Olaria, cerâmica e argila em Vallauris, Alpes-Maritimes, França

Vallauris é uma comuna francesa localizada no departamento de Alpes-Maritimes, na região de Provence-Alpes-Côte d’Azur. A olaria culinária industrial sempre foi, ao longo dos séculos, junto com o trabalho da terra, a principal atividade da cidade. Mas no início do século xx, tornou-se a olaria e cerâmica artística, com a família Massier. A bienal internacional continua a fazer da cidade “a” cidade francesa da cerâmica.

A expansão do povoado de Golfe-Juan está relacionada com o desenvolvimento do turismo, e especialmente com a chegada da ferrovia na segunda metade do século xix. Personalidades ilustres têm vilas construídas na encosta. Após a Segunda Guerra Mundial, Vallauris viveu um período muito próspero quando se instalaram artistas renomados, atraídos pela reputação da cidade, entre eles Pablo Picasso. Ele doou para a cidade do Homem com as ovelhas em 1950, e, em 1955, do afresco Guerra e Paz instalado em uma sala do castelo que se tornou museu nacional.

O declínio da cerâmica se acelerou nos últimos anos, com oficinas passando de cerca de 250 na década de 1960 para poucas unidades hoje. As lojas dedicadas à cerâmica acompanharam o ritmo e desapareceram ou foram substituídas por atividades (bancos, imobiliárias) que costumam assinalar o desaparecimento do comércio urbano.

Cerâmica Vallauris
Diz a lenda que em Vallauris a origem da cerâmica remonta ao início dos tempos. Se mantivermos vestígios da antiguidade, foi no início do século XVI, quando a cidade foi repovoada por famílias italianas, que nasceu uma importante atividade cerâmica até se tornar a principal atividade da cidade no século XVII.

A cerâmica trabalha então no modo de pequenos artesanatos familiares. Só no final do século XIX e no início do século XX é que se desenvolveram grandes fábricas e surgiu uma verdadeira organização industrial e comercial. Assim, empresas como “the Reunited Manufacturers” e “the Gaunet Frères Company” surgiram em 1875 e 1890, a fim de lutar contra a dispersão das vendas e a disparidade de preços. Desde muito cedo, as cerâmicas tradicionais conhecidas como “terraille” eram exportadas em dorso de mula, onde o pinhão é a produção mais comum.

O final do século XIX corresponde ao desenvolvimento das cerâmicas culinárias que são exportadas do Golfe-Juan por via terrestre e marítima. Vallauris é especializada em utensílios de cozinha (panela redonda, com cauda, ​​baixa; panela redonda, etc.) revestida simplesmente com um verniz incolor.

Por volta de meados do século XVIII, uma tira marrom, laranja ou branca cobre parcialmente as peças. Ao mesmo tempo, surge a chamada decoração “salpicada”, composta por jorros de engobes de diferentes tonalidades.

Por volta de 1920, a Société Générale oferecia três tipos de acabamento: cerâmica “comum” (exterior em terra crua e interior esmaltado vermelho ou amarelo claro), cerâmica “envernizada” (exterior esmaltado amarelo dourado e interior esmaltado vermelho ou amarelo. Claro), ” cerâmica marmorizada (exterior esmaltado amarelo limão com marmoreio e interior esmaltado vermelho ou amarelo claro). Tradicionalmente, essas olarias trazem na pança um número correspondente às medidas ancestrais derivadas do pé e do polegar.

A fim de reduzir os riscos de intoxicação por alquifoux (verniz de chumbo), a Empresa Industrial criou na década de 1920 uma Olaria Higiênica (verde por fora e branca por dentro) cujo esmalte é isento de chumbo. Da mesma forma nas décadas de 1930 e 1950, Baptistin Georgis criou a cerâmica esmaltada sem chumbo.

A industria culinária
Embora as argilas refratárias de Vallauris tenham qualidades inegáveis ​​para a fabricação de cerâmica culinária, até o momento, nenhum traço de atividade cerâmica foi encontrado na região de Vallauris antes dos tempos modernos. Não sabemos de nenhuma cerâmica antiga ou medieval feita na argila característica de Vallauris.

Só no século xvi é que 70 famílias do bairro de Gênova, incluindo oleiros, repovoam a aldeia devastada pela peste. A produção local então se desenvolveu apesar da mediocridade dos meios de comunicação. É necessário descer o “terraille” nas costas de uma mula até à costa do Golfe-Juan onde se embarca nos tartanes (barcos de fundo chato).

No final do século xix, a chegada da ferrovia possibilita a expansão massiva da produção. As pequenas oficinas transformam-se em verdadeiras fábricas e surgem empresas, agrupando vários fabricantes sob uma denominação coletiva para lutar contra a concorrência. Esses membros marcarão o início da pequena indústria.

Crise e renovação
No início do século xx, como em outros centros cerâmicos franceses, a cerâmica culinária começa a declinar, competição dos recipientes de metal. A crise econômica do final da década de 1930 e a chegada de materiais mais adequados (alumínio, ferro fundido, aço inoxidável etc.) afastaram a cerâmica de sua função utilitária e, no final da década de 1940, iniciou um desenvolvimento completamente diferente: a cerâmica artístico.

Este movimento artístico está presente desde o final do século xix com a família Massier. Clément, Delphin e Jérôme introduziram esmaltes coloridos e pigmentos metálicos em suas cerâmicas.

Em 1930, Jean Gerbino (1876-1966) abriu uma oficina na qual criou inúmeras peças de cerâmica usando seu processo de mosaico único de terras coloridas. Mas foi em 1947, com a chegada de Picasso e a sua surpreendente produção cerâmica realizada na oficina de Madoura, que a imagem de Vallauris como centro de olaria tradicional cedeu definitivamente à de uma cidade onde os artistas se reuniam. e artesãos.

Picasso em Vallauris
Em 1948, Picasso mudou-se para Vallauris, onde permaneceu até 1955. Durante esses anos, Picasso produziu muitas esculturas e pinturas, entre elas Guerra e Paz, uma das principais obras desse período. Também embarcou numa intensa produção cerâmica, renovando e rompendo profundamente a linguagem criativa neste campo.

Foi em 1946, durante uma visita à exposição anual dos oleiros de Vallauris, por acaso de um encontro com Suzanne e Georges Ramié, proprietários de uma fábrica de cerâmica, a oficina Madoura, que Picasso, curioso de tudo, realizou os seus primeiros ensaios cerâmicos. Decide então dedicar-se a esta atividade que lhe oferece novas perspectivas criativas graças à plasticidade da terra e à magia da cozedura, que revela as cores deslumbrantes do esmalte e o brilho dos vernizes.

Foi nesta altura (1946) que Sima, que praticava cerâmica em Vallauris, levou para lá Picasso, que mais tarde trabalhou com os Ramié na olaria Madoura, olaria onde Sima produziu uma série de retratos marcantes de Picasso. Françoise Gilot e Michel Sima testemunham sobre esse período no filme “Christian Tran, Picasso e Sima, o modelador da amizade, produção Artis, Lyon TV, 2009, 58 min”:

“Naquele ano, apesar de tudo, foi onde também vimos pela primeira vez os Ramiers. Os Ramiers da olaria Madoura. Também com Sima. Sima teve uma intuição extraordinária porque, no entanto, previu que talvez Picasso pudesse fazer cerâmica. É extraordinário e não foi escrito nas estrelas que você vê “. F. Gilot

“Eu desapareci alguns dias, então o Picasso ficou surpreso quando não conseguiu me ver, mas voltei um pouco para Vallauris (…) trabalhei muito lá. Fomos até Vallauris e mostrei a ele a cerâmica ” Senhor sima

A cerâmica sempre acompanhou a obra de Picasso, natural de Málaga, importante centro oleiro hispano-mourisco. No entanto, sua pesquisa permaneceu confidencial até sua instalação em Vallauris.

Sua prática não é ortodoxa. Picasso – escultor – molda faunos e ninfas no barro, afunda a terra como se faz o bronze, decora incansavelmente pratos e pratos com seus temas favoritos (tourada, mulher, coruja, cabra …), usa os meios mais imprevistos (pignates de fragmentos cassetes, material de forno ou tijolos quebrados), inventa pastas brancas que são cerâmicas não vidradas decoradas com elementos em relevo. A cerâmica não é de forma alguma uma arte menor para Picasso.

Na oficina de Madoura, utiliza obras criadas por Suzanne Ramié e produzidas pela oficina. As formas da oficina de Madoura são possivelmente retocadas, ainda frescas, por Picasso que as completa com uma decoração pintada, acrescentando à habilidade do oleiro o toque expressivo do escultor e do pintor. ele também decora formas feitas a partir de desenhos preparatórios.

De 1946 a 1971, Picasso produziu quatro mil obras originais. De acordo com os seus desejos, algumas cerâmicas serão publicadas (foram editados 633 modelos com estampas que variam entre 25 e 500 exemplares). Ele escolhe os modelos para a edição com Suzanne e Georges Ramié, decide com eles a quantidade de cada impressão e supervisiona a realização técnica. Madoura terá exclusividade na produção e distribuição das edições.

Ele queria que essas cerâmicas editadas tivessem uso diário, conforme ele se abre para André Malraux:
“Eu fiz os pratos, podemos comer neles.”

Outra técnica também chamou sua atenção, o linocorte, que praticou com o impressor Hidalgo Arnera (1922-2007) e, a partir de 1963, com Aldo e Piero Crommelynck. Os primeiros trabalhos foram produzidos para cartazes de corridas de touros ou para exposições de cerâmica na cidade. Ele rapidamente o transformou em um meio de expressão completo, com ênfase nas cores.

A reputação excepcional de Picasso produz um efeito de atração em torno da pequena cidade de Vallauris. Muitos designers vêm para se instalar na cidade ou arredores e aprender sobre a cerâmica. Esse entusiasmo e o papel central de Picasso explicam o renascimento da cerâmica de Vallauris na década de 1950, que é apresentada como a época de ouro de Vallauris.

Uma nova era de ouro
No início da década de 1950, arquitetos e artistas de escolas de artes plásticas convergiram para Vallauris. A chegada de Suzanne Ramié, André Baud, Roger Capron, Alice Colonieu, Robert Picault, Jean Derval, Henri Grailhe, Robert Pérot ou Juliette Mazaudois marca o renascimento da cerâmica local. A primeira exposição dos ceramistas Vallauris em 1946, organizada pelo atelier Madoura, André Baud e pelo atelier Callis (Capron e Picault), é o ponto de partida de uma nova era caracterizada por uma grande diversidade de estilos.

A nova onda de artistas cria em liberdade, opõe-se a todos os conformismos, aplica os princípios fundamentais do modernismo onde as formas expressionistas e a sensibilidade mediterrânea se misturam. Duas tendências gerais emergem, o interesse por temas de animais e por decorações geométricas. A coabitação entre artistas “importados” e ceramistas tradicionais será, contudo, sempre conflituosa e formar-se-ão dois clãs muito distintos.

A presença de Picasso em Vallauris amplifica o movimento e atrai outros artistas, pintores e escultores que vêm experimentar a cerâmica. Picasso estimula, por meio de seu poder criativo, o surgimento de verdadeiros oleiros. Um espírito inovador sopra em Vallauris. O primeiro concurso nacional de cerâmica foi criado em 1966 com o objetivo de afirmar e manter a qualidade da produção. As exposições se multiplicam, dedicadas à história das artes do fogo, a primeira bienal é organizada em 1968.

Os vários ceramistas da cidade são todos excelentes técnicos e apaixonados pesquisadores. Entre eles, surgem os nomes de André Baud, Roger Capron, Marcel Giraud, Robert Picault, René Maurel, Henri Grailhe, Ozère, Juliette Laurent-Mazaudois, Max Boissaud, Les Archanges (Gilbert Valentin), La poterie du Grand Chêne (Odette Gourju) e Lubina Naumovitch), Jacques Innocenti, Juliette Derel, Les Argonautes (Isabelle Ferlay e Frédérique Bourguet), Eugène Fidler, Alexandre Kostanda, Gilbert Portanier, François Raty, Jean Derval, a oficina do Tapete Verde, Gabriel-Sébastien Simonet conhecido como “Sébastien”.

Aos poucos, suas personalidades se afastam da influência de Picasso. Por volta de 1972, a cerâmica Vallauriana estava em alta. Após a passagem de Picasso (falecido em 1973), Vallauris permanece um centro de cerâmica artística e peças únicas. Grandes nomes como Boncompain, Roger Capron, Roger Collet, Jean Derval, Robert Picault, Gilbert Portanier, Francine Del Pierre, Jaque Sagan, Marius Musarra, Olivier Roy, Gilbert Valentin, Albert e Pyot Thiry, mantêm suas oficinas na cidade.

No entanto, a devassidão de produtos e objetos de decoração para os turistas muitas vezes mascara essa veia criativa.

Entre as inúmeras fábricas que assinaram colectivamente ‘Vallauris’, sem se identificarem, encontramos obras interessantes, caracterizadas por coberturas do tipo ‘espuma do mar’, que remetem à ‘lava gorda’ da cerâmica industrial alemã dos anos 1960 e 1970. A atenção exclusiva aos grandes nomes de Vallauris nas publicações mascara, infelizmente, essas contribuições que permaneceram anônimas, ou que usaram um carimbo genérico, como o de Jérome Massier, sob a direção de Maunier, durante os anos 1960. coletivos, não reclamados por personalidades artísticas, no entanto, merecem ser reconhecidos por sua contribuição para a reputação de Vallauris como um centro cerâmico mundial, por sua contribuição de modernidade e espírito experimental popular acessível a todos.

Influências
Herdeira de uma longa tradição olaria ligada a um subsolo rico em solo argiloso, Vallauris destaca-se há muitos anos pela cerâmica culinária. Só no final do século XIX é que a cerâmica artística surge ao lado desta produção tradicional. Isso foi notadamente introduzido pela família Massier … Em 1948, a chegada de Picasso à cidade dos oleiros e sua surpreendente produção contribuíram amplamente para o renascimento dessa atividade. Também incentivou a instalação em Vallauris de muitos artistas que também vieram aprender sobre as “artes do fogo”. Foi na década de 1950 que a cerâmica Vallauris viveu a sua “idade de ouro”, período em que assistimos ao advento de grandes nomes como Roger Collet, Gilbert Portanier, Roger Capron, Jean Derval … Hoje,

A década de 1950 marcou um ponto de ruptura definitivo com a produção tradicional em declínio, a favor de uma produção artística em rápida expansão. Sabemos que ainda antes da chegada de Pablo Picasso, Vallauris acolheu novos candidatos a ceramistas de outros horizontes. Segundo seu próprio testemunho, viviam afastados dos oleiros que não admitiam seu modo de vida. Esses artistas foram então chamados de Roger Capron, Jean Derval, Robert Picault, todos os três da Escola de Artes Aplicadas de Paris.

A presença de Picasso ampliará consideravelmente esse movimento. A popularidade do pintor atrai uma multidão de curiosos, amadores, e Vallauris, em plena efervescência, se beneficia de um público mundial atraindo outros artistas como Gilbert Portanier e Roger Collet.

O estilo Vallauriano como as obras de todos são fruto de individualidades muito marcadas e fruto de pesquisas pessoais. Alguns enfocam o aspecto pictórico, outros trabalham a magia das cores, outros ainda nos volumes. É mergulhando no coração da cidade que descobrimos estas pequenas oficinas onde os artistas manejam o solo com talento.

Museus
O Château de Vallauris, antigo priorado da Abadia de Lérins, reconstruído no século XVI é um dos raros edifícios renascentistas da região. Abriga o Museu Nacional Picasso “Guerra e Paz” na capela românica, o Museu Magnelli e o Museu da Cerâmica.

O Museu Magnelli
O Château de Vallauris acolhe coleções dedicadas ao pintor florentino Alberto Magnelli e à cerâmica. Alberto Magnelli (1888 – 1971) Contemporâneo de Picasso, Alberto Magnelli (1888-1971) é um pintor italiano, pioneiro da arte abstrata. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele se refugiou em Grasse, onde viveu de 1940 a 1970.

O museu acolhe várias vertentes da cerâmica Vallauriana de ontem e de hoje: obras premiadas nas bienais de cerâmica de 1968, e objetos da tradição culinária da cerâmica, anteriormente denominada terraille, composta por pignates e frigideiras, apresentados na antiga cozinha dos monges de Lérins.

O museu nacional de picasso “guerra e paz”
O Museu Nacional da Guerra e da Paz de Picasso está localizado na antiga capela românica (século XII) do convento. Os visitantes podem admirar o trabalho de Picasso sobre Guerra e Paz, produzido em 1952.

Poesia de argila
As trocas entre Vallauris e o Japão fazem parte de uma longa história de quase setenta anos. A partir de 1951, Vallauris acolheu no salão Nerolium a exposição Cerâmica Contemporânea Japonesa, em paralelo com a exposição anual dos ceramistas da cidade. Este evento foi organizado por iniciativa de René Grousset, então diretor do museu Cernushi onde foi apresentado pela primeira vez. É a primeira exposição pós-guerra a ser exibida em um país ocidental por ceramistas japoneses contemporâneos. Após a influência das artes do Japão, muito significativa na segunda metade do século XIX, vacilante no início do século seguinte, a partir de 1945, surge um novo movimento japonês.

A partir de 1970, a participação de artistas japoneses na Bienal Internacional de Cerâmica de Arte, coroada com inúmeros prêmios, permitiu a descoberta de novas técnicas e materiais associados a uma estética moderna. Entre os ceramistas japoneses selecionados estão jogadores eminentes no renascimento da cerâmica japonesa, como Suzuki Osamu e Hayashi Yasuo. A Bienal Internacional de Cerâmica de Arte desempenhou assim um papel preponderante na promoção em França da vanguarda japonesa no domínio da cerâmica.

Essas trocas culturais também se concretizaram em mostras organizadas no espaço Grandjean, incluindo a exposição inaugural do local em 1990 e a criação do festival Japan Aurea, Manga e Asian Culture em 2007.

As obras apresentadas, escolhidas do grande acervo do Museu Magnelli, museu da cerâmica, capturam cinquenta anos de criação japonesa em sua diversidade e riqueza. Eles revelam um equilíbrio delicado entre o modernismo das formas e o respeito pela tradição nas abordagens técnicas e apego ao material. Esta seleção sublinha a abordagem específica da cerâmica japonesa onde o barro é, mais do que um suporte, uma linguagem plástica através da qual se expressa uma grande sensibilidade poética.

Projetos

Visitas a oficinas de cerâmica
Os ceramistas de Vallauris dão-lhe as boas-vindas aos seus workshops para o ajudar a descobrir o seu know-how. Eles farão demonstrações de filmagem e decoração diante de seus olhos e explicarão as diferentes técnicas de fabricação para você. Uma oficina diferente para visitar todos os dias.

Cursos de descoberta em técnicas de cerâmica
O Posto de Turismo organiza, em colaboração com a Escola Municipal de Belas Artes, vários ciclos de cursos de descoberta e aperfeiçoamento nas diferentes disciplinas que afetam este know-how que tem dado fama inegável à Vallauris em todo o mundo. Estes cursos destinam-se a crianças e adultos e são uma excelente forma de enriquecer as suas férias. Raku, filmagem, escultura, modelagem, decoração, artes plásticas… tantas técnicas para descobrir ou aperfeiçoar com professores cuja reputação está bem estabelecida tanto por seu talento artístico quanto por suas habilidades de ensino.

Tags: