Luce – A imaginação italiana, Victor Emmanuel II Monument

1924-2014. Noventa anos após a fundação do Istituto Luce, o complexo Vittoriano em Roma abriga a exposição “Luce – A imaginação italiana”, de 4 de julho a 21 de setembro de 2014, para celebrar uma das maiores empresas culturais do país, local de eleição de seu conhecimento histórico e o depósito material de ativos intangíveis: as memórias, segredos, sonhos da Itália do início do século XX até o presente. O Istituto Luce, um local de escolha pelo seu conhecimento histórico e pelo armazenamento material de memórias, segredos, sonhos da Itália no século XX e além. Uma continuação, para acomodar muitas outras solicitações do público, bem como, com a retomada do ensino, inúmeras escolas para seus professores e alunos.

A exposição – concebida e criada pelo Istituto Luce-Cinecittà, sob o patrocínio do Presidente da República, com o patrocínio do Ministério das Mercadorias e da e da região do Lácio, e em colaboração com Roma Capitale no contexto da Roma. Verão de 2014 – tem curadoria de Gabriele D’Autilia (curadora científica e textos) e de Roland Sejko (curadora artística e direção de vídeo). A organização geral deve se comunicar organizando.

Nascido em 1924 como LUCE, a União Cinematográfica Educacional, com a intuição e a intenção de contar a realidade do país, de sua sociedade e do mundo através da ainda nova linguagem das imagens em movimento, e renomeado com Decreto Real no ano seguinte, o Istituto Nazionale Luce logo foi fortemente apoiado e controlado por Benito Mussolini, que compreendeu e explorou seu enorme potencial popular e político.

Após 90 anos e uma história que acompanhou toda a história recente da Itália em paralelo e continuidade, essa intuição tornou-se a instituição de cinema pública mais antiga do mundo e, com um arquivo de dezenas de milhares de filmes e três milhões de fotografias, um patrimônio incomparável de imagens em termos de quantidade e riqueza de temas. Tanto que, em 2013, foi merecida a entrada do fundo “Notícias e fotografias do Istituto Nazionale LUCE” no Registro de Memória do Mundo da UNESCO. Um bem italiano que se tornou um bem mundial.

Não apenas a exposição, mas também um volume, “Luce – A imaginação italiana”, editado por Gabriele D’Autilia, professora de Fotografia e Cinema da Universidade de Teramo, com um prefácio de Dacia Maraini, editado por Rai Eri com o Istituto Luce – Cinecittà. O livro, com 350 páginas de textos (em italiano e inglês) e centenas de imagens em preto e branco, reflete o profundo significado da exposição: navegando pelas fotografias do Arquivo Luce, é possível ler as diferentes dobras da jornada da Itália na século XX.

Além de preservar e espalhar a memória visual dos italianos, o Istituto Luce também é a mais antiga produtora de filmes italiana em operação.

A organização
Nascido em 1924 como LUCE, a União Cinematográfica Educacional, com a intuição e a intenção de contar a realidade do país, de sua sociedade e do mundo através da ainda nova linguagem das imagens em movimento, e renomeado com Decreto Real no ano seguinte, o Istituto Nazionale Luce logo foi fortemente apoiado e controlado por Benito Mussolini, que compreendeu e explorou seu enorme potencial popular e político.

Após 90 anos e um evento que acompanhou toda a história recente em paralelo e continuidade da Itália, essa intuição tornou-se a instituição de cinema pública mais antiga do mundo e, com um arquivo de dezenas de milhares de filmes e três milhões de fotografias, uma herança de imagem sem rival em termos de quantidade e riqueza de temas. Tanto que, em 2013, foi merecida a entrada do fundo ‘Newsreels e fotografias do Istituto Nazionale LUCE’ no Registro de Memória do Mundo da UNESCO, um ativo italiano que se tornou um ativo mundial.

No aspecto educacional, informativo e de propaganda, Luce fornece milhões de documentos. O país ‘posa’. Mas a exposição também mostra o verso dessa imagem. Devido à natureza realista do cinema e da fotografia, o espectador de ontem, e mais ainda hoje, a retórica (e às vezes o constrangimento) das “poses” de Mussolini em seus comícios não poderia e não pode escapar. ou a pobreza e o cansaço dos camponeses sorriam diante do alvo, e o desconforto dos soldados em uma guerra que se dizia triunfante, sofrendo uma derrota. E a ironia de um orador sobre mulheres trabalhadoras na década de 1950, a compostura de representantes de partidos políticos, os rostos alegres dos jovens em uma festa ou em uma manifestação, Revele as revoltas e demandas de uma nova era de direitos contra a luz. Em todas essas reviravoltas da imagem, o país revela e confessa sua intimidade. A imaginação dele.

A exibição
Desde a sua criação, Luce tomou medidas para revelar a imagem dos italianos para si e para fornecer conhecimentos básicos do país. Graças aos ‘noticiários’ de Luce, milhões de cidadãos a partir da década de 1920 puderam ver e descobrir cidades, geografias distantes, populações desconhecidas, diferentes formas sociais e culturais pela primeira vez. O nascimento de uma opinião pública na Itália passa por aqui, juntamente com a mesma formação de ‘lugares comuns’.

Para contar essa evolução, a exposição no Complexo Vittoriano Luce – O imaginário italiano se move em duas faixas ideais: como a Itália foi representada ao longo das décadas através das imagens da Light e como a Itália se revelou, confessou, revelou através e apesar do imagens de suas representações oficiais.

O caminho da vasta Ala Brasini del Vittorianoit parte do conceito e da forma de uma ‘tira’: grandes painéis organizados de acordo com uma ordem temático-cronológica, na qual são projetadas em mais de 20 telas instalações especiais de vídeo, montagens feitas centenas de vídeos do Arquivo Histórico de Luce. Além das imagens em movimento, mais de 500 fotografias do arquivo interrompem detalhes e momentos significativos, enquanto os painéis de texto aprofundam a análise histórica e linguística dos vídeos. Um caminho visual e auditivo de considerável impacto faz com que cada visitante se defronte com uma imagem diferente, na qual cada vídeo dialoga com aqueles que se aproximam de analogias e diferenças.

Itinerário da exposição
Na história desse auto-retrato da nação, LUCE – A imaginação italiana é concebida com uma abordagem de exibição não estática, mas como um fluxo contínuo de imagens. O caminho parte do conceito e da forma de uma ‘tira’: grandes painéis organizados de acordo com uma ordem temático-cronológica, na qual são projetadas mais de 20 telas instalações especiais de vídeo, montagens feitas ad hoc de centenas de filmes do Luce arquivo histórico. Além das imagens em movimento, mais de 500 fotografias esplêndidas do arquivo interrompem detalhes e momentos significativos, enquanto os painéis de texto aprofundam a análise histórica e linguística dos vídeos. Um caminho visual e auditivo de considerável impacto, que permite a cada visitante lidar com uma imagem diferente e em que cada vídeo dialoga com os que se aproximam por analogias e diferenças.

Uma série de palavras-chave inicia o itinerário. Isso varia da década de 1920 na cidade / campo aos anos 1930 em autarquia, homem novo, arquitetura, censura e propaganda. Você chega a War and Rebirth, Cassino (ícone da brutalidade destrutiva das guerras), vencedores e perdedores (com sequências pouco conhecidas e extraordinárias, também em cores, da entrada dos aliados não apenas em Roma, mas também nas profundezas). modernidade / atraso (um paralelo significativo das imagens da Itália na década de 1960), jovens, economia, órgãos políticos, neotelevisão e muitos outros.

Algumas salas especiais mostram aspectos específicos e sugestivos. A Câmara das Maravilhas é uma homenagem às viagens ao redor do mundo feitas pelos operadores de Luce; a ‘camera del Duce’ desenha uma antologia imperdível da retórica e do silêncio de Mussolini e se opõe à sala do país real, uma jornada emocionante nos rostos dos italianos na década de 1930.

Para recontar essa evolução, “Light – The Italian Imaginary” se move em duas faixas ideais: como a Itália se representou ao longo das décadas através das imagens da Light, e como a Itália se revelou, confessou, revelou através e apesar das imagens de seu funcionário. representações.

E a ironia de uma oradora sobre mulheres trabalhadoras na década de 1950, a compostura de representantes de partidos políticos, os rostos alegres dos jovens em uma festa ou em uma manifestação, revelam os levantes e demandas de uma nova era de direitos contra a luz.

Em todas essas reversões da imagem, o país revela e confessa sua intimidade. A imaginação dele.

Na narrativa desse auto-retrato da nação, ‘Luce – a imaginação italiana’ é concebida com uma abordagem de exibição não estática, mas como um fluxo contínuo de imagens. O caminho da vasta Ala Brasini del Vittoriano parte do conceito e da forma de uma ‘tira’: grandes painéis organizados de acordo com uma ordem temático-cronológica, na qual são projetadas mais de 20 telas de vídeo instalações especiais, montagens feitas ad hoc de centenas de vídeos do arquivo histórico ‘Luce.

Além das imagens em movimento, mais de 500 fotografias esplêndidas do arquivo interrompem detalhes e momentos significativos, enquanto os painéis de texto aprofundam a análise histórica e linguística dos vídeos. Um caminho visual e auditivo de considerável impacto, que permite a cada visitante lidar com uma imagem diferente e em que cada vídeo dialoga com os que se aproximam por analogias e diferenças.

Finalmente, o último espaço da exposição é inteiramente dedicado ao cinema: com centenas de fotos de diretores, atores, cenários e uma preciosa seleção de trailers e bastidores de filmes.

Livro Guia
Não um guia e mais que um catálogo, o volume LUCE – O imaginário italiano, apresenta-se como uma continuação da longa jornada pela história do Istituto Luce e pelo século em que ele fotografou. Editado por Gabriele D’Autilia, professora de Fotografia e Cinema da Universidade de Teramo, com um precioso prefácio de Dacia Maraini, publicado por Rai Eri com o Istituto Luce-Cinecittà, o livro, em 350 páginas de textos (em italiano e inglês) e centenas de esplêndidas imagens em preto e branco, refletem o profundo significado da exposição: navegando pelas fotografias do Arquivo Luce, é possível ler as diferentes dobras da jornada da Itália no século XX.

Os capítulos temáticos, cronologicamente articulados, contam as várias etapas desta jornada: aventuras, propaganda, órgãos políticos, país real, país bonito, mulheres, idiomas, estrelas, italianos e italianos. Vozes de um país que vemos ao longo das décadas conquistando individualidade, direitos, conhecimento, progresso econômico e civil e lutando continuamente com males históricos como retórica, populismo, diversidade geográfica e social em seu desenvolvimento, degradação da paisagem, as próprias contradições da progresso.

Palavras e imagens que sugerem como a Itália de 2014 se assemelha e vem da que aparece nas esplêndidas e reveladoras fotografias do livro.

Monumento Victor Emmanuel II
O Monumento Nacional Victor Emmanuel II (em italiano: Monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II) ou (mole del) Vittoriano, chamado Altare della Patria (em inglês: Altar da pátria), é um monumento nacional construído em homenagem a Victor Emmanuel II, o primeiro rei de uma Itália unificada, localizada em Roma, Itália. Ocupa um local entre a Piazza Venezia e o Monte Capitolino. Atualmente, é administrado pelo Polo Museale del Lazio e pertence ao Ministério do Patrimônio Cultural e Atividades.

Do ponto de vista arquitetônico, foi concebido como um fórum moderno, uma ágora em três níveis, conectada por escadas e dominada por um pórtico caracterizado por uma colunata. O complexo processo de unidade nacional e libertação da dominação estrangeira realizado pelo rei Victor Emmanuel II de Sabóia, a quem o monumento é dedicado, possui um grande valor simbólico e representativo, sendo arquitetônico e artisticamente centrado na unificação italiana – por esse motivo Vittoriano é considerado um dos símbolos nacionais da Itália.

Também preserva o Altar da Pátria (italiano: Altare della Patria), primeiro um altar da deusa Roma, depois também um santuário do soldado desconhecido italiano, adotando a função de um templo leigo consagrado à Itália. Devido ao seu grande valor representativo, todo o Vittoriano é freqüentemente chamado de Altare della Patria, embora este último constitua apenas uma parte do monumento.

Localizado no centro da Roma antiga, e conectado ao moderno pelas ruas que irradiam da Piazza Venezia, foi consagrado a um amplo valor simbólico que representa um templo leigo metaforicamente dedicado a uma Itália livre e unida – comemorando em virtude do enterro do Soldado Desconhecido (o sacrifício pela pátria e pelos ideais conectados).

Tags: