Museu Nacional de Antropologia, México

O Museu Nacional de Antropologia é um museu nacional do México. É o museu maior e mais visitado do México. Localizado na área entre o Paseo de la Reforma e a Rua Mahatma Gandhi no Parque Chapultepec, na Cidade do México, o museu contém importantes artefatos arqueológicos e antropológicos da herança pré-colombiana do México, como a Pedra do Sol (ou a pedra do calendário asteca) e a estátua asteca Xochipilli.

O museu (juntamente com muitos outros museus nacionais e regionais do México) é administrado pelo Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH).

O Museu Nacional de Antropologia (MNA) é um dos museus mais importantes do México e da América. Ele é projetado para hospedar e exibir o legado arqueológico dos povos da Mesoamérica, bem como para explicar a atual diversidade étnica do país. O edifício atual MNA foi construído entre 1963 e 1964 no Bosque de Chapultepec por instruções do presidente Adolfo López Mateos, que inaugurou em 17 de setembro de 1964. Atualmente, a construção do MNA possui 23 salas de exposições permanentes, 1 sala exposições temporárias e dois auditórios. Também abriga a coleção da Biblioteca Nacional de Antropologia e História.

A coleção do Museu Nacional de Antropologia é composta por inúmeras peças arqueológicas e etnográficas de todo o México. Algumas das peças mais emblemáticas da coleção Sunstone, que é o coração do próprio museu, são contadas as monumentais esculturas de teotihuacanas dedicadas aos deuses da água, o tesouro do túmulo do rei Pakal e um Tolte Atlântico trazido de Tollan-Xicocotitlan e o monolito de Tlaloc que guardava a entrada do museu.

O MNA é uma das principais atrações turísticas do México. Atrai anualmente mais de dois milhões de visitantes.

As exposições permanentes no piso térreo abrangem todas as civilizações pré-colombianas localizadas no atual território do México, bem como no antigo território mexicano no que é hoje o sudoeste dos Estados Unidos. Eles são classificados como Norte, Oeste, Maiano, Golfo do México, Oaxaca, México, Tolteca e Teotihuacano. As exposições permanentes no primeiro andar mostram a cultura da população nativa americana do México desde a colonização espanhola.

O museu também possui exibições de visita, geralmente focado em outras grandes culturas do mundo. As exposições passadas se concentraram no antigo Irã, Grécia, China, Egito, Rússia e Espanha.

O Museu Nacional de Antropologia (MNA) tem 24 salas de exposição, das quais 23 são permanentes e uma está destinada a exposições temporárias, que às vezes são amostras museográficas de vários museus do mundo. O acesso ao último é separado do resto do museu.

Os quartos permanentes são distribuídos em ambos os pisos do edifício. No piso térreo estão localizados os aposentos dedicados à introdução da antropologia e das culturas do território mexicano, desde a População da América até o Período pósclássico mesoamericano. No segundo nível estão as 11 salas de etnografia, onde exibem amostras da cultura material de povos indígenas que vivem no México hoje.

Os quartos da antropologia e da arqueologia estão dispostos em torno da parte descoberta do pátio central, que é onde o lago de lírios, e são organizados de acordo com um critério cronológico a partir do lado direito até chegar na sala de Mexica. Da sala das culturas de Oaxaca, a ordem de apresentação é geográfica. É possível enfatizar que a sala das culturas do norte é dedicada a cidades que pertenciam à zona conhecida como Aridoamérica, região que se estende ao norte dos limites da Mesoamérica.

A primeira sala do MNA corresponde a uma introdução à atividade de antropologia. Originalmente concebido como um espaço para trazer visitantes aos quatro ramos em que se divide a Antropologia Clássica – antropologia física, antropologia social, etnologia e linguística. Uma vez que a reestruturação do museu começou em 19984, considerou-se que os conteúdos pedagógicos desta sala se dedicavam a explicar a evolução sociocultural do ser humano, sua diversidade e as relações entre o meio ambiente e as sociedades humanas. Ou seja, neste espaço, o visitante está diante de um passeio pelos processos que concluíram com a hominização dos antropóides e com a humanização de nossos antepassados.

Nesta sala há uma réplica do esqueleto fóssil de Lucy, o primeiro exemplar conhecido de Australopithecus afarensis, descoberto por Donald Johanson em 1974. No final do corredor do corredor está um mosaico de hologramas com os rostos de pessoas de várias partes do planeta, dependendo do ponto de vista do visitante, também é possível observar a forma dos crânios dos homens que habitam cada uma das regiões representadas no mosaico.

Esta sala de arqueologia do MNA é dedicada ao processo de desenvolvimento dos primeiros seres humanos que vieram para a América. Como o quarto Introdução à Antropologia, este também foi objeto da reconstrução do museu realizado entre 1998 e 2000. Neste processo, recebeu o nome que leva hoje em dia entre 1964 e 1998 foi chamado de espaço das Origens e foi direcionado para A evolução de Culturas nativas americanas desde as primeiras migrações até a diferenciação dos povos mesoamericanos em relação ao resto das sociedades paleoindianas.

A sala da População da América adota a teoria da liquidação precoce da América, que localiza as migrações em todo o estreito de Bering, cerca de 40 mil anos antes do presente. Portanto, o script do museu aceita como válido os dados que localizam a presença do ser humano em território mexicano cerca de 30 mil anos antes do presente. De acordo com alguns críticos como Christian Duverger, essa tendência da historiografia oficial mexicana baseia-se em evidências fracas ou tem um propósito político.

No entanto, na sala são exibidos modelos de População da América que recriam o modo de vida dos primeiros grupos humanos caçadores e coletores que ocuparam o que é agora o México e traz o visitante aos processos que terminaram com a diferenciação de povos. Entre outros, o desenvolvimento da indústria lítica; Domesticação de abóbora, milho e outras culturas; Sedentarização e descoberta de cerâmica. Entre outras coisas, a sala possui uma coleção de pontas de lança feitas em diferentes materiais e provenientes de várias partes do México e outros países. Ele também tem um conjunto de peças relacionadas ao desenvolvimento da agricultura, amostras fósseis das primeiras culturas americanas e reproduções de arte rupestre de sites como a Serra de São Francisco em Baja California Sur.

A terceira sala do museu é dedicada aos povos que viveram no Eixo Neovolcanico e nas áreas circundantes durante os primeiros séculos da civilização mesoamericana no Período Pré-Clássico Mesoamericano. Em outras palavras, possui objetos elaborados entre os séculos XXIII a. C. e eu d. C., de acordo com a cronologia mesoamericana usada principalmente no México. São peças encontradas em escavações em locais como Zohapilco, Tlapacoya e Tlatilco (estado do México), e Cuicuilco e Copilco (Distrito Federal).

As peças expostas nesta sala dão conta da evolução cultural dos povos do México central durante o préclássico. Este foi o período mais longo da história da Mesoamérica, altura em que os vários povos da região desenvolveram seus traços mais característicos e redes de intercâmbio internacional. As peças das terras altas centrais que correspondem a este estágio destacam a importância do contato dos povos altiplanos – supostamente descendência otomangueana – com as duas regiões mesoamericanas de maior desenvolvimento na época: o oeste e a região olmeca. Isto é revelado por casos como Tlatilco, cujas primeiras peças de cerâmica apresentam com a produzida em locais como El Opeño (Michoacán); Mais tarde, Tlatilco recebeu uma forte influência olmeca, um dos testemunhos mais importantes é a peça conhecida como The Acrobat. Por sua vez, as peças de Cuicuilco parecem ter uma influência mais prolongada sobre os povos do Ocidente, desde a sua floração até o abandono.

A quarta sala permanente do museu é dedicada à cultura teotihuacana, cuja cidade de maior esplendor foi Teotihuacan, que significa “cidade onde os deuses nascem”, localizado ao norte da Cidade do México.

O arquiteto mexicano destacado Pedro Ramírez Vázquez, que o projetou em 1963 com a colaboração e assistência de Jorge Campuzano e Rafael Mijares, possui uma arquitetura impressionante com salas de exposições que convergem para um pátio central. Neste pátio há uma lagoa de lírios e a famosa fonte com forma de guarda-chuva ou guarda-chuva, apoiada por um pilar central em torno do qual cai uma cachoeira artificial. As salas de exposições estão cercadas por jardins, muitos dos quais contêm exposições externas.

O museu tem 44 mil metros quadrados sob o telhado, distribuídos em 23 quartos e 35,700 metros quadrados de áreas abertas que incluem o pátio central, a praça de acesso e alguns pátios afundados à sua volta. Em todos esses espaços é a maior coleção do mundo da arte pré-hispânica da Mesoamérica, fundamentalmente das culturas maia, asteca, olmeca, teotihuacana, tolteca, zapoteca e mixteca, entre outras do México antigo, bem como uma extensa exposição sobre etnografia de os povos indígenas do país, que ocupam todo o segundo andar do museu.

A área total do museu é de 79.700 metros quadrados (quase 8 hectares).

No final do século XVIII, os documentos que faziam parte da coleção de Lorenzo Boturini foram depositados, por ordem do vice-rei de Bucareli, na Royal e Pontifícia Universidade do México. Ali também abriram as esculturas do Coatlicue e da Pedra do Sol, que iniciaram a tradição museográfica no México.

Em 25 de agosto de 1790, inaugurou-se o primeiro Museu de História Natural, reunido pelo botânico José Longinos Martínez, e foi no meio desta atmosfera que surgiu a ideia de que um painel da antiguidade foi criado com o objetivo de proteger os monumentos históricos.

Desde o século XIX, o México foi visitado por ilustres homens de ciência, como foi o caso do barão Alejandro de Humbolt, que divulgou o valor artístico e histórico dos monumentos pré-hispânicos, alcançando isso em 1825, por decreto do Presidente da República Guadalupe Victoria, assessorado pelo historiador Lucas Alamán, encontrou o Museu Nacional mexicano como uma instituição autônoma. Para o ano de 1865, o imperador Maximiliano de Habsburgo ordenou a transferência do Museu para o prédio localizado na rua de Moneda 13, onde havia sido a Casa da Moeda.

A partir de 1906, o crescimento das coleções incentivou Justo Sierra a dividir a coleção do Museu Nacional, de modo que as coleções de história natural passaram para o belo edifício do Poplar, construído especialmente para exposições permanentes.

O Museu foi então nomeado Museu Nacional de Arqueologia, História e Etnografia e foi reaberto em 9 de setembro de 1910, na presença do presidente Porfirio Diaz. Em 1924, a coleção do museu aumentou para 52 mil objetos e recebeu mais de 250 mil visitantes, pelo que foi concedido o direito de votar no prêmio Nobel e foi considerado um dos museus mais interessantes e de prestígio do mundo .

Em 13 de dezembro de 1940, por decreto, as coleções de história foram transferidas para o Castelo de Chapultepec, e o Museu mudou seu nome para o atual Museu Nacional de Antropologia.

A construção do Museu atual começou em fevereiro de 1963, na Floresta de Chapultepec. Como já foi mencionado na seção Arquitetura, o projeto foi coordenado pelo arquiteto Pedro Ramírez Vázquez e assistido pelos arquitetos Rafael Mijares e Jorge Campuzano. Por ocasião da inauguração do Museu Nacional de Antropologia, o Secretário de Educação Pública (SEP) encomendou ao compositor Carlos Chávez a criação de uma peça musical intitulada “Resonancias” e foi lançado no mesmo dia da inauguração do Museu Nacional de Antropologia.

Tags: