Museu do Fado, Lisboa, Portugal

O Museu do Fado foi inaugurado em 25 de setembro de 1998 e é um museu dedicado ao universo do fado e das guitarras. O museu está localizado no bairro de Alfama, em Lisboa, Portugal.

Este espaço cultural possui uma exposição permanente, um espaço para exposições temporárias, um centro de documentação, uma loja temática, um auditório, um restaurante e a Escola do Museu, onde são ministrados os cursos de violão e viola portuguesa, e onde é possível participar de um seminário para letristas. A escola também oferece uma sala de testes para intérpretes.

Totalmente dedicado ao universo da música urbana de Lisboa, o Museu do Fado abriu suas portas ao público em 25 de setembro de 1998, comemorando o valor excepcional do Fado como um símbolo identificador da cidade de Lisboa, suas raízes profundas na tradição e história cultural do país, seu papel na declaração de identidade cultural e sua importância como fonte de inspiração e comércio intercultural entre pessoas e comunidades.

Desde 2016, o museu disponibiliza, via Internet, um Arquivo Digital de Som com acesso a milhares de registros sonoros desde o início do século XX, através da pesquisa por intérprete e repertório.

História
Desde a sua abertura ao público em 1998, o Museu incorporou itens pertencentes a centenas de intérpretes, autores, compositores, músicos, fabricantes de instrumentos, acadêmicos e pesquisadores, artistas profissionais e amadores: centenas de personalidades que testemunharam e escreveram a história do Fado, e que não hesitaram em ceder o testemunho de seu patrimônio afetivo e memorial para nós, para a construção de um projeto coletivo.

O Museu do Fado presta homenagem a todos eles, investigando, mantendo e promovendo as singularidades desta arte performática, nascida nos bairros históricos de Lisboa. Ao longo dos seus aproximadamente 200 anos de história, o fado foi capaz de absorver várias influências culturais e tecnológicas, traçando um caminho de consagração nas áreas mais distintas e perpetuado durante quase todo o século XX, na proporção exata de sua celebração popular.

Desde a sua criação e durante uma década de atividade, o Museu incorporou um conjunto único de coleções de relevância primordial ao estudo de nosso patrimônio cultural e etnográfico: várias coleções de periódicos, fotos, pôsteres, partituras, instrumentos musicais, fonogramas, roupas e realização de adereços, troféus, medalhas, documentos profissionais, contratos, licenças, cartões profissionais, entre muitos outros testemunhos que coexistiram e / ou criaram o Fado. É um patrimônio essencialmente inatingível e imaterial que todos consideramos efêmero, ilusório, intangível, irrepetível e, portanto, difícil de materializar em outro testemunho que não o da memória individual de cada um de nós.

Como testemunho dessa relação de interdependência entre as peças museológicas materiais e a imaterialidade do patrimônio que elas evocam e documentam, o Museu do Fado – equipamento museológico municipal inteiramente consagrado ao universo do fado – incorporou as valências funcionais inerentes à museologia do patrimônio inatingível desde a sua gênese.

Nesse contexto, o Museu desenvolveu um programa de atividades que inclui exposições temporárias regulares, edições do museu, seminários e oficinas, apresentações editoriais e discográficas, além de atividades de pesquisa científica, incentivando parcerias com instituições de ensino superior e mantendo um diálogo aberto com os titulares. deste conhecimento prático: intérpretes, músicos, autores, compositores ou construtores de instrumentos.

De fato, essa suposição da imaterialidade de nosso objeto museológico – o inatingível universo do fado – tem sido uma suposição central dos desenhos do Museu, estruturada em um diálogo aberto com os protagonistas do universo do fado. Graças à sua arte e talento criativo, o patrimônio imaterial do fado ainda se constrói e se recria, hoje como ontem, nos circuitos de um imenso museu sem paredes que se abre de Lisboa para o mundo.

A EGEAC EM apresentou uma aplicação ao Programa Cultural Operacional para direcionar o Projeto de Recuperação e Valorização do Museu do Fado no último trimestre de 2006. Composta por diferentes componentes de intervenção, esta aplicação teve como objetivo a recuperação da estrutura da cobertura e do revestimento frontal do edifício, a eliminação de barreiras arquitetônicas – possibilitando acessibilidade a visitantes com mobilidade reduzida – aumento das condições de segurança através da instalação de sistemas de TV em circuito fechado e valorização do circuito museológico através do aumento e renovação da exposição permanente do museu. O Projeto de Recuperação e Valorização do Museu do Fado ocorreu em 2008.

Com este aumento e renovação do circuito de exposições, o Museu do Fado ganhou, em 2009, vários prêmios e prêmios, incluindo o Ensaio e Divulgação do Prêmio da Fundação Amália Rodrigues, a Menção Honrosa – Melhor Museu Português da APOM (Associação Portuguesa de Museologia) , e a classificação, pelo Turismo de Portugal, entre os cinco finalistas na categoria “Projeto de Reabilitação Pública”.

Reabilitação
Reaberto ao público em 1998, após uma reforma de sua exposição permanente, o Museu do Fado oferece uma leitura multidisciplinar da história da música urbana de Lisboa desde a sua gênese até o presente. Em exposição, o visitante encontra, juntamente com uma multiplicidade de objetos relacionados à música de Lisboa (instrumentos, troféus, discos, partituras), a famosa pintura “O Fado”, de José Malhoa, além de obras de Rafael Bordalo Pinheiro, Constantino Fernandes , Cândido Costa Pinto, João Rodrigues Vieira, Júlio Pomar, entre outros artistas portugueses.

Um conjunto de postos de consulta interativos que documentam a história do Fado, permite consultar as biografias de centenas de personalidades ligadas ao Fado. Ao longo da rota museológica, o guia de áudio permite ouvir várias dezenas de fados.

Construção
O museu está instalado na “Estação Elevatória de Águas de Alfama”, um dos edifícios mais importantes de equipamentos de Lisboa do século XIX, sendo classificado como um Imóvel de Interesse Municipal. O edifício, obra de Joaquim Pires de Sousa Gomes e Paiva Couceiro, começou a ser construído em 1868. Entre 1974 e 1990, também funcionou como um Centro de Trabalho para o Partido Comunista Português. Entre 1995 e 1998, foi remodelado e ampliado pelos arquitetos João e José Daniel Santa-Rita, para sediar o Museu do Fado e a Guitarra Portuguesa.

Exibição
A exposição permanente do Museu do Fado é uma homenagem ao Fado e aos seus promotores, promovendo a sua história desde Lisboa do século XIX.

O circuito museológico foi desenhado em torno da necessidade de incorporar conteúdos temáticos renovados, desde o despojo museológico recentemente incorporado às construções teóricas sobre o fado trazidas à luz por projetos de pesquisa sob a tutela do museu, ou até mesmo as informações incluídas no arquivo da instituição, que ainda possui não foi concluído até esta data devido a contingências espaciais e a recente evolução do canto urbano de Lisboa, e os estudos subsequentes sobre ele.

Com o objetivo de aumentar significativamente a quantidade e a qualidade das informações oferecidas ao visitante e permitir sua constante atualização e renovação, o discurso museográfico também contemplou um componente multimídia interativo, provocando uma leitura multidisciplinar sobre essa prática performática – viva e dinâmica e, hoje como ontem, estruturado no diálogo sistemático entre tradições do passado, evoluções tecnológicas e processos midiáticos e abordagens das novas gerações.

Ao longo da exposição, os visitantes são convidados a descobrir a história do Fado, desde as suas origens no século XIX até o presente, os principais meios que a música urbana costumava obter cobertura da mídia: teatro, rádio, cinema e televisão – a evolução técnica e histórica do violão português, ambiente do Fado Houses, bem como o retrato biográfico e artístico de centenas de personalidades do Fado.

Além de documentar a biografia de artistas que escreveram e ainda estão escrevendo a história do Fado, a mostra também reflete a relação entre a sociedade portuguesa e o Fado, através de uma importante coleção de obras de artes plásticas.

Nesta exposição, os visitantes podem admirar a obra emblemática “O Fado”, de José Malhoa (1910), cedida temporariamente pelo Museu da Cidade, tríptico “O Marinheiro”, de Constantino Fernandes (1913), cedido pelo Museu do Chiado / IMC ou “O Mais Português dos Quadros a Óleo”, de João Vieira (2005), além de inúmeros outros depoimentos do universo do Fado: instrumentos musicais, jornais e revistas especializados, partituras, troféus, roupas, etc.

No desenvolvimento deste projeto, também demos especial atenção às tecnologias mais adequadas à audição musical, a fim de aumentar a audição e a fruição cultural dos diferentes fados ao longo do circuito museológico. Nesse sentido, o uso de um sistema de guia de áudio em um espaço de exposição relativamente pequeno está ligado à necessidade de equipar o Museu com os instrumentos capazes de cumprir sua função de interpretação, dando ao visitante a possibilidade de conhecer o universo do fado de acordo com seus interesses. e será, sem sofrer constrangimentos pelo tempo ou pressionado por outros visitantes ou grupos.

Paralelamente, as estações de consulta interativa que estão agora disponíveis em todo o circuito museológico – permitindo consultar os órgãos documentais ou as biografias de intérpretes, músicos, autores e compositores acompanhados por voz e videogramas – serão atualizadas sistematicamente.

Organização
Nascido nos contextos populares de Lisboa do século XIX, o Fado esteve presente em momentos de convívio e lazer. Acontecendo espontaneamente, sua execução ocorreu em ambientes fechados ou ao ar livre, em jardins, touradas, retiros, ruas e becos, tabernas, cafés de camareiras e casas de meia-porta. Evocando temas de emergência urbana, cantando as narrativas cotidianas, o Fado está profundamente relacionado aos contextos sociais regidos pela marginalidade e pela transgressão em uma primeira fase, ocorrendo em locais visitados por prostitutas, faias, marinheiros, cocheiros e marialvas. Muitas vezes surpreendidos na prisão, seus atores – os cantores – são descritos na figura da faia, um cantor de fado, um valentão de voz áspera e rouca com tatuagens e habilidoso com uma faca que fala com gíria. Como veremos,

Afirmando a comunhão de espaços lúdicos entre a aristocracia boêmia e as franjas mais desfavorecidas da população lisboeta, a história do fado cristalizou em mito o episódio da relação amorosa entre o Conde Vimioso e Maria Severa Onofriana (1820-1846), prostituta consagrada por os seus talentos de canto, que em breve se transformariam em um dos maiores mitos da História do Fado. Em sucessivas reprises de imagem e som, a alusão ao envolvimento de um aristocrata boêmio com a prostituta cantora de fado cruzaria vários poemas cantados e até o cinema, o teatro ou as artes visuais – começando com o romance A Severa, de Júlio Dantas, publicado em 1901 e transportado para o cinema em 1931 – o primeiro filme sonoro português, dirigido por Leitão de Barros.

O fado também conquistaria terreno em eventos festivos ligados ao calendário popular da cidade, festas de beneficência ou cegadas – apresentações teatrais amadoras e populares, geralmente realizadas por homens na rua, em festas noturnas e associações populares. Embora esse tipo de apresentação fosse uma famosa forma divertida do Carnaval de Lisboa, com apoio popular e muitas vezes com fortes personagens intervenientes, o regulamento da censura em 1927 contribuiria fortemente, mas irreversivelmente, para a extinção desse tipo de espetáculo.

O Teatro de Revista, um gênero típico de teatro de Lisboa nascido em 1851, logo descobriria o potencial do fado. Em 1870, o fado começou a aparecer em suas cenas musicais e a partir daí se projeta para um público mais amplo. O contexto social e cultural de Lisboa, com seus bairros típicos e a boemia, assumiu um protagonismo absoluto no Teatro de Revista. Subindo aos palcos do teatro, o fado animaria a Revista, desenvolvendo novos temas e melodias. O Teatro de Revista foi orquestrado e repleto de refrões. O fado seria cantado por atrizes famosas e renomados cantores de fado, cantando seus repertórios. Duas abordagens diferentes do fado seriam registradas na história: o dado estilizado por Francis e o fado falado de João Villaret. Uma figura central na história do Fado,

O campo de apropriação do fado aumentou no último quartel do século XIX. Este foi o momento da estabilização formal da forma poética da “estrofe de dez versos”, uma quadra composta por quatro estrofes de dez versos cada, nas quais o fado obteria sua estrutura e posteriormente se transformaria em outras variantes. Este é também o período da definição do violão português – progressivamente difundido dos centros urbanos para as áreas rurais do país – em seu componente específico como companheiro de fado.

Nas primeiras décadas do século XX, o fado começou a ser gradualmente divulgado e ganhou consagração popular através da publicação de periódicos sobre o assunto e da consolidação de novos locais de atuação em uma ampla rede que passou a incorporar o Fado em sua agenda com uma perspectiva comercial, fixação de elencos privados que frequentemente formariam embaixadas ou grupos artísticos para passeios. Paralelamente, consolidou-se a relação do Fado com os palcos do teatro e multiplicaram-se as performances de cantores de fado nas cenas e operetas musicais dos Revistas.

De fato, o surgimento de empresas profissionais de fado cantando na década de 1930 permitiu promover shows com grandes elencos e sua circulação nos cinemas norte e sul do país, e até em turnês internacionais. Foi o caso do “Grupo Artístico de Fados”, com Berta Cardoso (1911-1997), Madalena de Melo (1903-1970), Armando Augusto Freire, (1891-1946) Martinho d’Assunção (1914-1992) e João da Mata e “Grupo Artístico de Propaganda do Fado”, com Deonilde Gouveia (1900-1946), Júlio Proença (1901-1970) e Joaquim Campos (1899-1978), ou “Troupe Guitarra de Portugal”, com Ercília Costa (1902 -1985) e Alfredo Marceneiro (1891-1982), entre outros.

Embora os primeiros discos discográficos produzidos em Portugal datem do início do século XX, nesta fase o mercado nacional ainda era muito incipiente, pois era muito caro comprar gramofones e discos. Efetivamente, as condições fundamentais para a gravação de som surgiram após a invenção do microfone elétrico em 1925. Ao mesmo tempo, os gramofones começaram a ser produzidos a preços mais competitivos. E assim foram criadas condições mais favoráveis ​​a esse mercado entre a classe média.

No contexto dos instrumentos de midiatização do Fado, a TSF – telegrafia sem fio – teve uma importância central nas primeiras décadas do século XX. Entre a intensa atividade das emissoras de rádio entre 1925 e 1935, destacamos o CT1AA, o Rádio Clube Português, a Rádio Graça e a Rádio Luso – esta última rapidamente se tornando popular por favorecer o fado. As transmissões da primeira estação de rádio portuguesa, CT1AA, começaram em 1925. Investindo em infra-estruturas técnicas e logísticas que lhe garantiram a expansão do seu alcance de transmissão e a regularidade das transmissões, o CT1AA de Abílio Nunes incorporou o fado nas suas transmissões, conquistando um grande grupo de ouvintes, inclusive na diáspora da emigração portuguesa. Com feeds ao vivo dos Teatros e apresentações musicais ao vivo nos estúdios,

Com o golpe militar de 28 de maio de 1926 e a implementação de censura anterior em shows públicos, a imprensa e outras publicações, a música urbana sofreria profundas mudanças. De fato, no ano seguinte, o Decreto-Lei Número 13 564, de 6 de maio de 1927, regulamentou globalmente as atividades da feira através de extensas cláusulas; defender uma “supervisão superior de todas as casas e mostrar locais ou entretenimento público (…) pela Inspeção Geral de Teatros e seus delegados em nome do Ministério da Instrução Pública” em seus 200 artigos. O fado sofreu mudanças inevitáveis. O instrumento legal regulamentado sobre a atribuição de licenças às empresas que promoveram espetáculos nos locais mais diversificados, direitos de autor, exibição prévia obrigatória de espetáculos e repertórios cantados, regulamentação específica para atribuição de carteira profissional, contratos, e passeios turísticos, entre muitos outros assuntos. Mutações significativas foram impostas aos locais de apresentação, à maneira como os intérpretes se apresentaram e aos repertórios cantados – com qualquer tipo de caráter improvisado -, consolidando um processo de profissionalização de vários intérpretes, instrumentistas, compositores e compositores, que se apresentavam na época. vários locais diante de um público crescente.

A audição de fados gradualmente se tornaria ritualizada nas casas de fado, locais que se concentravam nos bairros históricos da cidade, principalmente no Bairro Alto, principalmente a partir dos anos 1930. Essas transformações na produção de fado necessariamente a afastariam da improvisação, perdendo parte de sua diversidade original de contextos de atuação e impondo a especialização de intérpretes, autores e músicos. Paralelamente, as gravações discográficas e de rádio propuseram uma triagem de vozes e práticas de prática que foram impostas como modelos, limitando assim o improviso.

Na década seguinte, as tendências de revivalismo das chamadas características típicas prevaleceriam definitivamente, levando a uma replicação das mais genuínas e pitorescas nos locais de atuação do fado.

O fado esteve presente no teatro e no rádio desde seus primeiros momentos e o mesmo ocorreria na sétima arte. De facto, o aparecimento de filmes sonoros foi marcado pelo género musical e o cinema português deu especial atenção ao fado. Comprovando, o tema do primeiro filme sonoro português, dirigido por Leitão de Barros em 1931, foram os infortúnios da mítica Severa. Como tema central ou mera nota lateral, o fado acompanhou a produção cinematográfica até a década de 1970. De fato, o cinema português mostrou particular interesse no universo do fado em 1947 com O Fado, História de uma Cantadeira, estrelado por Amália Rodrigues ou em 1963, com O Miúdo da Bica, estrelado por Fernando Farinha. Apesar do protagonismo de Amália Rodrigues, as participações de artistas como Fernando Farinha, Hermínia Silva, Berta Cardoso, Deolinda Rodrigues,

E se a radiodifusão permitisse ir além das barreiras geográficas, levando as vozes do fado a milhares de pessoas, quando a Rádio Televisão Portuguesa foi inaugurada em 1957 – e especialmente quando a transmissão se tornou nacional em meados da década de 1970 – os rostos dos artistas se tornariam conhecido pelo público em geral. Ao recriar ambientes conectados a temas de fado no estudo, a televisão transmitia regularmente, entre 1959 e 1974, com transmissões ao vivo de programas de fado que, sem dúvida, contribuiriam para sua midiatização.

Apreciando a difusão nos palcos do Teatro de Revista desde o último quart do século XIX e a promoção na imprensa especializada desde as primeiras décadas do século XX, o Fado tornou-se progressivamente midiatizado pelo rádio, cinema e televisão. Ganhou grande força entre as décadas de 1940 e 1960, muitas vezes chamadas de anos dourados. O concurso anual Grande Noite do Fado começou em 1953, durando até os dias de hoje. Reunindo centenas de candidatos de várias organizações e associações da cidade, este concurso é tradicionalmente realizado no Coliseu dos Recreios e ainda hoje é um evento importante para a tradição do fado de Lisboa e para a promoção de jovens amadores que tentam elevar-se ao status profissional.

Os expoentes da música nacional estavam na época ligados a uma rede de casas típicas com elencos regulares. Mas agora eles tinham um mercado de trabalho mais amplo, com muitas possibilidades de gravação discográfica, turnês, apresentações no rádio e na televisão. Paralelamente, houve apresentações de cantores de fado no “Serões para Trabalhadores”, eventos culturais transmitidos pela rádio e promovidos pela FNAT desde 1942. Os programas de fado também foram promovidos pelo Secretariado Nacional de Informação, Cultura e Turismo, que se tornou responsável pela censura. , Emissora Nacional e Inspecção Geral dos Espectáculos em 1944. Na década de 1950, a abordagem do regime ao sucesso internacional de Amália Rodrigues reforçou a colagem do regime ao fado, depois de mudá-lo profundamente.

A simplicidade da estrutura melódica do Fado valoriza a interpretação da voz e também sublima os repertórios cantados. Com uma forte inclinação evocativa, a poesia do fado apela à comunhão entre o intérprete, os músicos e os ouvintes. Em quadras ou quadras improvisadas, estrofes de cinco versos, estrofes de seis versos, decassílabos e versos de alexandrina, essa poesia popular evoca temas relacionados a amor, sorte, destino individual e narrativa diária da cidade. Sensível à injustiça social, o Fado ganhou contornos intervencionistas em muitas ocasiões.

E, embora as primeiras letras do Fado fossem na sua maioria anônimas, transmitidas sucessivamente pela tradição oral, isso definitivamente seria revertido em meados da década de 1920, quando surgiram vários poetas populares, como Henrique Rego, João da Mata, Gabriel de Oliveira, Frederico de Brito, Carlos Conde e João Linhares Barbosa, que deram atenção especial ao fado. Nos anos 50, o fado definitivamente cruzaria o caminho da poesia erudita na voz de Amália Rodrigues. Após a contribuição decisiva do compositor Alain Oulman, o fado começou a cantar textos de poetas com formação acadêmica e publicou obras literárias, como David Mourão-Ferreira, Pedro Homem de Mello, José Régio, Luiz de Macedo e depois Alexandre O.Neill, Sidónio Muralha, Leonel Neves e Vasco de Lima Couto, entre muitos outros.

A divulgação internacional do Fado começou em meados da década de 1930. O fado se espalhou pelo continente africano e pelo Brasil, preferindo destinos de artistas como Ercília Costa, Berta Cardoso, Madalena de Melo, Armando Augusto Freire, Martinho d’Assunção e João da Mata, entre outros. No entanto, a internacionalização do fado só se consolidaria na década de 1950, principalmente graças a Amália Rodrigues.

Ultrapassando as barreiras culturais e linguísticas, o Fado se tornaria definitivamente um ícone da cultura nacional da Amália. Durante décadas e até sua morte, em 1999, Amália Rodrigues foi sua estrela nacional e internacional.

A Revolução de abril de 1974 instituiu um Estado democrático em Portugal, fundado no pressuposto da integração das liberdades públicas, no respeito e na garantia dos direitos individuais, com a abertura inerente de uma participação cívica, política e social mais ativa aos cidadãos. Como resultado da sociedade global, as influências da cultura de massa seriam sentidas progressivamente nas décadas seguintes. Este contexto modificou a relação do fado com o mercado português, centrada na música popular com caráter interveniente, absorvendo simultaneamente muitas das formas musicais criadas no exterior.

Nos anos imediatamente após a revolução, a interrupção de dois anos do concurso Grande Noite do Fado e a diminuição radical da presença do fado nas transmissões de rádio ou televisão testemunham a hostilidade em relação ao fado.

De fato, somente quando o regime democrático se estabilizasse, em 1976, o fado recuperaria seu próprio espaço. No ano seguinte, o álbum Um Homem na Cidade foi lançado por um dos maiores nomes da música urbana de Lisboa, uma figura central da internacionalização do fado. Como nenhum outro, o proprietário de uma sólida carreira de 45 anos articulou a tradição de fado mais legítima a uma capacidade interminável de recriá-la.

À medida que o debate ideológico sobre o fado termina gradualmente, foi principalmente a partir da década de 1980 que o fado consenso é reconhecido como uma posição central no cenário do patrimônio musical português. O mercado mostrou um interesse renovado pela música urbana de Lisboa, como atestado pela crescente atenção dada pela indústria discográfica através da reedição dos registros gravados, pela interpretação gradual do fado nos circuitos das festividades populares em escala regional, a progressiva surgimento de uma nova geração de intérpretes e até a aproximação de cantores de outras áreas ao fado como José Mário Branco, Sérgio Godinho, António Variações e Paulo de Carvalho.

Internacionalmente, há também um interesse renovado nas culturas musicais locais. Amália Rodrigues e Carlos do Carmo são notórios entre os nomes mais famosos do fado na indústria fonográfica, na mídia e nos shows.

Nos anos 90, o fado definitivamente consolidaria sua posição nos circuitos internacionais da World Music com Mísia e Cristina Branco, nos circuitos francês e holandês, respectivamente. Outro nome emergente no panorama do Fado.s é Camané. Nos anos 90 e na virada do século, surge uma nova geração de intérpretes talentosos: Mafalda Arnauth, Katia Guerreiro, Maria Ana Bobone, Joana Amendoeira, Ana Moura, Ana Sofia Varela, Pedro Moutinho, Helder Moutinho, Gonçalo Salgueiro, António Zambujo, Miguel Capucho, Rodrigo Costa Félix, Patrícia Rodrigues e Raquel Tavares. No circuito internacional, no entanto, é Mariza quem conquista um protagonismo absoluto, traçando um caminho fulgurante durante o qual ganhou prêmios sucessivos na categoria World Music.

Instalações

Auditório
Com capacidade para 90 lugares, o Auditório do Museu recebe conferências, workshops, shows, além de apresentações editoriais e de gravação.

Salas de Ensaio
O Museu do Fado oferece salas de ensaio para cantores e músicos de fado, mediante marcação prévia.

Loja do Museu
A loja temática do Museu oferece uma ampla oferta de discos, livros, cartões postais, instrumentos musicais, mantos e produtos diversificados sobre o universo do fado e da cidade de Lisboa.

Museu Restaurante
Serviço de cafeteria e restaurante.

Tags: