Museu Nacional de Intervenções, Cidade do México, México

O Museu Nacional das Intervenções está localizado no antigo Mosteiro de San Diego Churubusco, que foi construído no topo de um santuário asteca. O museu está dividido em duas seções. O andar de baixo é dedicado à história do local como mosteiro, e as salas do andar de cima são dedicadas a artefatos relacionados aos vários conflitos militares que ocorreram em solo mexicano e como eles moldaram a moderna república mexicana. O museu está localizado na Calle 20 de Agosto, a um quarteirão a leste da Divisão del Norte, seguindo a Calle Xicoténcatl, em Churubusco. É um dos cinco museus que são operados diretamente pelo Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH).

O Museu fica bem em um dos estágios em que uma das batalhas mais importantes contra o exército dos EUA foi travada em 1847, a Batalha de Churubusco, portanto, o tema responde a explicar as formas de resistência mexicana contra intervenções estrangeiras, bem como as implicações que o expansionismo americano teve no México nascente.

Quanto à coleção que protege o museu, ele pode ser classificado em vários itens, um deles responde mais às características do museu do local e inclui objetos, roupas e pinturas que refletem a vida conventual do local, além dessas peças e vestígios arqueológicos que estão se recuperando através dos múltiplos resgates liderados pelo INAH na localidade; em outra área, que responderia mais ao objetivo central da fundação deste museu, ou seja, as diferentes intervenções armadas vividas pelo México e cuja experiência foram gerados e definidos os principais princípios básicos de sua política externa: não intervenção e auto -determinação das aldeias, existem litografias, bandeiras, armas, móveis e acessórios civis e militares da época,

Um terceiro item inclui objetos e pintura de cavalete que correspondem à era do vice-rei e que têm caráter civil e religioso. Por fim, deve-se notar que o museu também protege um Arquivo Histórico modesto, mas interessante, que possui pouco mais de mil documentos que incluem documentos religiosos, como lavagem de sangue e alguns touros papais, que constituem um testemunho importante da vida conventual, mesmo alguns documentos que revelar detalhes das batalhas e experiências de guerra vividas por sujeitos históricos durante o período de independência.

História
O prédio que hoje abriga este museu é um recinto de grande importância histórica, pois a batalha de Churubusco foi travada em 20 de agosto de 1847, durante a qual os invasores americanos derrotaram o general Pedro María Anaya, os batalhões de voluntários da Cidade do México e os bravos Irlandeses do batalhão San Patricio, que adotaram a causa do México naquela guerra desigual. Após a derrota do exército mexicano, muitos dos membros do batalhão de San Patricio foram capturados e executados. Em homenagem aos mártires irlandeses, uma das ruas adjacentes ao Museu foi batizada sob o nome de Mártires Irlandeses.

O mosteiro
O edifício tem uma história anterior, teria sido construído para abrigar os frades que chegaram à Nova Espanha. Anteriormente, a área era ocupada pela mansão de Huitzilopochco, local de Huitzilopochtli ou na casa de Huitzilopochtli, nome que, por sua vez, significa beija-flor canhoto; esta cidade subsistiu graças aos recursos oferecidos pelo lago (sal, caça e pesca), bem como à prática da agricultura com a técnica de chinampa.

Dada a sua localização geográfica na bacia, ocupou uma posição estratégica durante o domínio mexicano, especialmente em termos de troca comercial, uma vez que articulava tanto o comércio local na Bacia do México quanto a troca de longa distância realizada pela Pochtecas ou comerciantes através do grande mercado que abrigava Pochtlán, um dos doze bairros que compunham a mansão e que, aparentemente, era onde hoje fica o antigo convento de Churubusco.

Antes da conquista espanhola do México, a terra originalmente pertencia a um senhor asteca e era o local de um santuário de pirâmide para o deus Huitzilopochtli. Este santuário acabou sendo destruído pelos frades franciscanos sob Pedro del Monte. Eles cristianizaram o local usando as pedras e a fundação do santuário para construir uma pequena igreja e casa para si. A estrutura atual foi construída para substituir a casa e a igreja menores perto do final do século XVII. Diego del Castillo e sua esposa Elena de la Cruz patrocinaram a construção que foi concluída pelo arquiteto Cristobál Medina Vargas. O trabalho foi concluído em 1678 e projetado para abrigar trinta monges. Os restos astecas foram esquecidos até que o trabalho de escavação no final do século 20 descobriu a fundação da pirâmide, as esculturas de Nahua e os restos humanos. Alguns deles estão em exibição no museu.

Com a introdução da Igreja Católica, em 1524, um eremitério rústico foi construído para receber os primeiros frades franciscanos que chegaram à Nova Espanha. Posteriormente, por ordem do primeiro bispo, Fray Juan de Zumárraga, o primeiro templo que serviu de quarto, noviciado e escola para missionários destinados a evangelizar as Filipinas e o Japão foi construído com os restos dos edifícios pré-hispânicos. Após várias reformas, em 1592, o primeiro convento de San Mateo Apóstol foi fundado sob a invocação de Santa Maria de los Ángeles e em 1679, com doações de Don Diego del Castillo, comerciante de prata, e sua esposa Dona Elena de la Cruz, a convento que podemos contemplar hoje foi reconstruído. Entre 1733 e 1797, o edifício foi modificado e ampliado.

O mosteiro foi fundado com o nome completo de “Nossa Senhora dos Anjos de Churubusco” (Nossa Senhora dos Anjos de Churubusco), o nome da vila. Foi fundada pela ordem Dieguina (de San Diego de Alcalá) de frades franciscanos. Esses monges chegaram ao México para estabelecer uma estação de caminho para os evangelistas que se dirigiam para a Ásia, principalmente as Filipinas. Este mosteiro foi um dos vários dedicados a preparar padres e monges para missões na Ásia.

A igreja associada ao mosteiro ainda mantém sua função original, mas o resto do complexo hoje é um museu com dois focos. O primeiro andar é dedicado à história e à vida cotidiana da ordem Franciscana Deiguina, que ocupou o local por mais de 300 anos. O andar superior é dedicado a relembrar os vários conflitos militares que ocorreram no território mexicano.

Quartos no térreo, como a cozinha, o refeitório, o saguão da sacristia, a entrada do peregrino e as áreas de jardim do lado de fora, foram restaurados para sua aparência original. A cozinha foi recriada em 2002 e o refeitório, a área de banho e o vestíbulo foram restaurados em 2005. Além disso, vários outros artefatos e espaços foram preservados, como escavações nas fundações do mosteiro e seus predecessores pré-hispânicos, mas eles não estão disponíveis ao público.

A maioria das salas preservadas no térreo está relacionada à alimentação e outras necessidades dos monges, como a cozinha, a sala de jantar e a área de banho, e geralmente não eram abertas ao público. O claustro inferior, o vestíbulo da sacristia e os portais eram espaços públicos. Há também uma fonte dentro do pátio principal que fornecia água para os monges e a comunidade circundante. O jardim principal continha um pomar que cultivava frutas e outros alimentos para consumo pelos habitantes do mosteiro. O “pátio menor”, ao lado do complexo, é onde monges poderiam conversar com quem visita a instalação.

O andar de baixo também contém uma coleção de pinturas e esculturas dos séculos XVII a XIX. A sala de coleções Churubusco é principalmente dedicada às pinturas da era colonial de Juan Correa, Cristobal de Villalpando, Nicolas Rodriguez Juarez e outros. A coleção também inclui algumas esculturas e trabalhos em madeira, geralmente representando anjos, santos e a Virgem Maria. Na escada principal, existem várias pinturas a óleo grandes. Duas das peças têm cenas da vida de São Francisco de Assis, chamada “O trânsito de São Francisco” (A morte de São Francisco de Assis) e “São Francisco como o Profeta Elías” (São Francisco de Assis como o profeta Elias) ) Há uma outra pintura aqui chamada “La Elevación de San Juan Nepomuceno” (A elevação de São João Nepomuceno).

O andar superior e o claustro eram onde os monges dormiam, estudavam e oravam e não eram abertos ao público. Essas áreas não foram restauradas à sua aparência original, mas foram convertidas em um museu militar, refletindo a história posterior do site.

A Batalha de Churubusco
O Exército mexicano deslocou os monges que moravam aqui durante a Guerra Mexicano-Americana, a fim de defender a Cidade do México do exército invasor dos EUA. Os mexicanos fortificaram o edifício, que incluía a construção do parapeito. Na época, o complexo estava longe dos limites da cidade.

Foi até 1847, quando, por ordem do governo mexicano, os frades foram despejados para tomar o edifício como um ponto de resistência contra a invasão americana, onde foi realizada a batalha de Churubusco acima mencionada. Em 20 de agosto de 1847, a Batalha de Churubusco foi travada. Quando os mexicanos ficaram sem munição, a batalha virou luta corpo a corpo. Quando os mexicanos foram derrotados, o general norte-americano David Twiggs pediu ao general Pedro María de Anaya que entregasse sua munição. A resposta relatada de Anaya é “Se houvesse, você não estaria aqui”. Este também é o local onde o Batalhão de São Patrício, um regimento irlandês originalmente alinhado com os EUA, mudou de lado e lutou com os mexicanos para defender a Cidade do México. Uma placa em homenagem a eles é colocada na entrada principal.

Quando as tropas invasoras se retiraram do país, em meados de 1848, os frades e seus habitantes vizinhos se dedicaram a consertar o edifício. Antes da aplicação das leis da reforma, em 1861, os frades dieguinos foram enclausurados no convento de Churubusco.

Em 1869, o presidente Benito Juárez declarou o local como monumento nacional em homenagem à batalha, que foi reafirmada em 1933. No entanto, isso não o transformou em museu. De 1876 a 1914, serviu como hospital militar, especializado em doenças contagiosas.

O presidente Venustiano Carranza inaugurou em 20 de agosto de 1919 o Museu Histórico de Churubusco, sendo enriquecido pelas coleções e peças doadas pela Escola Nacional de Belas Artes e pela Capela de La Piedad; Também funcionava como um espaço educacional, onde ficava a Escola Primária Heroes de Churubusco e, posteriormente, a Escola de Pintura ao Ar Livre, atuando de 1924 a 1928. Em 9 de fevereiro de 1933, Narciso Bassols, secretário de Educação Pública, a declarou Monumento Histórico. . Em 1965, foram instalados o Museu dos Transportes, o Departamento de Restauração do Patrimônio Cultural e o Centro Regional Latino-Americano de Estudos para a Conservação e Restauração de Bens Culturais.

Na década de 1920, era uma escola de arte e, de 1920 a 1960, era um depósito. Nas décadas de 1960 e 1970, esse prédio era conhecido oficialmente como Museu dos Transportes, pois ali havia um grande número de veículos antigos. Essa coleção acabou sendo enviada para Zacatecas em 1985.

A idéia do Museu Nacional das Intervenções surgiu em 1980 com o objetivo de unificar a coleção de artefatos e documentos relacionados aos vários conflitos militares em solo mexicano, a maioria dos quais envolve intervenção estrangeira. O edifício foi escolhido como local deste museu devido ao seu papel durante a Guerra Mexicano-Americana entre 1846 e 1848. As paredes externas ainda contêm marcas das balas e canhões do exército dos EUA, especialmente perto da entrada principal. O decreto presidencial foi emitido em 13 de setembro de 1981, declarando o objetivo do museu como “explicar as diferentes intervenções armadas experimentadas pelo México, das quais derivou seus princípios básicos de sua política externa: não intervenção e autodeterminação dos povos”. A praça adjacente contém um monumento ao general Anaya, que chefiou o exército mexicano durante a Batalha de Churubusco, com 1.300 mexicanos contra 6.000 soldados dos EUA.

O Museu
Além do canhão, memoriais e placas colocados do lado de fora da entrada principal do mosteiro em homenagem à Batalha de Churubusco, o segundo andar do prédio é dedicado à Guerra Mexicano-Americana e a vários outros conflitos em solo mexicano entre 1825 e 1916. Esse período da história mexicana é caracterizado por uma intervenção quase constante dos governos dos Estados Unidos, Espanha e França nos assuntos internos do México, que vão desde intrigas políticas, manobras diplomáticas e invasões armadas até o controle sobre todo ou parte do território do México.

Os conflitos militares são representados aqui em ordem cronológica, desde a Guerra da Independência do México até o início do século XX. Sua coleção inclui litografias, bandeiras militares, armas, móveis, desenhos, pinturas, fotografias, mapas, documentos e armas como canhões, rifles, pistolas, balas, espadas e facões. Existem tecidos, como bandeiras e uniformes, com as insígnias e medalhas que o acompanham. A maioria é original, mas alguns são reproduções.

O museu está distribuído por dez salas com a intenção de explicar os processos históricos de cada um dos conflitos militares. Começa com um Salão Introdutório no topo da escada, dedicado a mostrar as formas de luta adotadas no México e o desenvolvimento do expansionismo dos EUA.

Em 2006, uma sala polivalente chamada “Gaston Garcia Cantú” e a Biblioteca El Catalejo foram abertas. Este último oferece aos visitantes acesso a livros, vídeos, gravações sonoras e outros recursos relacionados à história do México.

Ainda em fase de planejamento, estão expostas as retratações das intervenções do governo mexicano e eventuais conquistas dos povos indígenas em seu território, incluindo o Apache.

Salas de exposição
Como museu local, o Museu Nacional de Intervenções aloca seu térreo para ilustrar as atividades que faziam parte da vida do convento, pois há duas salas cuja intenção é recriar a operação de dois espaços que estrelavam a vida na época: a cozinha e o refeitório.

Quanto ao seu funcionamento como museu nacional, cujo objetivo é explicar as intervenções militares às quais nosso país foi submetido durante os séculos 19 e 20, o Museu aloca seu último andar para a narração de tais eventos históricos organizados da seguinte forma:

Sala de introdução
Este quarto mostra a situação geográfica dos territórios no final do século XVIII e início do século XIX. Resumidamente, é apresentada a origem da política expansionista dos Estados Unidos, baseada na ideologia de Thomas Jefferson, que comprou o território da Louisiana. Devido à imprecisão das fronteiras da Nova Espanha e à baixa colonização na parte norte, as ambições de Jefferson incluíam as províncias do Texas, Nuevo Santander, Novo México, Coahuila e partes de Nueva Vizcaya e Sonora. Um pouco mais tarde, o Presidente James Monroe obteve a compra da Flórida e ditou a conhecida Doutrina Monroe, que era a base do Destino Manifesto dos Estados Unidos.

Salão da Independência
Após as abduções de Bayonne e a desapropriação do trono de Fernando VII da Espanha, devido à invasão francesa da Espanha, em 16 de setembro de 1810 começou uma revolução em Dolores, defendida por Miguel Hidalgo. Essa luta se transformou na Guerra da Independência do México, seguida por José María Morelos, Francisco Xavier Mina, Vicente Guerrero e os insurgentes por onze anos. Em 21 de setembro de 1821, a Nova Espanha alcançou sua autonomia da coroa espanhola e, como novo estado, tornou-se o Primeiro Império Mexicano. Mas a ideologia monárquica de Agustín de Iturbide não prosperou e o novo país foi transformado em uma república governada pelo general Guadalupe Victoria. Entre os personagens que defendiam os princípios republicanos, destacava-se o irmão Servando Teresa de Mier.

Sala de intervenção espanhola de 1829
Quando Fernando VII recuperou seu trono, ele se recusou a aceitar a Independência do México. Em San Juan de Ulúa, uma fortaleza de tropas espanholas permaneceu no forte e foi até 1825 quando o exército mexicano conseguiu derrotá-las. Em 1827, foi descoberta uma conspiração liderada pelo frade de Dieguine Joaquín Arenas; o congresso formulou uma lei para expulsar os residentes espanhóis. Em 1829, a expedição de Isidro Barradas foi a última das tentativas de reconquista no México, juntamente com os expedicionários que penetraram em Veracruz, avançando para Tampico e Altamira. Em novembro de setembro de 1829, as tropas espanholas capitularam às forças comandadas por Antonio Lopez de Santa Anna, mas o governo espanhol reconheceu a independência do México até 1836.

A sala também mostra o imperialismo informal realizado pelos embaixadores dos EUA no México. Após a recusa do governo mexicano em vender o território do Texas para os Estados Unidos, o ministro plenipotenciário Joel R. Poinsett promoveu o divisão entre os políticos mexicanos. Esses eram dois aspectos do centralismo (loja escocesa) e federalismo (loja de York), mas as atividades intervencionistas do ministro foram criticadas e levaram à sua expulsão do México. Seu sucessor Anthony Butler fez novas ofertas para a compra da província do Texas, em face de repetidas recusas, a estratégia do novo ministro era promover que os colonos americanos que habitavam o território realizassem comícios e levantes armados em favor da independência do Texas. Além disso, Butler promoveu que os cidadãos dos EUA residentes em territórios mexicanos arquivassem reivindicações financeiras por danos sofridos devido às próprias revoltas.

A guerra eclodiu e a província se tornou a República do Texas, que foi “independente” por um período de nove anos até ser anexada aos Estados Unidos. Pawhatan Ellis, sucessor de Bulter, pressionou pela cobrança de compensações. A política do intervencionismo causou a ruptura diplomática entre as duas nações, apenas a arbitragem internacional evitou a guerra. O valor reivindicado foi de dois milhões de pesos, que não foi pago e a dívida foi uma desculpa para oito anos depois, o Presidente James K. Polk justificou sua declaração de guerra.

Sala de intervenção francesa ou Guerra dos bolos de 1838 a 1839
O México assinou acordos comerciais com a Inglaterra, os Estados Unidos e outros países europeus em 1825. Por seu lado, o governo francês recusou-se a reconhecer o México como um novo país independente até 1830, quando a dinastia Bourbon governou as nações da França e Espanha, e o último não reconheceu a independência de suas colônias. Mas com a Revolução de Julho, Luis Felipe I ocupou o trono, livre de qualquer compromisso com Fernando VII da Espanha, assinou dois acordos comerciais com o governo mexicano.

O México teve a experiência das desvantagens do livre comércio com as potências industrializadas, de modo que o congresso desaprovou a assinatura de um dos tratados. Isso permitiu que os residentes franceses comercializassem varejo no território mexicano. Por outro lado, no México houve confrontos constantes entre federalistas e centralistas, e as lutas armadas causaram instabilidade e insegurança social para a população civil. O ministro francês Antoine Deffaudis, que procurou a todo custo a assinatura do tratado, aproveitou o dilema e colecionou assinaturas entre todos os comerciantes franceses afetados pelo soldado para exigir indenização ao governo mexicano por danos aos seus estabelecimentos, entre eles estava um pasteleiro. Além da compensação, o ministro exigiu a assinatura do tratado desejado.

O governo francês respondeu alarmado aos relatórios de seu ministro, apresentando-se como defensor dos direitos internacionais e com a desculpa de ser necessário dar “uma lição de civilização” às nações americanas, enviou seu exército para bloquear os portos mexicanos, realizando assim a Primeira Intervenção Francesa no México. Após o bloqueio naval, o governo Anastasio Bustamante rejeitou a coerção dos franceses e formalmente declarou guerra à França. Na Europa, as ações de Luis Felipe I foram criticadas, pois o segundo maior comércio da América havia sido fechado. Em 1839, Richard Pakenham, ministro britânico, chegou a Veracruz com o lema de negociar a paz entre as duas nações. Em 9 de março de 1839, foi assinado no porto o tratado de paz, alegando que a compensação continuava em vigor e era a desculpa para uma segunda intervenção.

Sala de intervenção americana de 1846 a 1848
Quando a anexação do Texas aos Estados Unidos foi concluída, o ministro mexicano em Washington encerrou sua missão diplomática e as relações entre os dois países foram interrompidas. O general Zachary Taylor estabeleceu um acampamento em Brownsville, ao norte do Rio Grande, um lugar que pertencia ao estado de Tamaulipas. Esta situação causou uma disputa entre soldados mexicanos e americanos. O presidente James K. Polk declarou guerra ao México em 13 de maio de 1846, o governo mexicano respondeu da mesma forma em 7 de julho do mesmo ano, e assim começou a primeira intervenção dos EUA no México.

Entre julho e agosto, as tropas dos EUA sob o comando do general Stephen W. Kearny invadiram o Oregon para São Francisco, Monterrey (Califórnia) e ocuparam Los Angeles em 13 de agosto, a campanha estendida a Santa Fe (Novo México). Foram feitas expedições marítimas para tomar as praças de San José del Cabo, La Paz, Mulegé, Guaymas, Mazatlán e San Blas.

O general Taylor empreendeu a campanha para o leste e tomou a cidade de Monterrey em setembro de 1846. Em fevereiro de 1847, os beligerantes entraram em conflito na Batalha de Angostura. De San Antonio, os americanos atacaram Parras e de El Paso avançaram pelo estado de Chihuahua até Jiménez.

O general Winfield Scott chegou em 9 de março em Veracruz com uma força de treze mil soldados. Após um bombardeio constante em 27 de março, os defensores capitularam. A ofensiva americana seguiu a rota de Cortés para Cerro Gordo, Jalapa, Tepeaca, Puebla, Tlaxcala até chegar à Cidade do México, onde forças militares se encontraram na Batalha de Padierna, Batalha de Churubusco, Batalha de Molino do Rei e Batalha de Rei. Chapultepec. Em 14 de setembro de 1847, no zócalo, a bandeira americana içada, que voou por nove meses. O México cedeu, através do Tratado de Guadalupe-Hidalgo, os territórios ao norte do Rio Grande. Incluindo o estado do Texas, uma área de 2.400.000 quilômetros quadrados se tornou propriedade dos Estados Unidos.

Apenas cinco anos depois, durante a ditadura de Santa Anna, os colonos americanos novamente usaram a estratégia de invadir e depois negociar. Com a intenção de construir uma rota ferroviária transcontinental, os americanos invadiram o território de La Mesilla, antes da impossibilidade de defender a fronteira de Santa Anna militarmente preferido negociações diplomáticas. O ministro James Gadsen foi responsável pela condução das negociações que exigiam a venda de Tamaulipas, Nuevo León, Coahuila, Sonora e a península de Baja California. Em 13 de dezembro de 1853, Santa Anna conseguiu deter expectativas ambiciosas e vendeu La Mesilla por dez milhões de pesos.

Sala de intervenção francesa 1862-1869
O México continuou a viver tempos violentos com a revolução de Ayutla, a promulgação da Constituição de 1857 e a Guerra da Reforma. A classe política permaneceu dividida, por um lado, os liberais cujo projeto nacional era republicano, federalista e democrata; e, por outro lado, os conservadores que ansiavam por um sistema monarquista e centralista. Ambas as frações solicitaram ajuda externa assinando tratados que colocam em risco a soberania do país: o Tratado de Mon-Almonte e o Tratado de McLane-Ocampo. Por outro lado, o presidente dos EUA, James Buchanan, anunciou ao congresso de seu país o desejo de “ajudar” o México a impedir que as potências européias intervissem na América, com o objetivo velado de obter os territórios de Sonora e Sinaloa. Felizmente para o México, o Congresso dos EUA rejeitou a proposta e nenhum dos tratados assinados foi ratificado, uma vez que os liberais derrotaram os conservadores em 22 de dezembro de 1860 na Batalha de Calpulalpan.

Benito Juárez foi eleito presidente, quando assumiu o cargo em 16 de julho de 1861, decidiu suspender o pagamento da dívida do Estado por dois anos. Espanha, França e Inglaterra, os principais credores do México assinaram a Convenção de Londres em 31 de outubro, formando uma aliança tripartida para exigir a proteção de seus súditos, o pagamento de dívidas e a criação de um regime estável no país americano. Cláusula estabelecida para não reivindicar qualquer aquisição de territórios mexicanos.

No início de 1862, os esquadrões dos três países chegaram a Veracruz. Em 19 de fevereiro, as convenções de Soledad foram assinadas, mas as intenções dos franceses foram expostas quando o comissário Dubois de Saligny insistiu em destruir a aliança tripartida e reivindicou uma quantia exagerada em compensação (doze milhões de pesos), sem respaldo ou documento de apoio. o conservador Juan Nepomuceno Almonte havia se encontrado com Napoleão III, gerenciando apoio para derrubar o governo liberal de Juarez. Em 6 de março, um reforço francês sob Charles Ferdinand Latrille desembarcou em Veracruz. O comissário inglês Charles Wyke e o comissário espanhol Juan Prim pediram a Saligny que respeitasse as condições da Convenção de Londres, dada a recusa francesa, as tropas inglesa e espanhola deixaram a costa mexicana no final de abril.

A Segunda Intervenção Francesa no México foi comandada pelo General Latrille, que liderou o avanço de suas tropas através de Fortín, Orizaba e Cúpulas de Acutzingo. Em 5 de maio, foi confrontada a Batalha de Puebla, na qual as forças mexicanas saíram vitoriosas sob o comando do general Ignacio Zaragoza. A vitória mexicana elevou o moral e o nacionalismo, mas a derrota foi uma surpresa para os franceses e Napoleão III considerou o ato um desprezo, por esse motivo, encomendou uma nova expedição sob o comando do general Élie-Frédéric Forey, que pouco mais que um um ano após a derrota tomou a Plaza de Puebla, em 17 de maio de 1863. Nessa ocasião, o avanço das forças francesas foi esmagador e a Cidade do México foi ocupada em 10 de junho do mesmo ano.

Juarez teve que fugir ao longo da rota San Luis Potosí, Saltillo, Monterrey para chegar a Paso del Norte. Os conservadores, por meio de uma comissão, presidida por José María Gutiérrez Estrada, ofereceram a Maximiliano de Habsburgo o trono do Segundo Império Mexicano. O monarca aceitou nas condições dos Tratados Miramar, assinados em 1º de abril de 1864 e desembarcou no porto de Veracruz em 28 de maio. O exército francês e as tropas conservadoras apoiaram o novo imperador, mas a resistência liberal continuou sua luta através da guerrilha técnica.

Na Europa, a hegemonia da França foi ameaçada quando a Prússia derrotou a Áustria na batalha de Sadowa. Por outro lado, no final da Guerra da Secessão nos Estados Unidos, o governo deste país alertou o governo francês de que respeitaria a Doutrina Monroe. Dadas essas expectativas, Napoleão III decidiu retirar seu exército do México e recomendou que Maximiliano abdicasse do trono.

Quarto da república restaurada
Os conservadores mexicanos dissuadiram Maximiliano, mas o pequeno exército imperial foi derrotado em 15 de maio de 1867. Maximiliano, Miguel Miramón e Tomás Mejía foram mortos em 19 de junho no Cerro de las Campanas. Juarez retornou à Cidade do México em 15 de julho e estava correto no período de 1867 a 1871. A situação econômica do país era deplorável, as relações diplomáticas foram restauradas com a Rússia, a Itália e a Espanha. No final da Guerra Civil, os Estados Unidos mudaram sua política de expansionismo territorial para uma política de exportação de capital, sem que o México fosse exceção a seus investimentos.

Porfiriato room
Juarez se apresentou como candidato e venceu as eleições novamente em 1871. Porfirio Díaz, um liberal moderado, que lutou ao lado de Juarez não concordou com a política reeleitoralista e lançou o Plano da Noria. Díaz foi apoiado por vários generais em Zacatecas, Nuevo León, Coahuila, Sinaloa, Sonora e Durango, no entanto Juarez morreu repentinamente em 18 de julho de 1872. Sebastián Lerdo de Tejada ocupou a presidência e tentou se reeleger em 1876. Porfirio Díaz novamente sob o conceito de não reeleição publicou o Plano Tuxtepec e, assim, desencadeou a Revolução Tuxtepec, da qual triunfou.

Díaz exerceu seu primeiro mandato presidencial e, no final de seu mandato, respeitou sua própria ideologia de não reeleição. Manuel González exerceu o período seguinte como presidente, quando terminou Diaz decidiu se apresentar novamente como candidato à presidência. Ele venceu as eleições e novamente no poder decidiu modificar a Constituição, por isso foi reeleito durante as eleições de 1888, 1892, 1896, 1900, 1904 e 1910. Considerando seu primeiro mandato presidencial, foram trinta anos durante os quais ele exerceu o poder, nesta época é conhecida como o porfiriato.

Com a ajuda do exército, ele impôs a “paz porfiriana” que suprimia as rebeliões políticas, bem como as revoltas indígenas dos Yaquis em Sonora e da cruz maia em Yucatán. No entanto, alcançou desenvolvimento econômico por meio de investimentos estrangeiros na indústria de mineração e petróleo. As propriedades eclesiásticas nacionalizadas pelas Leis da Reforma foram vendidas a preços ridículos, o que levou a grandes propriedades. Os trabalhadores e a discordância camponesa começaram a se expressar com a greve de Cananea e a greve de Rio Blanco, que foram reprimidas pelo exército.

Revolution Hall
Durante o primeiro ano da Revolução Mexicana, Díaz renunciou à presidência e deixou o país. Francisco I. Madero foi eleito presidente, assumiu o cargo em novembro de 1911 e tentou alcançar inutilmente a harmonia entre as diferentes facções dos revolucionários. As revoltas sociais foram protestadas por embaixadores credenciados no México, a fim de garantir o bem-estar dos residentes estrangeiros. Especialmente o embaixador Henry Lane Wilson exigiu garantias para investimentos nos EUA. Ele e seu governo estavam com nojo de Madero, pois ele criou um imposto sobre as exportações de petróleo.

Bernardo Reyes e Félix Díaz (sobrinho de Porfirio) organizaram um golpe de estado, que foi apoiado pelo embaixador dos EUA que, no porão da embaixada, imprimiu panfletos para atrair apoiadores da rebelião que começou em 9 de fevereiro de 1913 e que era conhecida como a década trágica. Madero nomeou Victoriano Huerta para enfrentar a rebelião, o embaixador dos EUA levou Huerta a se juntar aos porfiristas por meio do chamado Pacto da Cidadela. A traição de Huerta culminou nos assassinatos do presidente Madero e do vice-presidente José María Pino Suárez em 1913. A voz popular para indicar a política intervencionista dos Estados Unidos renomeou o acordo como o Pacto da embaixada.

Sala de intervenção americana de 1914 e 1916
Quando Victoriano Huerta usurpou a presidência, o descontentamento no país foi generalizado. Venustiano Carranza liderou o exército constitucionalista contra o exército federal do usurpador, a revolução continuou. Nos Estados Unidos, Woodrow Wilson foi nomeado presidente, demitiu o embaixador Henry Lane Wilson e se declarou inimigo de Huerta ao negar o reconhecimento de seu governo. O novo presidente americano, com o objetivo de impor uma ideologia política de acordo com os interesses econômicos de seu país, decidiu impor um embargo de armas aos portos mexicanos. Os argumentos usados ​​por Wilson eram para acabar com a guerra civil no México e “educar” o povo mexicano para que eles pudessem exercer a democracia e eleger bons governantes.

O 9 de abril de 1914, nove tripulantes do encouraçado Dolphin desembarcaram no porto de Tampico em uma área controlada por tropas huertistas para reabastecer. Os fuzileiros navais dos EUA foram presos, mas o major Morelos Zaragoza os libertou imediatamente para evitar um incidente diplomático. Para reparar o alívio, o almirante Henry T. Mayo exigiu que as tropas de Huerta honrassem a bandeira americana. A petição foi negada e foi uma das razões para o presidente Wilson mobilizar um número maior de embarcações para os portos mexicanos, bem como para suas tropas ao longo da fronteira.

Em 21 de abril, o almirante Frank Friday Fletcher bombardeou o porto de Veracruz para impedir que o navio alemão Ypiranga descarregasse um lote de armas que seriam entregues aos federalistas de Huerta. Após o bombardeio e sem encontrar maior resistência, os soldados americanos desembarcaram na cidade, onde permaneceram por oito meses, iniciando assim a Segunda Intervenção Americana no México. Os americanos tentaram, sem sucesso, fazer uma aliança com os constitucionalistas de Carranza. Os embaixadores da Argentina, Brasil e Chile (conhecido como Grupo ABC) mediaram entre os governos dos Estados Unidos e do México para alcançar a paz nas negociações nas Cataratas do Niágara, no Canadá, mas o governo dos EUA não concordou em retirar suas forças até que o constitucionalista exército derrotou os federalistas e Huerta exilou-se do país. As tropas americanas deixaram o porto de Veracruz em novembro de 1914.

Como não havia acordo ideológico entre Carranza e os líderes populares Francisco Villa e Emiliano Zapata, a revolução mexicana continuou por mais três anos. Em 1915, os constitucionalistas de Carranza deram um golpe nos convencionalistas de Villa, desarticulando a Divisão Norte. No início de 1916, o Centauro do Norte optou pela guerra de guerrilha, ordenou a execução de dezenove funcionários de uma empresa americana e, em 9 de março, atacou a população de Colombo no Novo México. A historiografia não estabeleceu a razão pela qual Villa realizou essas ações provocativas. O presidente Wilson logo reagiu e nomeou o general John J. Pershing para comandar uma expedição punitiva, a fim de capturar o líder mexicano.

Esta Terceira Intervenção Americana Começou com uma força de cinco mil homens, que em um curto período, aumentou para doze mil. Pela primeira vez na história militar dos Estados Unidos, foram utilizados transportes a motor, tanques de guerra e aviões. Carranza protestou contra a intervenção, mas como os objetivos eram favoráveis ​​a seus interesses pessoais, ele ordenou que seus homens não confrontassem os soldados americanos. As forças de Villa realizaram novos ataques do outro lado da fronteira mexicana e, apesar das ordens de Carranza, os constitucionalistas travaram batalhas em Parral e Carrizal contra soldados americanos. O governo dos EUA deslocou uma força de cento e dez mil soldados para a fronteira, mas conversas diplomáticas foram estabelecidas em El Paso e Atlantic City antes do início da invasão. As despesas militares eram de alto custo para os Estados Unidos e o objetivo de capturar Villa não foi alcançado; por outro lado, na Europa, foi travada a Primeira Guerra Mundial; Dadas essas expectativas, o Presidente Wilson decidiu retirar seu exército. Após onze meses de ocupação, soldados americanos despejaram o país em 5 de fevereiro de 1917.

Sala de coleta de Churubusco
Este quarto é dedicado à arte sacra da era da Nova Espanha. Você pode admirar pinturas atribuídas a Juan Correa, Cristóbal de Villalpando e Nicolás Rodríguez Juárez, além de outras obras anônimas, esculturas e entalhes em madeira.

Tour
O edifício abrigava o Antigo Convento de Nossa Senhora dos Anjos de Churubusco, que representa a história e a vida cotidiana da ordem Dieguine, um dos ramos dos Novohispanos franciscanos, que moram naquele prédio há mais de 300 anos. É possível apreciar os espaços utilizados diariamente pelos frades, como a cozinha, o refeitório, o ante-credista, o portal dos peregrinos, o jardim, os claustros, as capelas e as celas, entre outros locais.

O Museu Nacional de Intervenções é um dos cinco museus nacionais do Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH), no qual são lembradas as diferentes interferências estrangeiras que o México enfrentou entre 1825 e 1916.

Missão
O Museu Nacional de Intervenções tem a missão de preservar os testemunhos materiais que protegem o patrimônio intelectual intelectual, relacionados às intervenções estrangeiras que o México passou, o local pré-hispânico e o convento novohispano de Churubusco, além de desenvolver o conhecimento sobre esse patrimônio. e divulgá-lo, promovendo seu gozo, valorização e apropriação, bem como a reflexão sobre o passado e o presente do México, promovendo assim a conscientização sobre a identidade e a participação do cidadão na população do México.

Tags: