Museu Juan Cabré, Calaceite, Espanha

O Museo Juan Cabré é um Museu de Arqueologia em Calaceite, no sudeste de Aragão (Espanha).

O Museu Juan Cabré, localizado dentro do centro histórico de Calaceite, onde nasceu o arqueólogo e pintor Juan Cabré.

O Museu Juan Cabré. Localizado em uma antiga casa restaurada, abriga a coleção arqueológica, pictórica e privada do arqueólogo calaceite Juan Cabré e realiza exposições temporárias de pintura de artistas relacionados de uma forma ou outra com Calaceite.

Juan Cabré Aguiló (Calaceite, 2 de agosto de 1882 – Madri, 2 de agosto de 1947) era um arqueólogo espanhol. O município de Calaceite dedicou-lhe um museu.

Fez seus primeiros estudos em Tortosa e Zaragoza. Mais tarde, continuou sua formação em Madri graças a uma bolsa de estudos da Delegação de Teruel. Ao mesmo tempo, era aluno da Real Academia de Belas Artes de San Fernando e fez algum trabalho para o Museu do Prado. Esta sólida formação de plástico é evidente nos excelentes desenhos que acompanham todo o seu trabalho de catalogação, especialmente no caso de Castro de la Mesa de Miranda.

Sua inclinação para o desenho e, mais tarde, para a arqueologia, parece ser influenciada pelo colecionador Sebastián Monserrat de Zaragoza, que o levou à sua coleção composta de pedaços de cultura ibérica. Em uma data já em 1907, Cabré publicou seu primeiro trabalho arqueológico no Boletim da Real Academia das Boas Cartas de Barcelona sobre as escavações do assentamento ibérico de San Antonio de Calaceite. Ele era na época nomeado Membro Correspondente da Real Academia da História e designado para a elaboração do Catálogo Monumental de Espanha, em particular, o da província de Teruel.

Seu treinamento foi estendido graças a uma das bolsas de estudo que o Conselho de Extensão de Estudos lhe concedeu para visitar a França, Alemanha, Áustria, Itália e Suíça.

Cabré começou sua pesquisa sobre a cultura ibérica no sul da península depois de 1917, mas logo foi orientado para os povos celtas da Espanha central com as escavações de Cogotas, Castro de los Castillejos (Sanchorreja) e Castro da Mesa de Miranda, todos deles na província de Ávila.

É famoso o seu estudo de importantes amostras de arte rupestre, datando entre o Auriñaciense e o Magdaleniense, dentro da caverna dos Casares (Riba de Saelices) e a descoberta da caverna do Hoz (Santa María del Espino) também com pinturas e gravuras pré-históricas, ambas na província de Guadalajara no ano de 1934.

É famoso o seu estudo de importantes amostras de arte rupestre, entre Auriñaciense e Magdaleniense, dentro da caverna dos Casares (Riba de Saelices) e a descoberta da caverna do Hoz (Santa María del Espino) também com pinturas e gravuras pré-históricas , ambos na província de Guadalajara no ano de 1934.

Após a guerra civil, Cabré foi demitido como chefe do Museu Cerralbo, embora em 1940 foi nomeado chefe da seção de Pré-História do Instituto Diego de Velázquez de Arte e Arqueologia. Em julho de 1942, ele obteve, por oposição, o lugar de preparador da seção de Pré-história e Velhice do Museu Arqueológico Nacional, cargo que manteve até o momento de sua morte, em 2 de agosto de 1947.

Após a guerra civil, Cabré foi demitido como chefe do Museu Cerralbo, embora em 1940 foi nomeado chefe da seção de Pré-História do Instituto Diego de Velázquez de Arte e Arqueologia. Em julho de 1942, obteve, por oposição, o cargo de preparador da seção de Pré-História e Idade Antiga do Museu Arqueológico Nacional, cargo que manteve até o momento de sua morte, em 2 de agosto de 1947.

Tags: