Mosteiro da Batalha, Portugal

O Mosteiro da Batalha (literalmente o Mosteiro da Batalha), é um convento dominicano no concelho da Batalha, no distrito de Leiria, na Região Centro de Portugal. Originalmente, e oficialmente conhecido, como o Mosteiro de Santa Maria da Vitória, foi erguido em comemoração à Batalha de 1385 de Aljubarrota, e serviria como a igreja funerária do século XV. Dinastia Aviz da realeza portuguesa. É um dos melhores e originais exemplos da arquitectura gótica tardia em Portugal, misturada com o estilo manuelino.

História
O mosteiro foi construído para agradecer a Virgem Maria pela vitória portuguesa sobre os castelhanos na batalha de Aljubarrota em 1385, cumprindo uma promessa do rei D. João I de Portugal. A batalha pôs fim à crise de 1383-85.

Levou mais de um século para ser construído, começando em 1386 e terminando por volta de 1517, abrangendo o reinado de sete reis. Foram necessários os esforços de quinze arquitectos (Mestre das Obras da Batalha), mas para sete deles o título não era mais do que um título honorário conferido a eles. A construção exigiu um enorme esforço, usando recursos extraordinários de homens e materiais. Novas técnicas e estilos artísticos, até então desconhecidos em Portugal, foram implantados.

O trabalho começou em 1386 pelo arquiteto português Afonso Domingues, que continuou até 1402. Ele elaborou o plano, e muitas das estruturas da igreja e do claustro são dele. Seu estilo era essencialmente gótico Rayonnant, no entanto, há influências do período perpendicular Inglês. Há semelhanças com a fachada da York Minster e com a nave e o transepto da Catedral de Canterbury.

Ele foi sucedido por Huguet de 1402 a 1438. Este arquiteto, provavelmente de ascendência catalã, introduziu o estilo gótico flamejante. Isto é manifesto na fachada principal, na cúpula da casa do capítulo quadrado, na Capela do Fundador, na estrutura básica das Capelas Imperfeitas e nas naves norte e leste do claustro principal. Ele elevou a altura da nave para 32,46 m. Alterando as proporções, ele fez o interior da igreja parecer ainda mais estreito. Ele também completou o transepto, mas ele morreu antes que ele pudesse terminar as Capelas Imperfeitas.

Durante o reinado de Afonso V de Portugal, o arquitecto português Fernão de Évora continuou a construção entre 1448 e 1477. Acrescentou o Claustro de Afonso V. Foi sucedido pelo arquitecto Mateus Fernandes, o Velho, no período de 1480-1515. Este mestre do estilo manuelino trabalhou no portal das Capelas Imperfeitas. Juntamente com o famoso Diogo Boitac, ele percebeu o rendilhado das arcadas no Claustro Real. O trabalho no convento continuou no reinado de João III de Portugal com a adição da bela tribuna renascentista (1532) por João de Castilho. A construção parou quando o rei decidiu colocar todos os seus esforços na construção do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.

O terremoto de 1755 causou alguns danos, mas danos muito maiores foram infligidos pelas tropas napoleônicas do marechal Masséna, que saquearam e incendiaram o complexo em 1810 e 1811. Quando os dominicanos foram expulsos do complexo em 1834, a igreja e o convento foram abandonados. e saiu para cair em ruínas.

Em 1840, o rei Fernando II de Portugal iniciou um programa de restauração do convento abandonado e arruinado, salvando esta jóia da arquitetura gótica. A restauração duraria até os primeiros anos do século XX. Um dos últimos arquitetos foi o mestre pedreiro José Patrocínio de Sousa, responsável pela reconstrução do mosteiro. Foi declarado monumento nacional em 1907. Em 1980, o mosteiro foi transformado em museu.

O convento da Batalha foi adicionado em 1983 pela UNESCO à sua lista de sítios do Patrimônio Mundial.

Em 2016, o Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha, tornou-se o Panteão Nacional, sem prejuízo da prática do culto religioso, juntamente com o Mosteiro dos Jerónimos (Lisboa), semelhante ao que aconteceu em 2003 com o Mosteiro de Santa Cruz ( Coimbra) relativo ao original Panteão Nacional de 1836 na Igreja de Santa Engrácia (Lisboa).

No Mosteiro da Batalha estão enterrados D. João I, D. Filipa de Lencastre, D. Henrique, D. João, D. Isabel, D. Fernando, D. Afonso V, D. João II, D. Duarte e também o Soldado desconhecido.

Arquitetura
O convento se destaca de toda a cidade.

A fachada ocidental, de frente para a grande praça com a estátua equestre do general Nuno Álvares Pereira, é dividida em três por contrafortes e grandes pilastras: a Capela do Fundador, a parede lateral de um corredor e o portal de projeção. No lado direito desta fachada estão as Capelas Imperfeitas, uma estrutura octogonal separada adicionada ao complexo.

Do lado leste, ao lado do coro da igreja fica a capela (Sala do Capitulo). O claustro de D. João I faz fronteira com a igreja e esta capela. A estrutura continua no claustro do rei Afonso V (Claustro de D. Afonso V). No lado norte do complexo está o Túmulo dos Guerreiros Desconhecidos.

O portal mostra na arquivolta uma profusão de 78 estátuas, divididas em seis filas, de reis do Antigo Testamento, anjos, profetas e santos, cada um sob um dossel. As projeções de ambos os lados exibem (cópias inferiores de) estátuas dos apóstolos, com uma em pé sobre um diabo encadeado. O tímpano nos mostra Cristo entronizado, sentado sob um dossel e ladeado pelos Quatro Evangelistas, cada um com seu próprio atributo.

Interior
Nave e coro
A igreja é vasta e estreita (22m) em proporção à sua altura (32,4 m). A nave foi elevada à altura atual pelo segundo arquiteto Huguet], alterando as proporções da igreja e dando-lhe seu aspecto atual. Seu interior dá uma impressão sóbria e nua por sua completa falta de ornamentos e estátuas na nave. As abóbadas nervuradas, apoiadas por pilares compostos, são fechadas por pilares ornamentados. A luz entra na igreja através de dez vitrais do clerestório e das altas janelas traceried nas paredes laterais e do transepto e através das duas filas de janelas lanciformes no coro. O coro se estende em transeptos de duas baias e consiste em cinco capelas absidais, com a parte central projetando-se.

A Batalha teve provavelmente o primeiro workshop de vitrais em Portugal. A arte foi introduzida em Portugal por artistas alemães das regiões de Franconia e Nuremberg. As janelas mais antigas datam do final da década de 1430. Mas os vitrais manuelinos, ogivais, no coro datam das décadas de 1520 e 1530 e foram produzidos por mestres portugueses, entre eles Francisco Henriques. Eles representam cenas da vida de Cristo e Maria: a Visitação, a Epifania, a Fuga para o Egito e a Ressurreição de Cristo.

O arquiteto Mateus Fernandes e sua esposa estão enterrados sob uma laje de mármore perto do portal. O túmulo do cavaleiro Martim Gonçalves de Maçada, que salvou a vida do rei durante a batalha de Aljubarrota, pode ser encontrado perto da Capela do Fundador.

Capela dos Fundadores
A capela dos Fundadores (Capela do Fundador) foi construída entre 1426 e 1434 pelo arquiteto Huguet, sob as ordens do rei João I, para se tornar o primeiro panteão real em Portugal. Dá uma síntese perfeita entre o estilo gótico flamboyant e o estilo perpendicular inglês, como Philippa de Lancaster trouxe alguns arquitetos ingleses. A capela é composta por três baías nocturnas e um octógono central, apoiado por oito pilares, adornados com cravos, suportando arcos profundamente empinados.

O túmulo conjunto do rei João I de Portugal (d.1433) e sua esposa Filipa de Lancaster (d.1415) está sob a abóbada de estrela do octógono. Suas estátuas estão em toda a regalia, com as mãos entrelaçadas (expressando as boas relações entre Portugal e Inglaterra) e as cabeças descansando em um travesseiro, sob baldquins elaboradamente ornamentados. Os brasões das Casas de Aviz e Lancaster são colocados em cima desses baldachins, junto com a insígnia da ordem da Jarreteira. Na capa do túmulo estão inscritos em repetição os lemas do rei Por bem (Para o melhor) e da rainha Yl me plet (estou satisfeito).

Este octógono é cercado por um ambulatório com abóbada complexa. Na parede sul, há uma fileira de arcos rebaixados com os túmulos dos quatro filhos mais novos de João I, junto com seus cônjuges. Da esquerda para a direita: Ferdinando, o Príncipe Sagrado (solteiro, morreu prisioneiro em Fez em 1443, seus restos mortais foram posteriormente recuperados e traduzidos aqui em 1473), João de Reguengos, o condestável de Portugal (d.1442) com sua esposa Isabella de Barcelos (d.1466), Henrique, o Navegador (sob um dossel, d.1460, solteiro), e Pedro de Coimbra (regente de Afonso V, 1438-1448, que foi morto na Batalha de Alfarrobeira em 1449 , seus restos só foram traduzidos aqui em 1456) com sua esposa Isabella de Urgell (d.1459).

Os três túmulos na parede oeste são cópias dos túmulos originais do rei Afonso V (r.1438-1481), João II (r.1481-1495) (vazio porque os soldados de Masséna jogaram fora os ossos) e seu filho e herdeiro, o príncipe Afonso (que morreu em um acidente aos dezessete anos, pré-matando seu pai).

Capelas inacabadas
As Capelas Imperfeitas permanecem como testemunho do facto de o mosteiro nunca ter terminado. Eles formam uma estrutura octogonal separada, pregada no coro da igreja (por meio de um retrochoir) e acessível apenas pelo lado de fora. Foi encomendado em 1437 pelo rei Eduardo de Portugal (“Dom Duarte”, d.1438) como um segundo mausoléu real para si e seus descendentes. Mas ele e sua rainha Eleanor de Aragão são os únicos enterrados aqui (Eleanor morreu no exílio em Toledo em 1445, seus restos foram traduzidos apenas aqui em 1456).

O desenho original, iniciado por Huguet, foi alterado por arquitetos sucessivos, especialmente Mateus Fernandes (que está enterrado dentro da igreja). A rotunda octogonal tem sete capelas hexagonais radiantes. Nos cantos das capelas estão os enormes suportes inacabados, destinados a apoiar o cofre. Estes pilares, desenhados por Diogo Boitac, são decorados com motivos manuelinos esculpidos em pedra.

O portal sobe para um monumental de quinze metros. Foi originalmente construído em estilo gótico, mas foi transformado para além do reconhecimento por Mateus Fernandes em uma obra-prima do estilo manuelino (concluída em 1509). Está completamente decorado com um traçado de motivos manuelinos suntuosos e estilizados: armilares, esferas, anjos alados, cordas, círculos, troncos de árvores, arcos em forma de trevo e projeções floridas. Esta homenagem do Rei Manuel I ao seu antecessor, o Rei Eduardo, menciona o seu lema Leauté faray tam yaserei (serei sempre leal). Este lema é então repetido mais de duzentas vezes nos arcos, abóbadas e pilares das capelas.

A loggia renascentista, acrescentada por volta de 1533, provavelmente era destinada a músicos. É atribuído ao arquitecto João de Castilho.

Chapterhouse
O Chapterhouse (Português: Sala do Capitulo) lembra os visitantes da razão militar para a sua fundação: duas sentinelas guardam os túmulos de dois soldados desconhecidos mortos na Primeira Guerra Mundial.

Este quarto quadrado é especialmente notável pelo seu cofre de estrelas sem um suporte central e que ocupa um espaço de 19 metros quadrados. Esse era um conceito tão ousado na época em que prisioneiros condenados eram usados ​​para realizar a tarefa. Foi concluído após duas tentativas fracassadas. Quando os últimos andaimes foram removidos, diz-se que Huguet passou a noite sob o cofre para silenciar seus críticos.

A janela renascentista de vitral na parede nascente data de 1508. Representa cenas da Paixão e é atribuída aos pintores portugueses Mestre João e Francisco Henriques.

Claustro Real
O Claustro Real (Claustro Real) é um claustro que não fazia parte do projeto original. Foi construído sob o arquiteto Fernão de Évora entre 1448 e 1477. Sua aparência exterior sóbria contrasta com o estilo gótico Flamboyant da igreja. A decoração de rendilhado esculpido em estilo gótico (incluindo quatrefoils, fleurs-de-lis e rosettes) por Huguet no ambulatório forma uma combinação bem sucedida com o estilo manuelino nas telas de arcada, acrescentado mais tarde por Mateus Fernandes. Dois padrões diferentes se alternam, um com a cruz da Ordem de Cristo, o outro com os armilares.

Os colonnettes, que suportam essas intrincadas telas de arcada, são decorados com motivos em espiral, armilares, flores de lótus, ramos de sarça, pérolas e conchas e vegetação exótica.

Lavabo
Situado no canto noroeste do Claustro Real, este trabalho de Mateus Fernandes é de uma beleza e harmonia difícil de descrever. Consiste em uma fonte e duas bacias menores acima. O todo é banhado por um brilho dourado que entra pelo intrincado traçado dos arcos ao redor.

Claustro do Rei Afonso
Este claustro sóbrio ao lado do Claustro Real foi construído em estilo gótico convencional com arcos de pontas duplas. Foi construído na segunda metade do século XV pelo arquitecto Fernão de Évora. Está em contraste com a extravagância manuelina do Claustro Real um pouco maior. Os pilares do cofre guardam o brasão de D. Duarte I e Afonso V.

Gótico de Avis
No exterior, o Mosteiro também denuncia a intervenção de duas obras. O portal sul do templo, claramente desenhado por Afonso Domingues, denuncia essa simplicidade de processos. Este portal, aliás, é importante pelo que revela no seu apego às linhas “portuguesas”: dois contrafortes esguios (proporções que lembram o pequeno e simples portal lateral da Igreja de Santiago do Cacém), encaixam-se num espaço de quatro arquivoltas decoradas por relevos repetitivos em séries de arquitetos cegos. As colunatas são equipadas com capitéis com decoração vegetal em “dois andares”. O espelho da porta é trilobado, com filetes que se cruzam. Quase certamente de acabamento posterior é o gablete triangular, muito agudo, a superfície superior decorada por cogulhos e a cara, a actual heráldica (conchas de Philippa e John I, encimadas pelo reino de conchas, todas com dosséis como tampando).

Mas para o trabalho de Huguet também foi necessário traçar a generalidade dos frontispícios que trazem consigo uma nova linguagem arquitetônica, outra gótica.

Na verdade, não há dúvida de que o Mosteiro da Batalha virá a assumir como um testemunho do poder real e da autonomia de um reino. Sabe-se como era necessário impor, por meio de tratamento legal e diplomático, o direito do rei João I ao trono. Sabe-se também da oposição dos meios-irmãos de D. João e da sua sobrinha D. Beatriz às suas pretensões; e sabe-se até que ponto as relações com o reino vizinho eram problemáticas. O fato de que o rei João I mandou construir um panteão para si e para sua família é um sinal desse misticismo dinástico sem precedentes. O Mosteiro da Batalha foi um projecto para legitimar uma nova dinastia, a dinastia de Avis: daí a dimensão do trabalho – sinal de capacidade financeira e poder de realização.

De facto, o Mosteiro da Batalha difere do resto da arquitectura portuguesa e destaca-se no cenário artístico nacional com o seu sinal de mudança. A decoração, acabamento e acabamento, além da opção final das obras, já de acordo com esquemas do que foi chamado final gótico, são os seus principais elementos distintivos. Alguns aspectos que distinguem esta nova forma de gótico português da primeira dinastia são fáceis de enunciar, uma vez que, em geral, o tratamento plástico e ornamental do exterior do edifício tem valiosas indicações sobre o que se tornaria, a partir daqui, a orientação do arquitetura da fase pós-batalha.

A atenção imediata é dada imediatamente à decoração das superfícies. Vale a pena destacar a marcação “horizontal” das fachadas por padrões de solavancos (cornijas ou lacrimais), percorrendo todo o edifício; o enchimento de todas as vãos – janelas, fendas – por traços de recorte flamejante – como na grande janela frontal que substitui a rosácea usual. Vale a pena destacar como as paredes (ou mesmo os contrafortes) são animadas pelo jogo do chiaroscuro de frisos de redes de fogo – por exemplo, os relevos de alfiz ou a vidraça, os grilhões dos terraços e os pináculos floridos. Há também outros novos fatores: a simplificação estrutural das elevações; a complexidade dos suportes, dos pilares às colunas – que se tornam cada vez mais finas e finas, aparecendo finas colunas e paus; o dimensionamento das armações em elevação apresentando agora perfis muito variados em relação ao respectivo recorte e sua reticulação; Nestes, a aparência do arco contra-curvado; o achatamento das abóbadas e o aparecimento de complexos sistemas de veias, desdobrando o número de chaves e terços (como nas abóbadas em forma de estrela); a disseminação da decoração vegetalista, mas apenas em pontos concentrados (como as capitais); o retorno à figuração alegórica e narrativa (também em áreas concentradas); a exposição da arquitetura como arquitetura, ou sua abstração, sendo suporte domiciliar ou tema estrutural tratado como se fosse uma realidade em si, uma espécie de forma cristalina e mineral, e, sobretudo, a dramática acentuação do uso da heráldica.

Isso é chamado de gótico final, significando por isso significar um período em que os vários modos de construção são regionalizados, independentemente de os arquitetos em questão serem de origem alogênica. Eles obedecem a ordens determinadas pelas vontades políticas locais, exploram novos meios no estaleiro onde são chamados a trabalhar e se libertam dos cânones mais comuns do gótico internacional, muitas vezes chamados de “clássicos”.

Quanto à importância da heráldica, sabe-se que a disciplina do armamento português é certamente o fruto da ação do rei D. João I, por razões que também dizem respeito ao exercício do poder, à sua centralização e ao apelo a si próprio (e ao House of Avis) de um esboço de poder concentrado, que atendia às necessidades de legitimação. A importância dada à heráldica no Mosteiro da Batalha (uma heráldica extremamente regulada, isto é, executada por preceito e sem concessões a qualquer tipo de inconsistência de código) é, portanto, o ponto de partida para um protagonismo simbólico do brasonário em obras posteriores, sendo visível no exterior do edifício (portal sul e portal axial) ou outras áreas de acabamento posterior.

Tags: