Lohengrin de Richard Wagner, Ato I, cena 3, vídeo 360 °, Teatro Municipal de São Paulo

Lohengrin, WWV 75, é uma ópera romântica em três atos compostos e escritos por Richard Wagner, apresentada pela primeira vez em 1850. A história do personagem de mesmo nome é tirada do romance alemão medieval, notadamente o Parzival de Wolfram von Eschenbach e sua sequência Lohengrin. inspirado no épico de Garin le Loherain. Faz parte da lenda do Cavaleiro da Cisne.

A ópera inspirou outras obras de arte. O rei Ludwig II da Baviera nomeou seu castelo como Castelo de Neuschwanstein em homenagem ao Cavaleiro das Cisnes. Foi o patrocínio do rei Ludwig que mais tarde deu a Wagner os meios e a oportunidade de compor, construir um teatro e encenar seu ciclo épico The Ring of the Nibelung.

A parte mais popular e reconhecível da ópera é o coro de noivas, mais conhecido como “Here Comes the Bride”, frequentemente representado como procissão em casamentos no Ocidente. Os prelúdios orquestrais de Atos I e III também são freqüentemente realizados separadamente como peças de concerto.

Formação literária
A figura literária de Lohengrin apareceu pela primeira vez como personagem de apoio no capítulo final do épico medieval Parzival de Wolfram von Eschenbach. O cavaleiro do Graal Lohengrin, filho do rei do Graal Parzival, é enviado à duquesa de Brabante para defendê-la. Sua proteção vem sob a condição de que ela nunca deve perguntar o nome dele. Se ela violar esse requisito, ele será forçado a deixá-la. Wagner pegou esses personagens e colocou o tema da “pergunta proibida” no centro de uma história que faz contrastes entre o que é piedoso e o mundano, e entre a cristandade da Idade Média e o paganismo germânico. Wagner tentou ao mesmo tempo tecer elementos da tragédia grega na trama. Ele escreveu o seguinte em Mitteilungen meine Freunde sobre seus planos para Lohengrin:

Quem não conhece “Zeus e Semele?” O deus está apaixonado por uma mulher humana e se aproxima dela em forma humana. O amante descobre que ela não pode reconhecer o deus dessa forma, e exige que ele torne conhecida a verdadeira forma sensual. Zeus sabe que ela seria destruída pela visão de seu verdadeiro eu. Ele sofre nessa consciência, sofre sabendo que deve atender a essa demanda e, ao fazê-lo, arruinar o amor deles. Ele selará sua própria destruição quando o brilho de sua forma divina destruir seu amante. O homem que anseia por Deus não é destruído?

Composição
Ao compor Lohengrin, Wagner criou uma nova forma de ópera, o drama musical composto. A composição não é dividida em números individuais, mas reproduzida de cena para cena sem interrupção. Esse estilo de composição contrasta com a ópera numérica convencional, que é dividida em árias, recitativos e seções corais. No entanto, Lohengrin ainda contém performances longas – por exemplo, “Alone in days”, de Elsa, e a ária do Graal, de Lohengrin – que remontam à forma clássica da ária solo.

Wagner fez uso extensivo de leitmotivos em sua composição. Exemplos incluem o motivo do Graal revelado pela primeira vez no prelúdio e o motivo da “pergunta” cantado por Lohengrin a Elsa no Ato I. Esses motivos permitiram a Wagner narrar com precisão os pensamentos internos dos personagens no palco, mesmo sem falar.

Açao

Ato I
Preliminares e primeiro levantamento

O ato começa com a chegada do rei Henrique I da Germania à região depois que seu arauto foi anunciado para convocar as tribos alemãs a expulsar os húngaros de suas terras. O conde Friederich de Telramund atua como regente, já que o duque Gottfried de Brabant, herdeiro do trono de Brabant, ainda era menor. Gottfried desapareceu misteriosamente, e Telramund, coagido por sua esposa, Ortrud, acusa Elsa de matar seu irmão e exige o título de ducado para si.

Cercada por suas damas de honra, Elsa, que, sabendo que é inocente, declara sua disposição de se submeter ao julgamento de Deus por meio de combate. Ela então convoca o protetor que sonhava uma noite, e eis que no julgamento vem um cavaleiro em um barco puxado por um cisne. A chegada ocorreu somente após o segundo pedido do arauto. Ele concorda em lutar por ela, desde que ela nunca pergunte seu nome ou origem, uma proposta que ele aceita prontamente. Telramund também aceita o desafio de julgamento por combate para provar a palavra de sua acusação.

O cavaleiro derrota Telramund em um duelo, provando sua proteção divina e a inocência da princesa. No entanto, poupa a vida do perdedor, declara Elsa inocente e propõe a ela.

O prelúdio representa a aura do Graal. A música começa com sons suaves, altos e esféricos de cordas, incha a um clímax poderoso e desaparece novamente no pianíssimo esférico. Friedrich Nietzsche escreveu que essa música era “azul, de efeito narcótico opiáceo”.

No início do primeiro elevador, Heinrich der Vogler está sentado em uma planície de inundação nas margens do Scheldt, sob um carvalho da corte, para realizar espetáculos do exército e dias da corte no principado de Brabante. Ele anuncia sua intenção de reunir um exército para uma guerra contra os húngaros, na qual Brabant também participará com soldados.

“Este ou Oeste, todos são iguais.
O que é o país alemão, defina combatentes.
Então, provavelmente, ninguém irá criticar o Reich alemão. ”

Ele também aprendeu que uma disputa pela sucessão na dinastia havia surgido. Ele, portanto, chama Friedrich von Telramund para testemunhar em tribunal. Ele é o educador de Elsa e Gottfried, os filhos do falecido duque de Brabant. Telramund afirma que Gottfried desapareceu na floresta em uma caminhada com sua irmã. Ele, portanto, a acusou de fratricídio, mesmo que ela tenha sido prometida a ele como noiva. Ele próprio se casou com Ortrud, o último descendente do príncipe frísio Radbod. Portanto, ele reivindica adicionalmente a dignidade principesca de Brabant:

“Estou falando corretamente com este país,
pois eu sou o próximo sangue do duque.
Minha esposa da geração
que uma vez deu sua terra a seus príncipes. ”

Interrogada pelo rei, Elsa diz apenas “Meu pobre irmão”. Ela explica que, no sonho, ela apareceu para um cavaleiro que a protegeria e a defenderia (narração dos sonhos de Elsa: “Solitária em dias sombrios”).

O rei Henrique ordena uma batalha judicial como julgamento divino, basicamente uma farsa, porque os atuais cavaleiros se recusam a lutar contra Telramund (“estamos lutando apenas por você”). Perguntado sobre quem deveria representá-la na batalha, Elsa diz que ela será assistida pelo guerreiro enviado por Deus que ela viu no sonho.

No chamado real dos guerreiros, primeiro nenhum lutador para Elsa. Somente quando ela reza, um barco aparece, puxado por um cisne. Nele está um estranho cavaleiro de armadura leve. Ele não apenas quer argumentar por Elsa, mas também quer detê-la. Ambos estão vinculados a uma condição:

“Você nunca deveria me questionar,
nem cuidar do conhecimento,
de onde eu vim,
nem meu nome e tipo “.

Os cavaleiros anunciam ao povo reunido que Elsa de Brabant não tem culpa. Chega a um duelo em que o estranho derrota o Conde de Telramund. O estrangeiro evita matar Telramund (“Pela vitória de Deus, sua vida é minha agora – eu a dou a você, que os Reu a consagrem”). Com alegria geral, Elsa afunda seu salvador nos braços.

Ato II
Segundo elevador

O ato começa do lado de fora da catedral à noite. Juntos, Telramund e Ortrud lamentam sua situação atual, moralmente banida da comunidade. Ortrud é um pagão, lida com magia e elabora um plano de vingança para Elsa fazer ao cavaleiro as perguntas proibidas, fazendo com que ele saia. Com a primeira luz da manhã, Elsa aparece na varanda, vê Ortrud no pátio, lamenta sua situação e a convida para participar da cerimônia de casamento. Sem ser observado, Telramund sai de cena. Ortrud começa a conspiração, dizendo que deve haver algo na vida do cavaleiro que o envergonha, algo que o faz querer negar seu passado.

Em outra cena, a população se reúne e o arauto anuncia que o rei havia oferecido ao cavaleiro o ducado de Brabante. Ele, no entanto, recusa a oferta, desejando ser conhecido apenas como “Protetor de Brabante”. Quando o rei, o cavaleiro desconhecido, Elsa e suas damas de honra estavam prestes a entrar na igreja, Ortrud aparece e acusa o cavaleiro de ser um mágico, razão pela qual ele venceu a disputa. Telramund também aparece e alega ter sido vítima de fraude porque nem mesmo o nome de seu oponente sabia. O cavaleiro se recusa a revelar sua identidade, dizendo que apenas Elsa tem o direito de conhecê-la, e nem mesmo o rei valeria a pena conhecer. Elsa, embora abalada pelas alegações de Ortrud e Telramund, garante ao cavaleiro sua lealdade, e eles entram na igreja.

Amanhece no dia seguinte ao duelo. Em frente ao palácio, o conde Friedrich von Telramund lamenta a perda de sua honra e acusa sua esposa de induzi-lo a deturpar Elsa. Ortrud o acusa de covardia em relação ao estranho cavaleiro, no qual ela não vê um herói enviado por Deus, mas um ser “forte em feitiços”. O relutante Telramund (“Seu vidente selvagem, como você misteriosamente me arruina o espírito de novo”) convenceu Ortrud de que ele foi enganado e que o estranho só poderia vencer o duelo com a ajuda de um feitiço. Os dois decidem enganar Elsa, sua heroína, a questão proibida de “Nam ‘e Art”. No caso em que isso falha, Ortrud aconselha o uso da força contra o herói estrangeiro (sendo “Jed ‘, forte pela magia, ele arrancará apenas do menor membro do corpo, deve desmaiar em breve!)

Logo depois, eles veem Elsa na varanda de seu pavilhão. Telramund se aposenta a pedido de sua esposa. Ortrud parece sentir remorso por Elsa, que está prestes a se casar, e consegue despertar a compaixão de Elsa e ser admitido no palácio. Triunfante, ela chama os “deuses profanados” Wodan e Freia por sua assistência. Elsa está feliz demais em perdoar a todos e a Ortrud. Em uma conversa confidencial fora de Porte, Ortrud sugere que pode ser uma habilidade sombria da qual o estrangeiro é forçado a esconder seu nome. Elsa rejeita todas as dúvidas e leva Ortrud ao palácio.

Um interlúdio musical leva ao amanhecer. Das torres soam sinais de trombeta. O guerreiro do rei chama os brabantanos e proclama que Telramund, como as leis exigem, “porque ele infiel se atreveu a lutar contra o divino”, se apaixonou. O “estrangeiro enviado por Deus”, no entanto, deve ser confiado ao Ducado de Brabante: “Mas o herói não quer ser duque; você deve dizer a ele, Protetor de Brabante”. O Heerrufer anuncia que o estrangeiro se casará com Elsa no mesmo dia para liderar o Brabanter no dia seguinte e seguir o rei Henry na campanha.

Nos limites da cena, quatro nobres brabantes expressam seu descontentamento pelo envolvimento na campanha de Henry contra uma ameaça distante. Telramund aparece e informa que ele poderia impedir o estrangeiro na campanha e que ele havia falsificado a corte de Deus por um feitiço. Os quatro nobres arrastam Telramund para a igreja.

Do castelo move o trem nupcial com Elsa para a catedral. Ele acabou de chegar aos degraus em frente ao portal, quando Ortrud Elsa representa o caminho e exige precedência para si, alegando que eles resultam de uma raça respeitada, enquanto Elsa nem sequer é capaz de nomear seu marido. Elsa aponta de costas, referindo-se ao Reichsacht, que seu marido havia perdido. O rei Henrique aparece com o estranho, e Ortrud deve recuar diante dele.

A procissão do casamento se reorganiza; Então o fora-da-lei Telramund aparece e acusa o estranho do feitiço, mas a denúncia é descartada. O fora da lei argumenta que Elsa faça a pergunta proibida, mas Elsa luta para reafirmar sua confiança em seu herói. A procissão do casamento se muda para a catedral com o estranho e a inquieta Elsa.

Ato III
Terceiro elevador

A cerimônia de casamento acontece e os dois expressam seu amor um pelo outro. Mas Elsa, convencida por Ortrud, quebra o pacto com o cavaleiro, agora marido, fazendo perguntas proibidas. Na mesma cena, Telramund parece atacar o cavaleiro, mas é morto por ele, que então se vira para Elsa e pede que ela o acompanhe, na presença do rei, para revelar o mistério de sua identidade.

Muda a cena, voltando-se para o local do primeiro ato. As tropas chegam para a guerra. O corpo de Telramund é trazido. O cavaleiro explica o assassinato perante o rei e, antes de tudo, anuncia sua verdadeira identidade: ele é Lohengrin, um cavaleiro do Santo Graal, filho do rei Parsifal. Também revela que ele havia sido enviado pelo Graal para provar a inocência de Elsa, mas estava na hora de voltar.

Para a tristeza de Elsa, o cisne reaparece, indicando a partida de Lohengrin. Ele ora pelo retorno do irmão desaparecido de Elsa. O cisne desaparece na água e reaparece na forma do jovem Gottfried, que havia sido transformado em animal pelo feitiço de Ortrud. Um pombo aparece do céu e, tomando o lugar do cisne, guia Lohengrin de volta ao castelo do Santo Graal.

O casal recém-casado se muda para a câmara nupcial com o canto (marcha nupcial “liderada fielmente”). É a primeira conversa confidencial dos dois. Elsa diz que seria um marido desconhecido, mesmo que as suspeitas de Ortrud fossem verdadeiras. Ele quer tranquilizá-la e aponta para sua alta formação, que ele abandonou por ela (“A única coisa que meu sacrifício merece, devo ver no seu amor” e “por esplendor e felicidade de que venho”), o que faz Elsa realmente com medo de não satisfazê-lo e perdê-lo algum dia. E então ela pede o nome do cavaleiro. Nesse momento, Telramund entra na sala. Chega a uma luta, durante a qual Telramund é atingido pelo estranho.

Na última cena, as pessoas estão reunidas para se despedir do exército reunido e do rei Henrique. Os quatro nobres trazem o corpo de Telramund diante do rei. O estranho acusa Telramund da emboscada e Elsa da infidelidade. Ela fez a pergunta proibida sobre seu nome e sua origem, e ele agora tinha que responder. Portanto, ele não pôde permanecer nem como marido nem como líder militar em Brabante. Então ele descreve sua origem. Ele fala do Palácio do Graal de Montsalvat e do poder divino dado aos Guardiões do Graal, enquanto eles lutavam sem ser reconhecidos pela direita. Mas se fossem reconhecidos, teriam que deixar os abrigados. Ele próprio é filho do rei do Graal, Parzival, e seu nome é Lohengrin:

“No país distante, distante de seus passos,
fica um castelo chamado Monsalvat;
um templo brilhante fica lá no meio,
tão precioso quanto qualquer coisa desconhecida na terra;

um vaso de bênção milagrosa
é guardado lá como o santuário mais alto.
Foi que o homem mais puro adotado, trouxe
por uma multidão angelical.

Todo ano, uma pomba se aproxima do céu,
para renovar seu poder milagroso:
é chamado de Graal, e a fé abençoadamente pura é
dado por ele à sua cavalaria.

Quem escolhe servir o Graal, ele
equipa com poder sobrenatural;
onde toda coisa má é perdida,
quando o vê, a noite dá lugar à morte;

mesmo aqueles que o enviaram para terras distantes,
mártires nomeados para a virtude,
não são roubados do seu santo poder,
permanece não reconhecido como seu cavaleiro lá.

Tão nobre é a bênção do Graal,
revelou que deve fugir dos olhos leigos;
O tambor do cavaleiro não deve duvidar dela, você
reconhecê-lo – então ele tem que se afastar de você.

Agora ouça, como recompenso a pergunta proibida:
Então fui enviado a você do Graal:
Meu pai Parzival usa sua coroa,
seu cavaleiro eu – sou chamado Lohengrin. ”

O rei derrotaria os húngaros sem ele.

“Sim, grande rei, deixe-me profetizar para você: você recebeu uma grande vitória.”
Voltando-se para Elsa, Lohengrin continua dizendo que levou apenas um ano e Gottfried retornou a Brabant.

Apesar dos pedidos de Elsa e da insistência do rei, Lohengrin não pode ficar. O cisne com o barco retorna e leva Lohengrin com ele. Em terrível triunfo, Ortrud exclama que reconheceu o cisne como o afilhado desaparecido, a quem ela mesma encantou.

“Na pequena corrente que eu enrolava em volta dele, vi bem quem era o cisne: é o herdeiro de Brabante!”
Na oração de Lohengrin, Gottfried já está redimido, mesmo antes do final do ano. O barco em que Lohengrin sai tristemente (dirigindo) se afasta. Ortrud afunda morto com um grito, Elsa morre de exaustão mental, o povo (coro) dá seu horror “ai! Oh!” Conhecido.

Histórico de desempenho
A primeira produção de Lohengrin ocorreu em Weimar, na Alemanha, em 28 de agosto de 1850, na Staatskapelle Weimar, sob a direção de Franz Liszt, um amigo próximo e um dos primeiros apoiadores de Wagner. Liszt escolheu a data em homenagem ao cidadão mais famoso de Weimar, Johann Wolfgang von Goethe, nascido em 28 de agosto de 1749. Apesar das inadequações do tenor principal Karl Beck, foi um sucesso popular imediato.

O próprio Wagner não pôde assistir à primeira apresentação, tendo sido exilado por causa de sua parte na Revolta de maio de 1849, em Dresden. Embora ele tenha conduzido vários trechos em concerto em Zurique, Londres, Paris e Bruxelas, foi somente em 1861 em Viena que ele pôde assistir a uma apresentação completa.

A primeira apresentação da ópera fora dos países de língua alemã foi em Riga, em 5 de fevereiro de 1855. A estréia austríaca aconteceu em Viena, no Theater am Kärntnertor, em 19 de agosto de 1858, com Róza Csillag como Ortrud. O trabalho foi produzido em Munique pela primeira vez no Teatro Nacional em 16 de junho de 1867, com Heinrich Vogl no papel-título e Mathilde Mallinger como Elsa. Mallinger também assumiu o papel de Elsa na estréia da obra na Ópera Estatal de Berlim, em 6 de abril de 1869.

A estréia russa de Lohengrin, nos arredores de Riga, ocorreu no Teatro Mariinsky em 16 de outubro de 1868.

A estréia belga da ópera foi apresentada em La Monnaie, em 22 de março de 1870, com Étienne Troy como Friedrich de Telramund e Feliciano Pons como Heinrich der Vogler.

A estréia nos Estados Unidos de Lohengrin aconteceu no Stadt Theatre em Bowery, na cidade de Nova York, em 3 de abril de 1871. Realizado por Adolf Neuendorff, o elenco incluía Theodor Habelmann como Lohengrin, Luise Garay-Lichtmay como Elsa, Marie Frederici como Ortrud, Adolf. Franosch como Heinrich e Edward Vierling como Telramund. A primeira apresentação na Itália ocorreu sete meses depois, no Teatro Comunale di Bologna, em 1º de novembro de 1871, em uma tradução para o italiano pelo barítono operático Salvatore Marchesi. Foi notavelmente a primeira apresentação de qualquer ópera de Wagner na Itália. Angelo Mariani conduziu a performance, estrelando Italo Campanini como Lohengrin, Bianca Blume como Elsa, Maria Löwe Destin como Ortrud, Pietro Silenzi como Telramund e Giuseppe Galvani como Heinrich der Vogler. A performance de 9 de novembro contou com a presença de Giuseppe Verdi,

La Scala produziu a ópera pela primeira vez em 30 de março de 1873, com Campanini como Lohengrin, Gabrielle Krauss como Elsa, Filipinas von Edelsberg como Ortrud, Victor Maurel como Friedrich e Gian Pietro Milesi como Heinrich.

A estréia no Reino Unido de Lohengrin ocorreu na Royal Opera House, Covent Garden, em 8 de maio de 1875, usando a tradução italiana de Marchesi. Auguste Vianesi conduziu a performance, que contou com Ernesto Nicolini como Lohengrin, Emma Albani como Elsa, Anna D’Angeri como Ortruda, Maurel como Friedrich e Wladyslaw Seideman como Heinrich. A primeira apresentação da ópera na Austrália ocorreu no Prince of Wales Theatre, em Melbourne, em 18 de agosto de 1877. A Metropolitan Opera montou a ópera pela primeira vez em 7 de novembro de 1883, em italiano, durante a temporada inaugural da companhia. Campanini interpretou o papel-título com Christina Nilsson como Elsa, Emmy Fursch-Madi como Ortrud, Giuseppe Kaschmann como Telramund, Franco Novara como Heinrich e Auguste Vianesi.

Lohengrin foi apresentado pela primeira vez publicamente na França, no Éden-Théâtre, em Paris, em 30 de abril de 1887, em uma tradução para o francês por Charles-Louis-Étienne Nuitter. Conduzido por Charles Lamoureux, a performance estrelou Ernest van Dyck como o herói do título, Fidès Devriès como Elsa, Marthe Duvivier como Ortrud, Emil Blauwaert como Telramund e Félix-Adolphe Couturier como Heinrich. Houve, no entanto, uma performance francesa de 1881, dada como um benefício, no salão Cercle de la Méditerranée de Nice, organizado por Sophie Cruvelli, na qual ela assumiu o papel de Elsa. A ópera recebeu sua estréia canadense na casa de ópera de Vancouver em 9 de fevereiro de 1891, com Emma Juch como Elsa. O Palais Garnier encenou o trabalho pela primeira vez no dia 16 de setembro seguinte com van Dyck como Lohengrin, Rose Caron como Elsa, Caroline Fiérens-Peters como Ortrude, Maurice Renaud como Telramund,

A primeira apresentação da ópera em Chicago ocorreu no Auditorium Building (agora parte da Roosevelt University) em 9 de novembro de 1891. Realizada em italiano, a produção estrelou Jean de Reszke como a heroína do título, Emma Eames como Elsa e Édouard de Reszke como Heinrich.

Lohengrin foi apresentado pela primeira vez como parte do Festival de Bayreuth em 1894, em uma produção dirigida pela viúva do compositor Cosima Wagner e contou com Willi Birrenkoven, Ernst van Dyck, Emil Gerhäuser alternando como Lohengrin, Lillian Nordica como Elsa, Marie Brema como Ortude, Demeter Popovic como Telramund e foi conduzido por Felix Mottl. Recebeu 6 apresentações em sua primeira temporada na ópera que Wagner construiu para a apresentação de seus trabalhos.

Um desempenho típico tem uma duração de cerca de 3 horas e 30 minutos a 3 horas e 50 minutos.

Voos famoso musical
Lohengrin é uma ópera que faz grande uso do leitmotiv, confirmando o início da tradição wagneriana iniciada por Der fliegende Holländer. Não há divisão da ópera em “números” (árias, duetos, trios, etc.). No entanto, passagens famosas incluem o prelúdio do terceiro ato e o célebre coro nupcial que o segue (Treulich geführt), amplamente usado nas cerimônias de casamento contemporâneas.

Funções
Segundo a concepção de Wagner, o papel de Lohengrin é assumido por um teor, enquanto o de Elsa de Brabant é o de um soprano. Friedrich de Telramund é um barítono e sua esposa Ortrud é assumida por um mezzo-soprano. O rei Henrique I é um baixo, assim como seu arauto. Os quatro nobres de Brabant são uma mistura de tenores e baixos, enquanto as quatro damas de honra são uma mistura de sopranos e contralto. Gottfried, irmão de Elsa, fica calado no trabalho. Também está presente no trabalho um coral composto pelas pessoas de Brabant que observam a trama.

Teatro Municipal de São Paulo
O Teatro Municipal de São Paulo é um teatro em São Paulo, Brasil, um dos teatros mais importantes do Brasil e um dos cartões postais da cidade de São Paulo. Localizada no centro da cidade, na Praça Ramos de Azevedo, foi inaugurada em 1911 para atender ao desejo da elite paulista da época, que desejava que a cidade atendesse aos grandes centros culturais.

O Theatro Municipal de São Paulo foi construído na cidade após as grandes aspirações cosmopolitas do início do século XX. Em 27 de maio de 2011, o Theatro foi transferido da Secretaria de Cultura da cidade para se tornar uma fundação pública, que dirige os notórios grupos artísticos: Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, Coro Lírico Municipal de São Paulo, Balé da Cidade de São Paulo, Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo, Coral Paulistano Mário de Andrade, Orquestra Experimental de Repertório, Escola Municipal de Música de São Paulo e Escola de Dança de São Paulo. A Fundação também administra os locais: Theatro Municipal de São Paulo, Central Técnica do Theatro Municipal e Praça das Artes.

Tags: