, sua descida pela corda em direção ao Palácio Ducal. Aproximadamente na metade do caminho, um alçapão foi aberto em sua parte inferior,

Desde a edição de 2001, a primeira do milênio, a velha fórmula da Fuga do Anjo foi passada novamente, substituindo o Colombina por um verdadeiro artista e encerrando a descida na Praça de São Marcos. O voo de 2001 foi confiado à Compagnia dei Folli, que emprestou o seu próprio artista para o evento. A cada edição, o Anjo do Carnaval, preso a um cabo de metal, faz sua única descida do campanário da torre sineira, deslizando lentamente em direção ao solo, suspenso no vazio, acima da multidão que preenche o espaço abaixo.

Tags: