Parque Guell, Barcelona, ​​Espanha

O Parque Güell é um grande jardim com elementos arquitetônicos localizado na parte alta de Barcelona, ​​nas encostas do monte Carmelo com vista para o mar, não muito longe de Tibidabo. Foi projetado pelo arquiteto Antoni Gaudí, o maior expoente do modernismo catalão, construído entre 1900 e 1914 e inaugurado como parque público em 1926. Possui uma área de 17,18 hectares (0,1718 km²), o que o torna um dos maiores arquitetônicos trabalha no sul da Europa. Em 1984, a UNESCO declarou o Parque Güell um Patrimônio Mundial.

O Parque Güell é um reflexo da plenitude artística de Gaudí: pertence ao seu estágio naturalista (primeira década do século 20), período em que o arquiteto aperfeiçoou seu estilo pessoal, por meio da inspiração nas formas orgânicas da natureza, às quais colocou em prática toda uma série de novas soluções estruturais originadas em sua análise profunda da geometria governada. A isso o artista catalão agrega grande liberdade criativa e uma imaginativa criação ornamental: partindo de um certo estilo barroco, suas obras adquirem grande riqueza estrutural, de formas e volumes desprovidos de rigidez racionalista ou de qualquer pré-clássico. No Parque Güell Gaudí exibiu todo o seu gênio arquitetônico e colocou em prática muitas de suas soluções estruturais inovadoras que seriam emblemáticas de seu estilo organicista e culminariam na Sagrada Família.

O parque foi concebido por Güell e Gaudí como um complexo estruturado onde, em um cenário incomparável de belezas naturais, estariam localizadas casas de alto padrão, com todos os avanços tecnológicos da época para proporcionar o máximo conforto e acabamentos de alta qualidade. qualidade artística. Da mesma forma, conceberam um conjunto impregnado de forte simbolismo, pois procuraram sintetizar nos elementos comuns do parque muitos dos ideais, tanto políticos como religiosos, partilhados pelo patrono e arquitecto: assim, os conceitos do catalanismo político são perceptíveis no o conjunto – sobretudo na escada de acesso, onde estão representados os Países Catalães – e a religião católica – No monumento ao Calvário, originalmente concebido como capela. O elemento mitológico também é importante: aparentemente,

Por outro lado, inúmeros especialistas têm querido ver no parque uma série de referências de signos variados, devido à complexa iconografia aplicada por Gaudí a todo o projeto urbano, referências que vão da pretensão política à exaltação religiosa, passando pela mitologia, história ou filosofia. Especificamente, muitos estudiosos pretendem ver referências à Maçonaria, fato improvável devido às profundas crenças religiosas de Gaudí e do conde Güell e, em qualquer caso, não comprovado por nenhuma evidência objetiva em toda a historiografia do arquiteto modernista. A multiplicidade de símbolos desenvolvidos no Parque Güell é, como já foi dito, político e religioso, em todo o caso com um certo carácter misterioso devido ao gosto da época pelos enigmas e enigmas.

Descrição
O parque possui uma área de 17,18 hectares. É um terreno Devoniano, formado por camadas de ardósia e calcário. Gaudí sempre buscou uma integração perfeita de suas obras com a natureza e este parque é um exemplo perfeito disso. No seu design os elementos naturais e arquitetônicos são aglutinados de forma otimizada, sem ângulos retos, tudo se resolve com formas onduladas.

Quando Gaudí assumiu o projeto, a área estava desmatada – como indicava o nome “Serra da Pelada” -, por isso mandou plantar uma nova vegetação, para a qual escolheu espécies autóctones do Mediterrâneo, as que melhor se adaptaram ao terreno: pinheiro, alfarroba , azinheira, carvalho, sobreiro, eucalipto, palmeira, cipreste, oliveira, figo, amêndoa, ameixa, mimosa, aroeira, hera, maquia, carvalho Kermes, vassoura, esteva, alecrim, tomilho, lavanda, sálvia, louro, etc. .

Gaudí concebeu o parque com um sentido religioso além de orgânico e urbanístico, pois aproveitou os desníveis de 60 metros que a montanha possui – cuja altura varia de 150 a 210 m – para projetar um caminho de elevação espiritual, que o levaria a uma capela no topo – que não foi definitivamente construída – no local que hoje ocupa o monumento ao Calvário (ou Monte das Três Cruzes).

O parque está dividido entre a área monumental – a projetada por Gaudí – e uma área florestal na encosta norte do Monte Carmelo, que tem como elemento mais proeminente a nascente de San Salvador de Horta: de origem remota, é um natural mina de água, situada numa zona de plátanos, carvalhos, freixos e medronheiros. Na parede da fonte encontra-se um painel de cerâmica com a imagem de São Salvador de Horta ajoelhado diante da Virgem com o Menino. O ambiente foi remodelado em 1984 por Joaquim Casamor.

Outros recantos do parque são o miradouro de Joan Sales – dedicado a este escritor -, de onde se tem uma excelente perspetiva de Barcelona, ​​e a praça das Moragas, onde existe um parque infantil e de merendas e uma estela dedicada ao pedagogo Jeroni de Moragas , obra de Rafael Solanic de 1969. Perto desta praça, próximo à entrada da Avenida del Coll del Portell, estão os restos do castelo d’en Frey, uma mansão imponente construída em 1928 pelo arquiteto Xavier Turull e demolida em 1963, dos quais apenas a parede, uma porta e um capitel permanecem.

Entre as espécies vegetais, após a intervenção de Gaudí, as mais plantadas foram as pitosporas e magnólias. Outras espécies presentes no parque são: acanto, oleandro, erva-do-fogo, manjericão, trifólio, alfeneiro, amora, aloe, Arauja, árvore do amor, arrancamoños, caruru rasteiro, Brasera, sino, castanholas, cevada, centranto, cerraja, cerrillo, espinhos pera, morning glory night, durillo, asparagus meadowlark, hawthorn, firethorn, euphorbia, heliotrope, ivy Cape, funcho, jazminorro, Camomila, malva, agrião marítimo, painço negrillo, palm, penizo, pinho carrasco, plumbago, pita, tipuana, tomatillo del diablo, trevo fedorento, tuya, viborera e salsaparrilha.

Na fauna do parque, destacam-se as aves, das quais existem cerca de sessenta espécies registradas. Alguns deles vivem ali o ano todo (pombo, melro, pardal, pintassilgo, garça, tordo, tentilhão, estorninho, chapim, andorinhão, verdete), enquanto outros se instalam temporariamente, principalmente nas estações quentes (andorinha, poupa). O departamento de Parques e jardins de Barcelona incentiva a presença de pássaros com a colocação de ninhos, comedouros e bebedouros.

O parque conta com lojas, bares e serviços, além de áreas para crianças, área para cães, quadras de petanca e patinação e áreas para piquenique.

Design e estilo
O projeto do parque mostra claramente a mão de um arquiteto, e o estilo peculiar de Gaudí é evidente em qualquer elemento, por menor que seja. Existem formas ondulantes, semelhantes a rios de lava, e caminhos cobertos por colunas que têm o formato de árvores ou estalactites. Muitas das superfícies são revestidas com trencadís, peças de cerâmica ou vidro em forma de mosaicos coloridos. Devido à sua localização no meio da cidade e a uma altitude elevada, este parque é um refúgio de paz que contrasta com o barulho e a agitação da capital catalã.

Antoni Gaudí tinha em mente as cidades-jardim inglesas e fez questão de conseguir uma integração perfeita de suas obras na natureza. Prova disso são as colunas de pedras de tamanhos e formatos muito variáveis, que sugerem troncos de árvores, estalactites e cavernas naturais. Os ângulos retos não aparecem em lugar nenhum: as colunas são inclinadas como palmeiras.

O ponto central do parque é constituído por uma imensa praça, cuja orla serve de banco e ondula como uma cobra de cento e cinquenta metros de comprimento. Este banco também é revestido com trencadís feitos de pequenas peças de cerâmica e vidro e é obra de Josep Maria Jujol, colaborador de Gaudí.

A praça é parcialmente sustentada pelo Salão das Cem Colunas, composto por oitenta e seis colunas que lembram estalagmites gigantes em uma caverna. No teto, entre as colunas, encontram-se decorações circulares onde não foram construídas as colunas inicialmente planejadas (deviam ser cem).

A escadaria da entrada principal do parque chega até este local, com degraus dispostos simetricamente em torno da escultura de uma salamandra que se tornou o emblema do jardim. Representa a salamandra alquímica, que simboliza o elemento fogo.

Na entrada principal do parque erguem-se dois edifícios de puro estilo Gaudí, com tectos lisos e curvos, estranhos apêndices e motivos geométricos. À direita está a Casa del Guarda, concebida e projetada por Gaudí como a casa do goleiro do Parque Güell. Os trabalhos de forja são obra de Badia, irmãos.

A Casa del Guarda é um dos poucos exemplos de casa modesta construída por Gaudí. Foi construído entre 1901 e 1903 atendendo aos princípios da utilidade e da simplicidade interior, sem sacrificar, no entanto, uma grande riqueza formal e visual. Ao longo do tempo, a casa teve diferentes utilizações e passou por várias restaurações para acomodar o atual projeto museológico do Museu de História de Barcelona (MUHBA). A exposição “Güell, Gaudí e Barcelona. Expressão de um ideal urbano ”que explica a Casa del Guarda, o Parque Güell e o Barcelona dos tempos do modernismo a partir de três eixos: a casa, o parque e a cidade.

História
O parque deve seu nome a Eusebi Güell, um rico empresário que faz parte de uma influente família burguesa de Barcelona. Homem versátil e de grande cultura, foi escritor, pintor, lingüista, químico e biólogo. Como empresário, ele era proprietário de empresas como El Vapor Vell ou Cementera Asland e tinha participações em outras empresas, como Tabacos de Filipinas, Banco Hispano Colonial ou a Compañía de los Caminos de Hierro del Norte de España. Da mesma forma, ele foi ativo no catalanismo e foi deputado nas Cortes em 1878. Em 1910 foi nomeado conde pelo rei Alfonso XIII. Amigo próximo e patrono de Gaudí, ele o encarregou de muitas das obras do arquiteto modernista, sem interferir em suas decisões artísticas. Para o conde Guell, Gaudi e Park Guell construíram o palácio Guell, as adegas Guell,

Eusebi Güell encarregou Gaudí de planejar uma urbanização para famílias abastadas em uma grande propriedade que ele havia adquirido na área popularmente conhecida como Montanha Descascada. A sua localização era imbatível, num ambiente saudável e com esplêndidas vistas sobre o mar e a Praça de Barcelona. Na urbanização, foram planejados cerca de 60 lotes em formato triangular, com uma complexa rede de caminhos, viadutos e escadas que salvaram a topografia do terreno. As condições de construção eram muito restritivas, pois apenas um sexto do terreno podia ser construído, e a altura e localização das moradias não podiam obstruir a vista para o mar ou privar os vizinhos do sol.

Gaudí respeitou a vegetação existente na antiga propriedade, como alfarrobeiras e oliveiras. Quanto à introdução de novas espécies, optou por plantas mediterrâneas de baixa demanda aquífera. Ele também desenvolveu vários sistemas para capturar e armazenar água dos sistemas de irrigação que aprendera no ambiente rural de sua infância. Desta forma, tanto a vegetação como a gestão dos recursos hídricos ajudaram a prevenir a erosão do solo devido às fortes chuvas do Mediterrâneo, ao mesmo tempo que ajudaram a cobrir as necessidades de água dos habitantes da urbanização.

Modernismo em Barcelona
Quando a construção do Parque Güell começou em 1900, Barcelona era uma metrópole moderna e cosmopolita que baseava sua economia na força de sua indústria e com mais de meio milhão de habitantes. Suas paredes haviam sido demolidas há quase meio século e a nova cidade, o Eixample projetado pelo engenheiro Ildefons Cerdà, havia crescido dramaticamente desde 1860.

A Exposição Universal de 1888 mostrou na Europa e, no resto do mundo, o poder de Barcelona e promoveu a procura de novas linguagens artísticas e representações urbanas. Esta é a razão do sucesso do modernismo, presente no coração do Eixample, e da obra do arquiteto Antoni Gaudí.

Comissão de Güell a Gaudí
A relação entre o industrial e político Eusebi Güell e o arquiteto Antoni Gaudí começou em 1878 quando Güell viu uma vitrine que Gaudí havia projetado para o comerciante de luvas Esteve Comella, na Exposição Universal de Paris. A partir desse momento, ele encomendou ao arquiteto catalão a construção de sua nova casa (o Palau Güell), os móveis da capela do panteão do Palau de Sobrellano, uma adega, uma igreja (a Colônia Güell) e, finalmente, em 1900, Gaudí foi contratado para projetar o Parque Güell.

Güell entendeu, mais do que qualquer um de seus contemporâneos, o significado da arquitetura de Gaudí. A relação que mantinham não era simplesmente a de um artista e um patrono, mas uma verdadeira história de amizade. Por muitos anos a família Güell morou no solar do Parque (hoje uma escola), enquanto Gaudí morou em uma das duas casas ali construídas.

Na vida do empresário, o parque já era considerado um dos grandes atrativos turísticos da cidade de Barcelona. A grande praça costumava ser dedicada a eventos catalães, encontros de sardana e outros eventos cívicos.

A razão do nome Park Güell
O projeto se baseava na construção de uma urbanização para famílias abastadas em uma grande propriedade que ele havia adquirido na área popularmente conhecida como Montanha Nua. A situação era imbatível, num ambiente tranquilo, com esplêndidas vistas sobre o mar e a Praça de Barcelona. Foram planejados cerca de 60 parcelas triangulares, com uma complexa rede de caminhos, viadutos e escadas que salvou a topografia do terreno. A ideia de Güell era recriar condomínios britânicos seletivos e por esta razão ele o chamou de Park Güell em inglês.

As etapas de construção
Em outubro de 1900 o terreno começou a ser nivelado e as obras correram a bom ritmo. Em 4 de janeiro de 1903, um artigo publicado no Anuário da Ordem dos Arquitetos constatou os dois pavilhões da entrada, a escadaria principal, a cerca externa, o abrigo, os viadutos e uma parte da grande esplanada. Em 1907 foram realizados os primeiros eventos na praça principal e a bancada de cerâmica que a rodeia foi concluída em 1914.

O primeiro a adquirir um terreno no Parque foi um amigo de Güell, o advogado Martí Trias i Domènech, que encomendou ao arquitecto Juli Batllevell a construção da sua villa em 1902. No mesmo ano, Josep Pardo i Casanovas, empreiteiro da trabalho, construímos uma casa de show para impulsionar as vendas. Quatro anos depois, Gaudí comprou e decidiu morar com o pai e a sobrinha.

Da urbanização privada ao parque público
A falta de transporte adequado, as complexas condições de venda dos terrenos (por meio de antigos contratos enfiteuticos) e o caráter exclusivo da urbanização inviabilizavam. Na ausência de compradores, as obras foram abandonadas em 1914. Apenas duas das 60 casas planejadas foram construídas. Desta forma, o parque tornou-se um grande jardim privado que Güell cedia para eventos públicos, enquanto passava a figurar nos guias turísticos de Barcelona como um dos locais mais visitados da cidade.

Eusebi Güell morreu em sua casa no Parque Güell em 1918 e seus herdeiros ofereceram o parque à Câmara Municipal de Barcelona, ​​que concordou em comprá-lo na plenária municipal realizada em 26 de maio de 1922. Quatro anos depois, foi inaugurado como parque municipal e o casa da família Güell tornou-se escola pública (Escola Baldiri Reixac) e foi aproveitada a área à esquerda da entrada. a um jardim ornamental para a Câmara Municipal. A associação de Amigos de Gaudí comprou a casa de Gaudí e a transformou, em 1963, em casa-museu em memória do arquiteto. O Parque Güell se tornou um espaço público muito apreciado pelos moradores de Barcelona e um foco de atração turística.

Em 1969 o Parque Güell foi nomeado Monumento Histórico-Artístico Nacional e, em 1984, a UNESCO o incluiu no Patrimônio Mundial “Obras de Antoni Gaudí”. Entre 1987 e 1994 o parque foi restaurado por Elías Torres e José Antonio Martínez Lapeña, com a colaboração de Joan Bassegoda. Ainda está pendente o projeto de adaptação da face norte da serra – que não fazia parte do projeto de Gaudí – especialmente a área florestal, onde fica a nascente de San Salvador de Horta.

Um projecto paralelo ao do Parque Güell e um excelente exemplo de jardim desenhado por Gaudí são os jardins Can Artigas, em La Pobla de Lillet (1905-1907), encomendados pelo industrial têxtil Joan Artigas i Alart. Neste trabalho participaram operadores que trabalharam no Parque Güell, que realizaram um projeto semelhante ao do famoso parque de Barcelona, ​​de forma que as semelhanças estilísticas e estruturais entre as duas obras são evidentes. Assim como no Parque Güell, Gaudí projetou jardins totalmente integrados à natureza, com um conjunto de construções de linhas orgânicas perfeitamente integradas ao ambiente natural.

O Parque
O Parque Güell é o reflexo da plenitude artística de Gaudí, que pertence à sua fase naturalista (primeira década do século XX). Durante este período, o arquiteto aperfeiçoou seu estilo pessoal através da inspiração de formas orgânicas. Ele colocou em prática uma série de novas soluções estruturais baseadas na análise da geometria. A isso, o artista catalão acrescenta liberdade criativa e uma criação criativa e ornamental. Partindo de uma espécie de baroquismo, suas obras adquirem uma riqueza estrutural de formas e volumes, livres da rigidez racional ou de qualquer espécie de premissas clássicas. No projeto do Parque Güell,

Güell e Gaudí conceberam este parque, situado dentro de um parque natural. Eles imaginaram um agrupamento organizado de casas de alta qualidade, enfeitadas com os últimos avanços tecnológicos para garantir o máximo conforto, finalizadas com um toque artístico. Eles também imaginaram uma comunidade fortemente influenciada pelo simbolismo, já que, nos elementos comuns do parque, eles estavam tentando sintetizar muitos dos ideais políticos e religiosos compartilhados pelo patrono e arquiteto: portanto, há conceitos perceptíveis oriundos do catalanismo político – especialmente em a escada de entrada onde estão representados os países catalães – e do catolicismo – o Monumento al Calvario, originalmente concebido para ser uma capela. Os elementos mitológicos são tão importantes: aparentemente Güell e Gaudí ‘

Por outro lado, muitos especialistas têm tentado vincular o parque a vários símbolos, devido à complexa iconografia que Gaudí aplicou ao projeto urbano. Tais referências vão da reivindicação política à exaltação religiosa, passando pela mitologia, história e filosofia. Especificamente, muitos estudos afirmam ver referências à Maçonaria, apesar das profundas crenças religiosas de Gaudí e do conde Güell. Essas referências não foram comprovadas na historiografia do arquiteto moderno. A multiplicidade de símbolos encontrados no Parque Güell está, como mencionado anteriormente, associada a signos políticos e religiosos, com um toque de mistério de acordo com as preferências da época por enigmas e quebra-cabeças.

A entrada
O acesso ao parque apresenta uma estrutura alegórica de grande simbolismo onde, dentro dos parâmetros conceituais compartilhados por Gaudí e o Conde Güell, centrados no catalanismo político e na religião católica, a urbanização se apresenta como uma alegoria que representa o que há de mais alto no mundo terreno e espiritual, com referências tanto ao avanço da indústria e ao desenvolvimento da burguesia como à cultura da tradição clássica greco-romana e, sobretudo e sobretudo, a presença da religião: o acesso ao parque representa a entrada para o Paraíso, ao lugar utópico onde a calma e o bem-estar reinam.

Gaudí colocou a entrada na parte mais baixa da montanha (Calle de Olot), a mais próxima do centro urbano. Como acesso idealizou uma entrada monumental com um par de gazelas mecânicas que se abririam com as duas portas, mas que nunca foi construída. Em seu lugar, foi instalada uma porta de madeira até que, em 1965, foi colocada uma porta de ferro forjado – com modelagem inspirada em folhas de palmeira – que foi transferida para o parque da casa dos Vicens, uma das primeiras obras de Gaudí (1883- 1888). O parque tem outras oito entradas: duas laterais em cada extremidade da Rua Olot, uma na Avenida del Santuário de San José de la Montaña, na descida da Glória, na Avenida del Coll del Portell, na estrada Carmelo, no Can Estrada de Móra e na rua Torrent del Remei.

Em ambos os lados do portão de entrada existem dois pavilhões, que se destinavam um à portaria e outro à administração e manutenção da urbanização, bem como à recepção de visitantes. Junto aos pavilhões nasceu um muro que devia envolver o recinto, embora apenas parcialmente construído. Tem um comprimento de 210 me uma altura variável de 2 a 4 m. É edificado com pedra rústica local e remate em cerâmica, alternando com riscas vermelhas e brancas, e tem medalhões com as inscrições “Parque” e “Güell”. Ao todo são 15 medalhões de cores diferentes, de formato circular e 1,4 m de diâmetro. Tanto a parede quanto os pavilhões foram construídos entre 1900 e 1903.

Na entrada existe um vestíbulo de 400 m² para organizar os acessos ao parque, nas laterais do qual existem duas áreas de serviço em forma de gruta: a da esquerda foi concebida para garagem e armazém, embora atualmente abrigue um bar e banheiros; o da direita servia de abrigo para carruagens. Este último tem uma sala circular com abóbada tórica suportada por uma coluna cónica central, com uma estrutura que lembra as pernas de um elefante; Esta coluna é semelhante à da cripta do mosteiro de Sant Pere de Rodes, possível lugar de inspiração para o arquitecto. Ambas as áreas de serviço têm paredes forradas com cerâmica trincada de cores diferentes, encimadas por ameias.

Os pavilhões
Os pavilhões de entrada são no mais puro estilo de Gaudí, com uma estrutura orgânica que reflete o estudo profundo de Gaudí da natureza. Em alvenaria de pedra local, destacam-se pelas abóbadas hiperbólicas em forma de parabolóide, revestidas a cerâmica de cores vivas. Gaudí utilizou a técnica da abóbada catalã ou “abóbada particionada”, que consistia na superposição de várias camadas de tijolos com argamassa. Algumas das estruturas foram pré-fabricadas e instaladas nos locais correspondentes, com o que Gaudí voltou a antecipar as técnicas construtivas atuais.

O pavilhão da meta mede 14,80 x 7,66 m no solo e tem uma altura de 21 m. É em alvenaria, com revestimento a trincadis nas janelas, cornijas e ameias. O edifício é constituído por dois corpos, um alongado voltado para a rua e outro nas traseiras, que apresenta um alpendre de entrada com coluna de pedra. Tem três pisos: o rés-do-chão é constituído por três vãos com colunas octogonais que suportam arcos parabólicos e dispõe de quatro divisões (hall, sala de jantar, cozinha e sala de estar); os banheiros ficam em mezanino; no segundo andar ficavam os quartos, num total de quatro; e no terceiro andar fica o sótão, coberto por abóbadas hiperbolóides e com dois terraços com ameias.

Nas janelas do sótão, cruzes trencadís com formas empenadas. O edifício é coroado por uma torre com miradouro, com uma cúpula em forma de tampa alargada que se assemelha a um cogumelo – provavelmente um agárico mosca. Na fachada voltada para a rua existem alguns painéis com a inscrição Parque Güell, como na parede da entrada. Para a parte posterior e em ângulo do edifício Gaudí instalou um urinário externo encimado por um cone de trencadis. Hoje, esse prédio abriga o Centro de Interpretação do Parque Güell, dependente do Museu de História de Barcelona.

O pavilhão administrativo tem uma altura de 29 me uma planta de 12,60 x 6,60 m. Tem dois pisos: no inferior existia uma grande sala quadrada que agora se divide em duas salas, mais duas outras salas em forma de abside; daqui começa uma escada curvilínea em cuja seção intermediária estão os banheiros do mezanino; no segundo piso encontra-se uma divisão equivalente à inferior, ladeada por dois terraços ameiados, com remate em cúpula em forma de cogumelo, à semelhança do edifício anterior. Destaca-se neste edifício a torre situada num dos lados, de forma hiperbolóide e revestida a trencadís em xadrez branco e azul. É coroado pela típica cruz gaudiniana com quatro braços, que indica os quatro pontos cardinais. Com 3,8 m de altura, esta cruz foi destruída em 1936 e reconstruída após a Guerra Civil. Em 1952 foi restaurado devido a rachaduras, do arquiteto Adolf Florensa. Este edifício também possui alguns medalhões com as palavras Parque Güell. Hoje é uma livraria e loja de souvenirs.

Os pavilhões combinam pedras rústicas com cerâmicas trencadís, assim como pedaços de sucata: na cúpula do pavilhão da meta as veias do cogumelo são feitas de xícaras de café viradas de cabeça para baixo. Destaca-se também sua forma totalmente orgânica baseada em superfícies empenadas, sem ângulos retos. Devido à sua fantasia formal e cromática, foi sugerido que os pavilhões evocam a história de Hänsel e Gretel, cuja versão operística, de Engelbert Humperdinck, foi encenada no teatro Lyceum em 1901 – ano em que os pavilhões foram construídos -, com tradução por Joan Maragall, amiga de Güell e Gaudí.

Escada
Do hall de entrada existe uma escada que conduz à sala Hipostila – pensada como mercado da urbanização – construída entre 1900 e 1903. Dividida em duas ramificações, tem 45 degraus, em três secções de onze degraus e uma de doze, com comprimento total de 20 me largura de 8,1 m. As paredes que circundam a escada são de forma elíptica, com altura máxima de 5,8 m. São de cerâmica, com placas convexas brancas alternadas e outras placas côncavas de várias cores, com superfície empenada; estas paredes são rematadas por ameias, sobre rústica cornija de pedra que contém floreiras de plantas suspensas. Muitas dessas peças de cerâmica foram desenhadas por Pau Pujol, da fábrica Pujol i Bausis. Em sua área central, abriga três fontes com conjuntos escultóricos, que representam os países catalães:

O primeiro chafariz tem formato trapezoidal, com uma composição naturalística de troncos falsos, estalactites e vegetação por onde a água cai em uma pequena piscina. Sua forma parece evocar um lugar chamado L’Argenteria, no desfiladeiro de Collegats no curso do rio Noguera Pallaresa. Nesta fonte Gaudí colocou um círculo como símbolo do mundo e uma bússola como símbolo do arquiteto.

A segunda fonte tem a forma de medalhão com moldura tórica e contém o brasão da Catalunha e uma cobra, em alusão à medicina – ou então representando a cobra Nejustán que Moisés carregava em seu cajado, rodeada de frutos de eucalipto. Na parte de trás encontra-se uma bancada de trabalho forrada a trencadís brancos, de formato semicircular.

Na terceira fonte existe um dragão ou salamandra de tijolo nu coberto com trencadís coloridos, com 2,4 m de comprimento. Existem diferentes versões de seu significado: pode representar a salamandra alquímica, que simboliza o elemento fogo; a mitológica Python do templo de Delfos; ou o crocodilo que aparece no brasão da cidade de Nîmes, o lugar onde Güell cresceu. Esta figura tornou-se o emblema do jardim e um dos de Barcelona. Uma réplica desta figura encontra-se no Museu de Arte Contemporânea de Madrid desde 1969. Nesta figura encontra-se uma pequena construção em forma de tripé, alusiva à usada pela cartomante de Delfos. No centro deste tripé está uma pedra que poderia representar o onfalos, o “umbigo do mundo” do oráculo de Delfos.

No último lance de escada existe um banco em forma de odeon, situado de forma a receber o sol no inverno e a sombra no verão.

De um lado da escada está a escola CEIP Baldiri Reixac (antiga casa do Conde Güell), enquanto do outro está o Jardim Áustria, projetado na década de 1960 por Lluís Riudor i Carol. O seu nome vem de uma doação de uma árvore feita pelas autoridades daquele país por ocasião da exposição de Viena em Barcelona, ​​realizada em 1977. Em 1981, um cedro comemorativo chamado Raízes da Fraternidade (Wurzeln der Freundschaft) foi plantado aqui. doada pelo vice-governador da província da Styria, Franz Wegart.

Salão hipostilo
Na escadaria encontra-se a “Sala Hipostila” ou Salão das Cem Colunas de 1500 m² – também chamada de “Templo Dórico” – que serve de apoio à praça superior. Com 43 m de comprimento, é de planta quadrada, exceto no lado da escada, onde é recortado nas laterais como chanfros. Construída entre 1908 e 1909, esta sala deveria funcionar como um mercado para o bairro residencial que Gaudí estava criando, mas esta função foi desconsiderada após o fracasso do projeto.

É composto por 86 colunas caneladas, de 6,16 m de altura e 1,20 m de diâmetro, feitas de argamassa e entulho simulando mármore, e revestidas com trencadís, até a altura de 1,80 m. As colunas externas são ligeiramente inclinadas para alcançar um melhor equilíbrio estrutural (entasis). São da ordem dórica, embora com um ábaco octogonal em vez de um quadrado, e um equino circular mas achatado. O teto é feito de abóbadas hemisféricas convexas forradas com trencadís Branco.

Originalmente, esta sala deveria abrigar 90 colunas, mas Gaudí eliminou quatro delas e, no espaço livre deixado no teto, colocou quatro grandes painéis circulares em forma de rosetas, de 3 m de diâmetro, representando as quatro estações do ano. , com desenhos de sóis com 20 pontas, de cores diferentes. Estes são complementados por 14 painéis menores no centro das abóbadas, com um metro de diâmetro, representando o ciclo lunar, com desenhos de redemoinhos, hélices e espirais. Os painéis do teto foram obra de Jujol, colaborador de Gaudí com a imaginação mais criativa, feitos de cerâmica trencadís e resíduos.

O quadrado
O ponto central do parque constitui uma imensa – a natureza – oval quadrada de 2694 m² (86 m de comprimento por 43 m de largura), construída entre 1907 e 1913. De acordo com o plano original, a praça central era para ser um grego teatro, adequado para encontros comunitários e para a realização de eventos culturais e religiosos. No exterior, contém uma cornija coberta de gárgulas em forma de cabeça de leão para drenar a chuva, bem como triglifos e pequenas figuras em forma de gota d’água.

No rebordo exterior, que serve de balcão à escada e à entrada do parque, encontra-se um banco ondulante, com 110 m de comprimento, forrado com pequenas peças de cerâmica e vidro de Josep Maria Jujol, com uma das técnicas preferidas do arquiteto, trencadís. Na outra extremidade, a praça termina numa parede escavada na montanha, que tem o efeito de anfiteatro, sobre a qual existe um passeio de palmeiras fechado na encosta da montanha por uma parede de colunas em forma de palmeira. Nesta parede existiam algumas grutas naturais que hoje são utilizadas como serviços.

O banco rolante é formado por uma sucessão de módulos côncavos e convexos de 1,5 m, com desenho ergonomicamente adaptado ao corpo humano. A base é feita de trencadís brancos e é coroada com uma decoração em cerâmica que lembra colagens dadaístas ou surrealistas, com motivos geralmente abstratos, mas também alguns elementos figurativos, como os signos do zodíaco, estrelas, flores, peixes ou caranguejos. Jujol também incluiu rosas e frases alegóricas em homenagem à Virgem Maria, em catalão e latim, assim como cruzes e a letra J para Jujol. O trencadís foi construído com resíduos, ladrilhos, garrafas e peças de porcelana. Predominam as cores azul, verde e amarelo, que para Gaudí simbolizavam Fé, Esperança e Caridade.

Esta praça não é pavimentada, pois a água que coleta das chuvas é drenada e canalizada pelas colunas que a sustentam e se acumula em um tanque subterrâneo de 1200 m³, para posteriormente ser utilizada na irrigação do parque. Se o tanque ultrapassar determinado limite, o excesso de água é expulso pelo dragão que acolhe o parque. Houve também uma nascente que, devido ao fracasso da urbanização, o conde Güell decidiu em 1913 comercializar a água sob a marca SARVA (sar e va são duas letras em sânscrito, iniciais de Śiva e Viṣṇu, deuses hindus que significam o Todo )

As estradas e viadutos
Gaudí construiu uma série de viadutos para passar pelo parque, largos o suficiente para a passagem de carruagens e com caminhos em arcadas embaixo para a passagem de pedestres. Os caminhos têm uma extensão total de três quilômetros, que fazem a ponte sobre os desníveis da montanha (60 m) e comunicam de maneira ótima o nível inferior com o superior. Existem também alguns pequenos caminhos de pedra que conectam esses viadutos por meio de atalhos, às vezes com escadas. Cada variante da estrada tem uma largura diferente: 10 m para a avenida principal, 5 m para as ruas e 1 a 3 m para as trilhas. Gaudí tentou integrar esses viadutos à montanha da forma mais natural possível, por isso não desobstruiu, mas adaptou as estradas à topografia e acrescentou muros de contenção quando necessário.

Os viadutos são de alvenaria e revestidos com pedra rústica, e possuem soluções estruturais diferenciadas, inspiradas em diferentes estilos arquitetônicos: o inferior (viaduto do Museu ou pont de Baix) em estilo gótico, o médio (viaduto de Algarrobo ou pont. del Mig) Barroco e o superior (viaduto das Jardineras ou Pont de Dalt) Românico. O inferior possui duas fileiras de colunas inclinadas e sua parte superior abriga bancos e floreiras; o do meio tem três fileiras de colunas, as externas também inclinadas, e conta como elemento anedótico o tronco de uma alfarrobeira que Gaudí decidiu preservar (está listada como árvore de interesse local em Barcelona); o superior também possui três fileiras de colunas e casas na estrada uma sucessão de bancos e pilares de 2,81 m de altura encimados por potes contendo pitas.

O caminho principal, denominado del Rosario por ter uma fileira de bolas de pedra em forma de rosário, vai desde a entrada pela estrada do Carmelo até a avenida do Santuário San José de la Montaña, e atravessa a praça central. Tem dez metros de largura e foi construída sobre uma antiga estrada romana que conduzia a San Cugat del Vallés, anteriormente conhecido como Caminho de San Severo. As bolas do rosário são esféricas, com 60 cm de diâmetro, são 150 e originalmente serviam para separar o caminho das carruagens e dos transeuntes. Em 1968 foi colocada na entrada da avenida da avenida San José de la Montaña uma porta com grade de ferro da torre Mateu de Llinars del Vallès, obra cuja autoria é posta em dúvida por Gaudí e seu assistente Francesc Berenguer. que foi demolido em 1962.

Entre a praça do teatro grego e a casa de Larrard está o chamado “Pórtico da Lavadeira”, assim apelidado por uma coluna do tipo cariátide esculpida em forma de lavadeira, embora outros estudiosos vejam na forma desta coluna uma imitação de The Carrier of offerings, uma famosa estatueta egípcia preservada no museu do Louvre. Este pórtico tem a forma de claustro românico – possivelmente inspirado no da Sé Catedral de Elne.-, sustentado por colunas duplas, as exteriores verticais em forma de palmeira e as interiores inclinadas para melhor suportar o peso. A conjunção dessas colunas inclinadas com a parede interna curva – inclinação a partir da inclinação natural do terreno – cria um efeito de onda do mar. Uma segunda seção do pórtico é uma rampa em forma de espiral, com colunas helicoidais. No total, este pórtico tem um comprimento de 83 m. Na entrada do pórtico existe uma porta de ferro em forma de “fígados de bezerro”, segundo uma famosa frase de Salvador Dalí.

calvário
Em um promontório na parte alta do parque, no local anteriormente denominado Turó de les Menes (“morro das Minas”, devido a algumas minas de ferro que existiam no local), a uma altitude de 182 m, Gaudí planejou construir uma capela, que devido ao fracasso da urbanização não foi definitivamente realizada. Esta capela teria 30 m de diâmetro, em forma de lóbulo, como uma flor de seis pétalas, semelhante à cripta da Colonia Güell.

Quando este projeto não foi realizado, Gaudí desenhou em seu lugar uma cruz monumental com a insígnia da Paixão de Jesus: a cruz seria coroada por um J com a coroa de espinhos e a inscrição Aleluia; os pregos da crucificação seriam colocados e as letras gregas alfa e ômega (símbolo do início e do fim) nas extremidades; e abaixo seriam encontrados os instrumentos de tortura do Nazareno (o chicote e a lança de Longinus) e a inscrição Amen. De um esboço que Gaudí deixou, onde colocou uma pessoa ao pé da cruz, pode-se ver que ela teria uma altura de cerca de 10 me uma largura de cerca de 4 m na barra horizontal.

Por fim, no local onde estaria situada a capela, Gaudí construiu um monumento em forma de Calvário com três cruzes. Inspirado pela descoberta de algumas cavernas pré-históricas onde foram encontrados restos fósseis, Gaudí concebeu o Calvário como um monumento megalítico, no estilo dos Talayots da pré-história balear. O monumento tem uma planta circular e duas rampas de escadas, no topo das quais se situam as três cruzes e de onde se tem uma magnífica vista panorâmica de Barcelona. Existem duas cruzes inferiores (1,5 m) e uma superior (1,7 m), uma das quais termina em forma de seta. A orientação das cruzes indica os quatro pontos cardinais e aquele que termina em seta aponta para o céu, o que suscita especulações sobre o seu significado. As cruzes foram destruídas em 1936, no início da Guerra Civil,

Os jardins à volta do Calvario apresentam uma estrutura em socalcos com elementos rochedos. Eles foram projetados por Lluís Riudor i Carol.

Casa-Museu de Gaudí
No terreno do parque, na estrada para Rosário, está a Casa-Museu de Gaudí, residência do arquiteto de 1906 a 1925, poucos meses antes de sua morte, quando se mudou para a oficina da Sagrada Família. Aqui viveu com seu pai, Francesc Gaudí Serra – falecido em 1906 aos 93 anos – e sua sobrinha, Rosa Egea Gaudí – falecida em 1912 com 36 anos. Desenhado por seu ajudante Francesc Berenguer Entre 1904 e 1906, foi construída como casa-modelo para a urbanização, até ser adquirida por Gaudí quando o fracasso do projeto já era visível. É uma cave de três pisos, com dois terraços e rematada por torre alta coroada por cruz e cata-vento, rodeada por um jardim rústico rodeado por muro baixo, onde se destaca uma pérgula com arcos parabólicos revestidos a jasmim. A decoração,

Com a morte do arquiteto foi colocado à venda e o valor destinado às obras da Sagrada Família, conforme testamento deixado por Gaudí. Foi adquirido pelo casal italiano Chiappo Arietti, até que em 1963 foi comprado pela associação Amigos de Gaudí com o objetivo de fundar um museu dedicado ao arquiteto Reus. Em 1992, esta associação doou sua propriedade para o Conselho de Construção do Templo Expiatório da Sagrada Família.

O museu abriga diversos móveis e objetos pessoais de Gaudí, como seu quarto e seu oratório, além de algumas pinturas e esculturas, além de painéis informativos e audiovisuais dedicados ao arquiteto. No hall existe um busto de bronze com a efígie do arquitecto da autoria de Joan Matamala. Entre os móveis destacam-se os originais da casa Calvet, da casa Batlló e da cripta de Colonia Güell. Vários objetos também estão expostos no jardim, como a cruz de quatro braços no portal da propriedade de Miralles, uma cópia de uma escultura da Sagrada Família intitulada Cosmos, uma gárgula em forma de cabeça de leão na cornija da praça do parque ou alguns bares da casa Vicens e da casa Milà.

Tags: