Espanha acadêmica real, Madri, Espanha

A Real Academia Espanhola é a instituição oficial oficial responsável pela supervisão da língua espanhola. Tem sede em Madri, na Espanha, mas é afiliada a academias de idiomas nacionais em vinte e um países de língua espanhola por meio da Associação de Academias de Língua Espanhola.

A RAE dedica-se ao planejamento linguístico aplicando o requisito da linguagem para promover a unidade linguística dentro e entre os diferentes territórios, para garantir um padrão comum de acordo com o artigo 1 da sua carta: “… para garantir as mudanças que a língua espanhola Sufre não quebrar a unidade essencial desfrutada no mundo de língua espanhola. ”

As diretrizes de linguagem propostas são mostradas em uma série de artigos. As prioridades são o Dicionário da Língua Espanhola da Real Academia Espanhola, publicado periodicamente vinte e três vezes desde 1780, e sua gramática, editada pela última vez em outubro de 2014. A Academia Um procedimento formal para admitir palavras em suas publicações.

A sede, inaugurada em 1894, está localizada na rua Felipe IV, 4, na sala dos Jerónimos, ao lado do Museu do Prado. O Centro de Estudos da Real Academia Espanhola, inaugurado em 2007, está localizado na rua Serrano, 187-189.

A Real Academia Espanhola (RAE) foi fundada em Madri em 1713, sob o reinado de Filipe V, inspirada no modelo da Academia Francesa e com a finalidade, refletida em seus primeiros estatutos, de trabalhar a serviço da língua espanhola. O brasão de armas da RAE resume em um lema da época seus objetivos e obrigações: “Limpe, conserte e dê esplendor” à língua espanhola.
Desde então, a instituição tem se dedicado a preservar – através de suas atividades, obras e publicações – o bom uso e a unidade de uma língua em constante evolução e expansão que é patrimônio comum de quase 500 milhões de falantes de espanhol, uma aspiração também coletada em seus Estatutos. em vigor em 1993.

OS ACADÊMICOS
A RAE tem atualmente 46 cadeiras de membros do número, que ocupam cadeiras designadas em letras maiúsculas e minúsculas com parte das letras do alfabeto espanhol.

Acadêmicos são eleitos, por voto secreto e por maioria de votos, pelos próprios membros da instituição, após as indicações terem sido apresentadas por um grupo de três deles. As regras eleitorais estão definidas nos Estatutos da RAE e no Regulamento que regulamenta o funcionamento interno da corporação.

Os acadêmicos se reúnem em sessão plenária, presidida pelo diretor, todas as quintas-feiras do ano, exceto nos períodos de férias. Durante a semana, eles também participam de diferentes comissões de trabalho que estudam emendas e adições ao Dicionário, bem como o progresso dos diferentes projetos.

POLÍTICA PANHISPÂNICA
Em 1951, a Associação de Academias da Língua Espanhola (ASALE) foi criada no México, que agrupa as vinte e três corporações da América, Espanha, Filipinas e Guiné Equatorial. Através de um trabalho de intercâmbio permanente, as academias de idiomas trabalham para estabelecer, através de diálogo e consenso, o padrão comum – sobre léxico, gramática e ortografia – para todos os falantes de espanhol. A aspiração final é promover a unidade da língua dentro da diversidade do domínio hispânico.

Nos últimos anos, academias de idiomas publicaram, entre outras obras, o “Dicionário de Dúvidas Panhispánico”, “Dicionário de Estudantes”, “Dicionário Prático de Estudantes”, “Dicionário de Americanismos”, “Nova Gramática da Língua Espanhola”, o novo ” Ortografia da língua espanhola ‘,’ O bom uso do espanhol ‘e a 23ª edição do’ Dicionário da língua espanhola ‘.

Para desenvolver seu trabalho lingüístico, as academias empreenderam o projeto de elaboração do Corpus de espanhol do século XXI, composto de textos de todos os tipos e países do mundo hispânico, que reunirá em 2018 um conjunto de 400 milhões de formas e palavras.

Além disso, várias coleções literárias estão em andamento – entre elas, as edições comemorativas e a Biblioteca Clássica da RAE.

Desde 2007, as academias da língua têm o Centro de Estudos da RAE e da ASALE, um edifício cedido pelo Governo da Espanha, localizado na rua Serrano de Madri. O Instituto de Lexicografia, o Departamento de “espanhol al día” (que atende o serviço de consulta linguística, via e-mail e Twitter), o Departamento de Tecnologia, a Escola de Léxico Latino-Americano eo “Novo Dicionário Histórico de Espanhol”.

ARQUIVO E BIBLIOTECA
Ao longo de sua história, a Academia reuniu recursos bibliográficos de grande importância. Seu arquivo reúne a documentação gerada pela corporação desde o ano de sua fundação, 1713, até os dias atuais. A biblioteca tem cerca de 250 mil volumes de livros e cerca de 800 cabeçalhos de periódicos. Entre seus fundos, especialmente dedicados à lingüística e literatura espanhola e hispano-americana, incluem manuscritos, incunábulos e primeiras edições de obras dos principais escritores espanhóis.

Além do fundo geral, a biblioteca acadêmica tem aqueles formados com os legados dos acadêmicos Dámaso Alonso e Antonio Rodríguez Moñino, ambos de grande valor histórico. Em 2013, ele também recebeu o legado do acadêmico José Luis Borau.

Tags: