Arte pública de Barcelona, ​​Espanha

Arte pública em Barcelona é um grupo designado de monumentos e esculturas ao ar livre na cidade. O legado cultural de Barcelona é imenso. A cidade tem um passado intimamente ligado à produção cultural e artística que tem servido de inspiração às gerações atuais. Além da arquitetura e de uma rede de museus, parques e jardins, as obras marcam a arte da capital catalã. As obras de arte costumam estar localizadas no interior de nichos e nas fachadas de edifícios públicos. Eles estão concentrados por causa do cerco da cidade por muralhas de defesa medievais. As paredes foram demolidas no século 19, gerando um boom de obras públicas, como o projeto Eixample de Ildefons Cerdà.

O conjunto de monumentos e esculturas ao ar livre de Barcelona constitui uma notável mostra de arte pública que confere à capital catalã, em conjunto com outros elementos como a sua arquitectura, a sua rede de museus ou o seu conjunto de parques e jardins, um inconfundível carimbo, visto que a cidade de Barcelona sempre esteve comprometida com a arte e a cultura como uma das suas principais características identitárias.

O patrimônio de arte pública da cidade é extenso, embora a maioria dos monumentos e estátuas localizados em locais públicos datem do século XIX em diante. O primeiro monumento localizado na via pública expressamente e por ordem municipal que se conserva é o Monumento a Santa Eulália, na Plaça del Pedró, de 1673; outras obras anteriores consideradas arte pública são fontes ou estátuas localizadas em nichos, nas fachadas de edifícios públicos, embora em muitos casos sejam encomendas privadas que posteriormente se tornaram propriedade pública. Refira-se que até ao século XIX a cidade era delimitada pelas suas muralhas medievais, sendo a cidade considerada um posto militar, pelo que o seu crescimento foi limitado, sendo o pouco espaço disponível utilizado principalmente para o quotidiano da população,

A situação mudou com a demolição das muralhas e a doação à cidade da Fortaleza da Cidadela, o que favoreceu a expansão urbana do plano adjacente, e que se reflectiu no projecto Eixample elaborado por Ildefons Cerdà, que significava o maior território expansão que a cidade teve. Outro aumento significativo da superfície da capital catalã foi a anexação de vários municípios limítrofes entre o final do século XIX e o início do século XX. Tudo isto significou a adaptação dos novos espaços urbanos e o aumento das encomendas artísticas municipais nas vias públicas, que foram também favorecidas por vários eventos realizados na cidade, como a Exposição Universal de 1888 e a Internacional de 1929 ou, mais recentemente, pela os Jogos Olímpicos de 1992 e o Fórum Universal das Culturas de 2004.

visão global
A arte pública de Barcelona está a cargo da Área de Urbanismo, Infraestruturas, Ambiente, Sistemas de Informação e Telecomunicações da Câmara Municipal de Barcelona. Juntamente com o patrimônio arquitetônico da cidade, goza de proteção especial pela Lei 9/1993 do Patrimônio Cultural Catalão, que garante a proteção, conservação, pesquisa e divulgação do patrimônio cultural, com diversos graus de cobertura: nível A (Bem Cultural de Interesse Nacional) , nível B (Ativo Cultural de Interesse Local), nível C (Ativo de Interesse Urbano) e nível D (Ativo de Interesse Documentário).

A escultura pública monumental tem uma relevância relativa no contexto urbano de uma grande cidade como Barcelona, ​​visto que as principais orientações urbanísticas são logicamente a adaptação dos espaços de uso público, infraestruturas, transportes, l habitação, medidas de higiene e segurança públicas, gestão ambiental, e outros fatores necessários à convivência do ser humano em seu ambiente natural e social. No entanto, a sensibilidade natural do ser humano à arte e à beleza tem motivado a viabilização de determinados espaços de cariz estético no seu ambiente quotidiano, para constituir um espaço de convivência propício e agradável à convivência e às relações sociais.

Várias disciplinas estão envolvidas no planejamento urbano, como arquitetura, engenharia, jardinagem, artes industriais e, de certa forma, escultura. Se o planejamento urbano lida com o planejamento do uso do solo e o planejamento urbano em sua aplicação prática, o projeto urbano concentra-se nos aspectos mais sociológicos – incluindo a estética – do desenvolvimento urbano da cidade. Por outro lado, o urbanismo está intimamente relacionado a vários campos e disciplinas como política, economia, história, geografia e sociologia. Portanto, qualquer planejamento urbano requer a conjunção de vários estados e instituições responsáveis ​​pelo desenvolvimento e manutenção do espaço público urbano.

No campo da convivência urbana, entretanto, vários fatores estão envolvidos, tais como fisiológicos, sociológicos e psicológicos. Este último deve incluir as necessidades estéticas do indivíduo, a existência em um ambiente que proporcione uma dimensão de retiro e descanso, evasão dos problemas cotidianos, certo componente de beleza que amortece a aspereza de um ambiente. hostil como às vezes o ambiente urbano.

Na concepção do monumentalismo urbano, vários aspectos devem ser levados em consideração, como a localização: uma obra de arte pública deve estar localizada em um ambiente de alguma relevância, que realce a plasticidade da obra, e deve procurar facilitar uma boa perspectiva , para a visão correta do conjunto de vários ângulos. Geralmente, os espaços mais utilizados para obras de arte públicas são parques e jardins, praças e encruzilhadas principalmente se forem passeios ou avenidas, ou no reino de edifícios públicos, seja em seus portões. acesso, em pátios ou em suas paredes – geralmente em nichos -.

Os monumentos e obras de arte de interesse público podem ser classificados em vários tipos: até ao século XIX os mais utilizados eram a coluna, o arco triunfal e a estátua equestre, três tipos de memoriais herdados da arte romana. Posteriormente, surgiram várias modalidades, desde a escultura livre ou escultura de nicho, até bustos, medalhões, fontes, estelas e pedestais, frisos, relevos, placas, lápides.e outros elementos, até variedades mais modernas como instalações, obras integradas à natureza ( art natura), trabalhos realizados com novas tecnologias (vídeo, laser) ou qualquer modalidade concebida com elementos multidisciplinares.

Outro aspecto a se considerar é o material, do qual dependem vários fatores como aparência, durabilidade ou conservação, além de ser um ponto essencial a se considerar na hora de projetar a obra, principalmente em termos de custo econômico e tempo de execução. Entre os mais utilizados estão: madeira, gesso, terracota, cerâmica, pedra, mármore, bronze, ferro, aço, concreto e alumínio.

Por fim, deve-se levar em consideração o tema e a iconografia das obras públicas, com atenção especial aos dois principais elementos constituintes de uma homenagem ou dedicatória: um personagem ou um acontecimento. Com base nisso, pode-se perceber que a maioria dos personagens homenageados são: santos ou religiosos, deuses ou personagens mitológicos, símbolos e alegorias de conceitos abstratos (Fama, Glória, Indústria, Justiça, Liberdade, República), reis e personagens históricos, políticos, militares, empresários, médicos, cientistas, escritores, artistas, músicos e assim por diante.

Em termos de eventos, muitas vezes são relembrados os episódios mais importantes da história da cidade, desde batalhas, guerras e revoluções a eventos trágicos, epidemias e desastres naturais, ou na direção oposta, vários eventos de especial significado para a cidade, tais como como eventos culturais ou esportivos. Tudo isso é tratado do estilo mais realista ao mais abstrato, pois logicamente a concepção de estatuária pública teve a mesma evolução histórica e artística das demais artes da cidade, considerando seu contexto. tanto nacional como internacionalmente.

História

Meia idade
A partir do século 12, Barcelona se tornou o centro de intensa atividade comercial no oeste e no leste do Mediterrâneo. Quando Benjamí de Tudela visitou a cidade, notou que o porto já gozava de prestígio em todo o Mediterrâneo. Embarcações de Pisa, Gênova, Sicília, Grécia, Alexandria e até mesmo de lugares distantes como a Ásia atracaram lá. Entre 1249 e 1274 o rei Jaime I da Catalunha e Aragão organizou a vida institucional da cidade por meio do Consell de Cent (Conselho dos Cem).

Ao longo do século XIII, Barcelona cresceu tão rapidamente que as muralhas que circundavam a cidade tiveram de ser ampliadas, e uma nova muralha e seus respectivos portões foram construídos ao longo do que hoje é a Rambla. No início do século 14, Barcelona tornou-se uma das principais potências da bacia do Mediterrâneo. A cidade se expandiu tanto nestes anos de crescimento econômico que em 1374 o rei Pedro III da Catalunha e Aragão (Pedro o Cerimonioso) ordenou uma nova ampliação das muralhas, que deu origem ao distrito de Raval. Naquela época, a população da cidade era de aproximadamente 25.000.

Os primeiros vestígios preservados de obras de arte localizadas em vias ou edifícios públicos datam da Idade Média, quando a cidade fazia parte da Coroa de Aragão e era um importante eixo marítimo e comercial do Mediterrâneo. No século XIII surgiu o Consell de Cent, uma das primeiras instituições públicas de Barcelona. A cidade ainda estava crescendo a partir do centro original – o que hoje é o Bairro Gótico – e no século XIV surgiu o distrito de Raval.

Nesta época não existe nenhum monumento público propriamente dito, mas algumas fontes e esculturas colocadas em nichos nos prédios públicos da cidade. Destacam-se, neste sentido, as esculturas colocadas na fachada gótica da Casa de la Ciutat, actualmente numa travessa em relação à fachada principal, feitas por volta do ano 1400. Confiada a Arnau Bargués, a fachada apresenta o típico gótico elementos decorativos, e sobre a porta principal um pedestal coberto de cobricel com a figura de San Rafael, obra de Pere Sanglada, construída em pedra com asas de bronze.

No entanto, nas laterais foram colocados dois pedestais com as figuras de Sant Sever, bispo de Barcelona, ​​e Santa Eulália, padroeira da cidade: o primeiro, de artista desconhecido, era original de 1550, mas em 1888 foi colocado • Coloque uma cópia feita por Joan Flotats; a segunda, igualmente anônima, é da mesma data e ainda está preservada em seu lugar original. Outra figura colocada em edifício público foi o Sant Jordi do Palau de la Generalitat, feito em 1418 por Pere Johan, uma figura equestre em alto relevo localizada em um medalhão emoldurado por um corrimão coroado por pináculos e rodeado por gárgulas.

Quanto às fontes, nesse período foram criadas em vários bairros da cidade, para garantir um abastecimento regular à população, embora seu caráter utilitário não deixasse muito espaço para a criação artística. A primeira a ser preservada é a Font de Santa Anna, na Avinguda Portal de l’Àngel com Carrer Cucurulla, datada de 1356, e que foi ampliada em 1819 e decorada com imagens de cerâmica em 1918. Outras fontes da época são: aquela de Sant Just, na praça homônima, de 1367; o de Santa Maria, na praça do mesmo nome, de 1403, obra de Arnau Bargués; e a de Sant Jordi, no claustro da Catedral de Barcelona, ​​obra de 1449 do arquiteto Andreu Escuder com uma imagem do santo a cavalo do escultor Antoni Claperós,

Era moderna
Durante este período, Barcelona passou a fazer parte do novo reino da Espanha decorrente da união das coroas de Castela e Aragão. Em geral, foi uma época de certo declínio econômico e cultural, acentuado por conflitos sociais e bélicos como a Guerra dos Reapers e a Guerra da Sucessão Espanhola. A cidade ainda estava amontoada em seus muros a única extensão era até a praia, o bairro de Barceloneta embora no final do período contasse com quase 100 mil habitantes. Artisticamente foi a época do Renascimento e do Barroco, estilos em que foram construídos inúmeros palácios e igrejas.

À semelhança do período anterior, as obras de arte de consideração pública foram inicialmente reduzidas a fontes e estátuas localizadas em edifícios públicos, até ao final do século XVII o primeiro monumento público de carácter isolado, o de Santa Eulália. Destacam-se também deste período os cruzes, dos quais se conservam dois: o de Sant Andreu, na estrada de Ribes, original de 1565; e a de Santa Anna, na praça de Ramon Amadeu, obra de 1608 de Joan Molist. Em termos de fontes, apenas se conserva a de Portaferrissa, na rua do mesmo nome, original de 1680 e decorada com cerâmicas de 1959, da autoria de Joan Baptista Guivernau.

No que se refere à estatuária em edifícios públicos, vale a pena mencionar a totalidade do Hospital de la Santa Creu, em cujo pátio existe uma cruz situada sobre uma coluna salomônica, obra de Bernat Vilar de 1691 destruída durante a Guerra Civil, o atual é de 1939; no mesmo pátio estão as figuras de Sant Roc e La Caritat, datadas de cerca de 1638, de um artista desconhecido; por outro lado, no pátio da Casa de Convalescença do mesmo hospital encontra-se a estátua de Sant Pau, obra de Lluís Bonifaç el Vell de 1679; por último, a um nicho na esquina da Carrer del Carme e Egipcíaques está outro Sant Pau, obra de Domènec Rovira el Jove de 1668.

Outras obras de prédios públicos da época foram feitas para diversas guildas, todas localizadas em nichos: a Sant Joan Baptista localizada na rua Assaonadors com a Placeta d’en Marcús, promovida pela guilda dos temperadores, obra de artista desconhecido de 1628 reconstruída em 1958 por Josep Miret; o Sant Miquel Arcàngel patrocinado pela guilda dos revendedores (lojistas) localizada na Plaça del Pi, construída em 1685 por Salvador Escala e reconstruída por Jaume Martrús em 1957; e a figura da Virgem dos Anjos colocada na Via Laietana, construída por Joan Enrich em 1763 para a guilda dos veleiros (tecelões de véus de seda).

O monumento público mais antigo preservado na cidade na sua localização original – embora a própria obra tenha sido várias vezes restaurada e já não possa ser considerada a original – é o Monumento a Santa Eulália, padroeira da cidade. cidade, erguida na Plaça del Pedró em 1673. Foi feita pelo mestre construtor Benet Parés, com uma imagem do santo em madeira feita por Josep Darder, que em 1685 foi substituída por uma de mármore por Llàtzer Tramulles e Lluís Bonifaç. Em 1826, a base do monumento foi convertida em fonte, obra de Josep Mas i Vila. Em 1936 o monumento foi demolido devido aos confrontos que se originaram no início da Guerra Civil, mas em 1951 foi reconstruído com uma nova imagem, a obra de Frederic Marès a cabeça da imagem anterior sobreviveu e está preservada no Museu de História de Barcelona -.

Refira-se que um monumento já havia sido erguido em Santa Eulália, erguido em 1618 e localizado na Plaça del Blat atualmente de l’Àngel. Desenhado por Rafael Plansó, consistia em um obelisco sobre o qual se erguia a figura de um anjo, apontando com o dedo o local onde um anjo havia aparecido na procissão que transportava os restos mortais do santo para a Catedral. de Barcelona. A figura do Anjo foi feita pelo ourives Felip Ros. Em 1821, o obelisco foi removido porque dificultava o tráfego, e o anjo foi colocado em um nicho. Em 1966 foi substituído por uma cópia e transferido para o Museu de História de Barcelona.

Em 1784 foi construída a Fonte de Netuno, obra de Joan Enrich promovida pelo Conde da Assalto, localizada junto à Alfândega, no local da atual Estació de França. Ela retratava o deus Netuno em pé sobre golfinhos e um pedestal com baixos-relevos, no meio de um copo d’água. A estátua foi destruída na revolta popular da Camancia (1843) e substituída por uma cópia feita por um pedreiro, até que em 1877 o chafariz foi desmontado; apenas o baixo-relevo do pedestal, que se encontra no Museu de História de Barcelona, ​​foi preservado.

No final do século XVIII, foi instalado um jardim na propriedade do Marquês de Llupià situada no concelho de Sant Joan d’Horta, hoje mais um distrito da cidade que, apesar de ser de carácter privado, posteriormente passou a ser público patrimônio. Atualmente conhecido como Parque do Labirinto da Horta, este jardim apresenta uma profusa decoração escultórica, que apesar de ser um artista desconhecido é um interessante exemplo de arte neoclássica. Do jardim, destaca-se o labirinto que dá nome ao parque, no centro do qual se encontra uma estátua de Eros, enquanto na entrada está um relevo de Ariadne e Teseu e na saída está a Eco Gruta. iNarcissus; em um nível superior está o Mirador ou Belvedere, onde se destacam dois templos de estilo italiano com estátuas de Danae e Artemis; por último, em um terceiro terraço fica o Pavilhão de Carlos IV,

século 19
Nesse período ocorreu uma grande revitalização econômica, ligada à Revolução Industrial em especial a indústria têxtil que também levou a um renascimento cultural. Entre 1854 e 1859, as muralhas foram demolidas, pelo que a cidade conseguiu expandir-se, sobretudo graças ao projecto Eixample elaborado por Ildefons Cerdà em 1859. No entanto, graças à revolução de 1868, a demolição da Cidadela, cujo terreno foi transformado em parque público. A população estava crescendo, principalmente graças à imigração do restante do estado, chegando a 400 mil no final do século. Artisticamente, o século assistiu à sucessão de vários estilos de signos diversos, como o neoclassicismo, o romantismo e o realismo.

Como em períodos anteriores, as realizações artísticas públicas limitavam-se basicamente a edifícios oficiais e fontes. Alguns exemplos de monumentos públicos, como os dedicados a Fernando VII (1831) e Fernando o Católico (1850), não sobreviveram até os dias de hoje. Por outro lado, a feitura de fontes era abundante nessa época, então quase se podia falar de moda. A mais antiga era a Font d’Hèrcules, localizada no cruzamento do Passeig de Sant Joan com a Carrer Còrsega, uma obra de 1802 de Josep Moret em um projeto de Salvador Gurri. Inicialmente localizado no Passeig Nou ou na Esplanada, em frente à fortaleza militar Ciutadella, está em sua localização atual desde 1928 e é considerada a estátua pública original mais antiga de Barcelona.

Outras fontes desse período são: a Font del Vell ou del Xato (1816), de Damià Campeny, inicialmente localizada na Plaça del Teatre, próximo à Rambla, e que posteriormente foi transferida para o Parc de la Ciutadella (1877) e , por fim, na Plaça de Sants (1975); a Font de Ceres (1825-1830), de Celdoni Guixà, situada no Passeig de Gràcia na esquina com a Carrer Provença, e mudou-se em 1874 para a Plaça Blasco de Garay, em Poble Sec, e em 1918 para a Plaça de Sant Jordi, em Montjuïc; a Fonte de Netuno (1826), de Adrià Ferran, localizada no Moll de la Riba, em Barceloneta, e posteriormente mudou-se para os Jardins de Laribal e,

em 1983, na Plaça de la Mercè, em frente à basílica do mesmo nome; o Monumento a Galceran Marquet (1851), de Damià Campeny e Josep Anicet Santigosa, na Plaça del Duc de Medinaceli as primeiras ferragens da cidade; a Font del Geni Català (1856), de Faust Baratta e Josep Anicet Santigosa, em Pla de Palau; e a Font de les Tres Gràcies (1876), na Plaça Reial, projetada pelo arquiteto Antoni Rovira i Trias. Por último, cabe mencionar as Fontes Wallace, construídas em 1872 por Charles-Auguste Lebourg em nome do filantropo inglês Sir Richard Wallace, e distribuídas em muitas cidades europeias como um ato de fraternidade; em Barcelona, ​​restam duas de uma dúzia inicial: na Rambla com Santa Mònica e na Gran Via com Passeig de Gràcia.

Quanto aos edifícios públicos, os mais importantes foram as duas estátuas localizadas em nichos de ambos os lados da porta principal da nova fachada da Câmara Municipal, representando Jaime I o Conquistador e Joan Fiveller, feitas por Josep Bover em 1844. Exatamente ao lado, na fachada do Palau de la Generalitat, uma estátua equestre de Sant Jordi foi colocada em 1871 também localizada em um nicho, a obra de Andreu Aleu. Esta fachada também era nova, pois a inauguração da Plaça de Sant Jaume em 1823 deixou os dois edifícios institucionais frente a frente. Note-se que então o Palau de la Generalitat não abrigava esta instituição, que foi extinta desde o Decreto de Nova Planta, mas a Real Audiência, a Delegação Provincial e o Arquivo da Coroa de Aragão.

Também vale a pena mencionar em termos de edifícios públicos as estátuas localizadas no hall de entrada da Universidade de Barcelona, ​​um conjunto arquitetônico monumental construído por Elies Rogent entre 1863 e 1882. Foi o mesmo arquiteto que propôs a elaboração das estátuas dos irmãos Agapit e Venanci Vallmitjana, que foram feitos em 1865 e colocados em 1876. São cinco figuras que representam a ciência e o conhecimento ao longo da história da Espanha: Santo Isidoro de Sevilha, para o reino visigótico; Averróis, para a era hispano-muçulmana; Alfonso o Sábio, para o período medieval em Castela; Ramon Llull, pelo mesmo período na Coroa de Aragão; e Joan Lluís Vives, pelo período renascentista. Por último, devemos mencionar o grupo Caritat, a obra de Joan Serra de 1880 localizada na Casa de la Caritat;

Feira Mundial de 1888
No final do século, foi realizado um evento de grande impacto econômico e social e também urbano, artístico e cultural para a cidade, a Exposição Universal de 1888. Realizou-se entre 8 de abril e 9 de dezembro de 1888, e teve lugar no Parc de la Ciutadella, outrora pertencente ao exército e conquistado para a cidade em 1868. O incentivo aos eventos da feira passou pela melhoria das infraestruturas de toda a cidade, que deu um grande salto para a modernização e desenvolvimento. Por outro lado, a Exposição foi o berço de um novo estilo artístico, o modernismo, que até o início do século XX foi o que prevaleceu no campo arquitetônico e artístico da cidade, e tornou a Barcelona modernista, com o estilo gótico, o mais importante que define o estilo da cidade de Barcelona.

O projeto de remodelação do Parc de la Ciutadella foi encomendado a Josep Fontserè em 1872, que projetou grandes jardins para o lazer dos cidadãos e, juntamente com a área verde, projetou uma praça central e um anel viário, além de um monumental fonte e vários elementos ornamentais, dois lagos e uma zona florestal, bem como vários edifícios auxiliares e infraestruturas, como o Mercat del Born.

A entrada na Exposição deu-se pelo Arco do Triunfo, monumento criado para a ocasião que ainda se mantém no seu local original, desenhado por Josep Vilaseca. De inspiração neo-mudéjar, tem 30 metros de altura, e está decorada com uma rica ornamentação escultórica, obra de vários autores: Josep Reynés esculpido no friso superior Barcelona acolhe as nações; Josep Llimona fez a distribuição de prêmios aos participantes da Mostra no verso da parte superior; à direita Antoni Vilanova fez as alegorias da Indústria, da Agricultura e do Comércio; à esquerda, Torquat Tasso elaborou alegorias nas Ciências e Artes; por último, Manuel Fuxà e Pere Carbonell criaram quatro esculturas femininas, as Fames.

Em seguida veio o Saló de Sant Joan, atualmente Passeig de Lluís Companys, uma longa avenida de 50 metros de largura com balaustradas de ferro forjado, mosaicos de pavimento e grandes lanternas, todos projetados por Pere Falqués. Oito grandes estátuas de bronze que representam figuras ilustres da história da Catalunha foram colocadas ao longo deste passeio: Guifré el Pilós (por Venanci Vallmitjana), Roger de Llúria (por Josep Reynés), Bernat Desclot (Manuel Fuxà), Rafael Casanova (Rossend Nobas), Ramon Berenguer I (Josep Llimona), Pere Albert (Antoni Vilanova), Antoni Viladomat (Torquat Tasso) e Jaume Fabre (Pere Carbonell).

Em 1914, a estátua de Casanova foi transferida para a Ronda de Sant Pere – encurralada por Alí Bey – e substituída por outra dedicada a Pau Claris, obra de Rafael Atché. Durante a Guerra Civil, seis estátuas foram removidas, e apenas as de Roger de Llúria e Antoni Viladomat permaneceram em seus lugares originais .; cinco foram lançados em 1950 para fazer a imagem da Virgem da Misericórdia na basílica de mesmo nome, enquanto a de Pau Claris, mantida em um armazém municipal, foi restaurada em 1977.

Além disso, no final dos dois grandes grupos escultóricos representando o Comércio e a Indústria, as obras de Agapit Vallmitjana foram colocadas no passeio; outras duas, dedicadas à Agricultura e à Marinha, localizavam-se em outra entrada do local (Avinguda Marquès de l’Argentera), obra de Venanci Vallmitjana.

Além dos prédios e pavilhões construídos para o evento, a Cachoeira Monumental, projetada pela Fontserè em colaboração com Antoni Gaudí, que realizou o projeto hidráulico e projetou uma gruta artificial sob a Cachoeira. O conjunto arquitetônico apresenta uma estrutura central em forma de arco triunfal com dois pavilhões nas laterais e duas alas laterais com degraus, que abrigam uma lagoa dividida em dois níveis. O monumento destaca-se pela profusão escultórica, onde participaram vários dos melhores escultores da época: destaca-se o grupo La Quadriga de l’Aurora, de Rossend Nobas, bem comoO nascimento de Vênus, de Venanci Vallmitjana; o frontão é obra de Francesc Pagès i Serratosa. Outras esculturas do conjunto são: Amphitrite, de Josep Gamot; Netuno e Leda, de Manuel Fuxà; e Dànae, de Joan Flotats. Contudo,

Outras estátuas colocadas para a Exposição foram: a Dama do Guarda-chuva (1884), de Joan Roig i Solé, localizada na atual localização do Zoológico, e que com o tempo se tornou uma obra emblemática da cidade; a Homenagem a Aribau (1884), de Josep Vilaseca e Manuel Fuxà, na Avinguda dels Tillers o original em pedra foi substituído em 1934 por uma cópia em bronze de Enric Monjo; as figuras dos cientistas Jaume Salvador (1884) e Félix de Azara (1886), de Eduard B. Alentorn, no Museu de Geologia; o Lion Hunter (1884), de Agapit Vallmitjana i Abarca, em um dos passeios do parque; e a Estátua Equestre do General Prim (1887), de Lluís Puiggener, localizada em frente ao Palau de la Indústria onde atualmente se encontra o Zoológico de Barcelona, ​​embora a obra original tenha sido destruída em 1936 e posteriormente restaurada por Frederic. Marte.

Posteriormente, entre 1897 e 1901, o Monumento aos Rios e Taulet foi construído na entrada do Parc de la Ciutadella, que foi prefeito durante os anos da Exposição e um dos principais fomentadores do projeto, obra do arquiteto Pere Falqués e o escultor Manuel Fuxà; Eusebi Arnau, autor da figura do Barcelona, ​​também falou. O monumento é composto por um pedestal, nas laterais do qual estão dois escudos de bronze que representam quatro dos principais projetos promovidos pelo prefeito: o Parc de la Ciutadella, a Exposição Universal, o Monumento a Colombo e a Gran Via de las Corts Catalanes . Da base há um obelisco com o busto do prefeito, rodeado por duas figuras, uma alegoria do Trabalho e outra de Barcelona, ​​que oferece um ramo de palmeira. Na parte de trás está um Winged Fame,

Fora do recinto da Exposição, vários monumentos e estátuas também foram construídos, entre eles o Monumento a Colombo, localizado no Portal de la Pau, o entroncamento entre a Rambla e o Paseo de Colom. em frente ao antigo porto de Barcelona. Construído em homenagem ao descobridor Cristóvão Colombo, foi inaugurado em 1º de junho de 1888. O monumento foi projetado por Gaietà Buïgas e tem 60 metros de altura.

A estátua de Colombo, colocada sobre uma coluna de ferro, é uma obra em bronze do escultor Rafael Atché, com 7 metros de altura. O monumento está dividido em três corpos: uma base circular, com quatro lanços de escada de 6 metros de largura, e oito baixos-relevos com os brasões das províncias espanholas e os principais atos realizados por Colombo; um polígono de oito lados, quatro deles dispostos em contrafortes, em forma de cruz, com estátuas alegóricas da Catalunha, Aragão, Castela e Leão, bem como as figuras de Bernat Boïl, Pere Margarit, Jaume Ferrer de Blanes e Lluís de Santàngel; a coluna da ordem Coríntia, com base com figuras de caravelas, cinzas e famineswinged, a capital com representações da Europa, África, Ásia e América, uma coroa de um príncipe,

O conjunto escultórico foi adjudicado em concurso público a várias oficinas e escultores: Josep Llimona (baixos-relevos), Antoni Vilanova (baixos-relevos), Rossend Nobas (contrafortes), Francesc Pastor (capital), Pere Carbonell (Catalunha), Josep Carcassó (Aragão)., Leões heráldicos), Josep Gamot (Castela, Lluís de Santàngel), Rafael Atché (Leão, estátua de Colombo), Manuel Fuxà (Padre Boïl), Francesc Pagès i Serratosa (Jaume Ferrer de Blanes) e Eduard B Alentorn (Pere Margarit). Com o tempo, Colombo se tornou um dos monumentos mais emblemáticos da cidade.

Outras obras realizadas no âmbito da Exposição mas fora das suas instalações foram: A López y López (1884), na Plaça Antonio López, a obra do arquitecto Josep Oriol Mestres e do escultor Venanci Vallmitjana, com relevos de Lluís Puiggener, Joan Roig i Solé, Rossend Nobas e Francesc Pagès i Serratosa destruídos em 1936, restaurados em 1944 por Frederic Marès, retirado em 2018 devido ao passado escravista do homenageado; Em Joan Güell i Ferrer (1888), na Gran Via de les Corts Catalanes com a Rambla de Catalunya, a obra do arquiteto Joan Martorell e dos escultores Rossend Nobas, Torquat Tasso, Eduard B. Alentorn, Maximí Salaand Francesc Pagès i Serratosa também destruída em 1936 e reconstruída por Frederic Marès em 1945; e o Monumento a Josep Anselm Clavé (1888),

Por último, deve-se notar que em 1892 a Font de Canaletes, obra de Pere Falqués, foi colocada na Rambla com a Plaça de Catalunya, que com o tempo se tornou um emblema da cidade e costuma ser um ponto de encontro para os fãs do Futbol Club Barcelona nas celebrações da equipe.

século 20
Durante o século XX, continuou a colocação de monumentos comemorativos nos espaços públicos de Barcelona, ​​seguindo o costume iniciado com a celebração da Exposição Universal. Este século viu o maior número de obras realizadas nas vias públicas da cidade. De referir que durante a virada do século o perímetro da cidade cresceu significativamente, devido à agregação de vários municípios vizinhos que se tornaram novos bairros de Barcelona: Santa Maria de Sants, Les Corts de Sarrià, Sant Gervasi de Cassoles, Gràcia , Sant Andreu del Palomar e Sant Martí de Provençalsin 1897, Horta em 1904 e Sarrià em 1921.

A situação política no século XX foi turbulenta, com o fim da monarquia em 1931 e a chegada da Segunda República, encerrada com a Guerra Civil e substituída pela ditadura de Franco, até a restauração da monarquia e a chegada da democracia. Socialmente, este século viu a chegada massiva da imigração à cidade, com o conseqüente aumento da população: se em 1900 eram 530.000 habitantes, em 1930 quase dobraram (1.009.000 habitantes), para atingir entre 1970 e 1980 a cota máxima ( 1.754.900) e no final do século 1.500.000 habitantes.

O estilo artístico predominante durante as primeiras décadas do século foi o Noucentisme, que, em contraste com o modernismo, promoveu o retorno à cultura clássica greco-latina no mundo mediterrâneo. Durante as décadas de 1920 e 1930, foram introduzidas correntes de vanguarda internacional, embora durante os primeiros anos da ditadura de Franco tenha havido um retorno aos estilos acadêmicos. Posteriormente, houve um renovado compromisso com a inovação e, especialmente com o advento da democracia, o ambiente artístico foi totalmente inserido nos sucessivos estilos da moda no cenário internacional, que se seguiram com maior rapidez. Obras de artistas internacionais foram, então, agregadas ao patrimônio público, o que deu mais prestígio e relevância ao acervo público da cidade.

Uma das primeiras obras do século foi a estátua equestre de Sant Jaume situada num nicho da praça do mesmo nome – na esquina com a Carrer Ciutat – de 1903, obra de Manuel Fuxà. Em 1906, o monumento dedicado ao escritor Serafí Pitarra um pseudônimo de Frederic Soler, de Pere Falqués e Agustí Querol, foi instalado na Plaça del Teatre, apresentando o “fundador do teatro catalão” segundo diz a inscrição colocada nas máscaras de comédia e tragédia.

Nesse mesmo ano, Falqués construiu os postes de luz no Passeig de Gràcia e na Plaça del Cinc d’Oros. Embora atualmente os postes de luz sejam na Avinguda Gaudí, feitos de ferro e calcário, o primeiro em L invertido e bancos para sentar, e o segundo em forma de pináculo vertical de raízes góticas. No ano seguinte, uma figura de Sant Josep Patriarca, obra de Josep Llimona, destruída em 1936 e reconstruída em 2000 por Lluís Cera, foi instalada em um nicho da Carrer Montsió. No mesmo ano, o Mamute foi colocado no Parc de la Ciutadella, uma réplica deste extinto animal feito de concreto – o primeiro uso escultórico desse material na cidade – por Miquel Dalmau.

Em 1908 dois bustos dedicados a Manuel Milà i Fontanals (obra de Manuel Fuxà) e Emili Vilanova (de Pere Carbonell) no Parc de la Ciutadella, inauguraram um costume que se repetiria nos próximos anos de dedicar bustos a vários personagens, principalmente alfabetizado Graças ao patrocínio da Floral Games Association, no parque que acolheu a Exposição Universal; assim, bustos dedicados a Marià Aguiló i Fuster (Eusebi Arnau, 1909), Víctor Balaguer (Manuel Fuxà, 1910), Lleó Fontova (Pau Gargallo, 1910), Teodor Llorente (Eusebi Arnau, 1912), Joan Maragall (Eusebi Arnau, 1913 ), Joaquim Vayreda (Manuel Fuxà, 1915), Pepita Teixidor (Manuel Fuxà, 1917) primeiro monumento dedicado a uma mulher e Ramon Batlle (Enric Clarasó, 1918, hoje desaparecido).

Em 1909, o grupo escultórico La cançó popular foi colocado no Palau de la Música Catalana, um edifício modernista excepcional de Lluís Domènech i Montaner, na esquina entre Sant Pere Més Alt e Amadeu Vives. Obra de Miquel Blay, apresenta uma figura feminina que personifica a Canção, rodeada por diversas personagens que representam o povo catalão, enquanto em cima se levanta a imponente figura de Sant Jordi, com uma espada e um estandarte.

Em 1910 foi inaugurado o Monumento ao Doutor Roberto, dedicado ao médico e político catalão Bartomeu Robert, prefeito de Barcelona entre março e outubro de 1899. Foi encomendado ao escultor Josep Llimona, e seu projeto envolveu também o arquiteto Lluís Domènech i Montaner . O local escolhido foi a Plaça de la Universitat, onde foi lançada a primeira pedra em 1904. Em 1940 as novas autoridades franquistas decidiram retirar o monumento, que foi desmontado e guardado num armazém municipal, até ser restaurado em 1977. embora noutro local, Praça Tetuão.

O monumento tem uma forma ligeiramente piramidal, e está assente sobre um alicerce de blocos de pedra de formas orgânicas, semelhante à arquitetura então praticada por Antoni Gaudí, como na Casa Milà. O conjunto escultórico frontal é feito em bronze e apresenta uma série de figuras de várias classes sociais, além de alegorias da Música e Poesia e referências à medicina; acima está o busto do Dr. Robert, com uma alegoria da Glória. Ao fundo encontra-se outro grupo, com várias figuras em torno de uma central representando a Medicina.

Durante a década de 1910, a Comissão Eixample organizou várias competições para colocar várias fontes ornamentais neste distrito. Em 1911 o vencedor foi Josep Campeny, de quem foram colocadas três fontes: a Trinxa, em Ronda Universitat / Pelai; o da Rã, na Córsega / Diagonal; e El noi dels càntirs, na Plaça Urquinaona. Em 1913 foi escolhido Eduard B. Alentorn, autor de três outras fontes: a Font de la Pagesa, na Plaça Letamendi; a Fonte da Tartaruga, na Plaza de Goya; e a Font de la Palangana (ou Negrito), em Bruc / Diagonal. Em 1920, apenas uma foi aprovada, a Font de la Sardana, de Frederic Marès, na Plaça de Tetuan.

Em 1921, a Font de la Caputxeta, de Josep Tenas, foi instalada no Passeig Sant Joan / Rosselló; em 1924 a Font de l’Efeb, de Àngel Tarrach, na Diagonal / Bailén; e, finalmente, em 1925 duas de Frederic Marès: a do Galo, na praça do mesmo nome; e a do Pato, em Valencia / Enamorats. Outra fonte da época era a de Diana (1919), de Venanci Vallmitjana, localizada na Gran Via com Roger de Llúria; o autor havia feito a figura da deusa da caça em 1898, originalmente nua, mas quando recebeu a encomenda da fonte, recebeu a ordem de cobri-la com uma túnica.

Em 1917, a escultura Desconsol, de Josep Llimona, foi instalada no Parc de la Ciutadella, no que fora um antigo pátio, no centro de uma lagoa elíptica localizada em frente ao antigo arsenal militar que hoje abriga a sede do Parlamento da Catalunha. A obra, originalmente feita em 1903, tornou-se um emblema da cidade de Barcelona. É a figura de uma mulher seminua, nua, com a cabeça entre os braços, em atitude de desespero, como indica o título. Em 1984, o original foi transferido para o MNAC, e uma cópia foi colocada em seu lugar.

Nos anos seguintes, outros monumentos dedicados a vários personagens foram inaugurados: em 1918, o Monumento ao ator Iscle Soler, de Pau Gargallo, foi erguido na Plaça de Sant Agustí. No ano seguinte foi colocado em Clot o Monumento ao Cânon Redondo, em memória de quem foi reitor de Sant Martí, a primeira obra pública de Frederic Marès, um escultor muito prolífico nos anos posteriores; a obra foi destruída em 1936 e substituída por outra do mesmo autor em 1954.

Em 1924 foi inaugurado o Monumento ao Bispo Jacint Verdaguer na praça do mesmo nome, dedicada a este padre e escritor, um dos principais escritores. em catalão do século XIX. A ideia de erguer um monumento ao famoso poeta surgiu após a sua morte em 1902, mas só se cristalizou em 1913, quando foi organizado um concurso que ganhou o escultor Joan Borrell i Nicolau, em conjunto com o arquitecto Josep Maria Pericas. Borrell ficou a cargo da figura do poeta e das da balaustrada três figuras alegóricas, alusivas à poesia mística, popular e épica, enquanto os irmãos Miquel e Llucià Oslé, finalistas do concurso, estavam no comando. dos relevos da base, com cenas do poema L’Atlàntida do autor catalão.

Outros monumentos realizados na década de 1920 foram: Ao Doutor Andreu (1927), em homenagem ao farmacêutico Salvador Andreu, promotor da urbanização de Tibidabo, de quem foi feito um primeiro monumento com a efígie do homenageado, obra de Enric Sagnier e Eusebi Arnau, que foi destruída durante a Guerra Civil, e substituída em 1952 pela estátua de uma mulher vestida com um manto clássico e carregando na mão um ramo de louro, feito por Maria Llimona;

Em Pearson (1928), um monumento em forma de alegoria a Victoria dedicado ao engenheiro americano Fred Stark Pearson, promotor do setor elétrico na Catalunha, a obra de Josep Viladomat localizado na Plaça de Pedralbes; Ao aviador Durán (1928), do escultor Jaume Duran, em memória do Tenente Juan Manuel Durán, piloto do Plus Ultra, a primeira aeronave a fazer um vôo transatlântico sem escalas, morto em acidente aéreo na montanha de Montjuïc , onde seu monumento estava localizado, na forma de uma Vitória alada; e a Font de l’Aurora (1929), obra de Joan Borrell localizada inicialmente nos Jardinets de Gràcia e posteriormente desintegrada em várias peças espalhadas por vários lugares: o Parque Quàdriga d’Hèliosin Turó, Selene na Avinguda de Vallcarca, Minerva em Montjuïc, uma ninfa penteando o cabelo na Plaça Joaquim Folguera,

Deste período são vários jardins inicialmente privados que foram posteriormente incorporados ao património municipal, como é o caso do Parc Güell, localizado na encosta sul do Turó del Carmel, no distrito de Gràcia. Concebida como uma urbanização, foi projetada pelo arquiteto Antoni Gaudí em nome do empresário Eusebi Güell, e construída entre 1900 e 1914. Passou a fazer parte do patrimônio público em 1926. Do parque como um todo, destaca-se a escadaria de entrada . dispostas simetricamente em torno de uma escultura de salamandra ou dragão – que se tornou o emblema do parque e um dos mais conhecidos da cidade, e parte de um grupo de três fontes com esculturas representando os países catalães (Catalunha norte da França e sul da Catalunha, espanhol ) Acima desta escada está um salão hipostilo e uma praça ou teatro grego, onde se destaca um banco ondulado decorado com cerâmica trencadís, de Josep Maria Jujol. Em 1984, a Unesco incluiu o Parc Güell no Patrimônio Mundial “Obras de Antoni Gaudí”.

No bairro Sarrià-Sant Gervasi estão os Jardins de la Tamarita, obra de Nicolau Maria Rubió i Tudurí em 1918, onde em frente ao prédio principal estão quatro esculturas dedicadas a continentes, menos a Oceania, obra de Virginio Arias. Por outro lado, em 1924 a cidade de Barcelona deu ao rei Alfonso XIII o Palácio Real de Pedralbes, que pertencera à família Güell. Tinha um casarão caribenho executado por Joan Martorell, enquanto Antoni Gaudí cuidava dos jardins e do recinto da herdade, da qual resta uma fonte dedicada a Hércules, bem como os pavilhões de baliza, que incluem uma grelha de entrada com um dragão de ferro forjado, representando Ladó, o dragão guardião do Jardim das Hespérides, derrotado por Hércules em sua décima primeira obra.

Entre 1919 e 1924, foi remodelado para se tornar Palácio Real, pelos arquitetos Eusebi Bona e Francesc Nebot. Várias esculturas foram então colocadas para decorar o recinto, entre as quais se destacam Isabel II apresenta a seu filho, o futuro Rei Alfonso XII, em Barcelona, ​​a obra de Agapit Vallmitjana de 1860; or a Kneeling Female, de Joan Borrellof 1916. Em 1930 a, de Enric Casanovas, também foi colocado.

Exposição Internacional de 1929
Na década de 1920 foi projetada uma nova exposição como em 1888, pois seu sucesso deixara uma agradável lembrança na cidade. Desta vez o local escolhido foi a serra de Montjuïc, que assim se urbanizou e ganhou como espaço público da cidade. A Exposição Internacional foi realizada de 20 de maio de 1929 a 15 de janeiro de 1930, e deixou vários edifícios e instalações, alguns dos quais se tornaram emblemas da cidade, como o Palácio Nacional, a Fonte Mágica., O Teatro Grego, o Poble Espanyol e o Estádio Olímpico. O recinto expositivo foi construído de acordo com um projeto geral de Josep Puig i Cadafalch, e teve início na Plaça d’Espanya, passando pela Avinguda d’América atual Avinguda de la Reina Maria Cristina, onde se encontram os grandes edifícios da Exposição, ao pé da a montanha, onde a Fonte Mágica estava localizada, ladeado pelos Palácios de Alfonso XIII e Victoria Eugenia; daqui, uma escada conduzia ao Palácio Nacional, a obra mais monumental da Exposição.

Um dos monumentos mais importantes foi a fonte monumental da Plaça d’Espanya, desenhada por Josep Maria Jujol, com uma decoração escultórica ornamentada de Miquel Blay e dos irmãos Miquel e Llucià Oslé. De inspiração clássica, o sentido iconográfico da obra representa uma alegoria poética na Espanha através de suas águas: sobre uma lagoa triangular está localizado um edifício com três nichos com grupos escultóricos que simbolizam os rios que deságuam nos três mares que circundam a Península Ibérica (o O Ebro pelo Mediterrâneo, o Guadalquivir e o Tejo pelo Atlântico e algumas figuras adolescentes para os rios do Golfo da Biscaia, de Blay);

No topo do lago estão três grupos que representam os frutos e dádivas das águas: Abundância, Saúde Pública e Navegação, obra dos irmãos Oslé; ao redor do corpo central estão três colunas com várias figuras e emblemas que simbolizam a Religião (uma cruz com Ramon Llull, Santa Teresa de Jesus e Santo Inácio de Loyola), Heroísmo (uma espada com Pelai I, Tiago I de Aragão e Isabel a Católica), e as Artes (um livro com Ausiàs March e Miguel de Cervantes); um jogo de fogo com três vitórias termina o trabalho.

Entre a Plaça d’Espanya e o Palau Nacional foi colocada a Fonte Mágica de Montjuïc, obra de Carles Buïgas, que admirou o público pelo seu fantástico jogo de luzes e fontes. Ainda hoje é uma obra emblemática da capital catalã, onde os espetáculos piromusicais costumam ser celebrados nas festas de La Mercè. Tem forma elipsoidal, formada por três lagoas concêntricas em níveis diferentes, com 65 m de diâmetro em sua parte mais larga. Tem trinta jogos aquáticos diferentes, com as respectivas colorações graduais, a partir de cinco cores: amarelo, azul, verde, vermelho e branco. Quatro colunas de estilo jônico foram originalmente construídas neste local, que simbolizavam a bandeira, o trabalho de Puig i Cadafalch, mas o ditador Primo de Rivera as demoliu. Com a restauração da democracia, pensou-se em substituí-los,

Outras obras colocadas nas instalações da Exposição foram: Sant Jordi (1924), de Josep Llimona, na praça com o mesmo nome; La Bellesa (1924), de Josep Llimona, na Plaça de Dante; Morning (1925), do escultor expressionista alemão Georg Kolbe, localizado no Pavilhão Alemão, um edifício de estilo racionalista construído por Ludwig Mies van der Rohe; Les Flors i Sedent (1927), de Josep Llimona, na Plaça del Marquès de Foronda; A Água e a Terra (1929), de Frederic Marès, nas escadas de acesso ao Palácio Nacional; Serenity (1928), de Josep Clarà, nos Jardins Miramar; Jove de la trena (1928), de Josep Viladomat, e Estival (1929), de Jaume Otero, nos Jardins de Laribal; O bom pastor (1929), de Joan Rebull, e Venus (1929), de Joan Borrell e Nicolau, nos Jardins de Joan Maragall. Os carros olímpicos, carros puxados por cavalos,

Por outro lado, ao pé das torres venezianas da Plaza de España existia uma balaustrada de acesso ao recinto de exposições decorada com quatro esculturas: Artes e Indústria, de Carles Ridaura; o Comércio, de Enric Monjo; e Sport, de Josep Viladomat. Essa balaustrada foi removida na década de 1970, durante uma reforma da praça devido às obras do metrô, e com ela as estátuas desapareceram; apenas uma foi preservada, a das Artes – também chamada Mulher com criança -, transferida para um local próximo, na avenida do Paralelo perto da esquina com Carrer de Lleida.

Além das realizações no recinto de feiras, a exemplo da exposição anterior, foram realizadas várias ações pela cidade. A mais importante ficava na Plaça de Catalunya, atualmente um dos centros nevrálgicos da cidade, mas que antigamente era uma esplanada nos arredores da cidade velha, que só começou a se desenvolver em 1902. Precisamente por causa da Exposição uma requalificação de todo o espaço da praça foi realizado, com projeto de Francesc Nebot, e foi inaugurado por Alfonso XIII em 1927.

Para decorar a praça foi organizado um concurso público em 1927, no qual se decidiu pela instalação de um conjunto escultórico de 28 obras: Maternidade, de Vicenç Navarro; Jove, de Josep Dunyach; O ferreiro, de Josep Llimona; Mulher com filho e flabiol, de Josep Viladomat; Figura feminina, de Enric Casanovas; Juventude, de Josep Clarà; Pastor del flabiol, de Pau Gargallo; Navegação, de Eusebi Arnau; Barcelona, ​​de Frederic Marès; Montserrat, de Eusebi Arnau; Figura feminina, de Josep Llimona; Hercules, de Antoni Parera; Mulher com Anjo, de Vicenç Navarro; Tarragona, de Jaume Otero; Fonte dos seis putti, de Jaume Otero; Lleida, de Joan Borrell; Mulher com a imagem da Virgem, de Enric Monjo;

O espírito popular, de Jaume Otero; Pastor da águia, de Pau Gargallo; Pomona, de Enric Monjo; Sabedoria, de Miquel Oslé; A deusa, de Josep Clarà atualmente uma cópia, o original está no saguão da Casa de la Ciutat; Trabalho, de Llucià Oslé; Emporion, de Frederic Marès; Pescador, de Josep Tenas; Dona, de Joan Borrell; Montseny, de Jaume Duran; e Girona, de Antoni Parera. Originalmente também na praça estava o grupo Crianças cavalgando peixe (1928), de Frederic Marès, uma fonte com fontes e quatro das figuras indicadas pelo título, que foi deslocado em 1961 para o cruzamento da Gran Via com a Rambla de Catalunya.

Em relação a toda a Plaça de Catalunya, algumas alterações feitas em tempo real no projeto original levaram à substituição de várias peças e sua transferência para outras áreas da cidade. Um dos principais motivos foi o cancelamento do projeto de Francesc Nebot de colocar na praça um templo com uma colunata decorada com dezesseis figuras femininas, o que acabou não sendo realizado por decisão do município, o que levou à renúncia do Sobrinho diante de os trabalhos. Assim, algumas das esculturas realizadas para este templo foram deslocadas para locais diferentes: quatro delas, executadas por Eusebi Arnau, Josep Llimona, Enric Casanovas e Àngel Tarrach, foram colocadas na parede de entrada do Palácio. Real de Pedralbes; outros dois, de Josep Dunyach (Deessa) e Vicenç Navarro (La nit), foram instalados no Parc de la Ciutadella;

Outro motivo para o excesso de obras foi a decisão de que todos os grupos escultóricos da praça fossem feitos de bronze, exceto os do terraço superior, que são de pedra, pelo que algumas obras que já tiveram que ser executadas em pedra, tiveram de ser repetidos e os restos foram recolocados: são Lleida, de Manuel Fuxà, e Tarragona, de Jaume Otero, que foram instaladas na Avinguda Diagonal, em frente ao Palácio Real de Pedralbes. Por último, a obra Marinada o Dansarina, de Antoni Alsina, localizava-se nos Jardins de l’Umbracle, no Passeig de Santa Madrona em Montjuïc, neste caso por se tratar de uma fêmea que não era vista com bons olhos pela moral vigente no momento.

Depois da Exposição, o Monumento a Pau Gil foi inaugurado em 1930, em homenagem ao banqueiro que introduziu a indústria do gás em Barcelona e que com sua vontade favoreceu a construção do Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, uma joia do modernismo feito de Lluís Domènech i Montaner, na entrada do qual está o monumento. A obra, de Eusebi Arnau, foi feita em 1916, mas só foi colocada em 1930, e apresenta um busto do banqueiro com uma alegoria da Caridade a seus pés. Ainda nesse ano, foi colocado na Gran Via o monumento ao cenógrafo Francesc Soler i Rovirosa, de Frederic Marès em forma de mulher deitada com uma flor na mão; e o Monumento a Eduardo Dato, na Carrer Sant Antoni Maria Claret, de Jaume Duran, composto por uma alegoria da Fama e um monólito com medalhão do homenageado.

Segunda república
Durante os anos da Segunda República e da Guerra Civil não foram feitos muitos monumentos, devido à instabilidade política e à turbulência do país. Um dos primeiros foi o Monumento a Pere Vila (1932), um índio que deixou a disposição testamentária de construir uma escola – que leva o seu nome – no Saló de Sant Joan, junto ao Arco do Triunfo, e a quem pagou homenagem com escultura em bronze com três figuras de crianças e escudo com o nome do benfeitor, obra de Josep Dunyach.

Em 1933 foi instalada uma placa de relevo em comemoração do segundo aniversário da República nas instalações da Ràdio Barcelona em Tibidabo, obra de Àngel Tarrach, da qual resta apenas o suporte, visto que a inscrição foi apagada durante a ditadura. No ano seguinte, um busto foi colocado em homenagem ao economista Guillem Graell i Moles no Passeig de Sant Joan amb Còrsega, obra de Vicenç Antón. Nesse mesmo ano foi instalado o busto de Narcís Oller na Via Augusta, e atualmente na praça do mesmo nome, obra de Eusebi Arnau.

Em 1934, foi inaugurado La República (Homenagem a Pi i Margall), um monumento dedicado à Primeira República Espanhola, bem como a um de seus presidentes, Francesc Pi i Margall. A ideia surgiu em 1915, decidindo sua localização na Plaza del Cinc d’Oros, na confluência da Avinguda Diagonal e Passeig de Gràcia. No entanto, o projeto foi adiado com a chegada da ditadura de Primo de Rivera. Com o início da Segunda República, o projecto foi retomado, tendo sido organizado um concurso público que foi ganho por Josep Viladomat, com uma imagem da República em forma de mulher com chapéu frígio, com o braço levantado e portando um ramo de louro, colocado sobre um obelisco.

Após a Guerra Civil, as novas autoridades removeram a estátua, que foi substituída por uma alegoria da Vitória de Frederic Marès. A estátua foi guardada em armazém municipal, até que com o advento da democracia foi recuperada, embora tenha sido colocada noutro local, a Praça da República, como parte integrante de um novo monumento. construção, obra dos arquitetos Albert Viaplana e Helio Piñón, na forma de uma estrutura de aço patinável de 30 metros de altura, de aspecto abstrato.

Em 1935, foi coroado o Templo Expiatório do Sagrado Coração, localizado em Tibidabo, com uma escultura de mesmo nome, uma figura colossal de 8 metros de altura – a mais alta então da Espanha – feita por Frederic Marès. A estátua de bronze foi fundida durante a Guerra Civil para forjar material de guerra e substituída por outra em 1961, obra de Josep Miret. Nesse ano foi instalado no Passeig de Sant Joan um monumento dedicado ao pedagogo surdo-mudo Juan Pablo Bonet, com um monólito da arquiteta Joan Vidal e dois medalhões de Josep Marquès, que foi ampliado em 1966. Com a imagem de outro pedagogo, Fray Pedro Ponce de León, de Josep Miret. Também nesse ano, o busto de Santiago Rusiñol, de Enric Clarasó, foi colocado na Plaça de La Puntual.

Já em 1936, o Monumento aos Voluntários Catalães foi instalado no Parc de la Ciutadella, em memória daqueles que participaram voluntariamente da Primeira Guerra Mundial, a obra de Josep Clarà na forma de um homem nu com os braços levantados e carregando um galho de louro; depois da guerra, a dedicatória foi retirada da placa e os genitais cobertos com uma folha de videira.

Ainda em 1936, foi prestada uma homenagem a Francesc Layret, advogado trabalhista assassinado por pistoleiros na folha de pagamento do Sindicato Livre vinculado ao empregador em 1920. Foi colocado na Plaça de Sepúlveda, atualmente Plaça de Goya, e foi obra de Frederic Marès. Em 1939, após a Guerra Civil, as novas autoridades procederam à desmontagem do monumento, que ficou guardado em armazém municipal, até que com o advento da democracia foi restaurado ao seu local original. O monumento tem caráter alegórico: sobre um pedestal em forma de pódio ergue-se a figura de uma mulher de bronze, com o torso nu e o braço esquerdo erguido carregando uma tocha, simbolizando a República; nas laterais estão duas figuras masculinas de pedra, representando um camponês e um trabalhador, enquanto nas costas está outra figura feminina carregando uma criança nos braços, em personificação dos destituídos.

Pouco depois de Layret, foi inaugurado o monumento ao médico e político Domènec Martí i Julià, um dos ideólogos do catalanismo de esquerda, localizado ao lado do Institut Frenopàtic de la Diagonal, por ele dirigido, com uma obra de Josep Dunyach na forma de uma figura feminina em atitude de atirar flores. Já durante a guerra, apenas um monumento foi preservado, o dedicado a Apel • les Mestres (1938), localizado no Parc de la Font del Racó, em Tibidabo, obra de Francesc Socías i março.

O período franquista
Após a Guerra Civil, as novas autoridades levaram à destruição ou desinstalação de numerosos monumentos dedicados a personagens ligados à esquerda ou ao catalanismo, como La República (Homenagem a Pi i Margall), o Monumento ao Doutor Robert, o dedicado a Francesc Layret , ou as figuras de Rafael Casanova e Pau Claris. Outros monumentos ou estátuas foram convertidos com a retirada de suas dedicatórias, especialmente devido à proibição do uso da língua catalã, o que levou à remoção ou remodelação de numerosas placas e dedicatórias escritas nesta língua; casos como o Monumento aos Voluntários Catalães, dedicado a Domènec Martí i Julià, o de Guillem Graell i Moles, o de Frederic Mistral, ou as figuras de Jaume I e Joan Fiveller da Casa de la Ciutat.

Por outro lado, vários monumentos de direita destruídos durante a guerra foram reconstruídos. Um dos escultores que mais encomendas a este respeito foi Frédéric Marès, artista do gosto do novo regime de Franco, que entre 1944 e 1954 restaurou ou reconstruiu numerosas obras de arte pública, como o Monumento a Antonio López no praça com o mesmo nome., obra original de Venanci Vallmitjana de 1884; A Joan Güell i Ferrer, por Rossend Nobas localizado na Gran Via com a Rambla de Catalunya; o Monumento ao General Prim, de Lluís Puiggener, localizado no Parc de la Ciutadella; e Al Canonge Rodó, obra do mesmo Marès que posteriormente se recompôs de forma diferente.

Também foi o responsável pela substituição do Monumento à República por outro em Victoria, na Plaza del Cinc d’Oros. Paradoxalmente, a estátua da Vitória de Marès foi concebida a partir da República e concorreu com a de Josep Viladomat no concurso de 1932. Para sua adaptação, Marès teve que fazer algumas modificações em seu trabalho., Como cobrir o torso antes nu. A estátua foi removida em 2011 e, atualmente, apenas o obelisco permanece.

Nessa época havia uma grande proliferação de monumentos, já que a ditadura usava a arte como meio propagandístico de sua ideologia: segundo Alexandre Cirici i Pellicer, “a estética aparece como um elemento essencial do franquismo, da mesma forma que foi. um elemento essencial em todos os fascismos ». Os primeiros monumentos erguidos pelas novas autoridades franquistas, em 1939, foram improvisados ​​e efémeros: a 19 de Maio, “Dia da Vitória”, foi colocada uma lápide com o último comunicado de guerra na fachada. da Câmara Municipal; em 29 de abril, uma cruz foi colocada sobre os caídos no Hospital St. Paul; em 7 de maio, um obelisco foi instalado em comemoração a 2 de maio na Plaça de Catalunya; e em 19 de julho um arco triunfal foi colocado no Portal de la Pau em homenagem a Galeazzo Ciano, visitando a cidade.

O primeiro monumento definitivo e mais planejado foi o dedicado aos Caídos no Fosso de Santa Elena do Castelo de Montjuïc, construído em 1940 pelos arquitetos Manuel Baldrich, Joaquim de Ros i de Ramis, Josep Soteras, Manuel de Solà-Morales e Josep Mas , e os escultores Miquel e Llucià Oslé. O monumento era composto por três arcos – o do meio, mais alto e mais largo -, um altar e um túmulo coroado por um obelisco com uma cruz, além de uma lápide onde estava a escultura dos irmãos Oslé, uma figura reclinada com uma coroa de louros a seus pés.

No ano seguinte, foi inaugurado o Monumento aos Mártires da Independência, conjunto de bronze feito por Josep Llimona em 1930, e que foi colocado na Plaça Garriga i Bachs, com o acréscimo de um relevo de alabastro com dois anjos rodeados por uma nuvem no topo do nicho, feito para a ocasião por Vicenç Navarro. Seguiu-se o Monumento ao pintor Fortuny, situado na rua com o mesmo nome, obra de Miquel e Llucià Oslé realizada em 1922 mas cuja instalação foi interrompida pela guerra, e que foi colocada finalmente em 1942. A seguir ano, o monumento ao Bispo Irurita, de Vicenç Navarro, foi instalado em Carrer Bisbe.

Em 1947, foram instalados diversos chafarizes nos bairros Eixample e Gràcia, seguindo a tradição iniciada nos anos 1910-1920: trata-se do Font de Blancaneu, de Josep Manuel Benedicto, na Plaça de Gal • la Placídia; a Font del Nen Pescador, do mesmo autor, na Diagonal / Casanova; e a Font de Rut, de Josep Maria Camps i Arnau, na Plaça de la Virreina. No ano seguinte, o Monumento a Josep Girona i Trius, de Antonio Ramón González, foi colocado na Clínica Aliança.

Em 1950, outro monumento foi concebido e construído antes da guerra, dedicado a Ramon Berenguer III o Grande, uma estátua equestre feita por Josep Llimona, que foi colocada na praça do mesmo nome, ao lado da capela de Santa Ágata e dos restos mortais da muralha medieval. No ano seguinte, outro Monumento aos Caídos foi inaugurado na Avinguda Diagonal e depois na Avinguda Generalísimo Franco, em frente ao Palácio Real de Pedralbes, pelos arquitetos Adolf Florensa e Joaquim Vilaseca e o escultor Josep Clarà., Composta por uma colunata semicircular com um grande cruz ao fundo, e um conjunto escultórico formado por dois homens, um segurando o outro, morrendo; a escultura foi destruída em 2001 pela Plataforma Antifascista de Barcelona, ​​e o todo foi desmontado em 2005.

Também em 1951 Frédéric Marès foi encarregado pelo governador civil de executar uma obra sobre o Timbaler del Bruc, l original em pedra da qual foi instalado no ano seguinte na aldeia de El Bruc, e da qual foram feitas diferentes cópias de bronze, das quais instalaram-se na sede do Governo Civil (1953, deslocou-se em 1982 no quartel da Guarda Civil de Manresa), na Rua Corint (1956) e no Castelo de Montjuïc (1962).

Um dos acontecimentos mais importantes do primeiro período do regime de Franco na cidade foi a celebração do XXXV Congresso Eucarístico Internacional em 1952. Para a ocasião, foram realizadas várias apresentações, como a fonte ornamental no Passeig de Gràcia com a Gran Via , a obra de Josep Soteras, ou a reabilitação da Plaça Calvo Sotelo atual Plaça Francesc Macià, que incluiu a escultura Joventut, de Josep Manuel Benedicto. Mais tarde, em 1961, um Monumento a Pio XII foi colocado na praça com o nome do pontífice, que havia sido o centro nevrálgico do evento; obra de Julià Riu i Serra, consiste em um monólito de calcário representando uma batina branca e um mastro cônico de bronze, simbolizando um bastão papal.

Em 1955, o Monumento aos Heróis de Espinosa de los Monteros foi erguido na praça de mesmo nome, atualmente Plaça de Prat de la Riba, em homenagem aos catalães mortos nesta batalha, na forma de uma figura carregando uma bandeira e em posição firme, trabalho de Joan Puigdollers; em 1979 foi retirado, e seu lugar é hoje ocupado por um Monumento em Prat de la Riba, de Andreu Alfaro. Desta data surgem também as estátuas localizadas nos Jardins de Can Sentmenat, no Distrito de Sarrià-Sant Gervasi, herdade pertencente aos Marqueses de Sentmenat datada do século XVIII, que foi decorada com esculturas de simbolismo heráldico feitas por Joaquim de Sentmenat; o conjunto tornou-se propriedade pública em 1995.

Uma mudança de estilo ocorreu em 1957, quando uma obra intitulada Forma22, de Josep Maria Subirachs, foi instalada nas Casas Mundet do Passeig de la Vall d’Hebron, sendo a primeira obra abstrata localizada em um espaço. público da cidade, fato que abriria uma nova etapa de maior permissividade e abertura estética para as novas correntes artísticas na cidade, não sem certas críticas a seus inícios por parte dos setores mais conservadores. Naquele ano coincidiu com a chegada de Josep Maria de Porcioles à prefeitura, que permaneceu no cargo até 1973, com um mandato que se caracterizou por uma maior abertura e um grande impulso à atividade construtiva e urbanização da cidade, com elevado grau de real. especulação imobiliária., em uma fase conhecida como “porciolismo”.

Apesar dessa nova abertura, as primeiras conquistas do final da era de Franco seguiram as diretrizes ortodoxas do regime, como a estátua de La Mercè – padroeira da diocese de Barcelona – localizada na basílica de mesmo nome em 1959, a obra dos irmãos Miquel e Llucià Oslé que substituiu a imagem original de 1888 uma obra de Maximí Sala, destruída na Guerra Civil. Por outro lado, em 1963 foi colocada no Castelo de Montjuïc uma estátua equestre do General Franco, obra de Josep Viladomat autor, paradoxalmente, da figura da República em 1934; a estátua foi removida em 2008.

Também, em 1964, o Monumento a José Antonio Primo de Rivera, do arquiteto Jordi Estrany e do escultor Jordi Puiggalí, foi inaugurado na Carrer Infanta Carlota atualmente Avinguda Josep Tarradellas. Consistia em um monólito de mármore negro de 18 metros de altura, erguido sobre um lago, com base de concreto com relevos de cerâmica com cenas de personagens populares, além de um retrato do fundador da Falange e, acima, o símbolo falangista do jugo. e flechas. Os símbolos foram removidos em 1981 e o monumento finalmente demolido em 2009.

Para além destes monumentos, a época porciolista caracterizou-se por uma grande profusão de estatuária pública, embora em geral partindo de iniciativas particulares, procurando evitar quaisquer conotações políticas. Eram obras de outro cunho estilístico, sem qualquer planejamento geral, que iam surgindo de forma espontânea e com certo improviso. Segundo Alexandre Cirici, as obras desse período são uma mistura de “academicismo monástico” e “pseudopicassismo” que resultariam em um estilo híbrido e kitsch.

Nesta etapa foram inúmeras as atuações no conjunto Parques e Jardins, que viveram um período de esplendor sob a direção de Lluís Riudor e Joaquim Casamor. Em 1961 foi organizado um concurso de esculturas nas áreas verdes da cidade, em que foram adquiridas dez obras: Maternidade, de Jacinto Bustos Vasallo, na Praça do Congresso Eucarístico; outra Maternidade, de Camil Fàbregas, no Parc de Monterols atualmente reformada; El nen de la rutlla, de Joaquim Ros i Bofarull, no Parc del Guinardó; Descanso, de Claudi Tarragó, no Zoológico; O barco, de Gabriel Alabert, na Plaça de Vicenç Martorell; Adolescente, de Martí Llauradó, na Rambla del Poblenou;

23 de abril, Antonio Ramon González, nos Jardins de Moragas – atualmente retirado; Repòs, de Josep Viladomat, sobre original de Manolo Hugué, nos Jardins de Laribal; A aula, de Manuel Silvestre de Edeta, na Plaça Adrià; e La ben plantada, de Eloïsa Cerdan, no Parque Turó. Além disso, optou-se pela colocação de quatro esculturas abstratas, num claro compromisso com a inovação: Evocació marinera (1961), de Josep Maria Subirachs, no Passeig de Joan de Borbó; Engenharia Têxtil (1961), de Ángel Ferrant, na Plaza de Ferran Casablancas; Ritmo e projeção, de Marcel Martí, na Pla de Montbau; e Evocação de obra (1961), de Eudald Serra, na Plaça Carles Buïgas.

Em relação aos parques e jardins, o maior número de obras situou-se na serra de Montjuïc: em 1960, com a doação à cidade do Castelo de Montjuïc, instalou-se à sua volta o Mirador de l ‘. Prefeito, com uma fonte desenhada por Carles Buïgas e a escultura Homenagem a Barcelona, ​​de Josep Maria Subirachs. Em 1970, três novos jardins foram inaugurados: os de Mossèn Costa i Llobera, com as esculturas La puntaire, de Josep Viladomat, e L’au dels temporals, de Joaquim Ros i Bofarull; as de Mossèn Cinto Verdaguer, que incluem uma Maternidade, de Sebastià Badia, e La Jove dels lliris (Homenagem a Jacint Verdaguer), de Ramon Sabí; e os Jardins Joan Maragall, localizados ao redor do Palauet Albéniz, residência da Família Real Espanhola durante suas visitas a Barcelona,

incluindo Susanna no banheiro, de Théophile Barrau, Serena, de Pilar Francesch, Dona ajaguda, de Enric Monjo, e Nu a l’estany, de Antoni Casamor. Também nestas datas se encontra o Parque de Diversões Montjuïc, atual Jardim Joan Brossa, onde também foram colocadas várias estátuas: o Monumento à Sardana (1965), de Josep Cañas; A Carmen Amaya (1966), de Josep Cañas; A Joaquim Blume (1966), de Nicolau Ortiz; O Palhaço (Charlie Rivel) (1972), de Joaquim Ros i Sabaté; e Charlot (1972), de Núria Tortras. Outro grupo de esculturas instalado durante a década de 1960 no Zoológico de Barcelona: Genoveva de Brabant (1959), de Montserrat Junoy; In Childhood (1959), de Elisa Reverter; São Francisco de Assis (1960), de Pere Jou; Delfí (1966), de Miquel Saperas; e A Walt Disney (1969), de Núria Tortras.

Neste período também vale a pena notar duas ações relacionadas com a arquitetura: o esgrafito desenhado por Pablo Picasso para a fachada do Colégio de Arquitetos da Catalunha na Plaça Nova (1962), que possui três frisos: o dos Infantes, o dos Senyera e o da Alegria; e o friso feito por Josep Maria Subirachs para o edifício Novíssim da Câmara Municipal de Barcelona localizado na Plaça de Sant Miquel (1969), que inclui várias peças relacionadas com a história da cidade, como a Gal • la Placídia, concelho de Barcelona, Santa Eulália Padroeira de Barcelona e vários elementos que simbolizam as letras, as artes, as ciências, a filosofia, o comércio e a indústria.

Período de democracia
Com o advento da democracia, um novo período começou na estatuária pública da cidade. A mudança política significou a supressão daqueles monumentos que tinham uma clara ligação com o regime anterior, um processo gradual que culminou nos anos 2000 graças à Lei da Memória Histórica promovida pelo Governo Zapatero em 2007. Ao contrário, foram restaurados. muitos dos monumentos removidos pelas autoridades anteriores, como o da República, o do Doutor Robert, o de Francesc Layret ou as estátuas de Casanova e Pau Claris.

No campo estilístico, houve um claro compromisso com a arte contemporânea e a incorporação de obras de artistas renomados de todo o mundo, incluindo artistas locais de renome internacional que ainda não tiveram trabalho em Barcelona, ​​como Joan Miró e Antoni Tàpies. Note-se que nos primeiros anos de transição, até à vitória socialista nas eleições autárquicas de 1979, as representações na arte pública eram ainda geralmente de iniciativa privada e de grande diversidade em termos de estilos e qualidade das obras; os governos de Narcís Serra e Pasqual Maragall seriam os primeiros a se comprometerem diretamente com a arte na cidade como meio de prestígio e promoção da imagem pública no exterior.

Assim, os primeiros anos após a morte de Franco foram de certo ecletismo em termos de motivos e estilos nas novas obras incorporadas ao patrimônio público. Devemos citar obras como: Rombes bessons (1977), de Andreu Alfaro, localizado no Parc de Cervantes, que como o próprio nome indica são dois losangos formados por barras de alumínio; o Monumento ao Doutor Trueta (1978), de Josep Ricart, na Rambla del Poblenou / Pere IV, com a estátua de um moribundo nas mãos da Medicina e um relevo com a efígie do traumatologista; o cachorro abandonado (1978), de Artur Aldomà, no Zoológico de Barcelona; o friso da Estação de Sants (1979), de Josep Maria Subirachs atualmente no Museu Ferroviário da Catalunha em Vilanova i la Geltrú, composto por 22 módulos em forma de roda de trem que formam a palavra Barcelona;

Homenagem à Resistência Catalã (1980), também por Subirachs, no Parlamento da Catalunha, um relevo com uma dedicação à resistência anti-Franco; A Antonio Machín (1981), de Taller Subías Berlinghieri, na Plaça Vicenç Martorell, um monólito com medalhão da cantora cubana; e A Blas Infante (1982), de Josep Lluís Delgado, alParc de la Guineueta, composta por um friso com oito colunas truncadas representando as oito províncias da Andaluzia, ao qual foi acrescentado um busto do político andaluz em 1995, obra de Xavier Cuenca Iturat.

Entre 1979 e 1984, um verdadeiro museu de escultura foi instalado no átrio da Casa de la Ciutat, por iniciativa do vereador Lluís Reverter, que pretendia colocar várias obras de arte num espaço comum para o usufruto de todos os barceloneses. todos os cidadãos. São eles: Sant Jordi, de Josep Llimona (1916, neste local desde 1929); The Goddess, de Josep Clarà (1929) com uma cópia na Plaça de Catalunya; O espírito mediterrâneo, de Frederic Marès (1936); La Puixança, de Josep Clarà (1940); Tres gitanets, de Joan Rebull (1946); Rafael Casanova, de Rossend Nobas (1977, em original de 1888) uma réplica menor daquela localizada na Ronda Sant Pere / Ali Bey;

Matter and Form, de Josep Maria Subirachs (1980); e Femme, de Joan Miró (1981). Em 1989, foram acrescentados Sitting Woman, de Manolo Hugué (1931), e Uranus, de Pau Gargallo (1933); em 1995, Tors de dona, de Enric Casanovas (1929), e Maternitat, de Joan Rebull (1960) uma cópia encontra-se na Plaça de Navas; e, em 1996, Barcelona Olímpica, de Joan Mora. Em 2003, La Victòria (ouLa Croada), de Vicenç Navarro, pelo seu significado franquista.

Em 1982, foi instalado o Monumento a Pau Casals, localizado na Avinguda homônima, constituído por duas peças independentes: uma estátua do músico tocando violoncelo, obra de Josep Viladomat em 1939; e uma estela de bronze de sete metros de altura em forma de chama da qual emergem anjos musicais tocando trombetas e violinos, obra de Apel • les Fenosa de 1976. O conjunto, localizado em frente ao Parque Turó, foi projetado pelos arquitetos . Miquel Espinet, Antoni Ubach e Ramon Maria Puig Andreu.

No ano seguinte, três importantes monumentos foram inaugurados: Homenagem a Picasso, de Antoni Tàpies, localizado no Passeig de Picasso em frente ao Parc de la Ciutadella, uma obra abstrata composta por um cubo de vidro com móveis antigos atravessados ​​por uma lança em seu interior, e situado em um pequeno lago; Mulher e pássaro, de Joan Miró, no parque do mesmo nome, um monólito de concreto revestido de cerâmica com 20 metros de altura, que combina o simbolismo fálico com a sexualidade feminina, enquanto o pássaro significa comunhão com o céu, espiritualidade; e Homenagem ao Mediterrâneo, de Xavier Corberó, na Plaça de Sóller, um conjunto de 41 peças de mármore localizadas numa lagoa que simbolizam o sol, a lua, algumas nuvens e um barco.

No mesmo ano foram feitas: Para Àngel Guimerà, uma réplica de Josep Maria Codina i Corona de um original de Josep Cardona i Furró, na Plaça de Sant Josep Oriol; Terra i Foc, de Joan Gardy Artigas, na Avinguda Diagonal; A Nicolau Maria Rubió i Tudurí, de Xavier Corberó, na Plaça de Gaudí; e Boston Lobster, uma cópia de Lluís Ventós de uma obra de Shem Drowne de 1742, na Praça de Boston, presente da cidade americana ao ato de irmandade das duas cidades.

O ano de 1984 também foi prolífico, do qual se destacam: La Colometa, de Xavier Medina-Campeny, na Plaça del Diamant, uma homenagem ao romance de Mercè Rodoreda; Em Goya, na Avinguda de Roma, de José Gonzalvo, um conjunto de ferro com a figura do pintor aragonês e o do tiro de braços erguidos que aparece no seu quadro Os Três de Maio; Poema visual transitável em três etapas: Nascimento, caminho com pausas e entonações e destruição, de Joan Brossa, nos Jardins de María Cañardo junto ao Velódromo da Horta-, formado por uma letra A maiúscula de pedra, de 16 metros de altura, e outro a terra feito entulho, com outros sinais da escrita ;; A parede, de Richard Serra, na Plaça de la Palmera de Sant Martí, formada por duas peças de concreto branco formando arcos circunferenciais; e Piràmide, de Daniel Navas,

Em 1985, o Parc de l’Espanya Industrial foi construído no distrito de Sants-Montjuïc, com um projeto arquitetônico de Luis Peña Ganchegui que incluía várias esculturas de diferentes estilos: Neptú, de Manuel Fuxà (1881); Os bois da abundância, de Antoni Alsina (1926); Modern Venus, de Peresejo (1929); Tors de dona, de Enric Casanovas (1947); Landa V, de Pablo Palazuelo (1985); Alto Rhapsody, de Anthony Caro (1985); e O Dragão, de Andrés Nagel (1987). Nesse ano também foi construída a Praça Salvador Allende, no bairro El Carmelo, com projeto de Jordi Farrando, onde foram colocadas a escultura Onze Poliedros, de Marcel Martí, e uma placa em homenagem. a Salvador Allende com um busto do presidente chileno, obra de Lautaro Díaz.

Durante esses anos, vários memoriais foram criados para homenagear as vítimas da guerra e da ditadura: em 1985 foi adaptado o Fossar de la Pedrera, uma antiga pedreira localizada na montanha de Montjuïc onde numerosos retaliadores do regime de Franco foram enterrados em valas comuns ., e onde estava localizado um memorial projetado por Beth Galí, Màrius Quintana e Pere Casajoana, que inclui um conjunto de colunas com os nomes das vítimas, um amplo jardim com lápides singulares, o mausoléu de Lluís Companys e a escultura Pietat. Homenagem aos imolados pela liberdade na Catalunha, de Ferran Ventura Uma cópia desta obra está localizada nos jardins da biblioteca do Parlamento da Catalunha;

Ao povo de Barcelona que morreu nos campos de extermínio nazistas (1987), de André Fauteux, um anel de ferro do qual está pendurada uma pedra, localizado no Parc de la Ciutadella; David e Goliath (1988), de Roy Shifrin, uma homenagem às Brigadas Internacionais localizadas na Rambla del Carmel, consistindo em uma coluna com um capacete aos pés, simbolizando Golias derrotado, e coroada por um torso de ‘atleta representando o vitorioso David ; e o Fossar de les Moreres (1989), na praça do mesmo nome, com projeto geral de Carme Fiol e peveter de Albert e David Viaplana, em memória dos que caíram em defesa da cidade em 1714.

Entretanto, continuou a colocação de vários monumentos promovidos pela Câmara Municipal: em 1986 foi colocada na Plaza del Rey uma obra de Eduardo Chillida, Topos V, em formas abstratas; no mesmo ano foi instalada na Via Júlia a escultura Als nous catalans, de Sergi Aguilar, dedicada aos imigrantes; de igual data, o ciclista, do Castelo Jorge José, na Praça de Santos; Ofélia Afogada, de Francisco López Hernández, nos Jardins da Vila Cecília; e Rites of Spring, de Bryan Hunt, em Clot Park.

O Parque Creueta del Coll foi inaugurado em 1987, com um projeto de Martorell-Bohigas-Mackay, onde foram localizadas as obras Totem, de Ellsworth Kelly, um monólito de quase 10 metros de altura; e Elogio da Água, de Eduardo Chillida, um bloco de concreto de 54 toneladas de peso suspenso sobre um lago com quatro cabos de aço que pendem da montanha, e que se reflete na água como o mito de Narciso, segundo o propósito do autor . Da mesma forma, no ano seguinte foi criada a Estação Park North, onde colocou a obra Skyfall from Beverly Pepper, um conjunto próximo à arte da natureza que mais parece uma onda gigante saindo da vegetação do parque, feita de cerâmica azul de vários tons com a técnica de Gaudí de trencadís. Em 1989 foi inaugurada a escultórica Mitjana na Avinguda Rio de Janeiro, um conjunto de onze elementos com 306 m de comprimento, a escultura mais longa de Barcelona, ​​obra de Agustí Roqué que ganhou o prêmio FAD. desse ano.

Outras obras desses anos são: Sant Jordi (1987), de Joan Rebull, na Rambla de Catalunya com Diagonal; Gambrinus (1987), de Javier Mariscal, no Paseo de Colom; Limite interno (1987), de Sergi Aguilar, nos Jardins da Maternidade; Escullera (1988), de Jaume Plensa, na Via Júlia; Centenário da Exposição Universal de 1888 (1988), de Antoni Clavé, no Parc de la Ciutadella; A Margarida Xirgu (1988), de Eudald Serra, na Plaça Canonge Colom; Gat (1990), de Fernando Botero, na Rambla del Raval; Em Ferrer i Guàrdia (original de 1911, colocado em 1990), por Auguste Puttemans, na Avinguda de l’Estadi (Montjuïc); Em Rovira i Trias (1990), na praça do mesmo nome, de Joaquim Camps; Núvol i cadira (1990), de Antoni Tàpies, na fundação que leva seu nome; Para Lluís Millet (1991), de Josep Salvadó Jassans, no Palau de la Música Catalana; The Underground Submarine (1991), de Josep Maria Riera i Aragó, no Parc de les Aigües; e Monument (1991), de Leandre Cristòfol, na Praça George Orwell.

Um projeto inovador teve lugar em 1990, quando o Jardí d’Escultures foi instalado em Montjuïc, junto à Fundació Miró, com um projeto geral de Jaume Freixa e Jordi Farrando. Situa-se no espaço anteriormente conhecido como Plaça del Sol, onde desde 1909 estava localizada a escultura Manelic de Josep Montserrat, dedicada ao personagem popular na obra Terra baixa de Àngel Guimerà. Neste espaço foi colocado um conjunto de oito esculturas: Agulha, de Tom Carr; Transparente, a paisagem, de Pep Duran; Ctonos, deGabriel Sáenz Romero; Teulada, de Perejaume; Grande avião a hélice azul, de Josep Maria Riera i Aragó; Dell’Arte, de Jaume Plensa; Gran fus, de Enric Pladevall; e Vol 169, por Emma Verlinden; esta última foi retirada em 2002 devido à sua deterioração irreversível, e nesta data foram acrescentadas mais três esculturas: Gênesis, por Ernest Altès; A aula de música, de Cado Manrique; e DT, de Sergi Aguilar.

Em 1991, o Monumento Francesc Macià foi erguido na Plaça de Catalunya, obra de Josep Maria Subirachs, feito de travertino, concreto, ferro e bronze. O artista concebeu a obra como uma evocação dos vários símbolos de identidade da Catalunha: o pedestal, feito de travertino com uma sucessão de blocos de pedra quebrados, representa a história da Catalunha; a parte superior, executada em betão, tem a forma de uma escada invertida, cujos três primeiros degraus, encaixados no pedestal, representam os três anos de governo de Macià perante a Generalitat, enquanto os restantes, que terminam de forma abrupta e inacabadas, simbolizam o futuro do país, que foi sendo construído dia a dia, passo a passo. Em frente ao corpo do monumento está um monólito separado com o busto do Presidente Macià, feito de bronze,

Olimpíadas de 1992
Os XXV Jogos Olímpicos foram realizados de 25 de julho a 9 de agosto de 1992. Para o evento a cidade empreendeu um intenso programa de reformas e melhorias urbanas, que se concentrou principalmente na montanha de Montjuïc, onde o Estádio Olímpico foi reformado e o Palau Sant Jordi foi construída, mas também nas vilas olímpicas de Poblenou e Vall d’Hebron, bem como em várias outras áreas da cidade: foram realizadas obras importantes como a construção dos anéis viários da cidade, a recuperação das praias e todo o frente ao mar (zona Maremagnum), a instalação da nova torre de telecomunicações em Collserola e a renovação e ampliação do aeroporto de Barcelona. Também foi promovida a campanha Barcelona Get beautiful, para a remodelação das fachadas e divisórias dos edifícios da cidade, tendo sido projectados novos parques e jardins,

Em Montjuïc, as apresentações centraram-se nas instalações desportivas, mas a urbanização da zona do Estádio Olímpico deixou elementos artísticos como a instalação intitulada Change (Utsurohi), de Aiko Miyawaki, um conjunto de 36 colunas de pedra. artificial com cabos de aço inoxidável que formam uma floresta que brilha ao entardecer; ou o Torso Olímpico, de Rosa Serra, um torso estilizado de atleta feito de bronze. A escultura Tors de l’Estiu, de Aristide Maillol, também foi colocada em frente ao Palau Nacional a sede do MNAC., Uma obra original de 1911 doada pelos empregadores da Associação Olímpica de Barcelona 1992 como uma comemoração dos Jogos, com o efeito reparador do facto de a cidade de Barcelona não ter nenhuma obra deste artista roussillon,

Uma das principais áreas de ação foi a Vila Olímpica de Poblenou, onde após os Jogos surgiram vários parques adornados com várias obras e monumentos: no Parc de les Cascades foram instaladas as esculturas de Davi e Golias, de Antoni Llena. e O Poder da Palavra, de Auke de Vries, ambos de estilo abstrato e grandes dimensões; no Parque de Carlos I foi colocado O Asno (A Santiago Roldán), de Eduardo Úrculo, uma obra de bronze de 6,5 metros de altura em forma de pernas e nádegas; no Parque do Porto Olímpico as obras Marc, de Robert Llimós, a Comemoração da inauguração da Vila Olímpica e um lago com a escultura de Cobi, a mascote dos Jogos Olímpicos, desenhada por Javier Mariscal; e no Parc de la Nova Icària fica a Plaça dels Campions,

Diversas obras isoladas também foram localizadas em diferentes pontos da Vila Olímpica, como: Fish, de Frank Gehry; Aquarium-Pisces-Taurus, de Antoni Roselló; Coluna Olímpica, de Andreu Alfaro; O plano da saudade, de Luis Ulloa; Cylinder, de Tom Carr; e Raspall del vent, de Francesc Fornells-Pla.

Várias esculturas também foram colocadas no Vall d’Hebron, sede da cidade da imprensa olímpica: Forma e espaço, de Eudald Serra, uma figura abstrata de ferro de seis metros de altura; Dime, dime, querida, de Susana Solano, igualmente abstrata, composta por quatro chapas de aço de quase dois metros de altura; e Mistos, de Claes Oldenburg, com 6 metros de altura, que parece uma caixa de fósforos disposta em várias posições, algumas no chão como se já tivessem sido utilizadas.

Outras remodelações também foram realizadas em outras áreas da cidade, como a Plaça de les Glòries Catalanes, uma das principais vias da cidade, onde foram colocadas doze grandes lajes de mármore dedicadas a vários aspectos marcantes da história da Catalunha., Em referência ao catalão. Glórias que dão nome à praça; bem como um Monumento ao Metro, de François Scali e Alain Domingo, uma peça de aço que reproduz o perfil topográfico do meridiano que liga Barcelona a Dunquerque, que serviu para estabelecer a medição do sistema métrico – em 2014 foi deslocado para a Avenida Meridiana, entre a Independência e o Conselho dos Cem.

Paralelamente aos Jogos Olímpicos, foi organizada uma Olimpíada Cultural, que promoveu a instalação de várias obras todas localizadas no litoral, sob o nome comum de Configurações Urbanas e comissariada por Gloria Moure. Saíram assim: Rosa dels Vents, de Lothar Baumgarten, na Plaça Pau Vila; The Wounded Star, de Rebecca Horn, no Paseo Marítimo de Barceloneta; Roman Balance, de Jannis Kounellis, na rua Andrea Dòria; Crescendo appare, de Mario Merz, no Moll de la Barceloneta; Uma sala onde sempre chove, de Juan Muñoz, na Plaça del Mar; Nasceu, de Jaume Plensa, no Passeig del Born; Quatro cunhas, de Ulrich Rückriem, no Plano do Palácio; e Deuce Coop, de James Turrell, na Commerce Street.

Em relação aos Jogos, vale a pena mencionar por último a instalação em diferentes partes da cidade de uma série de fontes comemorativas dos Jogos Olímpicos, feitas pelo escultor Juan Bordes em colaboração com os arquitetos Òscar Tusquets e Carlos Díaz. Oito foram confeccionados, todos com um pedestal de pedra artificial e uma figura de bronze de um menino brincando com água: Ball, na Avinguda del Paral • lel; Lançamento, no Mirador del Palau Nacional; Mergulho, na Avenida do Chile; Chip-xap, na Plaza Alfonso Comín; Cabriola, na rua Isadora Duncan; Voga, na Avinguda Litoral; Mergulho, na Escullera del Poblenou; e Tempteig, na Plaça de les Glòries Catalanes.

Durante 1992, várias esculturas e monumentos foram também colocados à parte dos eventos olímpicos: Barcelona’s Head, de Roy Lichtenstein, no Moll de Bosch e Alsina, uma obra de quase vinte metros de altura em concreto revestido de cerâmica., Representando a cabeça de uma mulher com o cabelo ao vento, feito com uma trama que lembra a impressão de uma história em quadrinhos; no mesmo cais estão os monumentos A Joan Salvat Papasseit e A Ròmul Bosch i Alsina, ambos de Robert Krier. Las pajaritas, uma reprodução da obra de Ramón Acín, foi instalado na Carrer Aragó amb Meridianalocalizado no Parque Miguel Servet em Huesca, originalmente de 1923, que representa estas figuras populares do origami. Na Rambla Prim com Guipúzcoa estava localizada a longa jornada, de Francesc Torres Monsó, um monólito fragmentado que representa a relação do ser humano com o cosmos,

Na Placeta del Comerç foi localizado o Arco 44,5 °, de Bernar Venet, uma obra minimalista em forma de arco de aço patinável de 14 metros de altura. Por fim, na Rambla Prim com Garcia Fària, foi prestada uma homenagem aos fuzilados no Camp de la Bota, intitulada Fraternitat, de Miquel Navarro, em forma de monólito de 28 metros de altura que lembra cruzes antigas.

Nos anos seguintes, a colocação de obras de arte em espaços públicos continuou a bom ritmo: Dona banyantse, de Rafael Bartolozzi, e Cavalls desbocats, de Joaquim Ros i Sabaté, no Parc de la Trinitat (1993); Bàrcino (1994), de Joan Brossa, na Plaça Nova, uma instalação com as letras que formam o nome de Barcelona Romana; Homenagem ao livro (1994), de Joan Brossa, na Gran Via com Passeig de Gràcia, uma placa de aço pintada em forma de livro aberto sobre um hemisfério em forma de gafanhoto;

Me, America (1995, original 1977), de Alberto Cavazos, na Rua Potosí, um torso feminino estilizado quase abstrato, uma cópia de um original localizado em Monterrey (México), entregue em Barcelona no ato de irmandade das duas cidades; Mistral (1996), de Lawrence Weiner, sobre a Avinguda Mistral, constituída por três paralelepípedos de concreto com versos do poeta provençal Frédéric Mistral; Iron Circus (1996), de Rolf Knie e Miquel Sarasate, na rua Constança, onde várias figuras e elementos relacionados com o circo se situam no interior de um ringue de sete metros de diâmetro; Personagem (1997, original 1970), de Joan Miró, na fundação do mesmo nome, uma figura antropomórfica de bronze;

Homenagem à Mútua Escolar Blanquerna (1998), de Núria Tortras, na Plaça Blanquerna, composta por três argolas e duas figuras infantis; Barcelona 1998 (1998), de Eduardo Chillida, na Plaça dels Àngels em frente ao MACBA-, um mural de seis metros de altura e quinze de comprimento que apresenta uma figura abstrata semelhante às de suas esculturas, delineada em preto no branco; The Wave (1998), de Jorge Oteiza, no mesmo local da anterior, uma placa de alumínio de formas abstratas; e The Order of Today (1999), de Ian Hamilton Finlay, em Carmel Park, uma citação do revolucionário francês Saint-Just escrita em quatorze blocos de pedra no chão, simulando lápides de uma necrópole.

Muitas dessas obras foram dedicadas a vários personagens: Als Santpere (1995), de Juan Bordes, na Rambla de Santa Mònica, uma fonte no formato do Teatro Epidauro, com um friso com cenas da vida artística. de Josep e Mary Santpere; A Simón Bolívar (1996), de Julio Maragall, no Parc de la Barceloneta, uma efígie do libertador venezuelano; A Francesc Cambó (1997), de Víctor Ochoa, na Via Laietana, busto dedicado ao político catalão;

Em Lluís Companys (1998), no Passeig de Sant Joan, deFrancisco López Hernández, que com o busto do presidente inclui uma estátua de Conxita Julià, uma admiradora sua que lhe enviou cartas quando ele estava preso; Para Josep Tarradellas (1998), na Avinguda homònima, de Xavier Corberó, uma coluna de 23 metros de altura com blocos de mármore e basalto intercalados, simulando a bandeira catalã; Em General Moragues (1999), de Francesc Abad, na Plaça Pau Vila, seis blocos de mármore com versos gravados de Paul Celan e Àngel Guimerà;

Em Prat de la Riba (1999), na praça do mesmo nome, de Andreu Alfaro, uma coluna de 10 metros de altura da qual emergem oito tubos de aço que formam uma Vitória alada em versão abstrata; e A Antoni Gaudí (1999), de Joaquim Camps, no Passeig de Manuel Girona, efígie do arquitecto situada no Portal Miralles, uma das suas obras. Por outro lado, entre 1998 e 2001 foi instalado na praça com o mesmo nome o Monumento a Anna Frank, projetado por Ignasi Sanfeliu, Sara Pons e alunos da Escola Massana. É composto por um monólito com um fragmento do diário desta jovem escritora vítima do nazismo, uma calçada com o seu nome e datas vitais, um mural de cerâmica dedicado às crianças vítimas da guerra e uma escultura com a imagem da menina deitada com um livro nas mãos dela.

Por último, devemos citar algumas fontes instaladas nos últimos anos do século, como a Fonte Mágica Manuel de Falla (1994), de Pedro Barragán, no Parque Josep Maria Serra Martí, formado por uma lagoa que abriga uma plataforma metálica . De onde a água cai em uma cascata, e duas grandes rochas próximas a nascentes de água; o da Plaça Islàndia (1995), de Andreu Arriola e Carme Fiol, uma lagoa com cinco cachoeiras e um gêiser de 18 metros de altura; a Fonte Cibernética de Can Fabra (1995), de Ramon Llopart, uma fonte musical interativa; e a Fonte Harry Walker (1999), de Marius Quintana, com uma pérgula de dez metros de altura da qual a água cai em um lago triangular.

século 21
A virada do século não trouxe uma mudança substancial para o futuro da cidade, que continuou a apostar na inovação e no design como projetos de futuro, a par da utilização das novas tecnologias e do compromisso com a sustentabilidade ambiental. No domínio artístico, continuou um certo ecletismo derivado das tendências pós-modernas iniciadas nos anos 1980, que envolvem uma releitura de estilos anteriores que dá ao artista liberdade para usar qualquer técnica ou estilo e transformá-los pessoalmente. Um dos acontecimentos mais importantes do novo milênio foi a celebração do Fórum Universal das Culturas em 2004, que permitiu novas transformações urbanísticas na cidade: toda a área de Besòs foi recuperada., Até então povoada de antigas fábricas desativadas, regenerando toda a Distrito de Poblenou e construção do novo distrito Diagonal Mar,

As primeiras obras elaboradas no novo milênio foram planejadas com certa continuidade em relação às realizações anteriores. As homenagens continuaram a figuras de destaque na esfera social e cultural do país, como o Conjunto Homenatge a Joan Brossa (2000), em Carrer Bon Pastor, de Jaume Barrera, Carme de la Calzada e Joan Ardévol com vários trabalhos más, compostos por um pavimento com placas dedicadas ao poeta e a chamada Escultura da Luz, conjunto de holofotes com luzes coloridas que iluminam a fachada do prédio do Colégio dos Topógrafos; A Gandhi (2000, original 1967), nos jardins do mesmo nome, de Adolfo Pérez Esquivel, figura de corpo inteiro em bronze do político indiano; Em Ramon Calsina (2001), na praça do mesmo nome, de Jaume Cases, com busto do pintor; Diálogo. Em Ernest Lluch (2001), de Ricard Vaccaro, na Avinguda Diagonal (Faculdade de Economia), um conjunto de onze chamas de metacrilato sobre um pedestal de madeira; Poema da Catalunha.

Em JV Foix (2002), de Màrius Quintana, na Via Augusta, com um caligrama do mesmo poeta que forma a palavra Mediterrâneo; AManuel Carrasco i Formiguera (2003), de Josep Admetlla, na Plaça Adrià, um cubo do tamanho de uma pessoa com várias perfurações; e solidão na conversa. Homenagem a Enric Granados (2003), de Javier Peñafiel, em Carrer Enric Granados com Diputació e Consell de Cent, projetor de luz em movimento.

Do mesmo modo, foram prestadas diversas homenagens coletivas, como o Memorial à AIDS (2003), de Patrizia Falcone com a colaboração de Lluís Abad, no Jardim de Aclimatação de Barcelona, ​​uma iniciativa da ONG Projeto de Nomes que teve como objetivo sensibilizar sobre a doença da AIDS, com canteiro de lajes alongadas sobre as quais se ergue uma oliveira, símbolo da paz, e um poema de Miquel Martí i Pol; Lace. Às vítimas dos atentados de 1938 (2003), de Margarita Andreu, na Gran Via de les Corts Catalanes, formada por oito barras de aço de dez metros de altura; e progressão de corte irregular. To the Victims of Terrorism (2003), de Sol LeWitt, na Avenida Meridian, composta por vários blocos de granito preto que se sobrepõem até doze metros de altura.

Outras obras dos primeiros anos do século são: Twin Trees (2001), de Arata Isozaki, na CaixaForum em Montjuïc antiga Fábrica Casaramona, obra de Josep Puig i Cadafalch, uma lâmina de vidro sobre duas bases de aço em forma de ‘ árvores; La parella (2002), de Lautaro Díaz, no Moll de Bosch i Alsina, um casal estilizado apaixonado pelo mar; Alegoria nos Países Catalães (2002), de Salvador Alibau i Arias, na Carrer Carme, formada por quatro tiras de aço de cinco metros de altura que se desdobram em leque no topo; Waves (2003), de Andreu Alfaro, no Moll de Barcelona, ​​formada por sete grandes anéis de aço dos 42 metros mais altos que representam as ondas do mar; e La família (2003), de Xavier Corberó, em Ciutat de Granada / Sancho de Ávila, figuras ligeiramente antropomórficas feitas de basalto.

Com a celebração do Fórum das Culturas em 2004, foram criados novos espaços de lazer público: foram montados no recinto do Fórum uma grande esplanada e vários auditórios para concertos e eventos ao ar livre, a par dos elementos mais característicos do evento, o painel fotovoltaico e Edifício do Fórum. Neste último foram colocadas duas instalações: os postais de Barcelona dos postais, de Eugènia Balcells, um conjunto de nove painéis aos quais tinham sido afixados um total de 6.318 postais retirados em 2010 quando o edifício albergava o Museu de Ciências Naturais de Barcelona -; e uma videoinstalação intitulada Sixth Wall, de Tony Oursler, visível apenas à noite, que reproduz imagens selecionadas pelo autor tanto no Edifício do Forum como no arranha-céu adjacente e na esplanada entre os dois.

Por outro lado, no Centro de Convenções anexo ao Edifício Forum, foi instalado o Passatge courenc, de Cristina Iglesias, composto por 16 painéis de arame trançado que ocupam uma extensão de 150 metros de comprimento por 30 metros. amplo. Na esplanada contígua posteriormente chamada Plaça d’Ernest Lluch, foi instalado o Relógio Analemático, obra de Ramon Farré-Escofet e Joan Claudi Minguell, um relógio de sol localizado no terreno que requer a participação do espectador para marcar o tempo; Feno Aquí tomate, de Eulàlia Valldosera, composto por sete lentes de longo alcance que costumam ser colocadas em miradouros em zonas turísticas e que funcionam com moedas, pintadas de vermelho, e que mostram um vídeo da paisagem que existia antes do Fórum.

O Parque Diagonal Mar foi criado junto à zona do Fórum, obra dos arquitectos Enric Miralles e Benedetta Tagliabue, onde se destacam várias estruturas metálicas que lembram filigranas tubulares de formas caprichosas que, como peças escultóricas, marcam toda a zona. e que em certos pontos seguram grandes potes de cerâmica feitos de cerâmica colorida de Antoni Cumella e Vendrell.

Outras obras realizadas no ano do Fórum são: Homenagem à natação, de Alfredo Lanz, na Plaça del Mar, uma obra de aço com quase 10 metros de altura que representa vários desportos ligados à água; A, de Emili Armengol, na Carrer Major de Can Caralleu, três pilares de ferro que formam uma pirâmide, que também pode ser vista como a letra A; Panta rei, de Tom Carr, na Avinguda JV Foix, uma espécie de palheta formada por triângulos de aço prateado; e Món, de Antoni Llena, em Villarroel / Buenos Aires, composta por três pedras e três espelhos triangulares dentro de um retângulo de oito metros de altura por dez de comprimento.

Posteriormente, o patrimônio artístico da cidade foi ampliado com obras de diversos gêneros: Adam (2005, original 1968), de Jacinto Bustos Vasallo, no Parque Cervantes, uma figura masculina nua reclinada representando o primeiro homem; Folha Azul (2005), de Àngels Freixanet, nos Jardins do Palau Robert, livro-escultura em ferro; Arte poética e poema visual (2007), de Joan Manuel Clavillé, situado numa divisória da Carrer València, a partir de dois poemas de Josep Maria Junoy e Joan Brossa; e Boogie-Woogie (2008), de Antoni Roselló, na Gran Via de Carles III, estrutura de ferro colorido de 15 metros de altura.

Em 2008 foi inaugurado o Parc del Poble Nou Centre no bairro de Sant Marti, projetado pelo arquiteto francês Jean Nouvel. Está dividido em vários espaços temáticos, criados para evocar diferentes sensações, onde predomina o design e um conceito vanguardista da disposição dos espaços verdes: assim é o Poço do Mundo, uma cratera formada por várias espirais de terra e buganvílias, uma obra perto da arte da natureza; inicialmente precisava ter uma tela com projeção de imagens e uma conexão via Internet com a cidade equatoriana de Guayaquil – geminada com a capital catalã – mas o projeto foi distorcido. Junto à cratera encontra-se um campo de pimentas falsas com uma série de estruturas metálicas que representam uma integração perfeita da escultura no ambiente natural, intitulado Os ninhos e poços do céu.

Em 2009 foi concluída a remodelação da Plaça de Lesseps, com um projecto do arquitecto Albert Viaplana, que incluiu a instalação El Canal de Suez, monumento ao engenheiro francês a quem a praça é dedicada, construtor do grande canal que liga o Mediterrâneo Mar com o Mar Vermelho. Assim, uma calha metálica elevada atravessa toda a praça, com um fluxo de água que leva a um salto sobre um lago localizado em frente à Biblioteca Jaume Fuster; este canal é complementado por duas pontes que abrigam vários plantadores, bem como duas plataformas inclinadas em ambas as extremidades da praça, reminiscências da proa e popa de um navio, enquanto torres de iluminação e uma alta estrutura metálica em forma de paralelepípedo e reminiscência de um o pálio, localizado no meio da praça, simularia a cabine e os mastros deste navio.

Entre as últimas obras colocadas na cidade estão: As quatro barras da bandeira catalã (2009), de Ricard Bofill, formadas por quatro colunas ortoédricas de 6 metros de altura, com torção helicoidal para dar movimento; Cavalo de Tróia (2009), de María Helguera no Auditório de Barcelona, ​​um cavalo de madeira de 4 metros inspirado na Ilíada de Homero; Em Brossa (2009), de Perejaume, na Plaça de la Prosperitat, um espaço formado por piso e parede com desenhos de resina branca que formam as seis letras do sobrenome do poeta Joan Brossa; Miraestels (2010), de Robert Llimós, na Rambla de Mar, duas esculturas flutuantes localizadas no porto em frente ao Maremagnum; Gays, lésbicas e transexuais (2011), no Parc de la Ciutadella, uma placa triangular em memória da repressão a que este grupo foi sujeito ao longo da história;

A Joan Llongueres (2011) e A Richard Wagner (2012), nas praças que levam seus respectivos nomes, ambas obras de Ricard Vaccaro, compostas primeiro por doze pratos com títulos de canções do músico Llongueras, e no segundo por 17 lajes com nomes de personagens das óperas de Wagner, bem como uma escultura formada por cinco placas de aço coroadas por pedaços de metacrilato; Als castellers (2012), de Antoni Llena, na Plaça de Sant Miquel, uma obra de aço abstrata de 27 metros de altura em homenagem aos castelos humanos do folclore catalão; Olympic Archer (2012), de Rosa Serra, na Avinguda de l’Estadi em frente ao Museu Olímpico, figura estilizada do arqueiro apontando para o peveter do Estádio Olímpico, em comemoração aos 20 anos dos Jogos Olímpicos;

A Isaac Albéniz e Alícia de Larrocha (2012), de Alfons Alzamora, em Carrer Lepant em frente ao Auditório Nacional, obra que representa um piano de forma abstracta; BRUUM-RUUM (2013), de David Torrents Janer, no Hub Design Centre na Plaça de les Glòries Catalanes, uma instalação formada por leds e onda sonora que funciona com um programa de computador fixo ou com outro que permite que as luzes variem em função da intensidade do ruído ambiental; General Moragues (2013), de Rosa Martínez Brau, em Pla de Palau, busto do general austríaco; O mundo nasce em cada beijo (2014), de Joan Fontcuberta, na Praça Isidre Nonell, uma fotomosaica de um beijo; Sulco. Em Salvador Espriu (2014), de Frederic Amat, nos Jardins de Salvador Espriu, obra escavada no solo com sulco de 17 metros de comprimento em forma de obelisco,

Em Václav Havel (2014), de Borek Sípek, no Citadel Park, uma instalação formada por uma mesa em volta de uma árvore e dois bancos, em memória do presidente tcheco; o Monumento às ilusões perdidas (MALIP) (2015), de Antoni Batllori, na Av. Diagonal / Bolívia, um monólito de 5 m de altura em forma de ramo de bonsai, erguido como uma espécie de “anti-monumento” de intenções satíricas; e o Monumento a Salvador Puig Antich (2016), de Gerard Cuartero e Nicolás Aparicio, na praça que leva o nome do homenageado, formada por uma estrutura em forma de varanda de aço, concreto e panots «flor de Barcelona»; Carmela (2016), de Jaume Plensa, cabeça de menina de 4,5 m de altura localizada em frente ao Palau de la Música Catalana, que a artista cedeu à cidade por oito anos extensíveis; and Guardians (2018), de Xavier Mascaró, na Calle Sancho de Ávila,

No dia 4 de março de 2019, foi inaugurado um memorial em memória das vítimas do atentado de 17 de agosto de 2017 em Barcelona, ​​localizado no local, na Rambla, próximo à calçada de Miró. É uma inscrição de 12 metros colocada na calçada, onde se lê a frase “Que a paz te carregue, cidade da paz”, escrita em árabe, catalão, espanhol e inglês, junto com o desenho de Barcelona de Frederic Amat e a data exata e horário do ataque: 17-08-2017, 16h50. No mesmo ano mudou-se em frente à igreja de Santa Ana Escultura Jesus Homeless (Jesus sem-teto) do escultor canadense Timothy Schmalz, réplica de um original feito em 2013 e localizado em Toronto (Canadá). Representa Jesus de Nazaré, envolto numa manta e descalço, encostado a um banco, como denúncia da situação dos sem-abrigo.

Tags: